Feeds:
Posts
Comentários

A CAIXA PRETA DA EDUCAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

No Estado de São Paulo, considerado o mais rico do Brasil, mas não necessariamente o mais desenvolvido, existe uma situação que é absurdamente incompatível com condição de desenvolvimento de qualquer Estado: o sucateamento da educação escolar pública, que funciona com mais de 43% do seu efetivo de professores na condição de TEMPORÁRIOS.

Desde 1974 (Lei nº 500, 13/11/74) a Secretaria de Estado da Educação contrata professores temporários como uma alternativa à realização de concurso público. O que foi criado em uma realidade autoritária, no espírito da ditadura para resolver uma situação transitória, tornou-se uma forma de economizar com a folha de pagamento.

Naquela época, em que havia mais de 30% de analfabetos no Estado e para ser professor era preciso apenas ter completado o Colegial na modalidade Magistério, existia uma falta de pessoal para lecionar em sala de aula e para organizar a administração das escolas. Era muito comum o professor efetivo ser colocado na condição de diretor de escola e para cobrir sua vaga não era possível fazer um concurso público, já que o professor que ocupava a direção não deixou de ser professor. Assim, criou-se a possibilidade de contratação temporária de servidores:

I- para o exercício de função -atividade correspondente a função de serviço público de natureza permanente;

II – para o desempenho de função -atividade de natureza técnica, mediante contrato bilateral, por prazo certo e determinado;

III – para a execução de determinada obra, serviços de campo ou trabalhos rurais, todos de natureza transitória, ou ainda, a critério da Administração, para execução de serviços decorrentes de convênios.

Como a legislação considerou a necessidade permanente (professores ACT, hoje chamados OFA), o Estado criou um sistema no qual esses professores gozariam da maioria dos direitos dos efetivos, com exceção da licença prêmio e da incorporação de gratificações ao salário.

Muitos anos se passaram, e o que correu por baixo da ponte? Além do esgoto (progressão continuada, redução da carga horária de disciplinas mais criticas, pedagogia do amor), houve uma redução significativa da quantidade de concursos públicos, que para piorar a situação deixaram de ser regionalizados.

Com a falta de concursos e a permanência dessa situação, passados esses anos muitos dos professores ACT se aposentaram pelo Estado de São Paulo, sem jamais terem sido aprovados em um concurso público (o que é inconstitucional), em condição precária, se comparada a dos efetivos.

Nesse sentido, com a vitória nas eleições presidenciais do grupo que sempre foi antagônico aos Donos do Poder no Estado de São Paulo, o Governo Federal e Ministério da Previdência se interessaram por essa questão (não que estivessem preocupados com os professores) ao mesmo tempo em que o Governo do Estado criava mecanismos para dificultar a aposentadoria dos temporários. Todos estavam de olho nos mais de 100 mil professores que contribuíam para o fundo previdenciário do Estado, mas que se aposentariam com os recursos dele, já que mesmo mantendo benefícios integrais, teriam como fonte de recursos o INSS.

Para o Governo Federal isso representaria mais de 100 mil novos contribuintes ao INSS. Para o Governo de São Paulo, isso representava a solução definitiva para barrar a aposentadoria desses servidores.

Mas, havia um problema: o que fazer com esses professores que contribuíram para o fundo previdenciário do Estado mas que se aposentariam pelo INSS? Repassar suas contribuições ao INSS? Indenizá-los pelo FGTS não recolhido?

Depois de muitos estudos o Estado de São Paulo finalmente encontrou a SUA solução em 2007. Instituiu um novo fundo previdenciário (SISPREV), aumentando o valor da contribuição dos efetivos para compensar as contribuições dos temporários, agora destinadas ao INSS.

E daí?

E daí que dentro do Pacotão da Secretaria de Estado da Educação, concretizado com as Leis complementares nº 1093 e 1094, de 17 de julho de 2009, tudo mudou.

Tudo se resume ao fatídico 02 de julho de 2007. Quem estava vinculado como OFA ao Estado nesse dia é considerado “Professor OFA categoria F”. Quem não tinha vínculo nessa época, mas lecionou como OFA até o dia 16 de julho de 2009 é considerado “Professor OFA categoria L”. Quem entrou no Estado como OFA depois de 17 de julho de ano é considerado “Professor Contratado pela Lei 1093”, dentro das categorias O, S, V… e sabe-se lá mais o que.

E daí?

OS PROFESSORES QUE JÁ SÃO EFETIVOS DO ESTADO podem solicitar a redução de carga para uma jornada mínima de 10 aulas e 2 Htpc, com ou sem a possibilidade de carga suplementar. Isso facilitará as suas pretensões de remoção. Como são efetivos, têm a prioridade na escolha dos saldos das aulas remanescentes, para composição de sua jornada suplementar.

OS PROFESSORES QUE FOREM APROVADOS NOS CONCURSOS PÚBLICOS, da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo, terão que fazer um curso de formação de professores, de 360 horas distribuídas em uma jornada de 20 horas semanais durantes quatro meses. Nesse período, não entrarão em sala de aula e terão uma formação continuada intensiva em no período que escolher, recebendo como salário apenas 75% do valor da jornada de 20 horas. Esse curso será regionalizado, mas com gestão direta da Secretaria de Estado da Educação.

PROFESSORES NÃO EFETIVOS (OFA E CANDIDATOS A ADMISSÃO)

Os professores não efetivos foram divididos em categorias diferentes, considerando as leis 1010/07 e 1093/09. Todos são obrigados a  se inscrever para o processo seletivo, a cada ano, em apenas uma única diretoria regional de ensino, nas escolas sede ( professores com aulas atribuídas e professores f em interrupção e exercício) e nas diretorias de ensino (demais professores). Esses professores devem completar sua inscrição, para realização de prova(s) relativas ao processo Seletivo Simplificado, sempre via Internet, no endereço eletrônico da Fundação responsável pela prova (No início foi a VUNESP – http://www.vunesp.com.br). Para essa inscrição, o sistema considera os dados constantes no Cadastro Funcional da Secretaria da Educação, cujas informações permaneceram inalteradas no Formulário de Inscrição, sendo que o docente teve que digitar o CPF para obter o Formulário Personalizado contendo dados pessoais, para então preencher os dados relativos a opção pelo campo de atuação/disciplina em que deseja realizar a(s) prova(s).

O professor/ candidato pôde se inscrever:
1) para o campo de atuação Classe e/ou,
2) para o campo de atuação Aulas, em até 2 (duas) áreas , sendo 1 (uma) disciplina por área:
a) Linguagens e Códigos (Língua Portuguesa, Inglês, Arte e Educação Física);
b) Ciências da Natureza e Matemática (Matemática, Ciências Físicas e Biológicas, Biologia, Física e Química);
c) Ciências Humanas (História, Geografia, Filosofia e Sociologia) e/ou;
d) para o campo de atuação Educação Especial

Como Assim?

Por exemplo, um professor licenciado em Letras Português/Inglês fará sua inscrição para Linguagens e Códigos, mas terá que optar entre uma das duas disciplinas. No entanto, se esse professor tiver pelo menos 160 horas de Filosofia em seu Histórico, até poderia se inscrever também para Ciências Humanas, disciplina Filosofia.

Lembramos que “A Fundação responsável pela prova e a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo não se responsabilizam por solicitação de inscrição não recebida por motivos de inconsistência de dados, de ordem técnica dos computadores, falhas de comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, bem como outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados.” Assim, o preenchimento incorreto do cadastro pode resultar em consequências irreversíveis.

O docente que estiver na condição de readaptado ou afastado a qualquer título, também é obrigado efetuar a sua inscrição, ficando obrigatoriamente classificado, na Diretoria de Ensino à qual estiver jurisdicionada a unidade sede de controle de frequência.

Para entender o que mudou…

PROFESSORES CATEGORIA N e P: São respectivamente aqueles que se tornaram estáveis por estar em exercício na função de professor na ocasião de promulgação da Constituição Federal de 1988 e aqueles que foram contratados pela lei 500/74 e exerceram a atividade docente nessa condição por 10 anos consecutivos, ininterruptos, sem a perda do vínculo funcional, até junho de 2007;

OS PROFESSORES OFA DA CATEGORIA “F” são aqueles admitidos pela lei 500/74 e considerados estáveis pela lei 1010/07. Esses professores mantêm os mesmo direitos que tinham em 2007, até a sua aposentadoria pela Estado e têm direito a jornada de um cargo, que o Estado mudou de 20 para 12 horas (10 aulas+2 Htpc).

Para isso, esses professores DEVERIAM OBRIGATORIAMENTE, fazer sua inscrição e a prova do processo seletivo do Estado até o dia 30 de outubro de 2009. Se não fizessem, o Estado considera que abriram mão do seu direito a essas aulas.

Além disso, os professores dessa categoria que estavam sem aulas atribuídas até o dia 30/10/2009, TIVERAM OBRIGATORIAMENTE COMPARECER À ESCOLA SEDE EM QUE ESTÃO CADASTRADOS PARA REASSUMIR AS SUAS FUNÇÕES DOCENTES, passando a cumprir uma jornada de 12 horas divididas em TODOS OS DIAS DA SEMANA, em atividades de substituição EVENTUAL, sob pena de serem desligados do Estado e perderem os direitos garantidos pela lei 500 (artigo 35).

A partir de 2010 e para os anos seguintes, até que se mude a lei,

OS PROFESSORES CATEGORIA F QUE FORAM APROVADOS EM 2009 NÃO PRECISARÃO MAIS FAZER A PROVA (SALVO A HIPÓTESE DE INTERESSE DO PROFESSOR EM MELHORAR SUA CLASSIFICAÇÃO).

OS PROFESSORES DESSA CATEGORIA QUE FORAM REPROVADOS NO PROCESSO SELETIVO PASSADO E FORAM APROVADOS NA PROVA DE PROMOÇÃO POR MERECIMENTO PODERÃO UTILIZAR A NOTA DESSA PROVA COMO REFERÊNCIA, NÃO PRECISANDO FAZER A PROVA DO PROCESSO SELETIVO.

OS PROFESSORES DA CATEGORIA F QUE FORAM REPROVADOS NO PROCESSO SELETIVO PASSADO E NÃO CONSEGUIRAM NOTA NA PROVA DE PROMOÇÃO POR MERECIMENTO DEVERÃO FAZER A PROVA DO PROCESSO SELETIVO.

Os professores OFA considerados aprovados, seja na prova desse processo seletivo, seja na prova de promoção por merecimento, participarão das atribuições de aula do mês de janeiro, concorrendo ao saldo remanescente dos efetivos, dentro da sua classificação e não precisarão mais fazer essa avaliação, a não ser que queiram melhorar a sua classificação. Esses professores  têm o direito a uma reserva de 12 aulas. Assim se não houver saldo de aulas para eles, o Estado os encaminhará para as escolas para cumprir suas jornadas de 12 horas, sem uma sala de aula definida. Na prática, serão como professores “volantes”, fixos em uma escola e fazendo a função de eventuais.

Lembramos que as provas do processo seletivo são constituídas de 60 perguntas para PEB I e 80 perguntas para PEB II. A determinação legal vigente considera que será considerado aprovado e classificado para concorrer às atribuições somente o professor que conseguir 40 pontos (que correspondem a 50% de acertos na prova). No entanto, numa negociação entre Sindicato, Governo e Tribunal Regional do Trabalho, manteve-se a necessidade dos 40 pontos, mas abriu-se a possibilidade para que professor que tenha acertado pelo menos 40% da prova (24 questões PEB I e 32 questões PEB II) de utilizar o seu tempo de serviço para completar os 40 pontos. Isso quer dizer que o PEB I que acertou menos de 24 ou o PEB II que acertou menos de 32 não passou na prova.

Considerando os professores que acertaram entre 40 e 49% da prova, para saber se será aprovado é preciso calcular quantos pontos faltam e quantos podem ser convertidos em tempo de serviço:

2000 dias trabalhados correspondem a 8 pontos (o mínimo para PEB II com 32 acertos)

1750 dias trabalhados correspondem a 7 pontos (o mínimo para PEB II com 33 acertos)

1500 dias trabalhados correspondem a 6 pontos (o mínimo para PEB II com 34 acertos e para o PEB I com 24 acertos)

1250 dias trabalhados correspondem a 5 pontos (o mínimo para PEB II com 35 acertos e para o PEB I com 25 acertos)

1000 dias trabalhados correspondem a 4 pontos (o mínimo para PEB II com 36 acertos e para o PEB I com 26 acertos)

750 dias trabalhados correspondem a 3 pontos (o mínimo para PEB II com 37 acertos e para o PEB I com 27 acertos)

500 dias trabalhados correspondem a 2 pontos (o mínimo para PEB II com 38 acertos e para o PEB I com 28 acertos)

250 dias trabalhados correspondem a 1 ponto (o mínimo para PEB II com 39 acertos e para o PEB I com 29 acertos)

Se não forem aprovados, SERIAM ELIMINADOS DO PROCESSO SELETIVO E NÃO PODERIAM LECIONAR NA REDE ESTADUAL EM 2010. No entanto, pelo fato de que em algumas disciplinas a quantidade de professores aprovados foi insuficiente para atender às necessidades, o governo editou uma nova regra, que estabelece que os professores aprovados serão classificados em uma primeira lista, dividida em duas categorias: professores F aprovados; demais professores e candidatos.

OS PROFESSORES E CANDIDATOS REPROVADOS FICARIAM EM UMA LISTA DE ESPERA, CLASSIFICADOS EXCLUSIVAMENTE PELA PONTUAÇÃO OBTIDA NA PROVA.

Vale lembrar que apenas os professores da categoria F, independentemente se passaram ou não na prova, têm o direito de exercer uma jornada de 12 horas em alguma escola que o Estado determinar, só que os reprovados não aproveitados na segunda lista podem apenas atuar em atividades de apoio pedagógico, sem poder lecionar. Nesse caso, serão obrigados a fazer novamente essa prova no ano seguinte, até conseguir a aprovação. Se não tiverem a habilitação necessária (diploma superior de licenciatura plena na disciplina), teriam suas 12 horas de apoio pedagógico e terão o prazo de um ano para apresentarem seus diplomas, sob a pena de serem enquadrados na próxima categoria.

OBSERVAÇÃO: O professor da categoria F que pediu dispensa de sua aulas ao longo de algum ano letivo posterior a 2007 está sendo enquadrado pelo Estado na próxima categoria, pois contrariamente a nossa interpretação, o Estado considera como data o início do último período de contratação pela lei 500. (Para resolver isso, só pela via judicial)

OS PROFESSORES OFA DA CATEGORIA “L” são aqueles admitidos pela lei 500/74 entre junho de 2007 e julho de 2009 e hoje são considerados temporários, contratados apenas pelo período do ano letivo, sem registro na carteira de trabalho e sem o recolhimento do FGTS. Serão selecionados entre os que conseguirem notas iguais ou superiores a 5,0 no processo seletivo, para lecionar as aulas que sobrarem da categoria F.

O professor da categoria F que pediu dispensa de sua aulas ao longo de algum ano letivo posterior a 2007 está sendo enquadrado pelo Estado nesta categoria, pois contrariamente a nossa interpretação, o Estado considera como data o início do último período de contratação pela lei 500. (Para resolver isso, só pela via judicial)

Quem for reprovado, estaria automaticamente eliminado do processo e não poderia lecionar, mas com a última mudança feita pela SEE, esses professores reprovados seriam classificados em uma lista de espera, para concorrer ao saldo restantes do processo de atribuição. Até o dezembro de 2011, os professores L mantém os direitos da lei 500 e poderão renovar seus contratos na próxima atribuição, desde que não percam o vínculo e passem nas provas dos processos seletivos. A partir de 2012…. todos passam para a próxima categoria.

OS PROFESSORES CONTRATADOS PELA LEI 1093 – categorias “O”, “V”, “S”, “I” serão os professores OFA que entraram no Estado depois de 16 de julho de 2009. Esses professores serão contratados pelo INSS, apenas para o período do ano letivo, sem registro em carteira ou FGTS e ainda tendo que cumprir um período de 200 dias letivos entre o término de um contrato e a renovação de outro.

Nesse sentido, os professores da categoria O serão os admitidos em atribuições em contratos temporários de substituição aos professores afastados em licenças superiores a 15 dias, por prazo determinado até o fim do ano letivo

Os professores das categorias V,  S e I seriam contratados para substituições de caráter eventual, em uma única escola, mas não está claro como isso será feito.

OS PROFESSORE EVENTUAIS foram oficialmente extintos a partir de dezembro de 2009.

Então, resumindo a história das categorias:

A = Efetivo (Titular de Cargo)

P = Estável

F = Docente ACT – Com aulas em (02/06/07) data da LC 1.010/2007

L = Docente ACT – Aulas após (02/06/07) LC 1.010/2007 e antes de (17/07/09) LC 1.093/2009

O = Docente ACT – Candidato à admissão após (17/07/2009) data da LC 1.093/200

S = Docente Eventual – Vinculado em (02/06/2007) da LC 1.010/2007

I = Docente Eventual – Vinculo após (02/06/07) LC 1.010/2007 e antes de (17/07/09) LC 1.093/2009

V = Docente Eventual – Candidato à admissão após (17/07/2009) data da LC 1.093/2009

R = Readaptado

 

OBSERVAÇÃO1

OS PROFESSORES OFA F QUE OCUPAM FUNÇÕES DE VICE-DIREÇÃO OU COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

Pelos termos da lei 1093, ao não atingir a pontuação mínima e ser reprovado no processo, o professor não poderá assumir saldo de aulas ou participar da atribuição e terá que cumprir apenas as 12 horas.

De acordo com a Lei Complementar 180/78, que regula a Administração de pessoal no serviço público estadual, a função de vice-diretor é um posto de trabalho (Art. 40) e o posto de trabalho será extinto sempre que se tornar desnecessário o desempenho das atividades que lhe forem inerentes (Art. 46).

Assim, ao ser reprovado no processo, o professor categoria F não perde a sua função atividade, mas como não poderá desempenhá-la da maneira necessária, com carga horária maior que 12 horas semanais, o professor F reprovado fica impedido de assumir o posto de vice-direção, coordenação ou qualquer outro suporte pedagógico.

OBSERVAÇÃO 2

NÃO ESTÁ CLARO SE OS ESTUDANTES CONCLUINTES DE CURSO DE LICENCIATURA E OS BACHARÉIS APROVADOS NO PROCESSO CONCORRERÃO ÀS ATRIBUIÇÕES.

Anualmente, as diretorias regionais de ensino divulgam um calendário e orientações para que esses estudantes e bacharéis participem do processo, concorrendo sempre à rapa do tacho.

1.073 Respostas

  1. Prezado professor,

    Sou portadora de diploma licenciatura em ciências (ensino fundamental) e estou inscrita na DE de São Vicente/SP. Atuo como professora eventual em tres escolas na cidade de Praia Grande/SP.

    Com esses novos critérios, como vai ficar a minha siuação?

    Pelo que entendí, no próximo ano não poderei mais atuar como professora eventual e também não poderei participar do concurso para atribuição de aulas, que é apenas para quem tem licenciatura plena.

    Não tenho condições financeiras para fazer a licenciatura plena, e preciso trabalhar para sustentar meus dois filhos.

    Pergunto: O meu diploma foi invalidado? Estou sendo EXCLUÍDA, sem ao menos ter um tempo e ajuda para me adequar aos novos critérios?

    Por favor, se tiver alguma infomação a respeito, ficarei mui agradecida.


  2. em 8 agosto 2009 às 14:36 Moisés dos Santos Ferreira

    eu sou professor, e gostária de saber a Apeosp vai lutar pelos direitos dos professores e tentar lutar contra essa prova seletiva pois eu acredito que os professores novos no estado não vão ter seu emprego garantido, e não vão poder eventuar.


  3. em 8 agosto 2009 às 20:16 professortemporario

    Professora Giovana
    Todos os professores que hoje são eventuais devem se inscrever para o processo seletivo para professores OFA e para o Concurso Público que o Estado diz que abrirá.
    Tudo dependerá do seu desempenho nessas provas…


  4. em 8 agosto 2009 às 20:19 professortemporario

    A Apeoesp tentou.
    Mas, essa medida não é uma resolução da Secretaria de Educação. è uma lei, que foi aprovada na Assembleia Legislativa. Portanto, como lei, a situação está definida.


  5. em 11 agosto 2009 às 14:06 Carlos Osmar Alegria

    Tenho uma sobrinha que em 2007 lecionou filosofia como tecnóloga, pois ela tem o diploma de serviços sociais. Em 2007 ela concluiu o curso de arte, já com o diploma registrado pelo Mec. Ela continuou dando aulas, só que em 2009 ela foi dispensada, pois não consegiu nada na atribuição. No entanto, logo em seguida aproximadamente 15 dias ela já pegou novamente aula em uma nova atribuição. Pergunta. Quais as garantias para ela. Ela pertencerá à acategoria l ou f. Aguardo respostas.


  6. em 11 agosto 2009 às 15:17 Carlos Osmar Alegria

    Em tempo. Onde se lê, lecionou filosofia, leia-se sociologia.


  7. em 11 agosto 2009 às 18:00 professortemporario

    Conforme já esclarecemos, quem estava lecionando no Estado como OFA em junho de 2007, mesmo que hoje não lecione na rede ou tenha saído em julho de 2007, se enquadra na categoria F e tem direito às 12 horas (desde que preste a prova). Se aprovada no processo seletivo e possuir diploma de licenciatura, participará das atribuições dentro da sua classificação e se não conseguir algum saldo de aulas, ficará como professor volante em uma escola que a diretoria designar. Se reprovada no processo seletivo, ou não tiver o diploma de licenciatura, será desgnada para cumprir 12 horas em atividades de apoio em uma escola designada pela diretoria.


  8. Estamos “FERRADOS”


  9. em 12 agosto 2009 às 21:25 Marcia Aguina

    Lecionei no estado como OFA e eventual em 1999 e 2000 depois fui morar no exterior e retornei este ano. Em junho, a diretoria de ensino de minha região abriu cadastro para professores. Fiz o cadastro, meu nome saiu publicado no DO e hoje 12/08 houve atribuição de aulas, mas fui informada que não poderia participar por que eu não tinha nenhuma portaria aberta este ano e eles não poderiam abrir portaria neste momento mesmo que as aulas sobrassem, só puderam concorrer às aulas os professores que já possuíam a portaria. Gostaria de confirmar se essa informação é correta, ou se eu ainda posso tentar dar aulas como eventual. Grata.


  10. em 13 agosto 2009 às 18:30 professortemporario

    Professora Márcia
    Em primeiro lugar, é preciso saber sobre esse seu cadatro. Se ele foi feito como OFA, seu nome deve constar na classificação de professores OFA publicada em 06/03/09, conforme o link: http://atribuicaoaula.edunet.sp.gov.br/atribuicaoaulas/ofa/menuOFAS.asp

    Nesse caso, você seria professora OFA e poderia participar de qualquer atribuição de aulas em nível unidade escolar ou diretoria de ensino, independentemente de portaria.

    Mas, se você fez seu cadstro para professora eventual e ainda não tinha portaria aberta, a informação está correta, pois nenhuma Escola poderá abrir portaria para professor eventual, pois essa categoria está oficialmente extinta, desde a publicação da lei 1093/09


  11. em 14 agosto 2009 às 08:55 Marcia Aguina

    Eu fiz o cadastro em junho de 2009 para aulas , quando a DE abriu novo cadastro e o nome saiu publicado dia 16/07/2009.


  12. em 14 agosto 2009 às 08:56 Marcia Aguina

    Apertei o enter pensando que mudaria de linha, mas fiz um outro comentário. Gostaria de agradecer pela atenção. Tenha um bom dia.


  13. em 14 agosto 2009 às 12:23 professortemporario

    Professora Márcia
    No seu caso, como seu nome foi incluído oficialmente no cadastro de professores OFA, você se enquadra na categoria “L”.
    Você não pode assumir aulas como eventual, pois não tema chamada portaria, mas pode concorrer às atribuições de aula nas unidades escolares de sua diretoria de ensino, na área do conhecimento de seu cadastro e dentro de sua classificação.


  14. em 15 agosto 2009 às 00:24 Marco Antonio

    Quem tem licenciatura curta vai poder participar do processo seletivo e do concurso público?


  15. em 15 agosto 2009 às 13:37 professortemporario

    Acreditamos que quem não tem diploma de licenciatura plena não poderá participar do processo seletivo de OFAs e muito menos do concurso público anunciado para esse segundo semestre. No entanto, existem diversas universidades que oferecem a complementação pedagógica para essa licenciatura plena, em até seis meses.

    A regras nesse caso considera possuir o diploma na data da posse do cargo, no caso do concurso, e do início da atribuição, no caso dos OFAs.


  16. em 16 agosto 2009 às 01:19 Marco Antonio

    Professor,

    Obrigado pela sua atenção, mas ainda preciso de sua ajuda.

    Poderia me informar o nome de algumas dessas universidades? Moro na Baixada Santista e minha licenciatura é em Ciências.


  17. Olá Professor, gostaria de uma informação. Eu dei aulas nas escolas públicas de minha cidade até Setembro de 2006. Desde essa data não lecionei mais. Eu pertenço a qual categoria? “Professor Contratado pela Lei 1093″?
    Gostaria de saber se vou poder participar do processo seletivo para atribuição de aulas no ano de 2010.
    Muito obrigada


  18. em 18 agosto 2009 às 22:28 professortemporario

    Professora Laura
    Qualquer pessoa que tenha diploma de licenciatura pode participar do processo seletivo de professores temporários do Estado de São Paulo, independentemente de ter ou não lecionado nessa rede.

    Pela regra do Estado, você se enquadraria na situação de contratada pela 1093, mas como você tem tempo de serviço na rede estadual anterior á mudança do regime previdenciário, isso cabe discussão.
    Você deve entrar com um requerimento por escrito na diretoria de ensino onde trabalhou da última vez e solicitar esclarecimento sobre sua situação. A resposta que a Diretoria de Ensino der servirá como argumento em um eventual processo contra o Estado.


  19. Olá!
    Gostaria de entender melhor a categoria L
    Esse ano, quem faz parte dessa categoria?????
    De que forma o professor enquadrado nessa categoria pode trabalhar nesse ano letivo?
    Estive afastada do Estado por 2 anos, desde 2007, quando pedi dispensa para atuar em escola municipal. Eu posso participar de atribuições esse ano????


  20. em 19 agosto 2009 às 21:56 professortemporario

    Profesora Cássia
    Basicamente, os professores da categoria “L” recolhem suas contribuições previdenciárias para o INSS e não podem se aposentar pelo Estado. Diferentemente da categoria “F”, que são professores que estavam na rede em junho de 2007 e por isso são considerados “estaveis”, os professores “L” estão na mesma situação que os demais contratados pela lei 1093, com a diferença denão precisar cumprir o gancho de 200 dias letivos entre dois contratos até 2011.


  21. em 20 agosto 2009 às 11:53 Nelson Soares Lorga

    Bom Dia, Gostaria que V.Sas me orientassem, estou no começo do 2º ano de Geografia ( Turma de Agosto/09 ) com Licenciatura Plena, como eu posso dar aula no Estado de SP, moro na capital, eu entraria como? Como professor eventual ?, Como professor temporário? , se tem outra categoria? , este ano vai sair alguma coisa para estas categorias de professores?

    Um Grande Abraço a todos Vcs e fiquem com Deus

    Nelson.


  22. em 20 agosto 2009 às 19:22 professortemporario

    Nelson
    Desde a publicação da lei 1093/09, a categoria professor eventual está extinta e não mais será aberto cadastro para esse tipo de docência. Como o prazo para que as redes públicas de ensino se enquadrem na “década da educação”, prevista pela LDB de 1996 termina no fim deste ano, a partir de 2010 (pelo menos é o que está valendo até agora…) nenhuma rede pública poderá colocar em sala de aula professor que não tenha sido formado com diploma de licenciatura.
    Assim, no caso dos que ainda não se formaram, recomendamos que procurem as prefeituras, pois muitas oferecem bolsas de estágio na função de auxiliar docente, para atividades pedagógicas de apoio.


  23. em 20 agosto 2009 às 21:10 Maria Abadia

    Olá!
    Em 2007, infelizmente estava sem vínculo no Estado e só consegui aulas no dia 20/06. Só tomei conhecimento da proporção catastrófica desta lei no ano seguinte quando todos começaram comentar sobre ela.
    Estou indignada, pois ninguém nos informou sobre esta lei a qual me enquadro no momento. Até mesmo na internet não conseguimos encontrar muitas explicações, mas o que gostaria mesmo de saber é se não existe alguma maneira de reverter esta situação já que tenho 18 anos completos de magistério e sei que existem muitos outros professores nesta mesma situação.
    Será que não existe uma abertura nesta lei? Estamos sendo muito prejudicados, pois quem estava com aulas de reforço permaneceu na categoria “F” e quem estava sem vínculo, como no meu caso passa a ser categori “L”?
    Se tiverem alguma informação, agradecerei muito se puderem compartilhar.


  24. em 21 agosto 2009 às 12:45 Nelson Soares Lorga

    Muito Obrigado a V.Sas pelas informações tão importantes que me deram.

    Um abraço a vcs todos de todo coração, e fiquem com Deus.

    Nelson.


  25. em 21 agosto 2009 às 13:21 professortemporario

    Professora Maria Abadia
    Recomendamos aos professores OFA que lecionaram no Estado alguma vez antes de junho de 2007 e que foram enquadrados na categoria “L” que procurem um advogado em entrem com um processo na justiça, pois a razão para se considerar os professores OFA da categoria “F” como estáveis é que esses docentes contribuíram para o fundo previdenciário do Estado. A referência ao mês de junho de 2007 é utilizada porque naquela época o Estado separou os novos professores OFA contratados da contribuição para o fundo estadual e aumentou a contribuição dos efetivos.
    Assim, como no seu caso, houve contribuição ao fundo do Estado, não tem sentido que seu enquadramento seja “L” apanas por não estar exercício no mês de juno de 2007.


  26. em 21 agosto 2009 às 20:30 Fabio Marques Guimarães

    Olá!
    Sou professor de Geografia e iniciei a lecionar em 16/03/2007, portanto como categoria “F” (PEB I). Porém, no ano seguinte (2008) já estava formado e resolvi “arrumar” a minha documentação junto a escola que peguei aula, mas me explicaram que essa atualização iria fazer eu mudar de categoria (para categoria “L”), mas mesmo assim mudei.
    Pois bem, Estou com aulas atualmente, e gostaria de saber se:
    * Vou receber até janeiro de 2010?
    *Pela Lei, posso ser ainda considerado categoria “F”?

    Grato!

    Prof. Fabio


  27. em 21 agosto 2009 às 20:54 professortemporario

    Professor Fábio
    Por lei você pertence à categoria “F”, já que cumpre o requisito de estar em exercício na data estipulada. Nesse caso, você deve entrar com um requerimento por escrito e em duas vias protocoladas na sua diretoria de ensino e contar sua história e solicitar esclarecimentos sobre qual seria sua situação. Acreditamos que você não terá problemas, pois mesmo tendo mudado de categoria, isso aconteceu antes da lei 1094/09. (Talvez o único problema seja que sua categoria “F” se refere à atuação como PEB I e sua habilitação é para PEB II. Na dúvida, mantenha-se como OFA PEB I e preste o concurso para PEB II)
    Caso você tenha uma resposta negativa da diretoria, não se desespere. O requerimento citado e o texto da lei 1094 são mais que suficientes para se requerer o seu reconhecimento pela justiça.

    Mas, no que se refere ao seu salário, aparentemente a grande maldade da 1093 é estabelecer o contrato pelo período letivo, o que significa que você será dispensado no final do ano no seu contrato OFA “L”. Mesmo assim, o Estado é obrigado a pagar uma indenização trabalhista de recisão de contrato.


  28. Por favor, me esclareça uma dúvida , trabalhei por 19 anos no estado era categoria F , em agosto de 2007 pedi meu desligamento pois fui trabalhar na prefeitura, não trabalhei em 2008 no estado e retornei a rede estadual agora em 2009 ,pegando aulas no inicio do ano, passei para categoria L , e os meus anos de contribuição não valeram para nada??Faço jus ao quinquênios, como fica minha situação tenho chance de recorrer na justiça para ser enquadrada na Categoria F , na categoria L , tenho direito a quais beneficios???Por que professor categoria L não pode ser Vice e nem PCP???
    Obrigada. Marileuse


  29. em 21 agosto 2009 às 22:39 professortemporario

    Professora Marileuse
    Pela sua descrição, você será enquadrada na categoria “F”, pois estava em exercício em junho de 2007. Recomendamos que siga as mesmas orientações que passamos ao professor Fábio, neste mesmo forum de discussão.

    Talvez uma coisa não tenha ficado clara: a categoria “L” é apenas transitória. Depois de 2011 todos os professores enquadrados nessa categoria passarão automaticamente para a condição de contratado pela lei 1093. A única diferença que existe entre “L” e 1093 hoje é que os professores da primeira não são obrigados a cumprir o ganchode 200 dias letivos entre dois contratos. Apenas isso.

    Depois de 2011 haverá apenas quatro possibilidades:
    1) efetivo e concursado;
    2) estavel;
    3) OFA “F”;
    (todos com os direitos trabalhistas e reconhecimento profissional muito semelhantes)
    4) Contratados pela 1093(Sem direito à falta abonada e vinculado ao INSS)


  30. Oi! Boa noite!
    Tenho uma duvida e se possível gostaria de ter uma resposta, sou professor na rede desde março de 2008, quando participei de atribuição, desde então, sempre tenho aulas atribuidas, no entanto ainda sou aluno e me formo no ano que vem, eu serei categoria l ? ou não, serei da 1093 e terei o gancho de 200 dias ? e outra pergunta, os professores da categoria l participarão das atribuições antes dos da 1093, ou eles participarão juntos ?
    muito obrigado!!!


  31. em 23 agosto 2009 às 10:20 Parabéns para os Efetivos

    Já era de se esperar por tal resolução do governo que serra tudo, até quem quer trabalhar e substituir aqueles que vivem adoecidos, e ganhando em cima dos acts e eventuais.
    Fumo no **** dos acts e eventuais, que se não mobilizarem, contra essa resolução, que SERRA os direitos de quem ainda gostava de ser professor(a).
    Quero ver, alias…já estou vendo…a educação começou com o “Dignissimo Senhor Mario Covas”, que em tempos passados, começou com o fim da educação! Claro que o “indice” de analfabetos no estado de São Paulo diminui, ou seja FOI CAMUFLADO.
    Sei muito bem as intenções da APEOESP….!
    Sei muito bem as intenções do Senhor Governador de S.P.,
    que não passará de governador.
    Que Deus ouça minhas preces….pois o Brasil de Cazuza, vai pra *****


  32. em 23 agosto 2009 às 17:48 Wanderson Mendes de Lara

    Atuo como eventual desde março de 2007 sou categoria s gostaria de saber se posso me tornar categoria F.


  33. em 23 agosto 2009 às 18:02 professortemporario

    Vinícius
    Como você está cadastrado e leciona como OFA desde 2008, você se enquadra na categoria “L”. A diferença no seu caso é que a partir da atribuição do ano que vem será cobrado o diploma de licenciatura.

    Acreditamos que o Estado fará uma única classificação de professores OFA “F”, “L” e 1093, sendo que cada categoria terá um tratamento diferente depois da atribuição. Os professores “F” que conseguirem a aprovação e não conseguirem aulas ficarão em uma condição parecida com a de professor volante, vinculado a uma determinada escola e tendo que cumprir nela uma jornada de 12 horas (serão os substitutos dos eventuais)


  34. em 23 agosto 2009 às 18:17 professortemporario

    Embora o foco desta página seja os professores temporários, não podemos generalizar: Evidentemente existem professores efetivos que se aproveitam do sistema e acabam por abusar dos temporários, mas a maioria não faz isso. Do mesmo jeito que existem efetivos descompromissados, existem também OFAs que lecionam nessa condição há muitos anos e também abusam… Antes dessa lei era muito comum ter um saldo de aulas atribuídos por três vezes. uma para o efetivo, que se afastou para a vice-direção, outra para o OFA que se afastou para a coordenação e a última para um outro OFA, com a condição clara de impossibilidade de afastamento (que não exclui a licença médica) E nisso, o Estado pagou três professores ao mesmo tempo e quem lecionou foi um quarto, como eventual.

    Sinceramente, concordamos que faltou mobilização por parte dos OFA durante a discussão dessa lei, mas, do jeito que está e com a obrigação do Estado em abrir o concurso ainda este ano, acreditamos que os professores mais compromissados e capacitados não serão prejudicados, pois tudo dependerá do resultado que tiverem no concurso e no processo seletivo.


  35. em 23 agosto 2009 às 18:28 professortemporario

    Só faz parte da categoria “F” o professor OFA que lecionou como OFA em junho de 2007. Os professores OFA que lecionaram como OFA alguma vez entre agosto de 2007 e junho de 2009 fazem parte da categoria “L”. O professor eventual que nunca lecionou como OFA fará parte da categoria 1093, se aprovado no processo seletivo.


  36. Se eu bem entendi, no meu caso, eu permaneço na categoria l, e terei de participar do processo seletivo, mas pelo fato de não estar formado, os formados passaram em minha frente. E os 200 dias de gancho, eu não terei que cumprir! e isso ??
    grato!


  37. Boa noite,

    Lecionei no estado nos anos 89 e 90 e parei para cuidar dos meus filhos. No final de 2008 realizei a prova do estado na categoria OFA e meu nome está no site descrito por voces em uma das respostas anteriores. Neste ano de 2009 peguei uma licença de Abril até Julho com carteira assinada. Neste segundo semestre, tentei pegar uma classe mas informaram que eu não podia porque não é mais possível abrir uma nova portaria. Gostaria de saber:
    - Sou realmente da categoria L, mesmo tendo carteira assinada?
    - Procede a informação de que não posso mais dar aulas este ano porque não é mais possível abrir novas portarias?
    - Caso possa dar aulas este ano, como devo proceder se a DE informa que não posso?

    Obrigada


  38. em 25 agosto 2009 às 01:22 Suellen de Paula

    Olá…td bem? Sou professora de Educação Física, entrei em exercício no dia 17 de abril de 2008, como eventual. Consegui aula atribuida em agosto de 2008 tendo o vinculo com estado até fevereiro de 2009. Desde o ínicio das aulas( fevereiro 2009) lecionei em uma Escola do Estado como eventual até junho. No dia 17 de agosto consegui aula atribuida em um projeto do Serra em uma escola Tempo Integral, onde estou até hoje, mas segundo a diretora da escola eu vou ter que desistir das aulas pois de acordo com a mesma eu me enquadro na categoria O, isto é verdade? Pois lendo o que vc respondeu aos meus colegas de trabalho eu entendi que eu me enquadro na categoria L e não O. Lhe agradeço desde já. Obrigado pela atenção…Suellen de Paula


  39. em 25 agosto 2009 às 07:45 professortemporario

    Professor Vinícuis
    A classificação na prova não representa atribuição. Um professor da categoria “L” não precisará cumprir o gancho de 200dias até 2011, será classificado pela soma da sua nota na prova com o seu tempo de serviço e só entrará em sala de aula se ao participar da atribuição comprovar a sua habilitação (diploma de licenciatura) Na verdade os formado não passarão na frente dos não formados, mas os não formados não poderão entrar em exercício.


  40. em 25 agosto 2009 às 08:01 professortemporario

    Professora Joseane
    Você é sim da categoria “L”. Na verdade, essa situação só vai ser resolvida depois da realização da prova, pois até aqueles professores que hoje não estão cadastrados no sistema de atribuição, mas que foram OFA em 2008, pertencem a essa categoria. Assim, tudo depende da prova e da nota nela obtida, pois se não for aprovada, a pessoa é automaticamente excluída do processo daquele ano, o que não a impede de tentar de novo no próximo.


  41. em 25 agosto 2009 às 11:12 Luciane Antoniolli

    Oi, tenho Licenciatura Plena em Matemática, iniciei meu trabalho como docente em março de 2009, como professor eventual, em 13/04/2009 comecei a lecionar no projeto de recuperação paralela do estado de São Paulo, minha categoria é “L”, e hoje fiquei sabendo que não poderei mais atribuir as aulas de recuperação paralela, pois entrou em vigor uma nova lei dia 21/08/2009, que nós categoria “L” não poderemos lecionar mais este ano, nem como eventual, quero saber se há veracidade nesta informação, e se entrou em vigor que lei é esta?
    Obrigada!!!


  42. em 25 agosto 2009 às 13:14 professortemporario

    Professora Suellem
    Você se enquadra na categoria “L” e para maiores esclarecimentos, entre com um requerimento por escrito na secretaria de sua escola solicitanto esclarecimentos sobre a sua situação. Como a diretora é obrigada a responder por escrito, ela provavelmente vai se informar melhor na diretoria de ensino.


  43. Olá,
    Obrigada pela resposta, mas com relação a minha pergunta anterior, ainda estou em dúvida nos seguintes pontos:

    - Procede a informação de que não posso mais dar aulas este ano porque não é mais possível abrir novas portarias?
    - Caso possa dar aulas este ano, como devo proceder se a DE informa que não posso?

    Obrigada pela compreenção


  44. em 25 agosto 2009 às 18:08 professortemporario

    Professora Joseane
    Você não poderá lecionar mais como eventual pois ainda não tinha portaria e essa categoria não existe mais. Entretanto, ainda este ano, você poderia concorrer às atribuições como OFA, já que seu nome consta no cadastro de professores OFA.

    Para o ano que vem, sendo aprovada no processo seletivo, você poderá concorrer às atribuições normalmente, dentro da classificação em que estiver, pois o cadastro para o ano que vem não depende do deste ano.


  45. olá!
    Dei aulas de eventual em 2000,2001,2003 no ensino médio.Voltei esse ano em maio como eventual no ensino fundamental;mas não pode ser atribuida aulas de reforço e muito menos classe
    que categoria eu sou?
    grata!


  46. em 25 agosto 2009 às 18:48 professortemporario

    Professora Luciane
    De acordo com a Resolução SE 18

    http://74.125.47.132/search?q=cache:az_8hLIxxe0J:www.dcoeste.com.br/Resolu%25E7%25E3o%2520SE%252018.doc+Resolu%C3%A7%C3%A3o+SE+18,+de+4-3-2009&cd=3&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&client=firefox-a

    as aulas de recuperação paralela só podem ser atribuídas aos:
    professores estáveis,
    OFAs com mais de 10 aulas atribuídas na escola,
    OFA categoria “F” em interrupção de exercício
    candidatos à admissão; nesta ordem

    Entendemos que candidatos à admissão são todos aqueles inscritos e classificados na diretoria de ensino.

    Entretanto, aparentemente a Secretaria de Estado da Educação expediu uma orientação às diretorias de Ensino que informa que os Professores (Cat L) que possuem Portarias de Admissão com data anterior a publicação da Lei Complementar nº 1093/09 (17/07/2009), poderão ter aulas atribuídas, mesmo que tenham sido dispensados no corrente ano. Quantos aos Professores eventuais (Cat. I) com Portaria de Admissão com data anterior à mesma data citada, também poderão continuar ministrando aulas “somente em caráter eventual.


  47. em 25 agosto 2009 às 18:52 professortemporario

    Professora Ana
    Pelas novas regras você se enquadraria na 1093. Teria que prestar a prova, ser aprovada e se conseguisse aulas, ainda teria que cumprir os 200 dias de gancho depois do fim do seu contrato. Mas, você DEVE entrar com uma ação na justiça do trabalho requerendo os seus direitos trabalhistas referentes ao perídodo de 2000 a 2003


  48. Sou professor de Matemática e Ciências, Licenciatura curta,categoria F, como ficará minha situação no proximo ano.Não há faculdades que plenifiquem em 6 meses?


  49. em 26 agosto 2009 às 11:24 Suellen de Paula

    Bom dia!!!

    Existe uma resolução para a divisão destas categorias, em qual site eu encontro os tipos categoria, pois hoje só ouvimos falar destas divisões, mas ninguém sabe onde encontra-las. Desde já agradeço….Muito obrigado


  50. em 26 agosto 2009 às 18:55 Flávia Santana

    Olá,
    fui admitida em abril do ano de 2008 como professora eventual. No mês de setembro do mesmo ano peguei 30 dias de aulas pela atribuição e + aulas de reforço até o final de novembro. Neste ano, fui contratada como eventual em abril. Sou OFA? A minha categoria é L?

    Agradeço antecipadamente!!!!


  51. em 26 agosto 2009 às 20:36 professortemporario

    Professor Gabriel

    Como OFA F você tem direito a uma carga de 12 horas no Estado, dentro ou fora da sala de aula. Mas, sem o diploma de licenciatura, você não poderá lecionar. Assim, acreditamos que até conseguir o diploma você ficará vinculado a uma escola para cumprir as 12 horas em atividades de apoio


  52. em 26 agosto 2009 às 20:39 professortemporario

    Professora Flávia
    Sim, você é OFA “L”


  53. em 27 agosto 2009 às 00:12 Suellen de Paula

    Boa noite,

    Como eu disse acima comecei a lecionar desde o dia 17 de abril de 2008, como eventual. Pela primeira vez eu consegui aula atribuída em agosto de 2008, segundo a diretora eu perdi o vinculo em fevereiro de 2009. Desde o início do ano letivo eu trabalho como eventual, onde foi aberta uma portaria. No retorno das férias de julho consegui aula atribuída no dia 17 agosto de 2009. Ontem fiz o que vc disse, levei um requerimento para diretora responder, e ao responder ele disse que eu me enquadro na categoria O e não na L como vc havia dito. Complicado isto!! Agora me disseram se eu quiser ficar com as aulas atribuídas do dia 17 de agosto, vou ter que assinar um contrato, onde valerá até dezembro. Segundo a supervisora da Diretoria de ensino de Pindamonhangaba SP, se eu assinar este contrato eu continuarei dando aula dadno aula até fianl de dezembro , mas, não poderei mais ir à atribuição no ano que vem e nem se quer dar aula de eventual, resumindo ficarei sem poder dar aula. Mas se eu não assinar o contrato ainda poderei exercer a função de professor eventual até o final do ano. Na verdade não sei o que fazer, estou totalmente desorientada com tantas informações trocadas. Gostaria de saber se vc poderia me orintar sobre o que devo fazer, desde já lhe agradeço, Suellen de Paula


  54. Sou PEBI efetiva da rede estadual e pretento tirar 2 meses de licença-premio em outubro, ou seja, gozar os 60 dias até o ultimo dia letivo de 2009. Quem poderá substituir-me? A direção da escola em que leciono, disse-me que mesmo após a publicação da autorização para gozar essa licença no DO, se não conseguirem nenhum substituto, precisarei declinar desse meu direito. Direito esse, conquistado após 5 anos. Como nunca ouvi isso nesses meus 23 anos de magistério, confesso estar espantada!!!! A publicação em DO com a autorização de minha licença, já me dá a impressão que meu pedido foi deferido. Estou equivocada? Obrigada


  55. Apenas acrescentando…desse bloco de licença-premio, já gozei 30 dias, restando portanto, 60 dias. Obrigada novamente.


  56. em 27 agosto 2009 às 14:59 professortemporario

    Professora Suellen
    Realmente, são muitas informações trocadas e contraditórias. Uma das saídas ao seu problema seria pesquisar no site da Assembleia Legislativa e imprimir o texto integral da lei 1093 e grifar a parte que explica a categoria “L”, para então mostrar à direção e supervisão. Outra, seria procurar um advogado trabalhista, com essa mesma lei, e pedir uma orientação de como exigir isso na justiça, pois, infelizmente, muito do que está previsto nas diversas leis que existem simplesmente é ignorado pelo Estado.


  57. em 27 agosto 2009 às 15:09 professortemporario

    Professora Ângela
    Nós também nunca ouvimos falar de uma diretora de escola que se acha acima do governador, que é teoricamente quem assina o diário oficial. Acreditamos que possivelmente nem a diretoria de ensino tenha ouvido falar disso.

    O que pouca gente sabe é que na Secretaria de Estado da Educação existe uma Ouvidoria, que serve justamente para resolver esse tipo de situação.

    Existem duas opções: 1) Entrar com um processo administrativo contra a referida diretora, alegando que a mesma a está perseguindo e negando um direito já publicado no diário oficial; 2) Fazer uma reclamação à ouvidoria sobre essa profissional e solicitar um esclarecimento sobre isso;


  58. em 27 agosto 2009 às 15:18 professortemporario

    Professora Ângela
    Legalmente, a direção até poderia intervir na data de sua licença, mas para isso teria que justifica essa situação por escrito. Como sua situação já estava encaminhada e a alteração foi consequência dos acontecimentos, se sua licença for indeferida entre com o recurso e também com o processo, alegando caráter pessoal da decisão da diretora.

    Ao que sabemos, essa restrição ocorre porque o sistema de pagamento do Estado não estaria aceitando substituições nas aulas de reposição e segundo orientações de alguns dirigentes, não caberia se quer falta abonada para esses dias, o que consideramos absurdo. Por isso, entre sim com o processo.


  59. em 27 agosto 2009 às 16:38 Sandra Donegatti

    Boa Tarde !

    Professor,

    como o senhor bem deve saber, esta uma confusão de informações sobre este lei do dia 16 de julho, por esse motivo solicito seu auxílio.

    Meu noivo é lecenciado pleno em Matematica, no ano passado fez a provinha de classificação que não valeu nada e o nome dele consta na classificação de professores OFA publicada em 06/03/09, conforme o link: http://atribuicaoaula.edunet.sp.gov.br/atribuicaoaulas/ofa/menuOFAS.asp

    Pela resposta que o Sr. deu para a Professora Marcia, entendi que neste caso ele seria professor OFA e poderia participar de qualquer atribuição de aulas em nível unidade escolar ou diretoria de ensino.

    Porém, as unidades escolares e a diretoria de ensino informou que, quem esta atualmente sem nenhuma aula atribuída, mesmo que conste classificação de professores OFA publicada em 06/03/09, não poderá atribuir.

    Ele teve aulas atribuídas no 1º semestre de recuperação paralela e no momento esta vinculado à uma escola como professor eventual.

    obrigada pela atenção.


  60. Este ano comecei como eventual e em maio peguei 15 aulas q foram atribuídas de uma professora q fora a coordenação porém ela voltou e eu perdi essas aulas um mes depois dia 01 de junho e em seguida peguei aulas de recuperação. Em julho perdi o vinculo pq acabaram as aulas. Agora estou somente como eventual. Gostaria de saber o meu caso como fica?
    Desde já obrigado


  61. em 27 agosto 2009 às 21:27 Daniele Macedo

    Olá, tenho formação em Pedagogia Plena , trabalhei como eventual na prefeitura municipal de São José dos Campos, moro recentemente em São Paulo e gostaria de saber se posso estar prestando o concurso para professor temporário e se há previsão da abertura de inscrição para esse concurso.
    Grata.
    Aguardo retorno


  62. Sou professor categoria OFA F e estou pensando em desistir

    das aulas. Estas aulas são desistências de um prof EFETIVO,

    assim sendo consegui pegá-las na atribuição. Minha per

    gunta é a seguinte: Se eu DESISTIR destas aulas eu saio da

    minha categoria F e vou p L ? se alguém souber responder

    com CERTEZA eu agradeço!!! Valewww! Bjus……..


  63. em 27 agosto 2009 às 23:16 Marina Lopes

    Sou Professora categoria F e quero DESISTIR das minhas

    aulas por livre vontade. Gostaria de saber de permanecerei

    na categoria F ou se cairei pra categoria L. Obrigada.


  64. Olá…sou professora PEB 1 OFA categoria F.
    Tenho apenas o curso de magistério. Vou poder participar da prova .E se passar vou tbm poder participar da atribuição de classe para 2010?


  65. em 28 agosto 2009 às 08:19 professortemporario

    Professora Kiara
    Embora você esteja na categoria F, sem o diploma de licenciatura não poderá entrar em sala de aula a partir de 2010


  66. em 28 agosto 2009 às 08:22 professortemporario

    Professora Marina
    Quem pertence a categoria F só perde essa condição se não fizer a prova do processo seletivo. Até quem nem está cadastrado como OFA esse e lecionou como tal em 2007, ao fazer a prova pertencerá a categoria F. Então, nada do que for feito esse ano fará com que um professor F para a ser L. Se o professor F deixar de fazer a prova ele será excluído de qualquer categora, pois o Estado entende que ele abriu mão do seu direito.


  67. em 28 agosto 2009 às 08:28 professortemporario

    Professora Daniele
    Qualquer pessoa que tenha o diploma de licenciatura plena, como o seu caso em pedagogia, pode prestar essa prova. Para tanto, deverá se inscrever na diretoria de ensino onde pretende lecionar, em data que ainda não foi divulgada pelo Estado.


  68. em 28 agosto 2009 às 08:33 professortemporario

    Professoras Michelle, Sandra e Professor Gilson
    Estamos pesquisando melhor o assunto. Aparentemente, existe uma recomendação dos dirigentes de ensino para não se atribuir aulas aos professores L que perderam o vínculo. Entretanto, aind não encontramos não oficial que justifique essa restrição e muito menos percebemos interpretação da lei 1093 que possa ser usada nesse sentido.

    Assim, para não passar orientações erradas, estamos pesquisando, pois ao que sabemos até agora, essa restrição é ilegal.


  69. em 28 agosto 2009 às 08:46 Sandra Donegatti

    Obrigada pela resposta Professor.

    Aguardamos mais informações sobre sua pesquisa.

    Também estamos pesquisando, porque entendemos que esta restrição é ilegal e, qualquer novidades lhe informaremos também.

    Parabéns pelo trabalho.


  70. em 28 agosto 2009 às 08:58 Marina Lopes

    Obrigada por responder a minha pergunta. Agorinha acabei de sair da minha sede, onde conversei com a secretária. Ela disse q se eu desistir mesmo das aulas eu terei de assinar um terno de desistência….onde certamente eu cairei pra categoria de F pra L e que eu não poderei partcipar da primeira atribuição do ano de 2010…..isso me deixou um tanto confusa, pois acabei de abrir o site e ler sua resposta MARAVILHOSA…….sinceramente…..se vc puder mais uma vez explicar isso ou me encaminhar pra minha D.E…..não sei…..agradeço pela atenção de vcs! Obrigada!


  71. em 28 agosto 2009 às 13:28 Rosangela M. P. Martins

    Olá!
    Me formei no final do ano passado em Licenciatura Plena. Desde o início do ano de 2009 estou como professora eventual na escola do Estado.
    Onde estou são poucos que me informam sobre os meus direitos, sobre o que tenho o não de fazer. Por favor, me explique como saber sobre a minha pontuação, posso ou não ir para as atribuições, em que categoria me enquadro e quero saber também, se tenho direito a receber um salário mínimo por ano, por estar atuando como eventual, pois me informaram que sim.
    Grata,
    Aguardo retorno.


  72. em 28 agosto 2009 às 18:37 Claudia Affonso

    Olá! Boa tarde,
    Tenho uma dúvida: sou categoria “L”, com portaria aberta em 04/2009, possuo licenciatura em Letras e atuo como eventual numa escola no Ipiranga. Gostaria de saber se posso participar de atribuições que acontecerem ainda esse ano. Se posso pegar aulas livres ou de substituição. Quando tiver a provinha de OFA da categoria “F” eu posso participar também? E se eu não passar no concurso, como ficará a minha situação para o ano que vem? Obrigada pela atenção.


  73. em 28 agosto 2009 às 20:59 professortemporario

    Professora Marina
    Até mesmo os professores que estavam em exercício em junho de 2007 e que hoje não estão se quer cadastrados na rede continuam sendo F. A classificação atual, que considera apenas os professores que se cadastraram no final do ano passado e início deste, será toda reformulada depois da realização da prova. Assim, se você desistir das aulas não poderá mais assumir aulas neste ano letivo, mas para o próximo a história é outra.

    A única forma de um professor F perder sua posição é deixar de fazer a prova, pois se fizer e for reprovado ainda sim terá direito a uma carga de 12 horas em atividades de apoio eterá também a obrigação de fazer novamente a prova; até passar.


  74. em 28 agosto 2009 às 21:06 professortemporario

    Professora Rosângela
    Hoje você se enquadraria na categoria professor eventual, que deixará de existir alo final do ano. Pelas regras atuais, você não pode mais abrir uma nova portaria em outra escola.

    Como eventual, você não tem oficialmente um vínculo trabalhista e pela interpretação que o Estado faz da lei, você só tem direito ao valor das aulas ministradas, sem nenhum outro tipo de adicional.

    Para o próximo ano, você e todos os eventuais não poderão mais lecionar no Estado, a não ser que realizem e passem na prova do processo seletivo, que ainda será anunciado. Se conseguir a aprovação, você será enquadrada na categoria 1093 e só poderá lecionar se conseguir assumir aulas na atribuição. Sua pontuação será calculada com base na sua nota na prova e no seu tempo de serviço no Estado.


  75. em 28 agosto 2009 às 21:16 professortemporario

    Respondendo a todos:
    1) Ainda estamos pesquisando sobre se o professor L pode ou não participar das próximas atribuições até o fim do ano. Entendemos que sim, mas estamos procurando argumentos de legislação para que os professores possam se defender melhor;
    2) O processo seletivo de professor temporário será realizado com uma única prova, para cada disciplina. Todos os professores OFA realizarão essa mesma prova, independentemente se são “F”, “L”, ou 1093. A classificação será única, considerando a nota da prova, o tempo de serviço e a titulação do professor. A diferença é que os professores F reprovados receberão uma carga de 12 horas em atividades de apoio, em escolas definidas pela diretoria de ensino onde estão vinculados. Os categoria F que não conseguirem aulas, serão designados para alguma escola da diretoria, onde terão de cumprir uma jornada de 12 horas como “professores volantes”. Os categoria L (somente os aprovados) poderão assumuir aulas como OFA sem precisar cumprir o gancho de 200 dias, mas estarão vinculados ao INSS. Os 1093, cumprem o gancho e também ficam no INSS;
    3) De acordo com a portaria DRHU nº 2 de 20/01/2009, as escolas devem priorizar a composição da carga básica e suplementar dos efetivos em detrimento dos OFA, seguindo a ordem inversa da classificação dos mesmos. Assim, se dois professores OFA tem aulas livres em uma escola e um professor efetivo é removido para lá, o professor OFA de menor classificação perde aulas para esse efetivo;


  76. em 28 agosto 2009 às 22:02 professortemporario

    Lei 1093/09
    O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO:

    Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei complementar:

    Artigo 1º – A contratação por tempo determinado de que trata o inciso X do artigo 115 da Constituição Estadual, para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público, será formalizada mediante contrato e nas seguintes hipóteses:

    I – urgência e inadiabilidade de atendimento de situação que possa comprometer ou ocasionar prejuízo à saúde ou à segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou particulares;

    II – necessidade de pessoal em área de prestação de serviços essenciais, em decorrência de:

    a) dispensa, demissão, exoneração, falecimento e aposentadoria;

    b) criação de novas unidades ou ampliação das já existentes;

    c) afastamentos que a lei considere como de efetivo exercício;

    d) licença para tratamento de saúde;

    III – necessidade justificada de execução de função eventual, transitória e determinada:

    a) relativa à consecução de projetos de informatização;

    b) de natureza técnica nas áreas de pesquisa científica, tecnológica, educacional e cultural;

    c) de natureza técnica especializada, no âmbito de projetos implementados mediante contratos de financiamento externo e acordos de cooperação internacional, desenvolvidos sob a subordinação de órgão público estadual;

    IV – para suprir atividade docente da rede de ensino público estadual, que poderá ser feita nas hipóteses previstas no inciso II deste artigo e, ainda, quando:

    a) o número reduzido de aulas não justificar a criação de cargo correspondente;

    b) houver saldo de aulas disponíveis, até o provimento do cargo correspondente;

    c) ocorrer impedimento do responsável pela regência de classe ou magistério das aulas.

    Parágrafo único – Observado o disposto no artigo 5º desta lei complementar, a contratação somente será celebrada, nas hipóteses previstas nas alíneas a e b do inciso II deste artigo, se estiver em trâmite, conforme o caso, processo para a realização de concurso público ou para a criação de cargos.

    Artigo 2º – A contratação nos termos desta lei complementar será celebrada, em cada área, pelo respectivo Secretário de Estado, pelo Procurador Geral do Estado, ou pelo Dirigente da Autarquia, que poderão delegar a competência para a prática do ato, e:

    I – dependerá de autorização do Governador;

    II – será precedida de processo seletivo simplificado, submetido às condições estabelecidas em regulamento próprio elaborado pela Secretaria de Gestão Pública, por intermédio do órgão central de recursos humanos;

    III – deverá ser objeto de ampla divulgação.

    Parágrafo único – Na hipótese referida no inciso I do artigo 1º desta lei complementar, o processo seletivo poderá ser apenas classificatório, de acordo com os requisitos previstos no respectivo edital.

    Artigo 3º – Quando houver empate, a classificação resolver-se-á favoravelmente ao candidato que tiver pela ordem:

    I – em relação à atividade a ser desempenhada:

    a) escolaridade mais compatível;

    b) maior tempo de experiência;

    II – maior grau de escolaridade;

    III – maiores encargos de família.

    Parágrafo único – Quando algum candidato, dentre os empatados na ordem de classificação, tiver idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, dar-se-á preferência ao de maior idade, nos termos da Lei federal nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 – Estatuto do Idoso.

    Artigo 4º – Para ser contratado, o candidato deverá preencher as seguintes condições:

    I – estar em gozo de boa saúde física e mental;

    II – não ser portador de deficiência incompatível com o exercício da atividade a ser desempenhada;

    III – não exercer cargo, emprego ou função públicos na Administração direta e indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, exceto nos casos previstos no inciso XVI do artigo 37 da Constituição Federal e inciso XVIII do artigo 115 da Constituição Estadual;

    IV – possuir escolaridade e experiência compatíveis com a atividade a ser desempenhada, de acordo com os requisitos estabelecidos no edital;

    V – ter boa conduta.

    Parágrafo único – As condições estabelecidas nos incisos I e II deste artigo deverão ser comprovadas mediante atestados expedidos por órgãos ou entidades integrantes do Sistema Único de Saúde no Estado de São Paulo.

    Artigo 5º – O órgão ou a autarquia interessada na contratação poderá convocar, previamente à abertura do processo seletivo a que se refere esta lei complementar, candidatos remanescentes aprovados em concurso público realizado pela Administração direta e Autarquias do Estado de São Paulo, correspondente à atividade a ser desempenhada e observada a ordem de classificação.

    Parágrafo único – O candidato remanescente que atender à convocação, mesmo sendo contratado, não perderá o direito à classificação obtida no concurso público, nem à respectiva escolha de vagas.

    Artigo 6º – E vedada, sob pena de nulidade, a contratação da mesma pessoa, com fundamento nesta lei complementar, ainda que para atividades diferentes, antes de decorridos 200 (duzentos) dias do término do contrato.

    Artigo 7º – A contratação será efetuada pelo tempo estritamente necessário para atender às hipóteses previstas nesta lei complementar, observada a existência de recursos financeiros e o prazo máximo de até 12 (doze) meses, ressalvada, quanto à vigência, a contratação para função docente, que fica limitada ao ano letivo fixado no calendário escolar.

    § 1º – Os direitos e obrigações decorrentes da contratação para função docente ficarão suspensos sempre que ao contratado não forem atribuídas aulas, sendo-lhe facultado, no período de vigência do contrato, aceitar ou não as que forem oferecidas.

    § 2º – Findo o prazo de vigência, o contrato estará automaticamente extinto.

    Artigo 8º – O contrato celebrado com fundamento nesta lei complementar extinguir-se-á antes do término de sua vigência:

    I – por iniciativa do contratado;

    II – com o retorno do titular, nas hipóteses previstas nas alíneas c e d do inciso II e alínea c do inciso IV do artigo 1º desta lei complementar;

    III – pela extinção ou conclusão do objeto, nas hipóteses previstas nos incisos I e III do artigo 1º desta lei complementar;

    IV – por descumprimento de obrigação legal ou contratual por parte do contratado;

    V – com o provimento do cargo correspondente;

    VI – com a criação ou classificação do cargo, e respectivo provimento, nas hipóteses das alíneas a e b do inciso IV do artigo 1º desta lei complementar;

    VII – nas hipóteses de o contratado:

    a) preencher a vaga relativa ao concurso para o qual foi aprovado, nos termos do artigo 5º desta lei complementar;

    b) ser convocado para serviço militar obrigatório ou serviço civil alternativo, quando houver incompatibilidade de horário;

    c) assumir mandato eletivo que implique afastamento do serviço;

    VIII – por conveniência da Administração.

    § 1º – A extinção do contrato com fundamento nos incisos I a VII deste artigo far-se-á sem direito a indenização.

    § 2º – A extinção do contrato com fundamento no inciso VIII deste artigo implicará o pagamento ao contratado de indenização correspondente a 1 (uma) vez o valor da remuneração mensal fixada no contrato, ou, quando for o caso, da média mensal da remuneração fixada no contrato, até o advento da extinção.

    § 3º – Na hipótese do inciso IV deste artigo, previamente ao ato que rescindir o contrato, será assegurada ao contratado a faculdade de exercer o direito de defesa, no prazo de 3 (três) dias úteis, devendo o procedimento ser concluído dentro de 10 (dez) dias contados da data do protocolo das razões de defesa ou do decurso do prazo para apresentá-las.

    Artigo 9º – O contratado não poderá receber atribuições, funções ou encargos não previstos no respectivo contrato.

    Artigo 10 – O contratado nos termos desta lei complementar está sujeito aos mesmos deveres, proibições e responsabilidades previstos na Lei nº 10.261, de 28 de outubro de 1968, aplicando-se aos docentes, subsidiariamente, as disposições da Lei complementar nº 444, de 27 de dezembro de 1985.

    Artigo 11 – A remuneração do contratado nos termos desta lei complementar será fixada:

    I – para o desempenho de atividades correspondentes às de cargos públicos, em importância não superior à retribuição inicial destes, acrescida das vantagens pecuniárias inerentes à função, ao horário e ao local de exercício;

    II – para o desempenho de função docente por período de 1 (um) até 15 (quinze) dias, em importância correspondente às horas-aula efetivamente ministradas;

    III – para o desempenho de outras atividades, em importância não superior:

    a) à da remuneração inicial estabelecida pela legislação estadual vigente para servidores que exerçam função assemelhada;

    b) ao valor definido pelo Poder Executivo, que não poderá ultrapassar os limites legais, nas demais hipóteses.

    Artigo 12 – Fica assegurado ao contratado nos termos desta lei complementar:

    I – o décimo terceiro salário, na proporção de 1/12 (um doze avos) por mês trabalhado ou fração superior a 15 (quinze) dias;

    II – o pagamento das férias, decorridos 12 (doze) meses de efetivo exercício da função.

    Artigo 13 – Serão consideradas como dias trabalhados as ausências do contratado em virtude de:

    I – casamento, até 2 (dois) dias consecutivos;

    II – falecimento de pais, irmãos, cônjuge, companheiro ou filhos, até 2 (dois) dias consecutivos;

    III – serviços obrigatórios por lei.

    Artigo 14 – O contratado poderá requerer o abono ou a justificação de faltas, observadas as condições estabelecidas em decreto.

    Artigo 15 – As faltas abonadas e as consideradas justificadas pela autoridade competente não serão computadas para os fins do inciso IV do artigo 8º desta lei complementar.

    Artigo 16 – Os limites de faltas abonadas, justificadas e injustificadas serão fixados em decreto.

    Artigo 17 – O contratado perderá a totalidade da remuneração do dia quando comparecer ou retirar-se do serviço fora de horário, ressalvadas as hipóteses previstas em decreto e os casos de consulta ou tratamento de saúde, previstos em lei.

    Artigo 18 – Sempre que a natureza e a necessidade do serviço assim o exigirem, os Secretários de Estado, o Procurador Geral do Estado e os Dirigentes de Autarquias poderão, com anuência do Secretário de Gestão Pública, expedir normas específicas quanto ao horário de trabalho dos contratados nos termos desta lei complementar.

    Artigo 19 – As normas de registro e controle de frequência dos contratados para suprir atividade docente, nas hipóteses previstas no inciso IV do artigo 1º desta lei complementar, serão estabelecidas em ato específico da Secretaria da Educação.

    Artigo 20 – O contratado na forma do disposto nesta lei complementar ficará vinculado ao Regime Geral de Previdência Social, nos termos da legislação federal.

    Artigo 21 – Caberá ao órgão setorial de recursos humanos do órgão ou da autarquia contratante registrar, controlar e acompanhar a execução dos contratos celebrados, observado o disposto no artigo 2º desta lei complementar.

    Parágrafo único – O órgão ou a autarquia contratante encaminhará, mensalmente, ao órgão central de recursos humanos, por intermédio do seu órgão setorial, os dados relativos aos contratos celebrados com base nesta lei complementar, para fins de controle.

    Artigo 22 – Sem prejuízo da nulidade do contrato, a inobservância das disposições desta lei complementar importará responsabilidade administrativa da autoridade signatária e do contratado, e, se for o caso, solidariedade quanto à devolução de valores percebidos pelo contratado.

    Artigo 23 – Esta lei complementar aplica-se aos órgãos da Administração direta e às Autarquias cujo pessoal seja submetido ao regime jurídico próprio dos servidores titulares de cargos efetivos.

    Artigo 24 – Fica vedada, a partir da publicação desta lei complementar, a admissão de pessoal com fundamento na Lei nº 500, de 13 de novembro de 1974.

    Parágrafo único – Ficam extintas as funções-atividades submetidas ao regime jurídico instituído pela lei de que trata o “caput” deste artigo, na seguinte conformidade:

    1 – na vacância, as que se encontrarem preenchidas;

    2 – na data da publicação desta lei complementar, as que estiverem vagas.

    Artigo 25 – As contratações de pessoal após o advento da Lei complementar nº 1.010, de 1º de junho de 2007, sob o regime jurídico da Lei nº 500, de 13 de novembro de 1974, estarão automaticamente extintas:

    I – findo o prazo de contratação, quando a vigência tiver sido estipulada;

    II – após o decurso de 12 (doze) meses, contados da data da publicação desta lei complementar, quando o prazo da vigência da contratação não tiver sido definido.

    Parágrafo único – No caso de função docente, observado o § 1º do artigo 7º desta lei complementar e o artigo 11 da Lei complementar nº 836, de 30 de dezembro de 1997, as contratações a que se refere o “caput” deste artigo estarão automaticamente extintas após 2 (dois) anos letivos subsequentes ao que estiver em curso na data da publicação desta lei complementar.

    Artigo 26 – O Poder Executivo regulamentará esta lei complementar.

    Artigo 27 – As despesas resultantes desta lei complementar correrão à conta das dotações consignadas no orçamento vigente, ficando o Poder Executivo autorizado a abrir créditos adicionais, se necessário, nos termos do artigo 43 da Lei federal nº 4.320, de 17 de março de 1964.

    Artigo 28 – Esta lei complementar e suas disposições transitórias entram em vigor na data de sua publicação, ficando revogados o artigo 13 da Lei nº 7.698, de 10 de janeiro de 1992 e a Lei complementar nº 733, de 23 de novembro de 1993.

    DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS

    Artigo 1º – Aos servidores ocupantes de funções de docente abrangidas pelo disposto no § 2º do artigo 2º da Lei complementar nº 1.010, de 1º de junho de 2007, será assegurada a atribuição de carga horária equivalente a 12 (doze) horas semanais de trabalho, composta por 10 (dez) horas em atividades com alunos e 2 (duas) horas de trabalho pedagógico na escola, em atividades coletivas, observadas as seguintes condições:

    I – os docentes deverão se inscrever e participar obrigatoriamente de processo de avaliação anual, no seu respectivo campo de atuação, na forma a ser disciplinada pela Secretaria da Educação;

    II – os docentes que obtiverem índices iguais ou superiores aos mínimos fixados pela Secretaria de Educação ficarão dispensados das avaliações anuais subsequentes e passarão a concorrer, entre seus pares, no processo de atribuição de classes ou de aulas, na Faixa 3 a que se refere o inciso I do artigo 45 da Lei complementar nº 444, de 27 de dezembro de 1985, antes dos demais servidores indicados na mesma faixa e antes dos candidatos à admissão como docentes;

    III – a classificação final do docente para o processo de atribuição de classes ou de aulas, no respectivo campo de atuação, observará a ordem decrescente da soma dos pontos referentes ao tempo de serviço e aos títulos com os pontos obtidos na avaliação anual, que terá o limite máximo de 80 (oitenta) pontos;

    IV – caso o total de aulas atribuídas no respectivo campo de atuação resulte aquém do limite fixado no “caput” deste artigo, aos docentes serão atribuídas horas de complementação de carga horária, no mínimo até atingir o referido limite, devendo ser cumpridas pelo docente de acordo com as normas expedidas pela Secretaria da Educação;

    V – os docentes que não obtiverem os índices mínimos fixados no processo de avaliação não poderão concorrer no processo de atribuição de classes ou aulas e deverão cumprir a totalidade da carga horária prevista no “caput” deste artigo de acordo com as normas expedidas pela Secretaria da Educação, sem prejuízo da participação obrigatória nos subsequentes processos de avaliação anual.

    Parágrafo único – A Secretaria de Educação poderá autorizar a participação dos docentes referidos no inciso II deste artigo nas avaliações anuais subsequentes, devendo ser considerada, para fins de classificação no processo de atribuição de classes ou aulas, o melhor índice obtido pelo docente nas avaliações de que participou.

    Artigo 2º – Aplica-se o disposto no inciso V do artigo 1º destas Disposições Transitórias aos docentes que não possuam a habilitação mínima exigida para atribuição de classes ou aulas nos respectivos campos de atuação, estabelecido o prazo de 1 (um) ano, contado da data da vigência desta lei complementar, para obtenção da referida habilitação.

    Artigo 3º – Aos docentes abrangidos pelo disposto no parágrafo único do artigo 25 desta lei complementar serão atribuídas classes ou aulas disponíveis, conforme condições e limites estabelecidos pela Secretaria da Educação, observados os incisos I e III do artigo 1º destas Disposições Transitórias.

    Artigo 4º – Os docentes abrangidos por estas Disposições Transitórias serão dispensados, caso não se inscrevam ou imotivadamente não participem do processo de avaliação previsto no inciso I de seu artigo 1º, sem prejuízo do disposto no artigo 35, IV, da Lei nº 500, de 13 de novembro de 1974.

    Palácio dos Bandeirantes, aos 16 de julho de 2009.

    José Serra


  77. em 28 agosto 2009 às 22:51 professortemporario

    De acordo com o artigo 24 da lei 1093, os professores OFA L que não estavam vinculados até a data de 16 de julho de 2009 e que perderam ou perderem o seu vínculo depois da mesma data terão suas funções atividades extintas. Isso quer dizer que os professores OFA L que não estavam em exercício como OFA até essa data ou que perderem o seu vínculo não poderão mais ser contratados como OFA, passando consequentemente a categoria 1093.

    De acordo com o 2º parágrafo artigo 2 da lei 1010/07, os professores que foram adimitidos como OFA até 1 de junho de 2007 são considerados titulares de cargo e contribuem para o fundo de previdência do Estado. Como no texto da lei não existe referência ao fato desse tempo ter ou não sido interrompido, antes ou depois de sua publicação, todos os que lecionaram alguma vez no Estado como OFA antes de junho de 2007são considerados estaveis, na categoria F

    Por fim, infelizmente, pela interpretação dessa lei, é possivel dizer que o professor OFA L que perder seu vínculo durante o ano passará a nova condição 1093.

    Como para ser contratado pela 1093 é preciso antes passar no prova, que ainda não aconteceu, o professor que perder seu vínculo não poderia participar de uma atribuição até o fim do ano, já que a classificação da prova que vai acontecer valerá apenas para o próximo ano.


  78. OLÁ! GOSTARIA DE SABER MAIS UMA VEZ SOBRE A MESMA PERGUNTA! NO MEU CASO, EU FUI ATÉ A DIRETORIA DE ENSINO E CONVERSEI COM UMA SUPERVISORA, EU DOU AULA DESDE MARÇO DE 2008, E ME FORMO SOMENTE EM DEZEMBRO DE 2010, SEGUNDO ELA, EU PODEREI PARTICIPAR DAS ATRIBUIÇÕES DE 2010 COMO ALUNO DE ULTIMO ANO, NÃO PODERIA SE EU ESTIVESSE ME DESLIGADO EM JUNHO/JULHO, COMO NÃO PERDI AS AULAS, ELA DISSE QUE FAREI O PROCESSO E TEREI O DIREITO DE PARTICIPAR! GOSTARIA DE SUA OPINIÃO! PQ AINDA ESTOU CONFUSO! OBRIGADO.


  79. em 29 agosto 2009 às 21:03 professortemporario

    Professor Vinícius
    Com o fim do prazo da década da educação estipulado pela LDB de 1996 (prazo esse que já tinha sido prorrogado de 2007 para 2009), a partir de 2010 nenhum professor poderá lecionar se não tiver o diploma de licenciatura. Não sabemos se essa medida será novamente prorrogada, mas até o momento é isso que está valendo.

    Assim, mesmo que você mantivesse o vínculo como OFA até o final do ano, sem estar formado você não poderia ter aulas atribuídas.


  80. em 29 agosto 2009 às 22:53 Ricardo Rodrigues

    obrigado pela atenção, da pergunta que enviei antes.


  81. Olá, por favor me oriente entrei no estado02/99, depois parei um tempo volte em 2000, 2003, 2004, 2005 sempre como eventual de pbi ja trabalhei com reforço e no meu holerith sou cat. F esta minha categoria ela pode mudar e este ano em fevereiro peguei como eventual de pb1 tenho magistério quero saber como fica a minha situação .
    Outra dúvida estou no segundo ano de geografia ainda não dei aula desta materia gostaria de saber se em 2010 posso pegar aula de geografia , desde já agradeço.


  82. Eu entendi o que foi dito acima, mas ficaram varias dúvidas, eu leciono desde 07/2006 como eventual e em 06/08 foram atribuídas aulas a mim.
    No período de quando eu estava como eventual contribuí para a previdencia. Minha pergunta é, q vc diz q quem foi admintido antes de 1 junho de 2007 seria categoria f, mas eu leciono mesmo como eventual desde 2006 e sou informada nas escolas q sou L, essa “admitido” são aulas atribuídas ou “inscritos” na DE? Fiquei com todas essas dúvidas e como vc já havia dito então este ano no qual eu estava com aulas atribuídas até as férias de julho vou automaticamente ser a lei 1093, pq perdi essa aulas de recuperação?.
    Outra coisa, tenho uma atribuição para ir nesta terça – feira poderei pegar essas aulas?
    Desde já obrigado


  83. em 31 agosto 2009 às 13:24 professortemporario

    Professor Martinez
    Se você lecionou como OFA antes de 2007 você é OFA categoria F. Mas, se você não tem o diploma de licenciatura, não poderá entrar em sala de aula no próximo ano.


  84. em 31 agosto 2009 às 18:15 Claudia Nascimento

    Por favor estou com muitas dúvidas entre elas: Comecei a dar de eventual no estado em 2005 e vim descontado da seguinte forma:
    CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIARIA – 5%
    CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIARIA – 6%
    ISSO ATÉ 2007
    EM 2008 começou a vir o desconto dessa forma INSS
    A QUAL CATEGORIA ESTOU?
    TENHO O MAGISTÉRIO E ESTOU NO 2° SEMSTRE DE PEDAGOGIA, PODEREI DAR AULAS DE EVENTUAL?
    DESDE DE JÁ AGRADEÇO


  85. em 31 agosto 2009 às 18:29 professortemporario

    Porfessora Michelle
    Quem foi admitido como OFA antes de 2007 está na categoria F. A categoria professor eventual não constitui vínculo empregatício formal pela legislação vigente e por isso, não serve de parâmentro. Assim, o Estado considera admitido o professor que teve aulas atribuídas, passou pela exame médico e entrou em sala de aula como ocupante de função atividade, seja em aulas livres, seja em aulas de substitução a outro professor.


  86. em 31 agosto 2009 às 18:45 professortemporario

    Professora Cláudia
    Até junho de 2007, efetivos, estáveis e OFAs constribuíam para o mesmo fundo de previdência com 11%, como qualquer funcionário público. Com a mudança dos sistema, todos os OFAs passaram a contribuir para o INSS.

    Agora, com a distinção e reconhecimento das categorias F, com direitos adquiridos como estáveis, e L, sem esse direitos, a partir de 2010 os OFA L voltarão a contribuir para o SISprev.


  87. em 31 agosto 2009 às 19:50 Maria Abadia

    Olá! Gostaria de agradecer pela resposta da pergunta que enviei a alguns dias, porém, preciso de uma outra resposta.
    Vocês nos orientaram a procurar um advogado por termos contirbuído por muitos anos para a aprevidência do estado e a minha pergunta é se vocês já tem conhecimento de algum professor que tenha conseguido retornar a categoria “F” apenas por não estar com vínculo em junho de 2007.
    Agradeço a atenção de vocês e mais uma vez obrigada por nos esclarecer sobre assuntos tão importantes.


  88. em 31 agosto 2009 às 20:22 Maria Abadia

    Encontrei esta matéria numa reportagem a professores do São Bernardo do Campo e gostaria muito que vocês dessem uma analisada para orientar a quem tiver interesse e voltar para a categoria em que estava antes dos PLCs 19 e 20.
    A quem devemos solicitar o reenquadramento, já que houve esta publicação?

    Sobre os OFAs categoria F (88 mil professores), o governo reafirmou que os mesmos não podem ser dispensados por desnecessidade e que com a aprovação do PLC 19 passarão a receber por no mínimo 12 aulas, os representantes do governo afirmaram ainda que existem 20 mil que são categoria F e estão fora da rede e que deverão retornar, pois fazem jus a esta categoria. Sobre os casos que eram categoria F, perderam o vínculo e foram reenquadrados como categoria L o governo solicitou que sejam encaminhados para serem enquadrados como categoria F.
    https://www.blogger.com/comment.do


  89. Salve!
    Abri portaria esse ano, mês de maio, dou aula como eventual faz só uma semana e tenho lido que essa categoria está extinta, mas como nem sei ainda a maioria das siglas usadas, gostaria que me esclarecessem como que consegui abrir portaria e até dar aulas? Ainda curso o quarto semestre de letras, nem formada eu sou.
    Como devo proceder para me aprofundar nas informações e passar a entender melhor se devo ou posso fazer a prova ou comparecer às atribuiçoes ano que vem?
    Se estivessem na minha situação, como procederiam no ano que vem ?
    Agradeço já a atenção e a paciência de todos…:)


  90. em 1 setembro 2009 às 09:04 Marina Lopes

    Muito obrigada pelas respostas……..

    É ótimo poder contar com pessoas q nos ajudam em informações tão importantes e o melhor…corretas!…….pois se depender do SISTEMA……ficaríamos perdidos! Até mais professor……..abraços!


  91. em 1 setembro 2009 às 10:20 SONIA NOGUEIRA

    Estou no estado como professora desde 89.Exatamente em 2007 não consegui pegar aulas pois em Guarulhos não tem mais salas desponiveis.
    Não acho justo perder 27.000 pontos e virar L.
    Como faço pois tem gente com 1000.pontos e é F.


  92. em 1 setembro 2009 às 10:54 Gilson de Lima

    Bom dia Professor, novamente estou a lhe perguntar sobre a famigerad Lei 1093 pois sou um dos tantos colegas do ensino desempregado e com dívidas, por favor leia este comunicado e dê sua opinião que nosé de muita importância: Atribuição de Aulas
    tendo em vista a publicação daLei 1093/09, a comissão de atribuiçõ de aulas infoma que, até segunda ordem, estão impedidas as contratações de professores que se encontrem SEM VINCULO ou os de categoria L que forem dispensados até o dia 16/07/08. Os professores que possuem portaria de eventual, SOMENTE PODERÃO TER AULASEVENTUAIS, em nível de unidade escolar.
    cao a direção tenh dúvidas sobre contratação d professores, deverá entrar em contato com a comissão de atribuição da Diretoria de Ensino de SBCampo.
    agradeço antecipadamente.


  93. em 1 setembro 2009 às 11:03 Gilson de Lima

    O que quer dizer quando estão informando: somente poderão ter aulas eventuais, em nivel de unidade escolar, sera que somente se pode dar aulas onde na UE onde se tem portaria aberta?
    Obrigado.


  94. em 1 setembro 2009 às 17:35 professortemporario

    Professora Maria Abadia
    Não temos conhecimento se algum professor conseguiu esse reconhecimento pela justiça, mas, pela nossa interpretação da lei que instituiu o sisprev em 2007, todos os professores que lecionaram na rede como OFA até aquela data seriam considerados “titulares de cargo”. Assim, não será difícil ter esse reconhecimento.


  95. em 1 setembro 2009 às 18:02 professortemporario

    Professora Sônia
    Pelo nosso entendimento você é da categoria F e deve entrar com um requerimento na diretoria de ensino solicitando a correção.


  96. em 1 setembro 2009 às 18:56 professortemporario

    Professor Gilson
    Não deveria ser assim, mas realmente as diretorias de ensino receberam um comunicado interno para não atribuir aulas aos professores L. Ainda não tivemos acesso a esse documento, mas percebemos várias referências a ele nos informativos das páginas da diretorias. Esse documento deve ter sido remetido às escolas…


  97. Olá eu queria saber seu posso atual como professor eventual pois eu me escrevi no começo de fevereio 2009.
    Queria saber quando vai entra em vigor essa lei para professores ofa.
    obrigado


  98. em 2 setembro 2009 às 08:44 Gilson de Lima

    Bom dia Professor, então a minha situação, assim como a de outros tantos colegas esta nas mãos de Deus, porque como vamos fazer até o final do ano, estive em algumas escoas que ministrei aulas e muitos dos meus ex-alunos estavam sem aulas por falta de professores, isso não é ficção, é a realidade hoje nas escolas de SBC, e os diretores das escolas estão de mãos amarradas, e mais os alunosestão muito precupados com o ENEM, que ja se aproxima, então o que fazer? sentar e chorar ou existe uma luz no fim do túnel.
    Obrigado.


  99. em 2 setembro 2009 às 08:49 Gilson de Lima

    Bom dia Professor, então a minha situação, assim como a de outros tantos colegas esta nas mãos de Deus, porque como vamos fazer até o final do ano, estive em algumas escolas que ministrei aulas e muitos dos meus ex-alunos estavam sem aulas por falta de professores, isso não é ficção, é a realidade hoje nas escolas de SBC, e os diretores das escolas estão de mãos amarradas, e mais os alunos estão muito precupados com o ENEM, que ja se aproxima, então o que fazer? sentar e chorar ou existe uma luz no fim do túnel.
    Obrigado.


  100. em 2 setembro 2009 às 13:05 professortemporario

    Tati
    As novas regras já estão valendo e a situação do professor eventual já está definida. Qume já estava em exercício como eventual, com portaria aberta, poderá lecionar até dezembro. Para os demais, não existirá mais a categoria professor eventual.


  101. em 2 setembro 2009 às 13:12 professortemporario

    Professor Gilson
    Existe sim uma coisa que pode ser feita: uma denúncia ao ministério público do estado, realizada de maneira formal e por escrito, relatando o fato desses alunos estarem sem professor e associar esse problema com a não atribuição das aulas. Assim, a escola e a diretoria de ensino seriam obrigadas a se pronunciar oficialmente


  102. em 2 setembro 2009 às 13:43 Wagner Izaltino

    Olá colega, gostaria de uma informação:
    Leciono aulas desde 2006, porém como estudante PEB I, me formei em julho de 2007 (um mês depois da lei), não perdi aulas em nehum momento, no ano passado a diretora da escola que lecionava, mudou minha portaria para PEB II, e comecei a contribuir pelo INSS, porém no meu holerite continua como categoria F. Não entendi nada? Afinal terei que ficar de gancho 200 dias depois de 2012? tenho estabilidade das 12h/a?
    Atenciosamente

    Wagner Izaltino


  103. OLÁ, BOA NOITE OBRIGADO PELA RESPOSTA AGORA ESTOU SÓ COM UMA DUVIDA, EM 2002 EU PEGUEI UMA SUBSTITUIÇÃO DE 4 MESES E DEPOIS SÓ FOI EVENTUAL E JÁ PEGUEI REFORÇO TAMBEM E EM 2007 EU NÃO ESTAVA TRABALHANDO, NO MEU HOLERITH VEM CAT. F, OBRIGADO.


  104. Marina L.

    Bom dia! Sou professora e atuo como eventual desde 2006. Em maio de 2009 foram atribuídas aulas em substituição e as perdi em 7 de julho, portanto, antes da lei ser assinada. De acordo com a lei, sou considerada dispensada, e não poderei ficar com as 21 aulas as quais foram atribuídas para mim em 24 de agosto de 2009. Fui informada pela direção da escola e pela D.E leste 5 que pertenço a categoria L, e que o sistema não aceita a digitação de carga horÁRIA para o meu caso. De acordo com a APEOESP, eu me enquadro na nova lei, e até posso lutar pelos meus direitos de ter essas aulas atribuídas, mas há um ENORRRRMe problema: não terei previsão de quando receberei essas aulas.
    Por favor, me informem se a situação que apresentei está correta, e se sou considerada categoria L, pois todos os meus holerites estão discriminados como F, até mesmo os de eventual.

    grata por sua atenção e disposição de atender a todos.


  105. Boa Tarde! Preciso de ajuda ou melhor esclarecimentos…

    Hoje 03/09/09 fui até uma escola do Estado pedir para dar aulas como eventual. Fiquei então sabendo que professores eventuais serão extintos… Acontece que de abril de 2007 a dezembro de 2007, dei aulas como eventual no Fundamental e no EJA. Em 2008 não dei nenhuma aula, só fiz minha inscrição na D.E de Pirassununga. Esse ano tb fiz a inscrição na D.E. Por isso preciso saber a que categoria pertenço e como fica a minha situação e se a escola pode me aceitar e abrir a minha sede se é que ela fechou… Muito obrigada!!!


  106. em 3 setembro 2009 às 16:50 professortemporario

    Professores Wagner e Martinez

    Se vocês estavam em exercício como OFA em junho de 2007, vocês se enquadram na categoria F e ninguém pode lhes tirar isso. A única forma de perder essa condição seria se vocês se recusassem a fazer a prova do processo seletivo.


  107. Olá!
    Tenho algumas duvidas a respeito das mudanças que houve no ensino e São Paulo.
    Sou professora e trabalhei como eventual em 2006 e nesse mesmo ano me foram atibuidas aulas do projeto numeros em ação.
    No ano de 2007 não trabalhei como professora retornando em 2008 com aulas atribuidas com vinculo até 11/02/2009 e em 2009 já comecei lecionar como eventual e ´logo em seguida me foram atribuidas aulas de recuperação paralela que perdi em 07/07/09.
    Depois do recesso participei de uma atribuição de recuperação paralela onde me foram atribuidas 18 aulas.
    Eu pergunto, não seria eu da categoria F já que em 2006 contribui com a previdencia do estado e ter trabalhado antes de 02/07/2007?
    Essas aulas que peguei depois de 17/07/2009 com a lei 1093/2009 como serei vinculada ao estado? Contratada?


  108. em 3 setembro 2009 às 21:37 professortemporario

    Professora Priscila
    Você pertence a categoria 1093. A situação de professor eventual não constiui vínculo empregatício direto e por essa razão o Estado abusava desse tipo de contratação. Com a 1093, os professores temporários pelo menos terão direito à férias proporcionais, além de ter reconhecido o vínculo trabalhista


  109. em 3 setembro 2009 às 21:43 professortemporario

    Professora Alessandra
    O Estado só considera da categoria F o professor que lecionava antes de junho de 2007 como OFA. Os professores eventuais que a vida inteira trabalharam no Estado, até muito antes de 2007, foram simplesmente desconsiderados, pois a sua situação não é reconhecida como vínculo trabalhista.

    Ao que interpretamos, você se enquadraria ou na categoria L, ou na categoria 1093, dependendo do tipo de vínculo dos contratos das aulas de recuperação. (Se nos holerites que você recebeu dessa época estiver escrito eventual, ou qualquer outra coisa que sugira essa condição, você seria da 1093)


  110. Agradeço a sua resposta. Complementando nos meus holerites vem descrito assim “ADMITIDO LEI 500/74 – R.G.P.S.”
    Essa nomenclatura sugere em que categoria me enquadro?


  111. em 3 setembro 2009 às 22:44 Edna Santana

    Olá,

    Como estava fora de rede em 2007, sou categoria L, tive aulas atribuidas em abril deste ano (aulas livres) e continuo com vinculo ate o fim do ano letivo. Mas gostaria de saber, se caso fosse aulas-substituição e eu tivesse perdido, eu não poderia pegar mais aulas este ano?
    Tendo vínculo, ainda posso aumentar minha carga horaria em possiveis atribuições?

    Qual é a lei 500/74 que vem no meu holerit?

    Na categoria L, eu sou contribuinte do IAMSP, então tenho direito de passar no servidor publico? (pq fiz a carteirinha normal hoje no local).

    Obrigada!!


  112. olá eu queria saber,ser tem a data determinada que vai sair publição da nova lei p/ professor eventual.
    Pois está demorado mto .
    Obrigado


  113. Eu tenho mas uma dúvida pois eu fiz cadastro na diretoria de ensino para da aula de eventual no dia 13/11/2008 eu posso me escrever p/ da aula.
    Ficarei mto grato vc respondesse
    obrigado


  114. em 4 setembro 2009 às 16:19 Edna Bonilho

    O professor da categoria L, que pegar aulas até o final deste ano após a autorização da portaria, será impedido de lecionar no ano de 2010, ficando 200 dias afastado da sala de aula?
    Existe esperanças para que isso seja mudado?
    Obrigada pela atenção.


  115. em 4 setembro 2009 às 17:25 professortemporario

    Alessandra
    A nomenclatura sugere que você é da categoria F ou L, pois com a lei 1093 foi proibida a realização de novos contratos pela lei 500/74, que é a lei que criou a condição ACT/OFA


  116. em 4 setembro 2009 às 17:30 professortemporario

    Professora Edna

    pela lei 1093 o professor que perdesse o vínculo só poderia renová-lo ou criar outro se estivesse classificado no processo seletivo. Como esse processo ainda não aconteceu, parece que o Estado está usando essa brecha para não atribuir aulas aos professores L que perderam seu vínculo.

    Sobre o Iamsp, a lei 1093 não trás nenuma alteração.


  117. em 4 setembro 2009 às 17:41 professortemporario

    Tati
    1) Não haverá nova publicação de classificação de professor eventual, pois a categoria está oficialmente extinta e só permanecem como eventuais os professores que já tinham portarias abertas e estavam em exercício até a publicação da lei 1093; isso, só até dezembro.
    2) Você poderá se INSCREVER, para realizar a prova do processo seletivo, desde que já esteja formada e possua um diploma de licenciatura. Entretanto, você só poderia lecionar em 2010 se fosse aprovada nessa prova.


  118. em 4 setembro 2009 às 17:44 professortemporario

    Professora Edna
    O professor da categoria L não precisará cumprir os 200 dias de gancho até 2011


  119. em 4 setembro 2009 às 19:27 Edna Santana

    Obrigada pela resposta, porém ainda não entendi se posso ou não aumentar minha carga horária, sendo L?
    obs. tenho 13 aulas livres – ou seja: tenho vinculo até o fim do ano letivo.

    Muito obrigada mais uma vez!


  120. BOA NOITE, OBRIGADO PELA RESPOSTA MAS AINDA TENHO UMA DÚVIDA EM JUNHO DE 2007 EU NÃO ESTAVA TRABALHANDO NO ESTADO E NO MEU HOLERITH VEM CARGO FUNÇÃO ATIVIDADE (F/06407 PROFESSOR EDUCAÇÃO BASICA I) CATEGORIA ( ADM. LEI 500/74 – EVENT. – R.G.P.S) ACHO QUE ASSIM FICARA MAIS FACIL PARA VOCÊ ME EXPLICAR E EU ENTENDER MELHOR DESDE JÁ AGRADEÇO.


  121. Muito obrigada por responder a minha pergunta. Tenho só mais uma dúvida. Estou afastada da rede estadual, desde 2006, estou aguardando para abrir minha portaria, pois tenho interesse em lecionar ainda este ano. Pertenço a categoria L, que não terá que cumprir 200 dias de gancho?
    Agradeço imensamente à anteção.


  122. em 4 setembro 2009 às 20:28 professortemporario

    Professora Edna
    Sua situação é muito peculiar e as mudanças ainda estão sendo acomodadas. Para não correr o risco de passar uma informação errada, estamos pesquisando. O que podemos adiantar é que suas aulas livres só podem ser perdidas antes do fim do ano na eventualidade de um professor efetivo ser removido para sua escola e com isso completar sua carga. Mas, isso ocorre geralmente no início do ano.

    Se ao assumir outras aulas o processo ocorrer pela criação de outro contrato, mandendo o seu intacto, nãoacreditamos que exista problema.


  123. Marina L. C.

    Bom dia! Sou professora e atuo como eventual desde 2006. Em maio de 2009 foram atribuídas aulas em substituição e as perdi em 7 de julho, portanto, antes da lei ser assinada. De acordo com a lei, sou considerada dispensada, e não poderei ficar com as 21 aulas as quais foram atribuídas para mim em 24 de agosto de 2009. Fui informada pela direção da escola e pela D.E leste 5 que pertenço a categoria L, e que o sistema não aceita a digitação de carga horÁRIA para o meu caso. De acordo com a APEOESP, eu me enquadro na nova lei, e até posso lutar pelos meus direitos de ter essas aulas atribuídas, mas há um ENORRRRMe problema: não terei previsão de quando receberei essas aulas.

    Por favor, me informem se a situação que apresentei está correta, e se sou considerada categoria L, pois todos os meus holerites estão discriminados como F, até mesmo os de eventual.

    Até a presente data, todos os meus holerites de eventual vem descontado os 11% da previdëncia e o Iamsp, então quero saber se posso entrar com uma ação para que sejam devolvidos os valores.

    grata por sua atenção e disposição de atender a todos.

    Respondam o meu comentário, por favor.


  124. Boa noite.
    Tenho uma duvida, sou professor eventual da categoria L, pois atuo desde abril desse ano. Eu sou portador de diploma de Tecnologia, do qual me libera a dar aulas de fisica, pela quantidade de aulas de fisicas do meu curso. Como que fica a minha situação para o ano que vem? Poderei dar aulas ou atuar como eventual?
    Desde ja agradeço pela sua resposta.
    André


  125. ola,gostaria de tirar uma duvida…dou aula no estado desde 2002 e sempre tive aula atribuida ate um certo periodo do ano e depois perdia e ficava somente como eventual,em 2006 tive aulas atribuidas o ano todo e so fui desligada em fevereiro de 2007 e depois so consegui pega aula em setembro de 2007,nao me conformo com essa lei que fiquei na categoria l e os anos anteriores,tem algo que eu possa fazer para que alguem reveja minha situação e eu me enquadre na categoria f? aguardo resposta urgente obrigada


  126. Bom dia, sou professora categoria L e gostaria de saber se quem esta nesta situação esta contratado pela lei nº 8.745, pois quero prestar concurso para o IBGE e quem trabalhou nos ultimos 24 meses nesta situação não pode.
    Por favor me respondam urgente
    Agradeço desde já


  127. em 5 setembro 2009 às 14:03 professortemporario

    Professora Marina
    A partir do momento em que a lei 1093 entrou em vigor os professores L que não estavam em exercício ficaram impedidos de assumir novas aulas, até que fosse feito o processo seletivo. Isso é uma brecha que ficou e muitas escolas estão tendo um problema absurdo: mesmo contando com professores interessados e devidamente cadastrados não podem atribuir aulas aos mesmos, até que se conclua o processo seletivo.

    Sobre os descontos, os 11% são referentes ao INSS, que para o serviço público é nessa porcentagem e o IAMSP continua (pelo menos deveria, já que nada mudou nesse sentido…) atendendo os professores temporários com vínculo


  128. em 5 setembro 2009 às 14:09 professortemporario

    Professora Edna Maria
    Se você assumiu aulas como OFA em 2008 e até junho de 2009, você pertence a categoria L. Se, nesse mesmo período você lecionou como eventual ou não manteve vínculo com o Estado, você é da 1093.


  129. em 5 setembro 2009 às 14:10 professortemporario

    André
    Se no seu diploma não estiver escrito a expressão “licenciado em” você não poderá participar do processo seletivo.


  130. em 5 setembro 2009 às 14:12 professortemporario

    Professora Carla
    Você pode entrar com um recurso na secretaria d sua escola ou na diretoria de ensino onde você lecionou pela última vez e solicitar seu enquadramento na categoria F.

    Nas disposições transitórias da lei 1093 existe uma série de argumentos que podem ser utilizados para isso.


  131. em 5 setembro 2009 às 14:17 professortemporario

    Juliana
    A lei nº 8745 de 09/12/1993 é específica para regular a contratação de servidores temporários na administração FEDERAL. Assim, nenhum professor que esteja vinculado ao Estado de São Paulo foi contratado por essa lei. Os professores OFA F e os OFA L que não perderam o seu vínculo, tem sua vida regulada pela lei 500/74


  132. obrigada pela pronta resposta!


  133. em 5 setembro 2009 às 20:34 sérgio carmo

    Tudo bem? Eu fui professor OFA bem antes de 2007, sendo enquadrado na categoria F. Esse ano, voltei a lecionar mas só consegui aulas até o início de Julho e por ter sido colocado na categoria L não me podem ser atribuidas aulas.
    Eu entendi, lendo a lei e os seus comentários, que deveria estar na categoria F, não é verdade?
    Bom falei com supervisor na diretoria de ensino e ele disse que não , que só teria esse direito se não tivesse saído do Estado esse tempo.
    Isso é verdade? O que devo fazer se realmente eu tenho direito a ser da categoria F?


  134. em 5 setembro 2009 às 23:13 professortemporario

    Professor Sérgio
    No seu caso entendemos que sim, você seria da categoria F. Em todo caso, entre com um requerimento na diretoria de ensino solicitando esclarecimentos


  135. Por favor ajude-nos!
    Eu e minha mãe somos professoras da categoria L. Tenho acompanhado suas orientações, em relação ao pedido de mudança de categoria (L p/ F), para professores que foram vinculados antes da lei 1010/07,mas que não estavam vinculados no momento da publicação da mesma. Liguei para a APEOESP para esclarecer essa dúvida e fui surpreendida com a afirmação de que nada pode ser feito quanto a isso e que a solução é passar no concurso! Fiquei passada… Mas ainda tenho esperanças, e por esse motivo estou aqui para pedir-lhe uma espécie de modelo de requerimento para apresentarmos, pois precisamos de argumentos convincentes. Quem analisa nosso caso? Para quem entregamos o requerimento? Qual setor responsável para essa possível mudança??
    Desde já agradeço.


  136. Bom dia, acabei minha graduação em 2006 (licenciatura plena), não consegui aulas no 1º semestre 2007, mas fiquei como professora eventual em uma escola e no dia 02/07/2007 dei aulas como eventual. Só consegui aulas dia 02/08/2007 fiquei com essas aulas até 10/2007e pedi dispensa para trabalhar em outra área. Retornei no início 2009 já com aulas atribuidas no início do ano letivo. Por favor qual categoria me enquadro? L ou F? Desde já Obrigado.


  137. Se for L tive descontos de contribuição previdenciaria de 11 % no período de 04/2007 a 09/2007, posso pedir estornos do valores?


  138. em 7 setembro 2009 às 13:43 franciangela

    Oi, sou professora temporario categoria L (da lei 10101/07) gostaria de saber se possuo direito a licença saude de pessoa na familia. gostaria também de saber qual o site que posso consultar a legislação completa da lei 5000/74 e lei 1010/07. obrigada.


  139. Bom dia, acabei minha graduação em 2006 (licenciatura plena), não consegui aulas no 1º semestre 2007, mas fiquei como professora eventual em uma escola e no dia 02/07/2007 dei aulas como eventual. Só consegui aulas dia 02/08/2007 fiquei com essas aulas até 10/2007e pedi dispensa para trabalhar em outra área. Retornei no início 2009 já com aulas LIVRES atribuidas no início do ano letivo. Por favor qual categoria me enquadro? L ou F? Desde já Obrigado.


  140. em 7 setembro 2009 às 15:48 professortemporario

    Professora Luciana

    Você deve entrar com um requerimento solicitando explicações sobre a sua situação na secretaria da escola, ou, se não tiver vínculo atualmente, na diretoria de ensino onde lecionou da última vez.

    O que escrever no requerimento?

    Ilmo Sr Dirigente Regional de Ensino

    Fulano de tal, portador do RG nº tal e professor de educação básica (I ou II) inscrito sob o RS tal (aquele do holerite) solicita de V. Sa. a correção de seu enquadramento funcional, a luz da legislação vigente.

    Considerando o texto da Lei Complementar Nº 1010, de 01 de junho de 2007, especificamente no parágrafo segundo do artigo 2º:
    Artigo 2º – São segurados do RPPS e do RPPM do Estado de São Paulo, administrados pela SPPREV:
    [...]
    § 2º – Por terem sido admitidos para o exercício de função permanente, inclusive de natureza técnica, e nos termos do disposto no inciso I deste artigo, são titulares de cargos efetivos os servidores ativos e inativos que, até a data da publicação desta lei, tenham sido admitidos com fundamento nos incisos I e II do artigo 1º da Lei nº 500, de 13 de novembro de 1974.

    E o texto da Lei Complementar Nº 1.093, de 16 de julho de 2009, em suas Disposições Transitórias:
    Artigo 1º – Aos servidores ocupantes de funções de docente abrangidas pelo disposto no § 2º do artigo 2º da Lei complementar nº 1.010, de 1º de junho de 2007, será assegurada a atribuição de carga horária equivalente a 12 (doze) horas semanais de trabalho, composta por 10 (dez) horas em atividades com alunos e 2 (duas) horas de trabalho pedagógico na escola, em atividades coletivas, observadas as seguintes condições:

    Solicito a correção do meu enquadramento funcional para o que estabelece a lei nº 1093 em suas disposições transitórias, tendo em vista o fato de eu ter sido admitido(a) como professor(a) OFA na rede estadual de São Paulo em xx de xx de aaaa, antes da publicação da lei nº 1010, conforme os documentos anexos (cópias dos holerites mais antigos).

    Como o próprio texto da referida lei estabelece, com a expressão “até a data da publicação desta lei”, como o servidor(a) contratado(a) pela lei nº 500 antes a referida publicação sou considerado(a) titular de cargo, sem nenhum tipo de restrição legal.

    Nesses termos
    Pede deferiemento

    Local, data
    Assinatura

    (Em duas vias protocoladas)

    Caso a resposta ao requerimento seja negativa, a mesma resposta oficial e por escrito será fundamental para exigir isso na justiça.


  141. em 7 setembro 2009 às 15:52 professortemporario

    Professor Nilce
    Você se enquadra na categoria L

    Os descontos de 11% são referentes ao INSS, que no caso do serviço público é maior (11%) do que na iniciativa privada (8%). Assim, não há como pedir devolução, pois teoricamente o Estado já repassou esse valor à previdência social


  142. em 7 setembro 2009 às 16:12 professortemporario

    Professora Franciangela

    De acordo com o artigo 13 da lei 1093 os professores contratados pelas novas regras tem como licenças as de saúde, as de falecimento de parente de 1º grau e as convocações previstas em lei (justiça eleitoral, por exemplo)

    Os professores L que perderem o seu vínculo ou os que já estavam desvinculados antes dessa lei são submetidos a essas regras.

    Para a lei 500
    http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/217727/lei-500-74-sao-paulo-sp

    Para a lei 1010
    http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/158018/lei-complementar-1010-07-sao-paulo-sp


  143. Olá,eu comecei a eventuar em fevereiro deste ano e em abril consguir substituir uma professora, só que no dia 16 de julho ela não renovou a licença ,só foi renovar no dia 04 de agosto, a secretária disse que eu poderia continuar como eventual, pois minha portaria como substituta não poderia ser aberta.Não entndi por 18 dias eu perdi minha poratria?


  144. Boa noite, minha irmã atua como professora eventual no momento mais ja teve aulas atribuidas entre agosto de 2007 e julho de 2009 ela sofre de uma doença cronica gostaria de saber se ela pode se encostar pelo inss? Obrigado.


  145. Olá professor!
    Muito obrigada pela resposta.


  146. em 7 setembro 2009 às 23:34 Nilma Passos de Oliveira

    Oi. Tudo bem?
    Sou Professora OFA PEB I do Estado de São Paulo desde abril de 1991, fui eventual e depois com classe atribuida, em junho de 2007 estava sem vinculo e entrei na categoria L, o que achei um absurdo pois, quem estava com reforço e não tinha pontuação ficou na categoria F. Este ano estou com classe de coordenação, irei com a sala até fevereiro. Gostaria de saber se eu irei continuar na categoria L ou como estou desde 1991 no Estado eu passo para categoria F.
    Grata pela atenção.


  147. Bom dia, tenho uma irma que momento atua como eventual na rede estadual, mas ja teve aulas atribuidas entre agosto de 2007 e julho de 2009, ela possui uma doença cronica e não se encontra muito bem de saude, gostaria de saber se ela pode se encostar pelo inss. Obrigado


  148. Nesse ano de 2009, não faltei nenhum dia sequer. Sou PEBI efetiva e necessito dar uma falta abonada num sábado de reposição. Esse abono pode ser indeferido? Se acaso for, essa falta passa a ter qual carater: justificada, injustificada?
    Obrigada


  149. BOA NOITE, OBRIGADO PELA RESPOSTA MAS AINDA TENHO UMA DÚVIDA EM JUNHO DE 2007 EU NÃO ESTAVA TRABALHANDO NO ESTADO E NO MEU HOLERITH VEM CARGO FUNÇÃO ATIVIDADE (F/06407 PROFESSOR EDUCAÇÃO BASICA I) CATEGORIA ( ADM. LEI 500/74 – EVENT. – R.G.P.S) ACHO QUE ASSIM FICARA MAIS FACIL PARA VOCÊ ME EXPLICAR E EU ENTENDER MELHOR DESDE JÁ AGRADEÇO.


  150. karlla
    ola,gostaria que me esclarecessem uma duvida,em 2005 foi o primeiro ano que peguei aulas atribuidas entao fui considerada OFA certo?como as aulas sempre são escassas eu pegava e perdia pegava e perdia as aulas,em 2006 fui ofa o ano todo ,no ano da bendita lei 2007 so peguei aulas no final do ano,em 2008 fui ofa o ano todo e agora em 2009 peguei aulas livres no mes de junho…o secretario de onde leciono disse que eu pertenço a categoria L,tem algo que eu possa fazer para que meu caso seja revisto e eu passe a categoria F?por favor me instruam…essas aulas livres eu vou receber ate fevereiro de 2010 ou pela nova lei perco essas aulas em dezembro mesmo elas sendo livres?aguardo resposta obrigado


  151. Boa Tarde,

    Estou lecionando desde fevereiro de 2009 como eventual, pergunto, sou enquadrada na Categoria OFA ‘F’ ou OFA ‘L’?

    Obrigada

    Fico no aguardo.


  152. em 9 setembro 2009 às 14:02 professortemporario

    Elaine
    A partir a publicação da lei 1093 o professor OFA L que estava em exercício e perdeu seu vínculo não pode mais assumir aulas até a realização do processo seletivo. Assim, com o retorno da professora a quam você substituía, você perdeu esse vínculo.


  153. em 9 setembro 2009 às 14:15 professortemporario

    Anderson
    A aposentadoria por motivo de saúde pelo INSS é um processo complicado, que leva em consideração o tempo de contribuição e a condição apurada na perícia médica. Assim, se uma pessoa precisa se aposentar por motivo de saúde pelo INSS ela deve procurar um posto e agendar uma perícia, apresentando seus comprovantes de contribuição e holerites de todos os serviços por que ela passou.


  154. em 9 setembro 2009 às 14:29 professortemporario

    Professoras Carla, Nilma e outros professores com vínculo anterior a 2007 que estão cadastrados na categoria L

    Vocês devem entrar com um requerimento solicitando explicações sobre a sua situação na secretaria da escola, ou, se não tiver vínculo atualmente, na diretoria de ensino onde lecionou da última vez.

    O que escrever no requerimento?

    Ilmo Sr Dirigente Regional de Ensino

    Fulano de tal, portador do RG nº tal e professor de educação básica (I ou II) inscrito sob o RS tal (aquele do holerite) solicita de V. Sa. a correção de seu enquadramento funcional, a luz da legislação vigente.

    Considerando o texto da Lei Complementar Nº 1010, de 01 de junho de 2007, especificamente no parágrafo segundo do artigo 2º:
    Artigo 2º – São segurados do RPPS e do RPPM do Estado de São Paulo, administrados pela SPPREV:
    [...]
    § 2º – Por terem sido admitidos para o exercício de função permanente, inclusive de natureza técnica, e nos termos do disposto no inciso I deste artigo, são titulares de cargos efetivos os servidores ativos e inativos que, até a data da publicação desta lei, tenham sido admitidos com fundamento nos incisos I e II do artigo 1º da Lei nº 500, de 13 de novembro de 1974.

    E o texto da Lei Complementar Nº 1.093, de 16 de julho de 2009, em suas Disposições Transitórias:
    Artigo 1º – Aos servidores ocupantes de funções de docente abrangidas pelo disposto no § 2º do artigo 2º da Lei complementar nº 1.010, de 1º de junho de 2007, será assegurada a atribuição de carga horária equivalente a 12 (doze) horas semanais de trabalho, composta por 10 (dez) horas em atividades com alunos e 2 (duas) horas de trabalho pedagógico na escola, em atividades coletivas, observadas as seguintes condições:

    Solicito a correção do meu enquadramento funcional para o que estabelece a lei nº 1093 em suas disposições transitórias, tendo em vista o fato de eu ter sido admitido(a) como professor(a) OFA na rede estadual de São Paulo em xx de xx de aaaa, antes da publicação da lei nº 1010, conforme os documentos anexos (cópias dos holerites mais antigos).

    Como o próprio texto da referida lei estabelece, com a expressão “até a data da publicação desta lei”, como o servidor(a) contratado(a) pela lei nº 500 antes a referida publicação sou considerado(a) titular de cargo, sem nenhum tipo de restrição legal.

    Nesses termos
    Pede deferiemento

    Local, data
    Assinatura

    (Em duas vias protocoladas)

    Caso a resposta ao requerimento seja negativa, a mesma resposta oficial e por escrito será fundamental para exigir isso na justiça.


  155. em 9 setembro 2009 às 14:33 professortemporario

    Professora Ângela

    A falta abonada é um direito, mas a sua data deve ser aprovada pela direção. O ideal seria se você entrasse com um requerimento por escrito, solicitando a falta abonada, com uma atencedência de pelo menos cinco dias úteis. Assim, se a diretora negasse ela teria que explicar o porque e dependendo do que justificasse, você poderia entrar com um recurso na diretoria de ensino alegando assédio moral. (Daí a necessidade da antecedência…)


  156. em 9 setembro 2009 às 14:42 professortemporario

    Negrinha (Ou melhor, brasileira afrodescendente…)
    Os professores OFA (F e L) são aqueles que assumiram aulas em atribuição, substituindo um titular de cargo ou outro professor OFA. Essa situação constitui um vínculo empregatício formal e por essa razão o Estado não pode simplesmente se livrar delas.

    Entretanto, infelizmente, os professores eventuais não são considerados como vínculo empregatício formal pela nossa legislação trabalhista. Por essa razão, as regras que se aplicam aos professores eventuais que nunca assumiram aulas como OFA são as da lei 1093.


  157. em 9 setembro 2009 às 14:54 professortemporario

    Professores
    Vocês já devem ter reparado que estamos tendo uma certa dificuldade em responder todos os comentários dentro do prazo que gostaríamos. (Também somos professores e temos nossos queridos alunos e principalmente, suas provas…)

    Assim, estamos nos esforçando e solicitamos que os professores que tiverem alguma experiência, notícia, ideia ou referência legal para ajudar a combater os cadastros errôneos feitos pelas diretorias de ensino, que divulguem em seus comentários, como orientações aos que precisam.

    Estamos também com a ideia de abrir a participação nesse site para mais pessoas. Pensamos em lançar usuários, como “professoratemporária” por exemplo, que seriam disponibilizados aos professores que quisessem colaborar com nossa iniciativa, respodendo questionamentos e publicando notícias e informações do interesse da categoria.

    Talvez com esse tipo de ajuda, possamos ajudar a mais pessoas…


  158. Bm dia, gostaria de saber se os professores que atuaram somente como eventuais antes de junho de 2007, tem alguma possibilidade de passar apertencer a categoria f, atraves de algum procedimento jurididco. Obrigado.


  159. em 10 setembro 2009 às 10:49 Fabiana Gomes de Souza (Nhandeara/SP)

    Tenho uma dúvida.
    Eu possuo Licenciatura Plena em pedagogia e gostaria de saber se posso ministrar aulas de Sociologia. Porque na escola onde sou temporária, quem está com essas aulas é uma profissional de Serviço Social. Isso é correto? Há algo que posso fazer para poder, no ano que vem, caso não tenha nenhuma pessoa formada em Ciências Sociais e ou Sociologia poder pegar essas aulas? Obrigada


  160. OLá eu queria saber quando vai sair a lei L p/ professores eventual trabalhar.


  161. Quando vai abrir portaria p/ professor com lei L.
    Será que vai se esse ano tormara que si ,preciso mto.


  162. CARLA
    agora em 2009 peguei aulas livres no mes de junho…o secretario de onde leciono disse que eu pertenço a categoria L,tem algo que eu possa fazer para que meu caso seja revisto e eu passe a categoria F?por favor me instruam…essas aulas livres eu vou receber ate fevereiro de 2010 ou pela nova lei perco essas aulas em dezembro mesmo elas sendo livres?aguardo resposta obrigado


  163. olá boa tarde!!meu nome é josé roberto curso o 4° semestre do curso licenciatura química, já possuo as 160 horas exigidas para poder ministrar aulas de matemática, física e química a qual se deve a minha formação, porém uma “lei” me impede de poder ministrar aulas no estado pelo motivo que não possuo a chamada “portaria” aberta, gostaria de saber se há alguma possibilidade dessa “lei” ser revogada, desde já grato de sua compreensão.


  164. em 10 setembro 2009 às 15:26 professortemporario

    Tati

    Como já dissemos, não vai haver abertura de portarias. O que vai acontecer é a prova do processo seletivo


  165. em 10 setembro 2009 às 19:03 Professora Renata

    Boa noite

    Estou desesperada por uma orientação … entrei para dar aulas como enventual em 21 de agosto de 2009 em uma escola do Estado … esta semana a diretora me informou que não conseguiram abrir a minha portaria devido a nova lei… e agora como faço para receber estas aulas? Na Diretoria de Ensino me disseram que eu teria que esperar um cadastro que o governo irá mandar para eu preencher, porém a diretora disse que e eu fizer este cadastro não poderei lecionar ´por 200 dias “corridos ” que vem e nem fazer a prova dos ofas . Queria saber se é isto mesmo …

    Grata


  166. em 10 setembro 2009 às 19:06 Professora Renata

    já ouvi dizer que são 200 dias letivos enão corridos conforme me informaram na DE …


  167. em 10 setembro 2009 às 23:54 Professora Temporária

    Aos professores que ainda estão em dúvida a qual categoria pertencem, sugiro que leiam os comentários acima desde o topo da página. Está tbém especificado na folha de pagamento no campo categoria da seguinte maneira:

    CATEGORIA F – ADM. LEI 500/74-FCAO NAT. PERM. (estáveis após a lei 1010/07)

    CATEGORIA L- ADM.LEI 500/74- R.G.P.S

    Quem recebe ou já recebeu como professor eventual (categoria extinta após a lei 1093/09), terá no campo categoria: ADM. LEI 500/74 – SUBS DOC EVE

    O professor que foi admitido antes da publicação da lei 1010/07, mas que não estava vinculado no momento da publicação da mesma, se enquadra na categoria L ( é o meu caso), pode tentar recorrer o direito de estabilidade enviando um requerimento ao Dirigente Regional de Ensino, protocolado em duas vias.

    Saibam que tudo isso que escrevi, eu aprendi aqui mesmo, LENDO TODOS OS COMENTÁRIOS ANTERIORES!


  168. em 11 setembro 2009 às 12:52 professortemporario

    Professora Renata
    O problema não é se você vai receber, mas sim quando. Com a mudança na lei o sistema de pagamento do Estado não está aceitando novos cadastros. Assim, suas aulas ficam registradas na escola e a secretaria da mesma até encaminha o pedido de pagamento, mas o sistema não libera porque você não consta no banco de dados. Assim, provavel e infelizmente, suas aulas serão pagas depois que se fizer o processo seletivo de professores, com a aceitação de novos cadastros no sistema e com uma nova solicitação da escola, por exercícios anteriores.


  169. em 12 setembro 2009 às 12:50 Professora Renata

    Entendi … a minha preocupação seria de perder essas aulas, quanto a receber só o ano que vem já estava esperando por isso … mas pelo que ententendi a escola tem como solicitar esse pagamento quando for feita uma nova classificação, seria issso ???

    Grata


  170. em 12 setembro 2009 às 20:37 Fabio Douglas

    Boa noite Professores, estou cursando o 3º semestre de licenciatura em matematica de um total de 6. Fui informado pela delegacia de ensino da minha região que apos completar 50% do curso, que será no final deste ano, eu já poderia dar aula. Minha duvida é se realmente eu poderei dar aulas no ano que vem, e se puder, como devo proceder.

    Agradeço desde já


  171. em 13 setembro 2009 às 16:16 professortemporario

    Fábio
    A partir de 2010, se naa mudar até lá, quem não tem diploma de licenciatura não poderá leiconar na rede pública. Como a categoria professor eventual foi extinta com a lei 1093, todos os interessados em lecionar na rede estadual como professores temporários deverão se increver para fazeruma prova do processo seletivo. Essa inscirção será feita nas diretorias de ensino e exigirá a apresentação dos docuemtnos que comprovam a habilitação.


  172. No meu holerith, esta como categoria F, no entanto estava sem vínculo ate ser me atribuidas aulas de projeto (Programa Escola da Família)no dia 16/07/2009, trabalhei por 20 dias, e agora disseram que não poderiam me admitir…havia sido aberta uma portaria na mesma escola e para a mesma função em 03/2009. Porem era apenas uma substituição de ferias e perdi o vinculo. Existe alguma forma de ser admitida?? existe apostilamento de portaria??? continuo sendo categoria F, apos ter perdido o vínculo????


  173. Aproveitando a pergunta do Fábio, gostaria de saber se já se tem data definida para que essas inscrições comecem a ser feitas!?!?!


  174. em 14 setembro 2009 às 14:11 GEORGEA RAFFA

    RAFFA
    ola,gostaria que me esclarecessem uma duvida,em 2005 foi o primeiro ano que peguei aulas atribuidas entao fui considerada OFA certo?como as aulas sempre são escassas eu pegava e perdia pegava e perdia as aulas,em 2006 fui ofa o ano todo ,no ano da bendita lei 2007 so peguei aulas no final do ano,em 2008 fui ofa o ano todo e agora em 2009 peguei aulas livres no mes de junho…o secretario de onde leciono disse que eu pertenço a categoria L,tem algo que eu possa fazer para que meu caso seja revisto e eu passe a categoria F?por favor me instruam…essas aulas livres eu vou receber ate fevereiro de 2010 ou pela nova lei perco essas aulas em dezembro mesmo elas sendo livres?aguardo resposta obrigado


  175. em 14 setembro 2009 às 14:22 professortemporario

    Elis
    Até quem hoje não está na rede mas estava em junho de 2007 pertence a categoria F.
    No entanto, todas essas pessoas só perão assumir aulas no Estado depois que se fizer o processo seletivo. Até lá, mesmo havendo a necessidade e não havendo interessados, as escolas só podem atribuir aulas aos professores que permenecem vinculados. Sem poder atribuir essas aulas, a situação vai sendo levada com os eventuais.


  176. Sabe, professor, embora eu não seja professora temporária desde 2000, creio que posso participar deste site na qualidade de professora que também sofre com os desmandos deste governo. Acho que posso até fazer aqui uma “brincadeira” com estas novas categorias: “L” de “lixo”, “O” de “otários” e “F” de “feliz”. Sim, FELIZ, pois esta foi a categoria mais premiada pela Secretaria da Educação, graças à APEOESP. E eu gostaria muito de provar a vocês que essa é a grande verdade: os professores “O” e “L” são as categorias que mais vão sofrer com tudo isso, mas o professor efetivo não ficará atrás, pois terá de trabalhar em várias escolas, devido à diminuição gradativa das salas de aula e à reforma do Ensino Médio e do EJA, enquanto o professor categoria “F” terá a garantia de ter, pelo menos, o salário de 12 aulas, em sala de aula ou não. Fora isso, existem outras vantagens desta categoria que gostaria de divulgar a vocês:
    Efetivo não pode ter suas aulas atribuídas numa única escolha, como deveria ser, mas em três.

    ACT “F” pode.

    Efetivo não pode ter atribuídas, no meio do ano, caso perca aulas do EJA, aulas livres da escola onde está lotado.

    ACT “F” pode continuar com suas aulas livres sem nenhum prejuízo, a menos que seja o último classificado da D.E. toda. Um absurdo, se considerarmos que a um professor efetivo sobre o resto do resto, condição que não caberia a quem passou num concurso.

    Efetivo em estágio probatório não pode exercer nenhuma função fora da sala de aula sem prejudicar sua contagem de 3 anos.

    ACT “F” pode.

    Efetivo, para ganhar por 12 aulas, não pode deixar de ministrá-las, arcando com muita cobrança e com alunos mal preparados e mal educados.

    ACT “F” vai poder, mesmo não passando em processo seletivo, sem nenhuma redução no salário.

    Efetivo que passar no concurso não vai poder ministrar aulas sem curso e sem passar em outra prova de conhecimentos, além disso, terá 4 meses de salários reduzidos.

    ACT “F” vai poder passar apenas e tão somente em um único processo seletivo e ganhar ou pelas aulas que ministrar ou pelo mínimo de 12 aulas, sem nenhuma redução no salário.

    Efetivo não pode ter aulas da nova pasta (se é que se pode chamar assim) em sua jornada (DAC, leitura e o que mais vier).

    ACT “F” pode pegar o que estiver disponível.

    Efetivo não pode exercer funções criadas pela S.E., mesmo tendo o perfil, a competência e a vontade (sala de leitura, por exemplo, e certamente vai haver mais, até para justificar a estabilidade dos ACTs categoria F).

    ACT “F” pode, caso o readaptado não possa. Pode até recusar-se a trabalhar com alunos em aula vaga, confirmando a carga estafante e desgastante que sofre o professor que está na sala de aula.

    O PROFESSOR TEMPORÁRIO TEM AO MENOS UM SITE COM PESSOAS INTERESSADAS EM AJUDÁ-LO, O EFETIVO, NEM ISSO TEM MAIS…


  177. Minha Dúvida é a seguinte: Sou PEBII categoria F. Atuo como PC faz quase 7 anos. Como ficará minha situação com essas mudanças? Pela Resolução 88/08 é necessário que eu tenha 10 aulas atribuídas para que eu continue designada.
    A outra dúvida é a seguinte: Tenho vários cursos como Formadora e multiplicadora, todos certificados pela CENP da Secretaria da Educação do Estado de São paulo, Pós Graduação em Gestão e Adm. Escolar, dentre outros, atuo como Professora Coordenadora (pela Resolução 88/08 sou formadora), tenho quase 12 anos no magistério da rede estadual e quase 7 como Professora Coordenadora, se eu for aprovada em Concurso, com toda essa experiência e certificação que possuo, como ficará minha situação frente a tal “ESCOLINHA DE FORMAÇÃO”?


  178. Outra dúvida, é verdade que em 2011 não existirá mais OFAs, que quem não for aprovado nesse concurso, será desligado, em outras palavras “demitido sem justa causa”, pois é o que me parece que versa na lei 1093/09, que somente atuarão no magistério professores efetivos.

    Isso procede?


  179. Olá, ano passado prestei a provinha para ofa e fui classificada mais com o recurso da apoesp e minha pouca idade minha classificação caiu para 1481, então fui me inscerevr para eventual nas escolas, porém fui chamada para substuição mais a pessoa disse antes de terminar o contato que eu não poderia pois não tinha portaria. Como faço para conseguir essa tal de portaria? Onde? Obrigado


  180. em 16 setembro 2009 às 16:45 professortemporario

    Professora Ana Lúcia

    1) Como está na rede á tanto tempo, você faz parte da categoria F e será obrigada a fazer a prova, pois se não fizer estará abrindo mão do seu direito e será desligada da rede;
    2) Pela nova regra, todo professor F receberá um saldo de aulas de pelo menos 12 aulas, dentro da sua classificação, sendo que os de classificação mais baixa ficarão numa condição parecida com a de professores volantes. Quem não passar na prova não entrará em sala de aula.
    3) Diante do Estado, toda a sua formação anterior vale menos que o que você receberá na Escola de Formação de Professores…
    4) Em 2011 só existirá como OFA a categoria F, da mesma maneira que ainda existe a categoria de professores estáveis.


  181. Agradeço a atenção em me responder.

    Mas diante de tal observação:

    3) Diante do Estado, toda a sua formação anterior vale menos que o que você receberá na Escola de Formação de Professores…

    Creio que seja piada, pois a maioria dos cursos de formação que tenho foi, ministrado pela própria Secretria da Educação.

    Enfim, creio que terei que me conformar e retroceder toda minha vida funcional diante de tal concurso.

    Conto hj com 24,367 de pontuação na disciplina de história, e acredito que não deva ficar como professor volante.


  182. No caso de uma futura aprovação em concurso, acredito não ser somente a minha condição, será difícil sobreviver durante 4 meses com minguados 75% do salário base que daria hj R$650,00 (seissentos e cinquenta reais).

    E isso é resolver e elevar a qualidade do ensino no Estado de São Paulo?


  183. ENTÃO QUEM É ALUNO DE LICENCIATURA E É EVENTUAL COM PORTARIA ATÉ DEZEMBRO 2009, NÃO VAI PODER FAZER A PROVINHA?


  184. ME EXPLICANDO MELHOR

    …me oriente, ESTOU MUITO PREOCUPADA….

    Tenho 21 anos de estado, em 2007 era OFA 500/74 da categoria F, em agosto de 2007 pedi para ser desligada do estado( NÃO SABIA QUE IRIA SURGIR ESTE LEI ) e fui trabalhar na rede municipal, não trabalhei em 2008, mas fiz as provas seletivas pedidas, este ano, retornei ao estado e me enquadraram na categoria L, fui informada que não há nada a ser feito na minha situação, tanto pela secretaria da escola como pela diretoria de ensino, pois fui eu que pedi dispensa do estado , mas, e todo o periodo que contribui financeiramente para o estado??Tenho 03 quinquênios, sou formada em pedagogia. A quem devo procurar para não perder as vantagens da categoria F???É verdade que não poderei retornar para categoria F???


  185. O Estado, como toda instituição (a religião, o casamento poligâmico, o hospital, a penitenciária, a escola) algo apenas digno do nojo, mas apenas daqueles que, de fato, têm aversão ao Estado. No entanto, mesmo aqueles que têm nojo, asco, à qualquer instituição e, que de fato, qurem exercer a docência, não como mero ganha-pão, e que sejam éticos primeiramente consigo mesmos, terão de fazer a “prova”, seja ela “provinha ou não”. O que não se sustenta, é o discurso dos operários da educação, cujo espírito é de rebanho. Faz-se necessário, um projeto ético, um compromisso ético, de si para consigo mesmo, sem tal compromisso, não há compromisso algum. As condições para o exercício do magistério, de fato, são precárias, isso não é novidade. Mas, Quantos de nós, somos docentes por vocação? Quantos de nós, não vemos na docência (principalmente os efetivos na rede pública estadual) uma maneira de ganhar seus R$ 2.000,00 de forma fácil? Eis uma questão ma se pensar. Em relação aos efetivos (há pessoas sérias e comprometidas nesta categoria, embora poucas), não há o que se fazer, são amparados pela Lei, mas, para quem tem a docência como algo além de um mero fácil ganha-pão, é uma boa oportunidade de se inscrever em um desafio, de testar suas forças.


  186. Primeiramente quero parabenizar esse canal de atendimento e tira-dúvidas em relação a legislação, pois está sendo de grande valia para que eu possa me orientar.

    Parabéns a iniciativa!

    Peço a gentileza de se possível me orientarem e esclarecer a respeito de tantas mudanças nas leis da educação Estadual do Estado de São Paulo feita pelo nosso “maravilhoso” governador do PSDB Excelentíssimo Senhor José Serra.

    Duvidas
    1. No caso de uma aprovação em concurso, será possível a remoção pelo artigo 22?
    2. No caso de aprovação em concurso, existe a possibilidade de afastamento para a Coordenação Pedagógica em outro município que não seja o cargo, se não qual a lei ou decreto que normatiza?

    Agradeço a atenção antecipadamente


  187. em 17 setembro 2009 às 18:16 professortemporario

    Isso, se o salário base não for calculado por 12 aulas…


  188. em 17 setembro 2009 às 18:23 professortemporario

    Marileuse

    Acreditemos que seu caso é o mesmo tratado no artigo sobre professores F classificados como L. Entendemos que você deva fazer sua inscrição normalmente e participar do processo seletivo como F. Mas, se algo ocorrer, acreditamos que sua batalha deva ser iniciada com o requerimento explicitado nesse artigo. Entre último caso, procure um advogado e entre na justiça.


  189. em 17 setembro 2009 às 18:33 professortemporario

    Ana

    Ao que sabemos, o concurso, que já foi adiado para abril de 2010, será regionalizado e consequentemente, as remoções dos que nele forem aprovados serão limitadas às diretorias de ensino


  190. Boa Noite,

    Gostaria de saber como fica minha situação, pois minha portaria foi aberta em Abril de 2007, porém nunca tive vínculo, sempre trabalhei como eventual e minha contribuição é feita pela previdência social, nessa situação a qual categoria pertenço?

    Agradeço antecipadamente,


  191. em 17 setembro 2009 às 18:45 professortemporario

    Categoria O, regulada pela 1093


  192. Boa noite,

    Tenho Licenciatura em Pedagogia, e no inicio de março 2009, minha portaria foi aberta como eventual. Pelo que li até agora esse cargo não existirá apartir de dez/2009. Até lá poderei participar das próximas atribuições ou não?

    Outra dúvida que tenho, quem é categoria F, e possui o Magistério poderá continuar com sala PebI?

    Quanto a prova já possui uma data prevista para acontecer? Haverá um conteúdo com legislação ou não?

    Muito Obrigada,


  193. em 18 setembro 2009 às 00:04 professortemporario

    Não é por acaso que o título deste artigo é caixa preta. As informações ainda não estão todas disponíveis e ainda precisaremos analisar muita coisa para responder algumas questões. O que sabemos é que o processo seletivo será parecido com o que aconteceu no final do ano passado.

    Quem está na rede como eventual e não estava vinculado como OFA antes de julho ou perdeu esse vínculo não poderá concorrer às atribuições deste ano


  194. Boa tarde tenho uma dúvida. Sou Professor Ofa categoria F de 1ª á 4ª série e professor de classe especial. Na função de 1ª á 4ª foi congelada e assumi as aulas de classe especial agora no segundo semetre. Pergunto neste caso eu poderei participar do processo seletivo? Caso não o que deverei fazer para poder participar desse processo?
    Um abraço


  195. em 18 setembro 2009 às 12:11 Joyce Fernandes

    Gostaria que vcs resposta URGENTE!!!!

    Nunca fui OFA, somente ministrei aulas de eventual. Não
    precisei fazer o Laudo Médico, pois na minha SEDE a secretaria disse q não precisava. Acontece que neste mês de Setembro foram me atribuídas classes da Recuperação Parelela conhecida como Reforço em outra Unidade Escolar. O Secretário desta U.E pediu pra que eu fizesse um Atestado Médico e não mais Laudo médico, e pediu todos meus Exames e Documentos novamente……o que acontecerá comigo? Que categoria eu irei me enquadrar? O ano que vem poderei lecionar novamente?


  196. em 18 setembro 2009 às 17:24 professortemporario

    Cássio

    Como OFA F você é obrigado a aprticipar do processo seletivo. Como você tem o direito adquirido, o Estado é obrigado e lhe garantir pelo menos 12 aulas, nem que seja para ficar na sala dos professores…


  197. em 18 setembro 2009 às 17:27 professortemporario

    Joyce

    Por nunca ter lecionado como oFA você pertence à categoria O, que é regulada pela lei 1093. Ao assumir essas aulas, dentro dessa categoria, você terá que fazer os exames médicos do Estado e terá que cumprir o gancho de 200 dias ao final do seu contrato. Assim, acreditamos que você não poderá lecionar no Estado em 2010


  198. em 19 setembro 2009 às 01:15 LUCILENA APARECIDA DE ABREU NAVA

    Sou professora de Letras, entrei em exercício no dia 13 de março de 2009, como eventual. No dia 13 de Abril consegui aula atribuida em um projeto do Serra em uma escola Tempo Integral, onde fiquei até dia 07/07/2009, só que em Agosto de 2009 não pude pegar mais, segundo a diretora da escola eu não posso pegar essas aulas pois de acordo com a mesma eu me enquadro na categoria I, Que quer dizer essa categoria i? Pois pensei que me enquadrava na categoria L e não I. Aguardo a resposta. Obrigada! Lucilena


  199. DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS
    Instrução Conjunta CEI/Cenp/Cogsp/DRHU, de 18-9-2009
    Dispõe sobre a atribuição de aulas na rede estadual de ensino e sobre a admissão de docentes por prazo certo e determinado
    Os Dirigentes da Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas, da Coordenadoria de Ensino do Interior, da Coordenadoria de Ensino da Região Metropolitana da Grande São Paulo e do Departamento de Recursos Humanos, considerando a necessidade de se assegurar aos alunos o oferecimento das aulas na forma estabelecida em lei e de se garantir o prosseguimento dos estudos, observados os conteúdos, atividades e demais ações previstas na proposta pedagógica da escola, expedem a presente Instrução:
    1 – a Lei Complementar nº 1.093 de 16, publicada em 17 de julho de 2009, que dispõe sobre a contratação de servidores temporários, impede que ocorra nova contratação da mesma pessoa, com o mesmo fundamento legal, antes de decorridos 200 (duzentos) dias do término do contrato.
    2 – a mencionada lei complementar assegurou aos docentes temporários “categoria L”, que se encontravam admitidos em 17 de julho de 2009, a prorrogação da contratação até o final do ano de 2011, sem que haja interrupção do mínimo de 200 dias.
    3 – Estabeleceu, ainda, a obrigatoriedade da aplicação de uma Prova de Conhecimentos, antecedendo o processo de atribuição de aulas, exigindo que o candidato obtenha a aprovação para poder ser contratado temporariamente.
    4 – Cabe lembrar que regra idêntica havia sido fixada para os atuais docentes temporários, abrigados pela Lei Complementar nº 1.010, de 1º de junho de 2007, categoria “F”, que passarão por uma Prova para concorrer à atribuição de aulas.
    5 – Assim, para a atribuição de aulas no próximo ano letivo, a Secretaria da Educação organizará uma Prova de Conhecimentos, para todos os professores não efetivos, e nos próximos dias estará divulgando as regras, datas e os demais esclarecimentos necessários.
    6 – no entanto, para o processo de contratação de professores no corrente ano letivo poderá ser utilizada a classificação vigente.
    7 – Assim, a vedação à atuação continuada do contratado, sem que haja a interrupção do mínimo de 200 (duzentos) dias (item 1), só se aplicará, no caso dos docentes, já nos próximos anos, àqueles contratados após publicação da LC 1.093/2009, vez que não se aplica aos docentes temporários que já se encontravam admitidos em 17 de julho de 2009, seja na condição de Categoria “F” ou na condição de Categoria “L”.
    8 – no caso de docentes, ainda de acordo com a LC 1.093/2009, a extinção do contrato só se dará no final do ano letivo fixado no calendário escolar, ou seja, o docente temporário não é dispensado durante o ano letivo, ainda que inicie sua contratação em razão de substituição por período pequeno ou até para atuação como docente eventual.
    9 – Podemos concluir, então, que, as aulas disponíveis na rede estadual de ensino podem ser atribuídas, respeitados a classificação e o limite de 200 aulas mensais, aos docentes:
    * Efetivos – para aumento de carga horária;
    * Temporários – categoria “F”, em exercício ou não;
    * Temporários – categoria “L”, em exercício ou não, mas que estavam vinculados em 17/7/2009.
    10 – Se após o atendimento na forma detalhada no item anterior, ainda houver aulas disponíveis, cabe à Diretoria de Ensino orientar às unidades escolares de que poderá ocorrer a atribuição de aulas a novos candidatos ou a docentes que estavam desvinculados seja esclarecido de que permanecerá admitido por durante todo o restante do ano letivo; seja orientado de que o preenchimento do seu contrato, para fins de registro e pagamento, ocorrerá somente após publicação de modelo oficial que acompanhará Instrução da Unidade
    Central de Recursos Humanos da Secretaria de Gestão Pública.
    11 – o contrato de trabalho e o pagamento das aulas ministradas pelos servidores de que trata o item anterior retroagirão à data do início do exercício e serão providenciados assim que for divulgado o modelo oficial por meio da Instrução UCRH da Secretaria de Gestão Pública, não sendo necessário aguardar qualquer publicação.
    12 – E, remanescendo, ainda, aulas disponíveis para atribuição, considerando a necessidade de atender aos mínimos de carga horária e de dias letivos, fixados na Lei Federal nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996 – LDB, caberá às Diretorias de Ensino orientar as unidades escolares quanto: às diretrizes que evitem, quando possível, afastamentos de docentes para atividades administrativas, exceto se a unidade contar com substituto para as respectivas aulas; ao atendimento às aulas regulares, priorizando a atribuição das mesmas em relação a aulas de projetos e/ou de enriquecimento curricular.
    Fonte: http://www.imprensaoficial.com.br/

    Postado por http:// marileusesouza.blogspot.com


  200. Bom dia professor, meu caso é o seguinte, eu comecei a lecionar no dia 18 de junho de 2009, e minha sede foi aberta em agosto pois faltavam algumas documentação pra que pudesse abrir minha sede, gostaria de saber se o ano que vem vou ficar retida, sem poder lecionar, e que categoria pertenço? desde já agradeço


  201. Olá, gostaria de descobrir em qual categoria me enquadro?
    Iniciei no Estado em Agosto/2006 como professora eventual – estudante. Em Agosto/2007, voltei para o Estado e peguei uma lincença até terminar o ano – ainda em situação de estudante. Em 2008, comecei a substituir em Março. A secretária mudou a minha categoria, pois estava formada. Mas não sei exatamente qual. Peguei várias licenças. Em agosto deste mesmo ano, peguei aulas de reforço. Disseram, que tiveram que mudar a minha portaria.
    Trabalhei até dezembro. E eu fiquei com o status de “Desligada”.
    Este ano, fiz a inscrição na DE como OFA, mas não trabalhei no estado.
    Em meu último holerit aparece as seguintes informações:

    Cargo/Função Atividade
    F/6409-PROFESSOR EDUCACAO BASICA II

    Categoria
    ADMITIDO LEI 500/74 – R.G.P.S.

    Então, sou “F” ou “L”?

    desde já agradeço a atenção,


  202. Desculpe, tenho que complementar.
    Essa semana, tentei pegar aulas na atribuição – Unidade Escolar.
    Disseram que eu não podia, devido a mudança na lei.


  203. em 19 setembro 2009 às 13:27 professortemporario

    Tem pessoas que se referem aos professores que serão regulados exclusivamente pela 1093 como sendo categoria O ou I. No caso de um professor que lecionou na rede, até antes de 2007, mas como eventual, esse professor obrigatoriamente será regulado pela 1093 e terá que cumprir o gancho, pois a condição de eventual é tao precária que se quer é considerada vínculo trabalhista. É o absurdo do bico institucionalizado pelo Estado…


  204. em 19 setembro 2009 às 13:37 professortemporario

    Respondendo a todos

    Acreditamos que o comentário de Marileuse (que sempre contribui de maneira decisiva a este site) enviado em 19/09/2009 responda a todas as questões referentes às categorias F e L e sobre quem pode concorrer às atribuições deste ano.


  205. Olá, sou estudante do 6º ciclo de direito e gostaria de saber como sei se esse curso da licenciatura plena ou curta e se sendo estudante possodar aulas?


  206. em 19 setembro 2009 às 23:27 professortemporario

    Margareth

    Qualquer pessoa formada em uma carreira de nível superior que queira lecionar na rede pública terá que fazer uma complementação pedagógica, que varia de seis meses a um ano de curso. Essa complementação garante um diploma de licenciatura, na disciplina mas próxima da formação inicial


  207. Oi bom dia, vou insistir novamente, perguntando como fica minha situação, comecei a lecionar no dia 18 de junho 2009, e minha sede foi aberta em agosto, por falta de documentação, gostaria de saber qual é a minha categoria, se vou poder lecionar o ano que vem, e quando receberi meu primeiro sálario, seé depois de 3 meses como dizem??? Desde já agradeço


  208. em 20 setembro 2009 às 17:19 professortemporario

    Mayra
    Sua situação é complicada, pois como você lecionou na rede antes da publicação da lei 1093, deveria ser considerada categoria L. Mas, como sua situação só foi regularizada depois da lei é possível uqe você seja considerada da categoria O. Sobre seu salário, tudo dependerá de como foi feito o seu cadastro. Se o Estado considerou o início dele em junho, você receberá dentro de três meses, tudo de uma vez. Nessa situação, você seria da categoria L e manteria a isenção de cumprir o gancho de 200 dias até perder esse vínculo. Mas, se o Estado considerou seu ingresso como posterior á lei, você talvez até perdesse as aulas, pois como professora da categoria O não poderia assumir aulas antes que se fizesse o processo seletivo.


  209. Bom dia professor, muito obrigada pelas informações, já entrei em contato com a minha escola sede, les me informaram, que minha situação esta regularizada, e estou na categoria L, o que me aliviou muito, esse site esta sendo muito util, Parabéns…


  210. Olá Professor!

    Comecei a lecionar como professor eventual em AGOSTO/2006, mas em NOVEMBRO/2006 atribui 20 aulas no período de 30 dias. Depois continuei a ministrar aulas como eventual até o fim do ano letivo desse ano. No ano de 2007, durante todo ano letivo, trabalhei apenas como eventual. Já em 2008/2009 tive aulas atribuídas durante todo ano letivo, até o momento estou com aula atribuída até o final desse ano. Há que categoria eu me encaixo? Obrigado


  211. Oi, sou colega de trabalho do professor Diego, fizemos faculdade juntos, estou na mesma situação que ele, até tivemos aulas atribuidas no mesmo periodo e no mesmo dia(novembro de 2006) e perdi as aulas em dezembro do mesmo ano. A unica diferença é que a secretária da escola aonde atribui errou na hora de fazer o meu cadastro e acabei recebendo as aulas atribuidas como eventual, mas tenho o documento da DE comprovando a atribuição de aulas. Também quero saber a qual categoria eu pertenço, dependendo da resposta que vocês derem, e no meu caso que providencias devo tomar.

    Muito Obrigado


  212. Olá, boa tarde, gostaria de saber se realmente minha categoria é “L”. Iniciei como eventual em Julho de 2006 e somente em Agosto de 2008 tive aulas atribuídas, sendo assim, sou categoria “L”??? Agradeço desde já.


  213. Tenho uma duvída com o paragráfo abaixo:

    Tudo se resume ao fatídico 02 de julho de 2007. Quem estava vinculado como OFA ao Estado nesse dia é considerado “Professor OFA categoria F”. Quem não tinha vínculo nessa época, mas lecionou como OFA até o dia 16 de julho de 2009 é considerado “Professor OFA categoria L”. Quem entrou no Estado como OFA depois de 17 de julho de ano é considerado “Professor Contratado pela Lei 1093”

    no meu Holerite eu sou da categoria L . e nesse ano eu peguei aula em maio/2009 até 08 de julho de 2009 e atualmente estou sem aula. Pelo o que li do parágrafo eu não pertencerei mais da categoria L pois perdi as aulas antes do dia 16 de julho. Não há nada que eu possa fazer??


  214. Diego

    Segundo suas informações vc se enquadra na categoria L.


  215. Denise

    Se vc teve aulas atribuídas antes da publicação da lei 1093/09 pertence à categoria L, caso contrário, se enquadra na categoria O.


  216. Patrícia

    Realmente vc agora está na categoria O, ou seja contratado pela lei 1093/09. Até o presente momento o q pode ser feito, é aguardar o processo seletivo.


  217. Cíntia

    Em 2006 não houve nenhuma alteração de lei, portanto todos os professores que foram contratados neste ano pertenciam à mesma categoria, ter ou não aulas atribuídas não influenciaria em nada. Tudo começou a mudar após a publicação da LC 1010/07, onde quem tinha aulas seja livres ou em substituição (antes de 01 de junho de 2007 ) passaria a ser estável categoria F e quem não era vinculado até a publicação da mesma passou a ser categoria L.
    Se vc teve aulas atribuídas antes de 17 de julho deste ano vc pertence à categoria L, caso contrário se enquadra na categoria O.


  218. BOA NOITE.

    VOCÊ PODE ME INFORMAR QUANDO SERÁ A PROVA SELETIVA DO PROFESSOR?
    SOU PROFESSORA OFA “F”, E NENHUMA ESCOLA QUE TRABALHO NO MOMENTO TEM ESSA INFORMAÇÃO.
    OBRIGADA.


  219. em 24 setembro 2009 às 20:40 professortemporario

    Ainda não existe uma data para essa prova, mas acreditamos que será no mês de novembro, como foi no ano passado


  220. em 24 setembro 2009 às 21:08 Nilza Maria Teixeira

    Sou professor PBI a 24anos e sou da letra F, no ano de 2007,2008 fui desligada,porque estava com um afastamento de uma professora que estava afastada pelo artigo 22,com a lei 1010/de 02/06/2007 ,esse tempo ,de janeiro e fevereiro até a atribuição será contado?

    PROFESSORA : Nilza Maria Teixeira.


  221. carla
    ola,gostaria de saber de algum professor se alguem ja entrou com o requerimento de categoria L para f?e ai deu certo?existe mesmo essa possibilidade?o secretario da minha escola disse q isso é impossivel..
    por favor alguem me responda obrigado


  222. Nilza Maria

    Em primeiro lugar, é preciso que você verifique o que consta em seu demonstrativo de pagamento. Se for ADM. LEI 500/74 – SUBS DOC EVE, você pertence a uma categoria que não existe mais, portanto, está vínculada à Lei 1093, com todas as suas restrições. Se for ADM. LEI 500/74-FCAO NAT. PERM, você pertence à categoria F, com todos os seus benefícios e vantagens. E se for ADM.LEI 500/74- R.G.P.S, você pertence à categoria L, ou seja, se passar no processo seletivo e tiver aulas atribuídas, continuará com vínculo até 2011, sem precisar cumprir gancho de 200 dias, ok! Nilza, ao entrar neste espaço do professor temporário, você verá vários artigos em que há comentários, perguntas e respostas bastante esclarecedores e que vão auxiliá-la em muitas dúvidas. Assim que tiver um tempo, leia-os, ok! Abraços.


  223. em 25 setembro 2009 às 13:48 professortemporario

    Carla

    Já respondemos a essa sua pergunta, até mais de uma vez. Entendemos a sua preocupação e ansiedade, mas solicitamos que leia os textos e os comentários da página antes de formular perguntas


  224. Oi eu gostaria de saber sobre como fica a minha situação eu cpassei a ser eventual no dia 19 de agosto ate então nunca tinha lecionado no estado, tinha meu cadastro no diretoria de ensino só quero saber se eu sou de alguma categoria sou se ja entro pela lei 1093 , vou poder fazer a prova em 2010.


  225. Sou Professora de Português e Inglês,Licenciatura Plena. Trabalhei em em Brasília-DF, com contrato Temporário,agora, moro em São Paulo,Capital. Gostaria de saber onde existe o curso de Espanhol e, se posso fazer custeada pelo governo, pois,sou Professora desempregada no momento, gostaria muito de voltar ao mercado de Trabalho, mas na minha área,
    Obrigada.
    Joirce


  226. em 25 setembro 2009 às 20:59 professortemporario

    Joirce
    A única opção que recomendamos a você seria prestar o vestibular para uma universidade pública e lá apresentar o seu histórico escolar, para eliminar a carga horária já cumprida. Com isso, você conseguiria fazer sua habilitação em espanhol sem custo


  227. Olá! Estou no estado desde 21 de fevereiro de 2008. Fiquei como eventual o ano passado e também com aulas de reforço em matemática. Este ano, 2009, estou o ano todo como eventual, pois não pude pegar aulas de reforço. Qual é minha categoria F, L ou NADA… Gente, o que é isso! Nunca vi tanta falta de respeito com profissionais… Trabalho sério… cubro efetivos e ofas cumprindo conteúdos, fazendo diários, papeletas etc… e qual o valor disso? Qual o reconhecimento? Ah! Na provinha do ano passado fui super bem, quase gabaritei… adiantou o quê?


  228. MARINEZ
    BOA NOITE, OBRIGADO PELA RESPOSTA MAS AINDA TENHO UMA DÚVIDA EM JUNHO DE 2007 EU NÃO ESTAVA TRABALHANDO NO ESTADO E NO MEU HOLERITH VEM CARGO FUNÇÃO ATIVIDADE (F/06407 PROFESSOR EDUCAÇÃO BASICA I) CATEGORIA ( ADM. LEI 500/74 – EVENT. – R.G.P.S), A SECRETARIA DA ESCOLA ONDE EU TRABALHO OLHANDO NO DRHU ELA VERIFICOU QUE EU SOU CATEGORIA “O” SENDO ASSIM EU PODEREI TRABALHAR EM 2010 SOU PBE 1 ACHO QUE ASSIM FICARA MAIS FACIL PARA VOCÊ ME EXPLICAR E EU ENTENDER MELHOR DESDE JÁ AGRADEÇO.


  229. fui atribuida com aulas no dia 30/04/2009, e perdi o vinculo no dia 16/07/09,onde a professora titular retornou no dia 17/07/09 ,pergunto a lei complemetar 1093/09 foi promugada no dia 16/07/09,e publicada no dia 17/07/09,gostaria de informaçoes quanto a data haja visto a lei nao retroage em meu desfavor,a duvida e se passa a contar da promugaçao ou da publicaçao,caso fosse na promugaçao acredito estar ai um caso de impetrar mandado de segurança gostaria de uma resposta sua obrigada.


  230. em 30 setembro 2009 às 22:25 professortemporario

    Camila
    Vale a data da publicação do diário oficial, 17/07/09


  231. O que é OFA?


  232. em 1 outubro 2009 às 21:38 professortemporario

    Juliana

    OFA significa Ocupante de Função Atividade, que no Estado de São Paulo faz referência aos professores não efetivos que ocupam a função, quando não existe professor designado para uma saldo de aulas (livres), ou quando substituem o efetivo que se afastou em licença (substituição)


  233. em 2 outubro 2009 às 20:07 Any Mery de Sousa Alves

    Este espaço reservado para os professores,foi uma ideia boa,mas esse Governo sempre vai ser imprevisivel!!Amigos muita Paz!!!!!!!!!!!!!e boa sorte a todos que um dia resolveram dedicar-se no oficio de ser Professor!!!


  234. em 3 outubro 2009 às 13:16 Prof. PINHO

    Parabéns pelo Blog!
    Mas, ai vai uma perguntinha básica:
    O que a APEOESP fez até hoje para evitar esses absurdos em relação aos professores?

    Obrigado!


  235. em 3 outubro 2009 às 18:59 professortemporario

    Prof Pinho

    Como já dissemos, não nos vinculamos a nenhum sindicato ou partido político. Assim, por questão de ética, não comentamos sobre ações ou omissões dos mesmos. Mas uma coisa temos que comentar. Na época da votação da lei a apeoesp tentou sim fazer uma pressão…


  236. em 5 outubro 2009 às 06:10 Jeniffer Abreu de Souza

    Boa tarde senhores,

    Leciono desde fevereiro de 2008. Até então, pensava que fosse OFA recebendo pelo InSS.
    Agora sou I. Como assim? Como não consegui atribuição neste ano,trabalhei apenas como eventual. Penso que estaria na categoria L, porém, sou I.

    Me perdoe, mas sou o quê? Eventual, L, I que não pode dar alas e somente no ano que vem.

    Gente estou confusa…

    Li aque que posso só prestar o concurso e dar aulas somente se passar.

    Li que eventual nao dará mais aulas.

    Teremos o concurso apenas em marco de 2010!?!!?

    E a provinha, será quie posso participar?

    Muito obrigada.

    Jennifer Abreu de Souza


  237. em 5 outubro 2009 às 13:24 professortemporario

    Jennifer

    Não por nossa intenção, mas realmente, existe sim muita informação e uma pessoa um pouco mais desatenta pode sim se confundir.

    Assim:
    1) O que foi adiado para março de 2010 foi o concurso público para provimento de cargos de PEBII efetivos na rede estadual;
    2) Pela lei 1093, os professores temporários que pretendem lecionar na rede estadual só poderão ter aulas atribuídas se forem aprovados no processo seletivo simplificado, que será realizado ainda este ano (pelo menos é o que a lei estabelece…);
    3) Os professores que fazem parte da categoria F são considerados estáveis e deveriam ser todos os que lecionaram na rede como ocupantes de função atividade, em substituição a um efetivo ou mesmo em aulas livres, até junho de 2007. Somente são considerados categoria L os professores que lecionaram como Ocupantes de função atividade em substituição a um efetivo ou mesmo aulas livres, entre junho de 2007 e julho de 2009. Esses professores não são considerados estáveis e perderão sua condição de categoria L se perderem o seu vínculo.
    4) Não existe mais a possibilidade de ser eventual, pois a categoria foi extinta e os que hoje lecionam como tal podrão fazê-lo somente até dezembro deste ano.
    5) O que alguns chamam de provinha será o processo seletivo eliminatório em que somente os professores com diploma de licenciatura poderão participar. Caso sejam aprovados, poderão participar das atribuições em 2010, dentro da classificação que obtiverem. Caso sejam reprovados, não poderão lecionar na rede até que sejam aprovados em um processo posterior.


  238. Pessoal,
    Resido em São Paulo, estou para me formar no final deste ano como bacharel em música e gostaria de sanar algumas dúvidas que atualmente me atormentam: 1) haverá ao final deste ano inscrições para professor eventual (ou equivalente) na rede pública ? 2) a licenciatura será um pré-requisito ? 3) alguém sabe me informar se existem cursos gratuitos (ou não) para formações de professores de artes aqui na cidade de São Paulo?


  239. e quem tem aula atribuida na escola da família, ficara como nessa lei…

    grata…


  240. EU GOSTARIA DE SABER SE A CATEGORIA F E´ESTÁVEL,PQ ALGUNS PROFESSORES COM ARTIGO 22 OU COM AULAS DE PROFESSORAS CONVENIADAS COM OUTRAS PREFEITURAS NÃO RECEBEM 1/3 DE FÉRIAS E O SALARIO DE FEVEREIRO,ISSO É MUITO INJUSTO,POIS TRABALHAMOS O ANO INTEIRO E NÃO TEMOS DIREITO.


  241. Terminei minha formação em filosofia em Junho de 2009, estou inscrito na diretoria de Ensino da minha região, mas como foi uma bagunça no inicio, eu não peguei aula pq não tinha sede aberta….estou sabendo q tem atribuição de aula em uma escola, mas terei q assinar um contrato q segundo a diretora ficarei 200 dias sem poder participar de alguma atribuição…isto é justo? devo pegar estas aulas? este contrato veio pra ajudar ou piorar? devo esperar o concurso? e nem sei em q categoria estou classificado…rs Por favor alguem pode me responder….?

    Abs


  242. em 6 outubro 2009 às 12:52 professortemporario

    Eliana

    Categoria F é estável, de acordo com as leis 1010/07 e 1093/09. Esses professores, como qualquer outro trabalhador registrado, tem sim direito a receber 1/3 de férias, que na rede pública são consideradas em janeiro. Se esse direito não estiver sendo garantido, vale a pena procurar a justiça


  243. em 6 outubro 2009 às 13:10 professortemporario

    Roberson

    A sua situação, de ter que cumprir 200 dias de gancho entre o fim de uma contrato e o começo de outro está correta. No entanto, de acordo com uma orientação da SEE, até que se faça o processo seletivo, só estão atribuindo aulas aos professores que já estavam vinculados ao Estado. Assim, se vale a pena ou não cabe a você pensar, mas se você tem lecionado como eventual talvez fosse melhor não assumir essas aulas, pois se o fizer e se fosse aceito, não poderia lecionar em 2010. Mantendo-se como eventual, você poderia ao menos participar das atribuições de 2010, o que não significa necessariamente que vá conseguir um saldo de aulas…


  244. ola,gostaria q me tirassem uma dúvida…apesar de ter tido aulas atribuidas antes de junho de 2007 na presente data tinha sido desligada e estava somente como eventual entao fui enquadrada na categoria L,oque acho errado mais vamos la…estou com aulas livres q peguei em maio desse ano,como sao livres gostaria de saber se sou desligada no fim do ano ou so em fevereiro?
    obrigada


  245. Muito se fala e nada se faz. Pela primeira vez alguém na face da terra deu ouvidos a nós, fantoches do nosso estado. Muito obrigado pelo site e pela possiblidade de dizer o que está engasgado.
    O nosso problema, categoria L ou F, diz respeito a uma questão de cultura de nosso país. Ninguém ainda percebeu, digo a sociedade como um todo, o caos que está a educação de Sp. Muito me chateia é por que os pais não dão a mínima para o que está acontecendo. Pelo contrário concorda quando ouvem, professores nota 0. Eles se esquecem que são os notas zeros que colocam um parabéns, que elogia e que está de um modo geral presente na vida de seu filho. É triste por que temo o futuro deste país, o que será daqui 10, 20, 30 anos? O nosso sistema impõe, nao discute, não ouve e todos dizem amém. Parabéns ao povo brasileiro que sempre está no estilo Zeca Pagodinho, deixa a vida me levar… É triste você dar o melhor de si, perder finais de semanas preparando aulas, corrigindo provas e adequando o analfabetismo ao novo currículo e depois de 30 dias receber R$1.500,00. Não temos mais vida social, perdemos o direito de viver com nossas famílias e nos dedicamos exclusivamente ao trabalho. Trabalhando na maioria das vezes 12, 14 horas por dia para poder pagar o carnê das Casas Bahia, o Boleto do carro que já está todo destruído de ir de uma escola para outra e ainda ouvir de pai que somos vagabundos e que não sabemos lecionar. Hoje não sabemos, mas daqui a dez anos esses filhos verão o quanto era bom, pois do jeito que está professor já se enquadra na lista do Ibama: Espécie em extinção. Precisamos ser ouvidos, queremos que a mídia nos ouça e veja o real problema que existe. Queremos respeito, finais de semanas para passar com nossas famílias. Queremos chegar em casa e relaxar de um dia de trabalho e não tomar um banho e preparar aulas até as 23:30 para às 7:00 estar num sexto ano com 48 alunos cheios de vida e nenhum pingo de limites. Somos nós que preparamos os Médicos, Advogados, Cirurgiões. Meu Deus até quando! Até quando a sociedade não perceberá que somos o tudo deste país e que queremos ao menos respeito. Será que um profissional que ao longo de décadas teve 18% de aumento salarial, isto é, incluindo as gratificações, está contente com o que faz? Japão, Coréia, EUA provaram que enquanto o profissional da educação não for valorizado a educação não anda. E mesmo assim insistem em colocar a culpa ne quem? Dos Marionetes, Nariz vermelho… quero um dia dizer que contribui ao menos para a formação de um cidadão, que o que aprendemos em sala de aula serve para avida toda e olhar para tráz e dizer: eu tentei, mas não deixaram. Perdi noites de sono preocupado com o rendimento de meus alunos. Chorei por dentro ao ver o desespero de um jovem de 17 anos não saber ler e nem escrever e estar na 3ª série do ensino médio. O meu muito obrigado ao Estado por me dar a oportunidade de fazer algo, foram alguns anos, que valeu para perceber o quanto sou melhor que isso. O quanto sou melhor que um sistema que dita, que impõe. O quanto tenho respeito a mim mesmo de enxergar o quanto sou mais eu e que mereço coisa melhor. E agora sei que para ser professor não são todos, somente os necessitados e os que não tem mais aonde recorrer. E sou melhor que isso! Perdão pelos erros ortográficos e concordância, mas para um professor nota zero até que saiu razoável, não acham?
    De um ex-professor.


  246. em 8 outubro 2009 às 16:34 professortemporario

    Carla

    Como você assumiu aulas livres antes da publicação da lei, você mantém seu vínculo até a próxima atribuição geral, mas deve fazer o processo seletivo se quiser concorrer nessa atribuição


  247. Alguém sabe informar ,o que teremos que realmente estudar para o Processo seletivo dos OFA ,F,L…..?
    Desde já obrigada!


  248. Caros amigos professores, a tempos, desde que me dei conta desta lei que o Serra lançou para nos prejudicar tanto é que tenho procurado me informar cada vez mais sobre esta maldita.
    Sou professora do estado há 18 anos e pela minha infelicidade estava sem vínculo naquele 1º de junho e passei a ser categoria L. E só para dividir a minha angústia com muitos que estão na mesma situação que eu, quero que saibam que já procurei um advogado do sindicato e ele disse que não há o que fazer. Protocolei também um requerimento em duas vias na diretoria de esino da minha cidade, assim como foi orientado pelos colegas aqui (professortemporário) e a resposta veio como indeferida.
    Já esgotei todos os meus esforços e tentativas sobre o que poderia ser feito para reverter esta situação, mas vejo que não há mais como lutar contra esta lei. São 18 anos de experiência e sofrimento para fazer uma faculdade jogadas pelo ralo.
    Conclusão se não passar nesta prova para ACT estarei fora como todo o meu tempo de carreira.
    Se alguém tiver alguma outra solução, por favor, divulguem neste site, pois realmente acho que não há mais o que fazer, a não ser se conformar e procurar outro campo de trabalho.


  249. em 10 outubro 2009 às 10:40 professortemporario

    Maria

    Com a resposta do indeferimento do seu requerimento, você deve procurar um advogado trabalhista, não ligado ao sindicato. Acreditamos que exista sim espaço para se questionar isso na justiça


  250. Esta categoria “L” ” F” é injusta pois quem tinha apenas reforço na data 2 de junho 2007 virou “f”, mas o CRITÉRIO de atribuiçao para ministrar aula de REFORÇO era de AMIZADE. Pois bem teve muita injustiça , ONDE ESTÁ A DEMOCRACIA?


  251. em 11 outubro 2009 às 09:26 Silvia Regina B. G. Guilherme

    Bom dia !!!
    Como professora da categoria F quero saber, se a prova será classificatória ou seletiva.
    Obrigada


  252. em 11 outubro 2009 às 09:47 Marcia Furlan

    Olá, gostaria de saber sobre “dar baixa nos profssores da categoria L em 31.12.2009″ ? Algumas pessoas falam , mas ninguém menciona onde encontaram isso, a única coisa que dizem é que as secretárias das escolas receberam esse comunicado.


  253. Eu sou secretaria de escola, tive uma reuniao na sexta feira que nos foi esclarecido que as novas categorias sao a O e a V (para eventual). A O não tem direito a quinquenio (mesmo que tenhoa mil anos de Estado), nao tem direito a evolucao fncional, nada disso, so pode entrar na sala depois de assinado o contrato. Nao me lembro de cor, mas podem dar 2 abonadas, 3 justificadas e 1 injustificada, sendo que 2 injustificada ja caracteriza quebra de contrato, nojo.. apenas 2 dias, L maternidade 120 dias, as faltas médicas regidas pela 1041, o ultimo dia de contrato sera o do calendario da Unidade.. se forem varias unidades.. daquela que o dia for o maior em dezembro.. terminado o ano, 200 dias de quarentena. A categoria V (eventual) nao pode acumuluar com o O.. o professor tem que estar ciente.. se for eventual V nc poderá dar aulas na categoria O durante o ano letivo.. detalhe a O se interrompido o exercicio NAO podera dar aula eventual…. como hj acontece com a F ou a L.. sem aulas eles podem dar eventual. Eu realmente fiquei na duvida da categoria I, epero que me esclarecam.. se eu tiver um I na escola e contratar ano que vem como O… a I estara mantida… como a S.. que sao os eventuais da 1010;07… (meu teclado esta desconfigurado… nao tem pontos de interrogacao e nem acento).. Como secretaria estou quase esclarecida.. mas ainda com duvidas em relacao a categoria I… O que fazer com ela.. ano que vem…


  254. em 11 outubro 2009 às 13:07 professortemporario

    Adriana

    Agradecemos a sua iniciativa de socializar essa discussão.
    Acreditamos que essa divisão por categorias, que não aparece de maneira clara na lei 1093, cause mais confusão que esclarecimento.

    Na verdade, a situação pode ser resumida a três possibilidades:
    1) Professor efetivo, que ao ser admitido no próximo concurso terá que cumprir um curso de formação eliminatório de quatro meses, em que não lecionará e receberá como vencimento apenas o valor de 75% do salário base;
    2) Ocupante de Função Atividade, da categoria F, que manterá os direitos da lei 500/74. Para isso, será obrigado a participar do processo seletivo do fim deste ano. Se aprovado, concorre às atribuições de aula de 2010. Se reprovado, terá direito a uma carga de 12 horas em atividades de apoio;
    3) Regulados pela lei 1093. Os que hoje estão na categoria L possuem alguns direitos da lei 500/74, mas perderão tudo isso se perderem o seu vínculo até o fim do ano, ou se não conseguirem saldo de aulas em 2010. De qualquer forma, mesmo que consigam, perderão essa condição em dezembro de 2011.

    Pelas novas regras da lei 1093, os professores temporários serão obrigados a prestar uma prova dentro de sua habilitação. Essa prova será ELIMINATÓRIA e valerá até 80 pontos. Quem fizer menos que 40 pontos está eliminado naquele ano letivo. O tempo de serviço na rede valerá ouros 80 pontos, para quem está em vias de se aposentar (27 anos de serviço). A titulação acadêmica (mestrado e doutorado) vale outros 20 pontos.

    No que se refere às nomenclaturas, a situação ainda é confusa, mas percebemos que F são estáveis dentro da lei 500/74; L estão em transição da lei 500/74 para a lei 1093; I são regulados pela 1093 para contratos de substituição mais duradoura (atribuição de aulas). Sinceramente, ainda não percebemos diferença entre as categorias I e O. Acreditamos que seja apenas uma divergência de denominação, pois no fundo são a mesma coisa; V serão os regulados pela lei 1093 para contratos de eventual numa escola, durante um ano letivo.

    Em miúdos:

    Dentro do universo dos que estão submetidos a lei 1093, o Estado está definindo duas possibilidades:
    1) Os professores que concorrerão às atribuições de aula em substituição, com contratos definidos para o ano letivo. Ao fim do período de substituição, deixarão de receber pelo Estado, mas poderão concorrer a novas atribuições, até o fim do ano letivo. Depois disso, terão que cumprir o gancho de 200 dias;
    2) os professores que concorrerão às substituições eventuais, com contratos fixos por escola até o fim do ano letivo. Receberão pelas aulas lecionadas e não poderão lecionar em mais de uma escola.

    Nos dois casos, é impossível acumular funções. Quem estiver participando de atribuições não poderá fazer substituições eventuais e quem estiver contratado para fazê-las numa escola, não poderá participar de atribuições.

    Pelo menos, para quem estava como eventual, a situação trabalhista está mais clara, com direitos definidos.


  255. Boa tarde, gostaria de saber como fica a situação do bacharel que estava dado aula em 2007, ele é classificado como F ?Vai poder ministrar aulas em 2010 ou o fato de não ter licenciatura vale para todas as letras?


  256. caros colegas, a situação hoje, pede, estudo, emprenho, dedicação ao concurso publico vindouro,
    boa sorte a todos


  257. Boa noite, então minha dúvida persiste e fico de mãos atadas em relação aos professores que ficam desesperados atrás de informações, eu não concordo com vc em relação a I que são os eventuais admitidos depois da 1010/07 e estão conosco até o final do ano. Como a L será válida até o final de 2011 e a I nasceu junto com a L.. acredito que ficará também até o final de 2011 é isso? Para nós secretários está horrível tb, muitas categorias, direitos divergentes e olha que eu trabalho em escola pequena com 18 salas somente e ainda sei de cor a categoria dos meus professores e tenho de ficar na net atrás das melhores informações para que eu possa entender melhor isso. Vou até passar este site para os professores da escola para que saibam. Infelizmente muitos usam o estado como fonte de renda e por anos não se preocupando com os concursos e na ativa em 2007 e agora tb e aqui no interior tb temos as famosas municipalizações que estão nos abocanhando com muita fome… por aqui, até agora sei de 3 escolas extintas em 31/12 deste ano.. escolas enormes, com vários professores. está ficando dificil no geral.


  258. Receberão pelas aulas lecionadas e não poderão lecionar em mais de uma escola. esta informação eu não tinha. A categoria O pode dar aulas em várias escolas como é hj, mas seu contrato vence na escola com data de calendário maior em dezembro. E o novo concurso, há boatos dizendo que não serão estatutários como nós, a categoria A, isto procede ou são só boatos?


  259. em 12 outubro 2009 às 18:22 professortemporario

    Adriana

    Conforme já dissemos, essa divisão de categorias ainda nos parece confusa. As categorias F e mesmo a L são mais fáceis de serem distinguidas, mas as categorias I, O, V e sabe-se lá mais o que o Estado vai inventar; essas apresentam diferenças sutis e são reguladas pela lei 1093 (por isso que dissemos que no fundo são a mesma coisa)

    As mudanças que estão acontecendo são muito profundas e até confusas. Não que antes a situação fosse melhor. Existia sim a necessidade de moralizar a situação da rede pública estadual, especialmente no que se refere a contratação de professores temporários.

    Acreditamos que a Secretaria de Estado da Educação de São Paulo prestaria um enorme serviço às escolas e professores se se preocupasse em divulgar e esclarecer o que está por vir. Nós, tentamos interpretar a lei para auxiliar à compreensão dos professores, mas muitas das coisas previstas na lei ainda carecem de regulamentação, por meio de resoluções da SEE.

    E, se colocarmos nessa conta os processos de municipalização de escolas, remoção de professores efetivos, redução da jornada básica para 10 aulas, fica praticamente impossível se ter uma noção de como será o processo de atribuição de 2010.


  260. ola,por uma injustiça me enquadro na categoria L,e tenho uma duvida:estou com aulas livres e estou gestante,gostaria de saber se devido a essas categorias tenho o direito a seis meses de licença gestante ou se mudou alguma coisa em relação a isso?obrigada


  261. em 13 outubro 2009 às 12:28 Suellen de Paula

    Olá , td bem?

    Vocês podem me informar quando será a prova seletiva dos OFAS? Se realmente será no dia 29 de novembro como esta em um dos tópicos feitos para professores OFAS http://forum.pciconcursos.com.br/professor-ofa-sp-atribuicao

    DESDE JÁ AGRADEÇO
    OBRIGADA.


  262. em 13 outubro 2009 às 12:32 Suellen de Paula

    Olá , td bem?

    Vocês podem me informar quando será a prova seletiva dos OFAS? Se realmente será no dia 29 de novembro como esta em um dos tópicos feitos para professores OFAS http://forum.pciconcursos.com.br/professor-ofa-sp-atribuicao

    DESDE JÁ AGRADEÇO
    OBRIGADA


  263. Como eu sei minha categoria pelo holerith?! Sou eventual, comecei este ano a lecionar (março), daí no holerith está “Cargo F”, “admitido pela lei 500/74- Eventual”. Afinal sou L ou sou F?!


  264. É realmente confuso mesmo, tb não imagino como ficará o processo…. aqui estamos sofrendo com a falta de professores, imaginem escolas grandes.


  265. OLÁ PESSOAL A DIRETORIA DE ENSINO JÁ DISPONIBILIZA O CRONOGRAMA PARA ATRIBUIÇÃO DE AULAS 2010. ALUNOS DE ULTIMO ANO PODERÃO SE INSCREVER. VEJA E CONSULTE SUA D.E

    INSCRIÇÕES PARA O PROCESSO DE ATRIBUIÇÃO DE AULAS 2010
    (PORTARIA DRHU Nº 72 de 13/10/2009)

    Período : de 14 a 30/10/2009
    Público alvo : candidatos a contratação, interessados em atuar nesta Diretoria de Ensino e que se encontrem sem vínculo com qualquer Unidade Escolar.

    Local : Diretoria de Ensino de São Bernardo do Campo
    Rua Princesa Maria da Glória, 176 Bairro Nova Petrópolis S.B.Campo

    Horários : das 8h30 às 11h30
    das 13h00 às 16h30

    Documentos necessários (cópia e original):
    -Diploma e histórico escolar (para os formados até o ano de 2007);
    -Certificado de conclusão e histórico (para os formados após o ano de 2007);
    -RG;
    -CPF;
    -Certidão de nascimento de filhos menores de 18 anos;
    -Certificados de aprovação em concurso público da Secretaria de Estado da Educação;
    -Contagem de tempo de serviço (anexo I) (somente o original);

    Observações:
    -Os candidatos deverão preencher, no ato da inscrição, declaração de que é portador de deficiência (se for o
    caso), devendo confirmar, através de laudo atual ou de anos anterior, expedido pelo DPME, até o dia 22/01/2010;
    -Os alunos de qualquer semestre e concluintes de licenciatura e bacharelado deverão fazer sua inscrição apenas na
    Diretoria de Ensino e terão a confirmação da inscrição mediante a apresentação da documentação comprobatória da matrícula ou da conclusão do curso, a ser apresentada no período de 11 a 22/01/2010.
    -Os concluintes de curso de licenciatura plena serão assim considerados se apresentarem certificado de conclusão de curso e histórico escolar constando a conclusão dos estágios e trabalho de conclusão de curso.
    -Os bacharéis formados deverão, obrigatoriamente, apresentar diploma e histórico escolar.
    -Não serão aceitas inscrições de docentes PEB I classe de 1ª a 4ª série.
    -Não serão aceitas inscrições de alunos do curso de Pedagogia.
    _____________________________________________________________________________________

    OBSERVAÇÕES

    1- Fica expressamente vedada a atribuição de aulas a partir de 1º de dezembro do ano letivo em curso, exceto em caráter eventual ou para constituição obrigatória de jornada de titular de cargo, previsto no inciso I do art. 23 da Resolução 97/2008.
    2- Todos os candidatos às atribuições, tanto em nível de U.E, como em nível de D.E. deverão estar devidamente cadastrados na Diretoria de Ensino. ( A pontuação a ser considerada é a do cadastro).
    3- A atribuição durante o ano, em nível de U.E só poderá ser realizada conforme o disposto no § 1º do artigo 11 da Res. SE 97/08), ou seja:
    - Faixa I – portadores de licenciatura plena;
    - Faixa II – portadores de licenciatura curta;
    - Faixa III – estudantes de último ano de curso de licenciatura;
    - Faixa IV – bacharéis/tecnólogos (munidos obrigatoriamente de diploma e histórico escolar).
    4- Documentos exigidos para as atribuições durante o ano:
    a- Diploma ou certificado de conclusão e histórico escolar (para os portadores de licenciatura plena);
    b- Diploma e histórico escolar obrigatório para bacharéis/tecnólogos;
    c- Declaração de matrícula atualizada (para o caso de alunos)


  266. CAROS COLEGAS, SOU PROFESSORA READAPTADA , CATEGORIA OFA, GOSTARIA DE SABER COMO FICA MINHA SITUAÇÃO DIANTE DESSA NOVA LEI 1093/09.


  267. SOU PROFESSORA PEB I , NO MEU HOLERITE CONSTA ADM. LEI 500/74 FCAO NATUREZA PERMANENTE, NO RODAPÉ DO MESMO CONSTA CONTRIB. PREVID. 11% – L.C. 1012/2007.
    PORÉM SAIU UMA LISTAGEM NO SITE DA DIRETORIA NA QUAL APAREÇO COMO CATEGORIA “S”.
    TRABALHO DESDE 1997, PAREI ALGUM TEMPO E RETORNEI EM 2002 E DESDE ENTÃO TRABALHEI MUITO COMO EVENTUAL .
    NO ANO DE 2006 TIVE CLASSE ATRIBUIDA, MAS EM 2007 ESTAVA COM AULAS DE REFORÇO. EM 2008 TIVE CLASSE ATRIBUIDA E DOIS MESES DEPOIS AULAS DE MATEMÁTICA ATRIBUIDA ,ESTAVA COMO PEB I AULA, POIS AINDA NÃO SOU FORMADA. ATUALMENTE ESTOU COM CLASSE DESDE MAIO. CATEG “S “DE EVENTUAL,” F “DE INTERR. EXERC E “L” DE PEBI AULA.
    AFINAL QUAL É A MINHA CATEGORIA? E QUE CATEGORIA É ESSA “S” EM QUAL LEI ELA SE ENQUADRA.


  268. em 16 outubro 2009 às 15:25 professortemporario

    Eliana

    Sem confundir mais com essas nomenclaturas e letras, você está submetida á lei 1093. Deverá se inscrever e fazer a prova e caso seja aprovada, poderá participar das atribuições, na condição de cumprir os 200 dias de gancho ao fim do seu contrato.


  269. Olá para todos, gostaria de tirar um duvida, bom tinha aula atribuida em 2006 até fevereiro, perdi o vinculo em março, depois só peguei aula em agosto de 2007, que categoria me enquadro, pois na secretaria dasa escolas que estou lecionando não sabem me informar, será que vale apena entrar com alguma ação, caso seja categoria L.
    Desde já agradeço a todos.


  270. Se você tem aulas atribuídas desde agosto de 2007, você pertence à categoria “L”. Atualize-se neste blog lendo as perguntas e respostas dos títulos que lhe interessarem mais, ok!


  271. Pessoal, saiu ontem no jornal Agora SP as datas das provas para os ACTs: 13 e 20 de dezembro e segundo o próprio jornal, o edital sairá em novembro.


  272. Por Favor…
    Gostaria de saber se a minha situação não está errada, pois consigui aulas durante o 1º semestre de 2007, e perdi elas no inicio de junho, e quando a lei entrou em vigor passei a categoria L, ou, seja, desconto pelo INSS, queria aber se posso entrar com recurso para mudança de categoria.. de L para F, ,pois como fui OFA antes da lei se não tenho esse direito..
    obrigado


  273. Prof. Edgar

    Vá ao título “PROFESSOR CATEGORIA “F” OU “L”: O QUE FAZER SE O CADASTRO ESTIVER ERRADO”, neste blog e siga as orientações para entrar com um requerimento junto a sua diretoria de ensino, ok!


  274. Gostaria se possível que me informen ou me orientem. Minha situacâo é: sou professora estável, estou afastada na Vice Direçâo desde 1990, tenho 28 anos de exercício se eu não conseguir atingir os 50% na prova como ficará minha situação? VOU PERDER UMA VIDA TODA DE TRABALHO ? Fico grata se puderem responder. SALIME.


  275. Salime

    Aqui em Santo André as secretárias receberam a seguinte orientação da Diretoria de Ensino: se o professor categoria F passar no proceso seletivo poderá exercer a função de vice, do contrário, ficará lotado em alguma U.E., exercendo atividades de apoio pedagógico e recebendo salário referente a 12 horas de trabalho. São muitas mudanças que ainda estão em processo de esclarecimentos. Continue a fazer uso deste blog a fim de manter-se informada e agir da melhor forma possível, ok!


  276. Ola tenho megisterio e pedagogia fui professora por 3 anos na prefeitura municipal de cedro ceara , mais agora estou morando em são paulo como devo fazer para consequir fazer o proceso seletivo ?


  277. Maria da Conceição

    Você deve se encaminhar à Diretoria de Ensino mais próxima, munida de todos os seus diplomas e documentos e realizar sua inscrição, tirando todas as suas dúvidas com a supervisora que a atender e permanecendo atenta a todas as orientações que você vai receber, ok!


  278. Boa Tarde…
    Conforme o comentário da Marileuse, o primeiro critério para atribuição de aula no estado de SP é o professor efetivo, o segundo é para temporários categoria F, em exercício ou não.
    Por favor, me esclareça:
    Lecionei no estado de SP como professora nos anos de 90/91/92/93/94 e no meu holerith está categoria F, adm. pela lei 500/74.Em 2005 precisei mudar para MINAS GERAIS e aqui leciono desde 95.Necessito retornar para SP. Farei a inscrição esse semana e estou me preparando para a prova.Tenho grandes chances de me retornar ?Foi o que entendi?Desde já agradeço,Ana Rita


  279. Boa noite!
    Gostaria de esclarecimentos quanto ao meu caso:trabalhei no estado de SP nos anos de 91/92/93/94/95 e no holerith sou letra F-ADM.LEI 500/74-FCAO NAT.perm.Em 96 comecei a lecionar no estado de Minas Gerais e estou até hoje.Necessito voltar para SP e qual é a minha situação?Escolho aulas depois dos efetivos?Farei a inscrição terça-feira e já estou me preparando para a prova.Tenho Pedagogia/Artes/português-espanhol com diplomas em mãos.
    Desde já agradeço,Ana Rita.


  280. em 25 outubro 2009 às 11:46 professortemporario

    Ana

    Se você está cadastrada como professora da categoria F em SP deverá se apresentar na sua escola sede, que é aquela que aparece no seu holerite, para fazer sua inscrição para o processo 2010 e ASSUMIR A SUAS FUNÇÕES DOCENTES. Com as mudanças e as incertezas dos professores das categorias Le regulados pela lei 1093, as escolas paulistas hoje estão com dificuldade de atribuir alguns saldos de aula e arrumar professores eventuais para seu funcionamento. Essa convocação para assumir as funções docentes significa que os professores F em interrupção de exercício (sem aulas atribuídas) terão que cumprir uma jornada de 12 horas em suas escolas para lecionar aulas como eventuais.

    O professor F sem aulas atribuídas que não comparecer à sua escola sede, ou que não puder cumprir essa jornada, a partir de novembro, estará automaticamente excluído da condição estável, por se recusar a cumprir determinação do Estado.

    Assim, se você não comparecer na sua escola sede até 30 de outubro, ou se não puder cumprir essa jornada, você será excluída da categoria F


  281. Olá, Boa Tarde

    preciso de ajuda, não sei se tenho direito a pertencer aos ofas F, pois se trabalhei desde 2004 com aulas de reforço e telessalas só porque não estava com vinculo em junho de 2007 não tenho direito garantido. Fiquei afastada do estado somente no ano de 2007, dei aulas no ano de 2008 e agora em 2009 com todas essas mudanças fiquei dando aulas somente no município pois a secretaria da escola do estado disse em uma atribuição que se eu pegasse aula e ao encerrar a licença eu teria que estar com vinculo com outras aulas antes de acabar com a licença senão eu ficaria impedida de lecionar no estado o resto do ano. `não entendi nada e optei a não pegar pois ficaria difícil conseguir mais aulas pois os horarios não darião certo. O que deve fazer, posso seguir a orientação dada ao Fabio?. Agradeço a colaboração.


  282. Boa Tarde, professor temporário, estou muito feliz com essa resposta,muito obrigada.Só mais uma pergunta:
    Quando você diz que preciso assumir minhas funções docentes,tenho que me apresentar na escola sede e cumprir uma jornada de 12 horas.Essa jornada, a minha escola sede tem que ter aulas para substituição, no caso licença de professores ou posso ficar cumprindo o horário na escola e fazer atividades diversas?Obrigada e que DEUS TE PROTEJA HOJE E SEMPRE!
    ANA RITA


  283. Olá boa tarde, estou no primeiro semestre de História com licenciatura plena, eu não vou poder trabalhar como professor eventual? só quando eu terminar meu curso ? será que os novos professores vão ter chances de conseguir trabalhar nas escolas ?
    obrigado


  284. ola, boa tarde, ate 24 de setembro de 2009 era professora ofa categoria f. desisti das aulas por uma outra oportunidade de emprego, mas tambem na educação. gostaria de saber se ainda me enquadro na f, pois nunca perdi o vinculo desde quando comecei a lecionar 1999. desde ja agradeço.ja fui na escola onde estava trabalhando e peguei o meu anexo para fazer minha inscrição para 2010.cada um fala uma coisa: uns dizem que minha situação não muda pois estava vinculada no ano de 2007, outros ja dizem que passo ser da l.por favor me esclareçam.


  285. em 25 outubro 2009 às 20:51 Luiz Carlos Junior

    Olá
    estou como professor eventual desde o inicio do ano letivo de 2009 e no ano que vem serei aluno de ultimo ano. o fato de ter portaria aberta antes de julho me enquadra na categoria L? como fica minha situação para o proximo ano?
    abç


  286. Olá, boa noite!
    Gostaria de esclarecimentos quanto ao meu caso: com as mudanças estou muito confusa em relação as categorias, sou professora desde 2001, sempre trabalhei em escolas paticulares, no ano de 2008, fiz a prova de seleçao, no mês de Março deste ano 2009, foi aberta uma portaria, onde comecei a lecionar como professora eventual, gostaria de sber em qual categoria me enquadro.
    Desde já obrigada.


  287. Olá, boa noite!
    Gostaria de esclarecimentos quanto ao meu caso: com as mudanças estou muito confusa em relação as categorias, sou professora desde 2001, sempre trabalhei em escolas paticulares, no ano de 2008, fiz a prova de seleçao, no mês de Março deste ano 2009, foi aberta uma portaria, onde comecei a lecionar como professora eventual, gostaria de saber em qual categoria me enquadro.
    Desde já oubrigada.
    Desculpe acabei enviando duas vezes, motivos alguns errinhos na digitação.


  288. em 25 outubro 2009 às 23:23 professortemporario

    Ismael

    Respeitando sua inteligência e por isso sendo realista… Realmente, até se formar você dificilmente conseguirá aulas na rede estadual e mesmo depois de formado, só terá uma garantia caso passe em um concurso público.


  289. em 25 outubro 2009 às 23:30 professortemporario

    Alessandra
    No nosso entendimento você é categoria F.

    Para simplificar: Se ao fazer sua inscrição para o processo 2010 você a fez com a secretária na sua escola sede, você é reconhecida pelo Estado como F e só perde esse direito ao se recusar a fazer a prova, ou a cumprir uma jornada de 12 horas em sua escola sede, ainda este ano, para cobrir as licenças dos professores que tem aulas naquela escola.

    Se você teve que fazer sua inscrição na diretoria de Ensino… Você não está sendo reconhecida como F e deve procurar um advogado.


  290. em 25 outubro 2009 às 23:33 professortemporario

    Luiz Carlos

    Não. Só é considerado categoria F e L quem tem tempo de serviço como professor do Estado, na condição de OFA, respectivamente, antes de junho de 2007 e julho de 2009. o tempo de eventual não conta.


  291. muito obrigado pela resposta. mas eu desisti das aulas, mesmo assim ainda pertenço a categoria F.


  292. em 27 outubro 2009 às 13:48 Camilo Correa

    Saudações a todos.

    Sou bacharel em ADM e concluirei minha licenciatura em Pedagogia no próximo mês de dezembro, no ambiente acadêmico escuto muita coisa e filtrando tudo o que tenho de informação até agora é que para o ensino médio, posso lecionar as disciplinas de Filosofia e Sociologia, para isso fui instruido a me cadastrar na Diretoria Centro-Sul de ensino (Região do Bairro da Saúde) e me submeter a uma avaliação.

    Nunca trabalhei na área da educação e as explicações são tão controversas que não sei no que acreditar.

    Gostaria de saber em que categoria seria inserido após a aprovação nessa avaliação? Qual a forma de remuneração, valores e benefícios? Qual periodo que as aulas destinadas a mim são aplicadas (diurno ou noturno)?

    Nas explicações acima, as 12h são semanais? Meu bacharelado conta para alguma coisa?


  293. Gostaria de esclarecimento: Trabalhei na rede estadual desde 1993 até 2009 com interropções de exercícios.No ano de 2007, lecionando , depois da lei 2/6/2007, em 2008trabalhei como eventual, substituição. Em 2009 lecionei até abril, por motivo da municipalização da escola.Não estando em exercício no final de 30/6/2009.
    Ficando proibida de participar das atribuições de aula e classe.
    . Como fica ! posso entrar na justiça para voltar a minha categoria F da lei 500/74.
    Atenciosamente.

    cleonilza


  294. Boa noite, muito obrigado pela resposta, mas tenho outra duvida, fiz minha inscrição hoje na diretoria de ensino, ou seja,minha categoria que era F passou para a O. estou muito indignada com tudo isso, pois não sabia que cairia de categoria.se soubesse não teriA PEÇO, dispensa.TEM ALGUMA COISA QUE POSSO FAZER, POIS PERDER TUDO NESTES 17 ANOS DE ESTADO É CRUEL. POR FAVOR ME ORIENTEM.


  295. VOCES SABEM ME DIZER TAMBEM A DIFERENÇA ENTRE A CATEGORIA L E A O. SERA QUE ESSA SITUAÇÃO AINDA PODE MUDAR? CADA ANO QUE PASSA A SITUAÇÃO ESTA PIORANDO CADA VEZ MAIS. QUE FALTA DE CONSIDERAÇÃO COM OS PROFESSORES. O PIOR QUE EU SEI QUE TEM PROFESSORES QUE FORAM SUPER MAL NA PROVA QUE DEU AQUELE REBOLIÇO TODO PRA NADA, E VÃO CONTINUAR NA REDE POIS ESTÃO GARANTIDOS PELA CATEGORIA F.E OS QUE FORAM BEM, COMO TAMBEM É O MEU CASO VAMOS FICAR DE FORA. TA TUDO ERRADO.SERA QUE ESSE GOVERNO NÃO TA VENDO.QUE ISSO NÃO VAI FUNCIONAR.


  296. em 27 outubro 2009 às 22:16 professortemporario

    Alessandra

    Se você desistir das ulas e não fizer a inscrição, ou se recusar a cumprir a jornada de 12 horas em suas escola sede , como prevê a resolução 73, você perde automaticamente os direitos da categoria F, para sempre


  297. em 27 outubro 2009 às 22:31 professortemporario

    Camilo Correa

    A situação está tão confusa e cheia de possibilidades que recomendamos cautela em seus planos e projeções. Uma coisa de cada vez. Se você fizer sua inscrição e passar no processo seletivo você só assumiria aulas se não houvesse nenhum licenciado disponível para as mesmas, pois você como bacharel concorre como opção alternativa á falta de professores com licenciatura. Como licenciado em pedagogia você só pode assumir aulas de 1ª a 4ª série e alguns projetos disponíveis nas diretorias de ensino.

    Ainda sim, caso conseguisse um saldo de aulas, dentro da classificação que conseguisse com a nota de sua prova, poderia assumir até 33 aulas por semana, com um valor estimado de quase R$ 8,00 reais por aula, para PEB II e quase R$ 6,00 para PEB I, mais algumas gratificações.


  298. em 27 outubro 2009 às 22:32 professortemporario

    Cleonilza

    Seu caso é peculiar e deve ser analisado por um advogado.


  299. em 27 outubro 2009 às 23:00 professortemporario

    Alessandra

    O professor L mantém os direitos da lei 500 até 2011 ou perder o vínculo. A partir de então, passa a ser contratado pela lei 1093, que tem como uma de suas categorias a “O”

    Como o prazo está acabando, quem deveria estar na F e não está deve procurar um advogado par entrar com mandado de segurança.


  300. em 28 outubro 2009 às 08:44 Camilo Correa

    Primeiramente agradeço os esclarecimentos, mas ainda tenho 2 questões:

    Não é veridica a informação de que a licenciatura em Pedagogia (só falta um mês) me permitiria lecionar para o ensino médio as disciplinas de sociologia, filosofia e psicologia?

    Neste ano fiz dois cursos de 30 horas cada na FGV de SP em Filosofia para o Ensino Médio e outro Sociologia para o Ensino Médio, esses certificados tem relevancia para Diretoria Centro Sul? Contribuiria de maneira positiva para indicação a aulas?


  301. Sou professora eventual, porem sou estudante estou no segundo ano da faculdade, como vai ser em 2010 ?


  302. em 28 outubro 2009 às 13:55 professortemporario

    Camilo

    A licenciatura de pedagogia habilita o professor a lecionar para os anos iniciais do ensino fundamental e, em alguns casos, para educação infantil, dependendo do curso. A lei entende que se estágio supervisionado realizado nessa modalidade não serve para outras modalidades, como anos finais e ensino médio.

    Mas, se houvesse em seu histórico escolar uma carga horária de estágio nessas modalidades de ensino, ainda que fosse de um curso incompleto, isso poderia ser base para comprovar a habilitação.

    Em todo caso, faça sua inscrição e apresente os seus documentos e históricos escolares à supervisora. Se ela aceitar, acreditamos que não haverá problemas, pois a conferência desse documento é uma das etapas eliminatórias do processo.


  303. em 28 outubro 2009 às 14:12 professortemporario

    Camila

    2010 vai ser um ano tenebroso para muitos professores, pois as mudanças e erros de classificação atingiram diretamente aqueles que estavam mais “acostumados” com o sistema.

    E sendo ano eleitoral, com o governador candidato à presidência, pode esperar que a culpa por todos os problemas da educação será atribuída aos professores, em horário nobre e com o aval dos veículos de comunicação.

    Já começa em janeiro, com a divulgação das notas e possivelmente o gráfico da proporção de professores “despreparados” que foram afastados da sala de aula por falta de competência e conhecimento, colocando o governador na condição de um super-herói que salvará a sociedade da ignorância e assistencialismo reinantes.


  304. em 28 outubro 2009 às 15:26 Maria do Socorro almeida Souza Dal Bem

    Gostaria de saber qual a minha categoria “F” ou “L”, pois estou realmente perdida. Hoje fui até a secretaria da escola onde trabalho e a secretáriade escola me disse que era “L”, porque eu peguei uma sala livre em 02/06. Porém no anopassado fiz minha inscrição na Diretoria Centro Sul, inclusive fiz a prova dos professores que foi em dezembro/08 e acertei 51% das questões. Outra coisa, nos anos de 1997 à 2000 era eventual, inclusive naquela época dei até reforço. Por favor me respondam em qual categoria estou?


  305. Olá, tenho muitas duvidas!
    Sou Categoria L – Eventual em 04/03/2009, Professora de Reforço de Português 22 aulas semanais inicio 28/04/09 termino 07/07/09. Em 26/05/09 assumi 11 aulas de Português/Leitura Produção de Texto até o final de 2009 (a Professora dessas disciplina foi promovida p/Coordenação em outra escola). Fiquei com uma carga de 33 aulas semanais, até aqui tudo bem. Depois das férias ficaria com apenas 11 aula, pois acabaria o Reforço de Português, mas para meu azar a Professora da Disciplina de Português, perdeu as salas (cargo de Coordenadora) e no dia 17/08/09 retomou as aulas que fora atribuídas a mim, e que segundo as informações, é um direito que assegurava a ela e que me desestabilizava. Porém nesse mesmo dia (17) a Professora da Disciplina de Inglês pegou licença premio por 30 dias, então assumi + 30 dias, ficando em exercício até o dia 20/09/09. Depois disso não teve nenhuma sala livre, nem atribuições na região, então fiquei sem aula.
    A Secretaria da Escola Sede, me informou que minha portaria irar se fechar e que se quisesse poderia atuar como Eventual, mas na semana seguinte me informarão que minha portaria não poderia fechar até o final do ano. Então poderia participar de atribuições normalmente na Sede, ou próxima da DE.
    Porém quando me interessei por algumas aulas em outra escola, me informarão que eu precisava avaliar se valeria a pena, pois se pegasse aquelas aulas, ficaria 200 dias sem poder dar aulas.

    Enfim… gostaria de saber:
    - Tenho vinculo com a Escola Sede?
    - Sou Categoria L mesmo?
    - Não posso pegar aulas atribuídas, pois fico sem trabalhar em 2010?
    - Se a resposta acima for NÃO, qual a vantagem de ficar com portaria aberta até o final do Ano?

    Por favor me esclareça essas duvidas, pois já procurei Secretaria e Coordenação da Escola, Supervisão da DE e ninguém consegue até o momento, esclarecer as minhas duvidas, e nisso estou parada sem dar aulas desde o dia 20/09/09.


  306. Tenho 20 anos só na rede pública do Estado de São Paulo.Como fica a minha situaçaõ na categoria F?Mande respostas


  307. Olá,
    Sou formado em letras licenciatura plena desde de 2007 mas não lecionei até então.
    Como só me inscrevi depois de julho de 2009 pelo que entendi me enquadro entre os professores da lei 1093.
    No caso além de me sair bem no processo seletivo terei que torcer para sobrar aulas para minha categoria?
    Ou não?


  308. em 28 outubro 2009 às 22:04 professortemporario

    Ednair

    A situação fica da seguinte maneira: Ou você assume uma carga de 12 horas, divididas em todos os dias da semana (duas horas por dia) na sua escola sede e faz sua inscrição para a prova dos professores temporários, ou todos esses anos serão apenas uma lembrança…

    Saiba mais em: http://professortemporario.wordpress.com/2009/10/22/urgente-%E2%80%93-professores-categoria-f-que-nao-tem-aulas-atribuidas-neste-momento/


  309. em 28 outubro 2009 às 22:11 professortemporario

    Rodrigo

    Sim. Além de garantir-se pela nota, terá que contar com a sobra dos c=saldo, pois os professores F aprovados escolhem na frente, pela lei 1093. Talvez uma saída emergencial seja fazer a inscrição em uma diretoria de ensino onde falte muitos professores (Capital, região metropolitana)


  310. Muito obrigado!!!


  311. em 28 outubro 2009 às 22:44 Sheila Pereira

    OI, fui admitida no estado pela lei 500/74 em 1996 pela primeira vez. Sempre quando termina o ano perco o vinculo com o estado (mal do não concursado perde sempre o vinculo).
    tenho 15.587pontos, no ano de 2007 não lecionei, ficando na categoria L, tenho alguma chance de mudar para a F.
    Abraços


  312. oi, bom dia, ontem entrei. com uma petição para o dirigente de ensino rever minha situação de categoria que era da F e passei para a O, como disse a supervisora de ensino. se não der certo entrarei com yum mandado de segurança .sera que terei alguma chance, afinal foram 17 anos de estado, se soubesse que perderia tudo jamais teria largado. por favor sera que consigo retornar a mesma categoria de antes. abraços. outra coisa antes de largar as aulas não tinha saido nada ainda a respeito de quem largasse perderia nem mesmo a diretora de onde trabalho sabia, pois a mesma me disse que jamais deixaria eu desistir se assim ela soubesse.


  313. Senhor Secretário da educação sei que, não foi o senhor que inventou esta avaliação para os professores,foi o seu antecedente. Não é justo para com os professores uma categoria mal paga.Eu uma cozinheira tenho consciencia que os professores dão a vida para alfabetizar os alunos sem contar que a maioria não tem berço,vem a escola só prara comer. Gostaria que vs.excelencia olhasse pelos sacerdotes que são os nossos queridos educadores. PENSE NISSO COM CARINHO.


  314. em 29 outubro 2009 às 19:12 professortemporario

    Paula

    Interessante o seu desabafo, mas acreditamos que o Secretário de Estado da Educação possivelmente não seja usuário do site (embora ele também seja um temporário…)


  315. boa noite, voces sabem me dizer de algum professor que entrou com mandado de segurança e ganhou a causa.sei que para asumir cargos efetivos muitos conseguiram entrar com liminar.vou entrar com mandado de segurança para o reenquadramento da minha categoria que era da F, mas como desisti das aulas em setembro, mas sempre mantive vinculo com o estado nunca perdi, e por uma oportunidade de outro emprego larguei mas sem saber que me prejudicaria tanto.Sera que tenho alguma chance entrando com mandado de segurança.ja entrei com um pedido para o dirigente de ensino, caso eu não consiga exito entrarei com o juiz. desejo boa sorte a todos ue se encntram na minha situação e demais outras.gostaria que me mandassem alguma resposta.muito obrigada.


  316. sei que são muitas perguntas para serem respondidas, mas por favor respondam as minhas assim que possivel.confio muito neste site.sei tambem que como eu tem muitas pessoas chateadas com tudo que esta acontecendo, quando achamos que vai melhorar a coisa fica pior ainda. mas tenho muita fé em DEUS e sei que tudo vai dar certo, não só comigo, mas com todos que desejam reverter esta situação.De repente a apeoesp faz alguma coisa como o ano passado . vamos esperar e confiar que vai melhorar.


  317. PROFESSOR TENHO UMA DUVIDA ESTAVA NO ESTADO COM AULAS (CLASSE) ATE 16 DE JUNHO DE 2009, PRECISEI PEDIR DISPENSA DAS AULAS PARA INGRESSAR EM OUTRA REDE.

    QUERO SABER SE CONTINUO NA CATEGORIA F OU NAO?

    AGUARDO ANCIOSA SUA RESPOSTA.

    GRATA,

    CLEUZA PERSSET


  318. em 29 outubro 2009 às 22:46 professortemporario

    Cleuza

    Se entendemos corretamente, você era OFA da categoria F e pediu para sair de acordo com o artigo 35 da lei 500/74. Ocorre que com a lei 1093, especificamente no seu “Artigo 24 – Fica vedada, a partir da publicação desta lei complementar, a admissão de pessoal com fundamento na Lei nº 500, de 13 de novembro de 1974.” Essa situação é muito diferente da de um professor com vínculo que o perde por não conseguir aulas. Nesse caso, há a interrupção de exercício, não dispensa.

    Ou seja: ao pedir desligamento da lei 500 você não pode ser recontratada pela mesma, já que a lei 1093 proíbe. Assim, provavelmente você será colocada numa das categorias da lei 1093


  319. Professor li esse tópico quase inteiro e não consegui sanar as minhas dúvidas. Eu sou categoria “L”, tive aulas atribuídas pela primeira vez em 21/05/2009 (substituição) e acabei de perdê-las, em 23/10/2009. Nunca eventuei, portanto não tenho portaria de eventual, perguntas:

    1º) Eu não posso ter mais aulas atribuídas esse ano?
    2º) Eu não posso eventuar por não ter portaria de eventual?
    3º) Segundo a sua interpretação da Lei 1093,

    “Por fim, infelizmente, pela interpretação dessa lei, é possivel dizer que o professor OFA L que perder seu vínculo durante o ano passará a nova condição 1093.”

    eu deixo de ser categoria “L” por ter perdido o vínculo?


  320. Olá

    Pelo que eu entendi, participarão da atribuição em 2010 licenciados que passarem na prova,nesta ordem:

    OFA F (“estável” com 12h)
    OFA L (com vínculo )
    “1093″ categoria “O” (que seriam os ex eventuais e os OFA F que perderam o vínculo).

    É isso?Neste caso, quais são os professores enquadrados como “S” e ” V” ?

    Quem ministra aulas no estado desde fevereiro de 2007 e que oscila entre eventuar e estar como categoria L, que em junho de 2009 perdeu o vínculo e irá eventuar até dezembro de 2009, deverá cumprir o gancho em 2010? Ou irá trabalhar em 2010 e o gancho ocorrerá em 2011?


  321. em 30 outubro 2009 às 18:47 professortemporario

    Marta

    Todo professor L foi admitido no Estado pela Lei 500/74. Ocorre que, depois da publicação da lei 1093/09 em julho, está proibida a contratação de servidores pela lei 500. Os contratos que existiam continuam, até que se encerrem.

    Antes de 2007, o professor contratado pela lei 500/74 se não conseguisse aulas na atribuição de janeiro/fevereiro tinha seu contrato encerrado. Mas, depois da publicação da lei 1010/07 (sabemos que são muitos números…), que mudou o sistema de previdência, o professor que estivesse vinculado e não conseguisse aulas não seria mais dispensado e sim congelado, com uma interrupção de exercício.

    E daí? Ocorre que para analisar qualquer situação é preciso saber como foi a perda de vínculo do professor. Se o docente teve que assinar algum documento por ordem da escola, no qual era dispensado pelo artigo 35 da lei 500/74, esse professor está automaticamente submetido a lei 1093/07, em uma de suas categorias (I, O, S, V, …)

    Então:
    1) Se você assumir aulas neste ano possivelmente não poderá lecionar em 2010;
    2) Não existe mais portaria para eventual. Quem tinha e manteve, fica até dezembro. Quem não tinha, fica sem nada;
    3) Depois de julho de 2009, qualquer professor contratado pela lei 500/74 que for dispensado fica submetido a lei 1093. No seu caso específico, tudo depende da maneira como foi a sua perda de vínculo, mas sendo realistas, é quase certo que por ter perdido o vínculo você seja colocada na lei 1093


  322. em 30 outubro 2009 às 19:19 professortemporario

    Soraia

    Pelo que está na lei 1093/09, os professores estáveis escolhem primeiro dentro de suas classificações e o restante escolhe sem distinção, dentro de sua classificação. Daí a importância de se estudar para a prova.


  323. No ano de 2007, só consegui aula em outubro! com isso me enquadro na categoria “L”,me sinto injustiçada e tenho procurado meus direitos, pois saõ 15 anos de magistério.


  324. Boa noite!

    Por favor preciso de uma iformção com urgência!!

    Sou da categoria F e fiz minha inscrição na escola,porem quando fui verificar minha pontuação, porque participei das atribuições durante o primeiro semestre, constatei que estava 2 pontos a menos e que os pontos eram os mesmos deste 15 04 2009
    A minha dúvida é a seguinte:

    Quando encerra o contagen de tempo deste ano e como devo proceder para não ser prejudicada?, pois não é a primeira vez que erros por conta da secretária acontece.


  325. em 30 outubro 2009 às 22:12 professortemporario

    Patrícia

    A pontuação sempre é calcula com referência ao ÚLTIMO DIA 30 DE JUNHO. Assim, para o processo atual, a pontuação considera o tempo de serviço até 30/06/09.

    Mas, quando você comparece a escola e solicita o anexo I, você deve assinar se concorda com a pontuação. Nesse momento, se existir erro, você pode solicitar que seja contada novamente. (sempre por escrito)


  326. Obrigada pelo esclarecimento. Eu não assinei nada que formalizasse a interrupção das aulas, a minha contratação foi por tempo determinado (de 161 a 180 dias), eu substituí uma licença maternidade.

    Hoje estive na escola e a secretária me informou que já fez o meu cadastro para a atribuição de 2010 como categoria L, e por isso ela acha que essa condição não pode ser mudada nem se eu conseguir uma nova atribuição. Será que essa informação procede?


  327. em 31 outubro 2009 às 01:00 Sheila Pereira

    Boa noite,

    Alguem poderia me responder???????

    A minha primeira admissão no estado foi em 1996, todo ano ocorre a interrupção, não dei aula em 2007 pois não consegui aula aqui na minha cidade, mas dei aula em 2006 e fui desligada em 31/12/2006 recebi até ferias em março,
    quando consegui pegar aula em 2008 descobri que minha categoria mudou para L, tenho 15,587 pontos.

    Tenho chance de Mudar para a categoria F.

    Abraços


  328. BOA TARDE eu gostaria de saber se OFA F (“estável” com 12h) não passar no ano 2009 depois não passa 2010 e ai ele cai de categoria ou ele é “estavel” ele tenta até passar.

    obrigada pelo sete e muito util e sempre fico por dentro de tudo. PARABÉNS


  329. em 31 outubro 2009 às 11:10 professortemporario

    Marta

    O seu caso e o de outros só será resolvido na justiça


  330. eu tinha pego reforço no ano março 2007 do nada a diretora ligou em casa e desatribuiu as aulas e eu não assinei nenhuma ata de desatribuição e agora?


  331. em 31 outubro 2009 às 11:15 professortemporario

    Sheila

    Só por via judicial. Ocorre que até 2007 o professor com aulas atribuídas que não conseguia saldo na atribuição do ano seguinte era simplesmente dispensado pel0 artigo 35 da lei 500/74. Com a publicação da lei 1010/07, que mudou o sistema previdenciário a criou a estabilidade da categoria F, os professores que estavam vinculados e perdiam o vínculo eram interrompidos, mas não dispensados. Como você não estava vinculada, o Estado entende sua data de ingresso como sendo a última contratação pela lei 500/74, que foi depois da publicação da tal estabilidade. Assim, para o Estado você é categoria L e para resolver isso só pela via judicial


  332. Andrea

    Isso foi perguntado na escola onde leciono e a secretária mostrou-nos uma orientação da Diretoria de Ensino de Santo André em que constava que o professor categoria F poderia ser reprovado no processo seletivo por duas vezes, depois disso deixaria de pertencer à categoria F. Mas não há nenhuma base legal que sustente esse argumento, pelo menos que tenhamos conhecimento. Em todo caso, é bom ficar atenta a tudo que sair publicado, não é?


  333. em 31 outubro 2009 às 18:33 Sheila Pereira

    Obrigada professor

    Professor eu li varias perguntas e respostas do senhor.
    Se eu entendi bem, mesmo tendo perdido vinculo e não lecionado aulas em 2007, tenho grande chances de mudar para a categoria F, já que havia CONTRIBUIDO NO FUNDO,
    Só que para isso devo entrar com um mandado de segurança.

    entendi certo Professor??
    aquardo anciosa sua resposta

    abraços


  334. em 31 outubro 2009 às 19:30 professortemporario

    Sheila

    Sim, você entendeu certo. A solução do problema será pela via judicial e o mandado de segurança é uma das possibilidades


  335. boa noite! ja fiz meu processo(se é assim que posso dizer) param entrar com mandado de segurança para voltar a categoria F, apos 17 anos de estado e perder e muito triste e ainda mais quando não se sabia o que realmente iria acontecer de fato, nem ao menos diretor da escola onde trabalhava. minha pergunta é a seguinte: será que tenho chance? estou muito triste com o que esta acontecendo não só comigo mas com os outros professores tambem, até mesmo aqueles que tem mais tempo de magisterio que eu, pois leio todas as perguntas e respostas. sera que consigo? um forte abraço, e aguardo a resposta. mais uma vez parabens pela dedicação que voces tem dado a todos que te escrevem mesmo sem nos conhecermos.Que Deus abençoe a todos e para nós muito boa sorte!


  336. Olá! Sou professora há 18 anos, mas em junho de 2007 não consegui pegar aulas e descobri na última contratação que a minha categoria era “L”.
    Segui as orientações do site; procurei um advogado, mas não consegui nada positivo, protocolei um requerimento em duas vias junto com holerites mais antigos e enviei ao dirigente regional da minha cidade e também veio negado, agora estou vendo no site a orientação para entrar com mandato de segurança para retornar a categoria “F”.
    Gostaria de saber o que devo fazer para entrar com esse mandato. Existe uma documentação específica. Se tiverem como me orientar, agradeço desde já.


  337. boa tarde…por favor sou professora eventual de desdo inicio do ano, fiquei com uma licença um mes…minha secretaria me4 disse que sou categoria s…Isso procede? Quais as vantagens de ser dessa categoria?


  338. em 1 novembro 2009 às 17:18 professortemporario

    Alessandra

    Entendemos que a chance existe, mas somente o advogado tem condições de avaliar corretamente


  339. em 1 novembro 2009 às 17:35 professortemporario

    Maria

    O mandado de segurança é feito pelo advogado. Ele é quem sabe os documentos. Mas, acreditamos que você deva reunir tudo que comprove que lecionou no Estado


  340. boa noite, mais uma vez muito obrigado pela resposta que me deram, espero que tudo de certo, afinal a esperança é a ultima que morre, assim que eu tiver uma resposta positiva mando o modelo de como meu advogado fez para recorrer para voltar ao enquadramento da categoria F, que é o que esta mais nos preocupando hoje em dia, não desmerencendo ninguem, mais olhei a lista de professores que estavam na categoria F e estavam desvinculados desde 1993, e despois de tanto tempo sem lecionar recebem a oportunidade de estarem voltando e nós que continuamos nunca desistimos perdemos assim de uma hora para outra tudo que conquistamos.o governo deveria ver que tem alguma coisa errada, as vezes essas pessoas pararam por opçao, e agora voltam.Como diz o Datena me ajuda ai oh!!!!!


  341. Caro professor
    Tenho uma dúvida referente às oficinas de Escola de Tempo Integral (ETI).
    Desde abril de 2006 trabalho em oficina de Informática Educacional, e tenho certeza que sou categoria F – pois consto da listagem e o meu hollerith vem como categoria F.
    Mas fizeram surgir uma dúvida em minha mente estes dias…
    Segundo a secretaria da minha escola, se eu não tiver aulas atribuídas no ensino regular, não terei essa semi-estabilidade, porque pelo fato de eu ser da ETI, apesar de minha sede ser a escola onde trabalho, não sou “da casa”.
    Isto é verdade?
    Tenho que dar um jeito de assumir aulas no ensino regular ainda este ano?
    Muito obrigada pela sua atenção


  342. em 2 novembro 2009 às 06:06 sheila pereira

    Boa noite Professor

    Obrigada pelas resposta, e irei seguir o conselho e procurar um advogado.

    Mas me responda uma coisa Professor?
    O senhor já ficou sabendo de alguém que conseguiu atraves do mandado de segurança retornar a categoria F?

    Aguardo anciosa a resposta
    Muito obrigada


  343. em 2 novembro 2009 às 13:45 professortemporario

    Ana Lúcia

    Se neste ano você tem uma carga horária de pelo menos 12 horas precisará assumir aulas regulares no ano que vem. Mas, se você está com menos de 12 horas e não foi convocada no dia 30de outubro, talvez você esteja fora da categoria F


  344. em 2 novembro 2009 às 14:08 professortemporario

    Sheila

    Os casos mais promissores de que temos conhecimento ainda estão sendo analisados pelos advogados


  345. Boa noite, professor :D
    Estou na categoria F, isto é certeza :D e tenho 28 aulas atribuídas, mas todas em oficina de tempo integral…
    Minha dúvida é se o fato de eu ter aulas apenas de oficina neste ano de 2009 pode fazer com que eu deixe de ser F…
    O fato de ter aulas apenas de oficina pode alterar alguma coisa?
    Fui mais ou menos convocada ;)
    Fui chamada enquanto F para conversar a respeito das mudanças, mas não para assumir mais aulas, porque não estou em interrupção de serviço, nem tenho menos de 12h/a ;)
    Obrigada mais uma vez pela sua atenção:D:D:D


  346. gostaria de saber se sou da categoria f.
    no meu holerit vem assim; Cargo/ Função Atividade
    F/6407-PROFESSOR EDUCACAO BASICA I Categoria
    ADM.LEI 500/74-FCAO NAT.PERM.
    sou f ou l.pois vi uma informaçao na comunidade do orkut
    que esta assim l. eu tinha certeza que seria f. como tudo muda eu nao sei mais de nada. grata pela resposta


  347. Olá

    “os professores que concorrerão às substituições eventuais, com contratos fixos por escola até o fim do ano letivo. Receberão pelas aulas lecionadas e não poderão lecionar em mais de uma escola.”

    A escola em que se dará essas substituições eventuais deverá ser necessáriamente a escola sede?

    Pergunto ,pois iniciei como professora em 2007 em uma escola que até hoje é minha sede eventual, mas atuo em outra escola que é na minha cidade e que possui maior demanda por professores eventuais.

    Se optar por atuar como contrato eventual em 2010 e não participar de atribuições (“O” ou “i”) eu posso “escolher” a escola wm que atuo atualmente ou só poderei assinar o contrato com minha sede?

    Grata


  348. Olá!

    Liguei na vunesp e informaram que as prova dos professores será dia 13/12/09 e 20/12/09 ,vai ser somente uma prova ,mas dividida por aréas.


  349. em 3 novembro 2009 às 20:09 professortemporario

    Ana Lúcia

    Pelas regras atuais, você não perde esse direito. O que pode acontecer é que seja obrigada a assumir aulas ou uma carga horária na escola, já que não está certo o que vai acontecer com as oficinas de tempo integral. Especula-se que sejam destinadas aos professores regulados pela lei 1093, pela possibilidade de se fazer contratos curtos


  350. em 3 novembro 2009 às 20:10 professortemporario

    Eliete

    Pelo seu holerite, você está na categoria F. Mas, pergunte à secretária de sua escola para ter certeza.


  351. em 3 novembro 2009 às 20:15 professortemporario

    Soraia

    Pela nova regra você só poderá lecionar em uma única escola e essa escolha aparentemente será feita por atribuição


  352. Muito obrigada, professor!!!


  353. Estou mandando esta mensagem para avisar a todos que a bibliografia para a prova dos ofas esta no diario oficial de hoje, executivo seção 1 pag 30 a 39 , gente é muita coisa deem uma olhada.


  354. o edital diz que essa biblografia sera para a prova ofa, para prova de aumento de salario e para o concurso de 2010.


  355. em 4 novembro 2009 às 23:24 Vanderson Botelho

    Prezado Professor,

    “O professor/ candidato poderá se inscrever:
    1) para o campo de atuação Classe e/ou,
    2) para o campo de atuação Aulas, em até 2 (duas) áreas , sendo 1 (uma) disciplina por área”

    Sou Ofa categoria “F” (Ciências e Biologia). Como Ciências e Biologia são na mesma categoria porém, disciplinas distintas…

    Só poderei optar por uma disciplina? Pois a Vunesp não aceita as duas (ciências e biologia). Obrigado!


  356. Boa noite, quero parabenizá-los por este espaço, pois esclarece muitas dúvidas, sobre os direitos do professor temporário.
    Gostaria de saber qual será o conteúdo da prova do processo seletivo simplificado, saiu o edital mas sem a bibliografia, todos querem ser bem classificados nessa prova, mais sem saber o que devemos estudar fica difícil. Será como no ano passado a proposta curricular ou não?
    Outra pergunta o professor com licenciatura em letras não pode se inscrever para português e inglês, pois o sistema de inscrição da vunesp só aceita uma das duas, não é justo, assim o professor está sendo prejudicado, sendo que no presente sistema de atribuição por tempo de serviço ele pode pegar aulas das duas disciplinas. Concordo com a prova, mas assim, tirando as chances do professor lecionar suas disciplinas a qual ele é habilitado, desde que ele comprove atravéz de uma prova que ele é capaz de cumprí-la. No meu caso é pior pois possuo duas licenciatua Letras/Arte de três disciplinas terei que escolher apenas uma, já que ambas pertence ao campo de Linguagens e Códigos?


  357. Olá

    Gostaria de saber se o professsor categoria F é obrigado a aceitar as aulas disponiveis nas atribuições.
    Exemplo: Sobraram apenas aulas a noite numa cidade distante e o professor tenha dificuldades para chegar lá.
    O professor que não aceitar as aulas corre o risco de perder o direito de estar na categoria F ?

    Obrigada


  358. em 5 novembro 2009 às 15:18 Lilian Pereira

    OLÁ A TODOS, BOA TARDE!

    JÁ ESTÁ NO SITE DA VUNESP O CONTEÚDO PARA O PROCESSO SELETIVO , E GARANTO-LHES ” NÃO É COISA POUCA” RSRSRSRS

    BOA SORTE A TODOS

    RESOLUÇÃO SE 79.

    AH , E TAMBÉM PARA AQUELES QUE ESTAVAM COM DIFICULDADE PARA FAZER SUA INSCRIÇÃO DEVIDO AS ÁREAS DE ATUAÇÃO , SAIU TAMBÉM UM COMUNICADO PARA AUXILIAR…

    MAIS UMA VEZ… BOA SORTE :D :D


  359. em 5 novembro 2009 às 21:55 professortemporario

    Luciene

    Infelizmente, sim. Se o professor F se recusar a assumir a atribuição de aulas em qualquer horário ou escola da diretoria de ensino onde está cadastrado será dispensado e perderá os direitos da lei 500.

    Como já dissemos, o objetivo do governo e forçar a barra para fazer o professor desistir

    Pelas regras atuais, só é possível se inscrever em uma disciplina por área, o que significa dizer que tem que se optar entre matemática, física ou química


  360. em 5 novembro 2009 às 22:15 professortemporario

    vanderson

    Sim, você terá que optar entre uma delas


  361. não concordo com esta avaliaçao, porque se estudei, fiz estágio em varias escolas é uma prova que adquiri meus conhecimentos tanto na pratica como na teoria, esta avaliação seria para os novatos que irão engressar na carreira atualmente. Para uma solução desta crise de desemprego, é facil gostaria que o secretario da educação elaborasse prova para efetivar os coordenadore, vice diretores,
    ai sim teremos um grupo competente na unidade escolar.
    Porque quando os professores escolhem suas salas no outro dia ou dependendo da situação fica vários meses na sala e depois saem pra outras atividades, tanto os coordenadores como os vice diretores, ficando assim as salas deles conosco prejudicando as crianças até se adaptarem ao novo professor. Se pegarmos ja no inicio das aulas nossa obrigação é pensar os alunos e não sai e optar por outro cargo ficando a desejar com o compromisso que engressamos.


  362. Professor Temporário.

    Olá, por que, vcs não responde quando é feita perguntas a respeito do Eventuais S. Eles irão ficar como eventuais ainda no ano que vem


  363. A Apeoesp não se manifestará quanto a Bibliografia de uma prova para processo seletivo que mais parece para um concurso ?
    Sou PC e OFA ESTÁVEL. Posso continuar a sê-lo, se não passar na prova ? De acordo com a LDB e 444/85 qq professor pode exercer qq. função.


  364. Olá, já entendi quase tudo a única dúvida é sobre a pontuação da prova, aqui diz a nota mínima é 5,0 e o que eu entendi na resolução 68 é 50% da prova, 40 pontos de uma prova de 80 pontos. Poderia me esclarecer este detalhe.
    Obrigada


  365. Olá

    Gostaria de saber se a lei que fala que o professor é obrigado a pegar qualquer aula em qualquer horário vale também para o professor categoria f permanente? porque antes o professor poderia escolher!!
    E aonde está está lei já que as mudanças foram mudadas para os professores que engressaram antes de 2007
    Obrigada


  366. Boa tarde, começei a lecionar no estado como professora eventual em outubro de 2007, segunda a diretora da escola sou categoria I, olhando em meu holerite está escrito admitido pela Lei 500/74, em 2008 peguei 2 aulas de inglês em maio e depois em agosto mais 2 aulas de reforço, esse ano peguei 7 aulas em junho (e desisti delas – por motivos particulares – em 18/08) e peguei mais 2 aulas livre em 17/08, minha pergunta é: como fica a situação da categoria I, fiz minha incrição e farei a prova, me enquadro na categoria L em relação aos 200 dias ou fico igual a todos sem poder dar aula durante 200 dias?
    Obrigado Raquel.


  367. Esqueci de acrescentar em meu holerite consta a seguinte informação
    Cargo/ Função Atividade
    F/6409-PROFESSOR EDUCACAO BASICA II
    Categoria ADMITIDO LEI 500/74 – R.G.P.S.
    e agora não sei se esse F é da categoria?


  368. em 7 novembro 2009 às 20:21 professortemporario

    Mary

    Não respondemos simplesmente porque não existirá mais a função de professor eventual. Ela foi extinta em julho de 2009 com a lei 1093 e quem hoje está nessa função só poderá permanecer até dezembro. Depois disso, já era.

    Apesar de frequentemente respondermos esse tipo de formulação, sempre aparece uma pessoa que pergunta, sem mesmo ler os textos dos artigos. Neste mesmo artigo em que você comenta existe a explicação para isso, mas ao que parece, quando a informação é ruim as pessoas preferem não saber…

    Em 2010, praticamente não haverá espaço para os professores da categoria 1093, pois os professores F que são hoje estáveis, se não conseguirem aulas serão colocados nas escolas para cumprir jornadas de 12 horas, fazendo justamente o que fazem os eventuais de hoje.


  369. em 7 novembro 2009 às 21:00 professortemporario

    Sueli

    A prova terá um total de 80 perguntas e quem acertar menos que 40 ( que seria uma nota menor do que 5,0, considerando a valoração de zero a dez) será reprovado


  370. em 7 novembro 2009 às 21:10 professortemporario

    Raquel

    Você está submetida à lei 1093

    Categoria L é o professor que teve aulas atribuídas entre 2 de junho de 2007 e 16 de julho de 2009 e manteve-se vinculado, com aulas atribuídas. Esses professores não cumprem os 200 dias até 2011, desde que permaneção vinculados.

    Os demais, inclusive a categoria I, são regulados pela lei 1093 e estão no mesmo barco


  371. Olá professor, sou OFA da categoria F,há 20 anos na sala de aula, o meu secretário me disse que se eu não atingir uma nota 5,0 ou superior estou fora do ESTADO e passo automaticamente para a categoria L. Isso é verdade? O que devo fazer se ele insistir? Quem procurar para me ajudar? Inclusive estou gozando 90 dias de LICENÇA PREMIO que conquistei por competência da APEOESP. OBRIGADA, BOA NOITE….


  372. em 9 novembro 2009 às 00:18 professortemporario

    Eliana

    O secretário de sua escola está enganado. Mesmo que seja reprovada, sendo da categoria F você teria direito a cumprir uma jornada de 12 horas em alguma escola da diretoria de ensino, em atividades de apoio.

    Isso só seria verdade se você estivesse na categoria L


  373. Olá Professor!
    Apesar de ter lido praticamente todas as perguntas, e tendo ficado muito chocada (e quem não fica, não é mesmo?), gostaria de solicitar um esclarecimento. Apesar de eu ter feito minha inscrição na D.E. da minha região, não peguei aulas o ano todo, ou seja, não abri vínculo em nenhuma escola. Há alguns dias (no dia 17/10 pra ser mais exata) me ligaram de uma escola e pediram para que eu fosse substituir uma professora que havia pego licença prêmio (15 dias)… daí dei as aulas dela… meu vínculo foi então aberto, semana passada dei mais 3 aulas em outra escola, no período noturno. Sou então categoria ”O” (contratada pela lei 1093)? Não entendi essa questão de gancho… Já fiz minha inscrição na D.E. e já realizei minha inscrição para a prova tbm. Desculpe pelas perguntas já desgastadas, mas é complicado para quem é recém chegado ser bombardeado com milhares de siglas, e leis, e burocracias. Desde já agradeço imensamente pela paciência e parabenizo pelo site!


  374. em 9 novembro 2009 às 20:13 professortemporario

    Ana Beatriz

    Pela lei 1093 o professor que assume um contrato pode exercer a docência na rede estadual durante todo o ano letivo, mas ao final do contrato ou ao final do ano letivo, terá que cumprir 200 dias de intervalo para que possa realizar um novo contrato.

    As categorias da lei 1093 para os professores são várias e orientadas em função do tipo de atividade. Assim, o professor O seria aquele que assumiria aulas na atribuição, enquanto que o professor S assumiria um contrato de substituição eventual em uma escola. Ocorre que se um professor é contratado para ser eventual, como S, não poderá participar das atribuições daquele ano, assim como o professor classificado na categoria o não poderia assumir contratos de eventual.


  375. Obrigada por responder professor.
    Minha maior preocupação era a de não poder fazer a prova (agora em dezembro) e não poder lecionar no ano que vem.
    Mais uma dúvida, o concurso para efetivos, qualquer professor pode prestar, mesmo tendo começado a exercer agora, ou deve-se apresentar algum requisito, como anos de experiência.
    Obrigada.


  376. Bom dia!

    No ano de 2007 trabalhei como professor eventual(faltava professor e a escola me chamava para cobrir aquela aula), no meu holerit vem como a categoria “F” e contribui para o IAMSPE. Liguei na escola e agora a secretaria que informou que sou categoria “S” é isso mesmo???


  377. Por favor gostaria de saber qual a situação da CATEGORIA “S”. Se ainda temos chance de algo… Desde já muito obrigada!


  378. em 10 novembro 2009 às 20:28 professortemporario

    Ana Beatriz

    Para o concurso público de março será exigido apenas a habilitação de licenciatura na disciplina específica.


  379. Boa tarde Professores!!!

    Sei que vcs estão esgotados e com razão… Mas acho muito legal a atitude de vcs auxiliarem seus colegas. Parabéns… Li tudo o que está escrito no site, mas ainda há dúvidas… Fiz a inscrição na D.E e no site da Vunesp, valos supor que passei na prova, sou caregoria “S”.
    *** posso concorrer à atribuição?
    *** posso deixar meu nome nas escolas como antigamente para dar aulas eventuais (na falta de professor)?
    *** vou ter que ficar 200 dias parada?
    deste já muito obrigada!!!


  380. em 11 novembro 2009 às 22:16 professortemporario

    Priscila

    Dentro de suas suposições:

    Ao que interpretamos, haverá uma espécie de atribuição de contratos de professor eventual;

    Pelas novas regras, o professor contratado como eventual é exclusivo de uma única escola;

    Ao final do ano letivo, ou ao final do contrato, o professor será dispensado e terá que cumprir os 200 dias até que possa ser contratado novamente


  381. em 11 novembro 2009 às 22:29 regina elizabeth da silva bustamante

    sou professora de ciências, porém desde 2004 estou trabalhando em um projeto da fundação casa, como PEB-II, e um dos requisitos p/ ser professor da UIP/Fund.Casa, é ser ACT, minha dúvida é como ficarão os professores ACTs de todo estado que estão vinculados a Fund. Casa.


  382. em 11 novembro 2009 às 22:38 professortemporario

    Regina

    Os professores F que passarem na prova e que hoje estão na fundação casa concorrerão normalmente às atribuições e na inscrição fazem a opção de concorrer também às aulas da fundação.


  383. OS PROFESSORES CONTRATADOS PELA LEI 1093 – categorias “O”, “V”, “S”serão os professores OFA que entraram no Estado depois de 16 de julho de 2009. Esses professores serão contratados pelo INSS, apenas para o período do ano letivo, sem registro em carteira ou FGTS e ainda tendo que cumprir um período de 200 dias letivos entre o término de um contrato e a renovação de outro.

    Nesse sentido, osp rofessores da categoria O serão os admitidos em atribuições em contratos temporários de substituição aos professores afastados em licenças superiores a 15 dias, por prazo determinado até o fim do ano letivo

    Os professores das categorias V e S serão contratados para substituições de caráter eventual, em uma única escola.

    OLÁ!

    NESSA RESOLUÇÃO DIZ;categorias “O”, “V”, “S”serão os professores OFA que entraram no Estado depois de 16 de julho de 2009. EU PERGUNTO NOVAMENTE PORQUE SOU CLASSIFICADA COMO CATEGORIA S, SE COMECEI A EVENTUAR EM 24/08/2005 E ESTOU TODOS OS DIAS EVENTUANDO CUMPRINDO MEU HORÁRIO E NÃO TENHO DIREITO A NADA……………
    COMO VAI FICAR MINHA SITUAÇÃO, POIS ESSA CATEGORIA S ELA PASSA A VIGORAR À PARTIR DE 16 DE JULHO DE 2009,POIS EU ENTREI EM 08/2005.


  384. OI……………

    REALMENTE NÃO SOU DESSA CATEGORIA E SIM DA CATEGORIA F.


  385. em 11 novembro 2009 às 23:18 professortemporario

    Jerlani

    Para o governo, considera-se a data de início do último contrato da lei 500. Até 2007 o professor que estava vinculado mas não conseguia aulas na atribuição do começo do ano era dispensado. Com a estabilidade dos OFA pela lei 1010/07, esse professores passaram a ser interrompidos (por isso fez-se a convocação da resolução 73)

    Mas, quem não estava em exercício em junho de 2007, ou quem pediu dispensa as aulas durante o ano, não entrou nessa situação e interrupção. Assim, passaram para categoria L, se mantiveram o vínculo até p presente, ou caíram na 1093, se estão desvinculados


  386. Professores,

    muito obrigada pelas explicações… agora minha cabeça está rodando um pouco menos(rsrsrs). Um super abraço a todos e muita sorte à nos todos!!!


  387. Prof. Beth.
    Sou OFA –professora coordenadora- se eu passar ou não na prova continuarei ou não na coordenação, estou amparada na lei 500- F.


  388. em 13 novembro 2009 às 13:22 professortemporario

    Charles

    Uma coisa é certa. Se não passar na prova não poderá exercer funções de direção ou coordenação e ficará limitado ao cumprimento das 12 horas.

    Mas, mesmo passando na prova, como o professor é estável no contrato pela lei 500, na condição de professor, é praticamente certo que as funções de direção, coordenação e alguns projetos sejam de exclusividade para efetivos


  389. Olá pessoal!
    Esta semana fiz mais uma descoberta absurda. Dei entrada na minha evolução funcional pela via acadêmica e estava esperando o pagamento desde que foi publicado no DO em 19/07/2009. Estranhando a demora fui até a Secretaria da Fazenda para saber porque estava demorando tanto. Disseram-me então que professores da categoria “L” não tem como receber evolução funcional pela via acadêmica. Não contente com a resposta me dirigi a diretoria de ensino no mesmo dia. Lá, eles não sabiam me dar a resposta e vão refazer a papelada novamente, então, falando sobre a categoria “L”, a responsável pela papelada me disse que muitos professores estão entrando com uma ação administrativa. Já procurei saber como entrar com esse processo, mas não obtive sucesso. Será que vocês saberiam me informar como entrar com esta ação administrativa?
    Muito obrigada pelas informações dadas neste site. Foi através dele que consegui reagir a esta insanidade que cometeu o governador do estado.


  390. em 13 novembro 2009 às 21:33 professortemporario

    Maria

    Trata-se de um documento parecido com o modelo de requerimento que apresentamos em um artigo destinado aos professor F que estavam erroneamente cadastrados como L.

    No documento você deve contar o seu caso detalhadamente e pedir esclarecimentos


  391. Gostaria de saber com fica a situação dos F que são estudante, L fornado na atribuição de aulas, nao tem uma resolução para esta situação.


  392. Minha dúvida é a seguinte: sou categoria F PEB-I com magistério (não sou habilitada em pedagogia), é verdade que posso ser rebaixada a categoria L se não apresentar, dentro de um ano, um diploma de pedagogia? Se sim, o que posso fazer? Poderia usar meu diplona em Letras, por exemplo???


  393. Qual será o salário dos professores F que cumprem as 12 horas semanais? Eles ganharão pelo sábado e domingo?


  394. em 14 novembro 2009 às 23:41 professortemporario

    Roberta

    Os professores F que cumprem a jornada de 12 horas recebem como se tivessem 10 aulas atribuídas, mais 2 Htpc

    A LDB determina que após o fim da década da educação, que se encerrou em 2007, só sejam admitidos como professores os formados em curso superior. Assim, quem tiver apenas o magistério terá problemas, mas os que tiverem uma graduação de licenciatura em outra área terão que fazer uma complementação pedagógica. No seu caso, existem universidades que oferecem cursos de licenciatura para quem já possui uma graduação, que geralmente garante o diploma exigido em menos de um ano


  395. em 15 novembro 2009 às 14:49 Ulisses do Amaral

    Sou professor de Física desde fevereiro de 1985, sempre lecionei sem nunca perder o meu vínculo com o Estado,em qual categoria me encontro? E se acaso não for aprovado nesta provinha como ficará a minha situação? Como ficará o meu contrato?


  396. em 15 novembro 2009 às 18:21 professortemporario

    Ulisses

    Pelo que nos contou você deve pertencer à categoria F e se não passar na prova não poderá lecionar e terá que cumprir uma jornada de 12 horas em atividades de apoio, onde o Estado determinar


  397. Gente este governo que acabar com a educação?!

    Vocês sabem quando será o proximo concurso para Peb 1 no estado?

    então quer dizer que eu serei categoria S ou V e só poderei ser como “eventual” se não passar em um concurso publico nunca pegarei uma classe livre?!

    Obrigado pela ajuda!!!


  398. desculpa incomodar tanto, mais estou aflito e quero tirar minhas duvidas, porque sempre quiz ser professor primario e estou vendo esse sonho indo por agua abaixo

    eu que serei categoria S ou V trabalharei 1 ano como eventual e terei que esperar 200dias para renovar meu contrato?

    preciso de uma resposta objetiva pra isso entrar em minha cabeça

    Muito Obrigado pela paciencia!!!


  399. Nós eventuais, pelo visto, corremos o grande risco de ficar sem aulas, mesmo que peguemos uma ótima classificação. Eu por exemplo, entrei em abril deste ano, minha pontuação é baixa, embora dê 6 aulas todos os dias, pois na escola que leciono o que mais acontece é falta de professor. Tenho uma dúvida: se não conseguir atribuição de aula, posso ficar como eventual em 2010 e 2011 sem ter o gancho de 200 dias? Qual seria a minha categoria afinal de contas? Pois entrei antes da lei 1093, mas nunca atribui aulas, e no meu hollerite consta ADM.Lei 500/74 – EVENT. – R.G.P.S.


  400. em 18 novembro 2009 às 21:31 professortemporario

    Thais

    O gancho vale para qualquer contrato da lei 1093. Quanto às categorias, depende da função. O que sabemos é que quem se inscrever para aulas na atribuição não poderá ser eventual e vice-versa


  401. em 20 novembro 2009 às 21:41 Marina Ortega

    Gostaria de orientação sobre a minha situação.
    Trabalhei no período de de 86 a 96,retornei em 2005 e em 2007 tinha aulas atribuidas até o dia 30/05/07,depois passei para eventual e tive novamente aulas atribuidas em 09/09.Pois bem não era do meu conhecimento mas estou como categoria L.( hoje tenho aulas atribuídas).O que eu faço estou muito preocupada.Pq pelo que me parece eu perdi os meus direitos adquiridos anterior e hoje sou vinculada ao Rgps.O que mais me preocupa é essa avaliação,onde percebi que a categoria L será muito prejudicada.
    Por favor me orientem.
    Grata. Profa Marina.


  402. em 20 novembro 2009 às 21:44 professortemporario

    Marina

    Até junho de 2007 todo professor temporário com aulas atribuídas na rede estadual era contratado nos termos da lei 500/74 e permanecia nessa condição até que perdesse o vínculo, quando era dispensado. Com a publicação da lei 1010/07, que garantiu a estabilidade aos professores contratados pela lei 500/74 que estavam em exercício, passou-se a interromper o tempo de serviço do professor OFA que perdia o Vínculo, em vez de dispensá-lo, mantendo assim o seu direito dentro da lei 500/74.

    Ocorre que, se o professor por sua iniciativa desistir das aulas ele é obrigatoriamente dispensado pelo artigo 35 da lei 500/74. Nesse caso, mesmo que retorne no mesmo dia, até julho de 2009, era feito um novo contrato pela lei 500/74. Como para a lei 1010/07 o que vale é o contrato com data anterior a junho de 2007, o Estado está utilizando uma interpretação de que esse contrato foi extinto por vontade do professor e o que vale é o último, que é posterior a junho de 2007. Por isso, professores que mudaram de área (de PEB I para PEB II, por exemplo) estão sendo considerados categoria L.

    Para solucionar isso, seria preciso uma ação na justiça, em que o advogado conseguisse quebrar esse argumento diante do juiz.


  403. em 20 novembro 2009 às 22:08 Marina Ortega

    Professor ainda tenho algumas dúvidas:
    1.Na data de 30/05/2007 fui dispensada pela escola,pois estava substituindo uma licença gestante.
    2.Em 09/07 mudei de Peb I para Peb II e não fui informada que mudaria de categoria.
    3.Vi aqui no site orientãções e um modelo de requerimento ,para mudar de categoria L para F( pelo fato de estar em exercício antes de junho de 2007),o procedimento seria esse? ou entrar direto com uma ação judicial?
    4.Quais os termos da apelação no caso?
    5.Esses processos geralmente são longos e estou muito preocupada com provinha e atribuição do próximo ano.
    Muita grata.Profa Marina


  404. em 20 novembro 2009 às 22:36 professortemporario

    Marina

    O modelo de requerimento foi pensado no momento em que acreditávamos que as incorreções eram fruto de equívocos burocráticos. Mas, como isso é uma imposição do próprio Estado, recomendamos que os professores partam direto para a via judicial


  405. Meu Deus!!!! O que esse governador está fazendo conosco?
    Leio quase todos os dias as mesmas lamentações e mesmo assim prefiro acreditar que todos nós estamos somente sonhando.
    Meus queridos irmãos de profissão, tenham calma, pois sabemos que estas leis são rígidas e frias por parte dos animais que a criaram. Mas ao mesmo tempo sabemos que professores estão em falta nas escolas, vivemos isso todos os dias. Portanto essa palhaçada não vai continuar por muito tempo. Há males que vem para bem, chavão que deve ser refletido às vezes. Virá alguma solução após tanto sofrimento.
    O Exterminador de Professores sairá logo do comando e junto dele o Ministro da Educação.
    Venceremos.


  406. todos inclusive os ofas terão de passar por este curso de formação de professores?

    me inscrevi este ano para peb 1, vou ter que passar antes de pegar alguma classe?

    Muito Obrigado


  407. em 22 novembro 2009 às 22:46 professortemporario

    Su

    O curso de formação será aplicado como continuidade do concurso público, que será realizado em março. Os professores que esperam o processo seletivo de dezembro, se passarem, não realizarão esse curso


  408. SOU CAT. F E DEVO TIRAR MINHA LICENÇA GESTANTE NO COMEÇO DE JANEIRO. É VERDADE QUE TENHO DIREITO A 7 MESES DE LICENÇA JÁ QUE A LICENÇA MATERNIDADE (DE 6 MESES) SERIA CONCOMITANTE COM AS FÉRIAS DE JANEIRO?)


  409. AMANHÃ TENHO ATRIBUIÇÃO DE AULAS, EU POSSO RECUSÁ-LAS ALEGANDO ACÚMULO DE CARGO NO MUNICÍPIO? e SOU OBRIGADA A ASSINAR DISPENSA SE NÃO PUDER ACEITÁ-LAS?


  410. em 23 novembro 2009 às 16:11 Lilian Pereira

    Olá professor … Boa Tarde!
    Atuo como professora eventual (EF IIe médio) , minha categoria é L (PEB I), pois ainda sou estudante.
    Sou formada em Magistério e curso o último ano de licenciatura plena, no ínicio do ano me inscrevi nas duas categorias e consto nas listas.
    Essa semana começa as atribuições de aulas novamente. Gostaria de saber , se for em alguma atribuição e assumir aulas , pego o gancho de 200 dias em 2010 ou não?


  411. em 23 novembro 2009 às 16:20 professortemporario

    Roberta

    Ao que sabemos, a licença maternidade não tem relação com as férias

    Sobre a atribuição, não existe argumento: ou aceita ou assina a dispensa da categoria F


  412. em 23 novembro 2009 às 16:37 professortemporario

    Lilian

    Só é categoria L quem está com aulas atribuídas no momento e não foi enquadrado na categoria F. Se você perdeu o vínculo, você pode ter sido classificada na lei 1093


  413. http://diarioeducacaosp.blogspot.com/2009/10/diario-oficial-diretrizes-para.html
    caderno_professor_act_ofa.pdf
    Lá tá explicando tudinho…sobre F L


  414. Olá!
    Duas perguntas:
    1- Alguém já sabe a data prevista para a prova do processo seletivo?
    2- Por que estão fazendo isso? Dessa forma os professores recém formados ficarão na pior… gostaria de saber se alguem pode me explicar qual a intenção nisso tudo??? Esses 200 dias de gancho… o que faremos???
    Muito obrigada!


  415. Fico muito triste lendo todas essas coisas, é muito desanimador… pq a gente sai da faculdade cheios de coisas legais pra ensinar, no meu caso (biologia), cheios de idéias na cabeça, experimentos, novidades… e vamos pegar o resto do resto? Fora que o salário é hiper baixo, tem q trabalhar muuuuuuuito pra se manter… gastamos um dinheirão com faculdade (pq mesmo sendo pública gasta-se muito pra se mantar em outra cidade)… e agora como faz? Desculpem pelo desabafo aqui, mas isso é inaceitável… deveríamos fazer alguma coisa! Não é possível que pessoas que nunca entraram em uma sala de aula pra lecionar digam como as coisas devem ser… como os alunos dizem ” é a treva” !


  416. em 24 novembro 2009 às 12:35 professortemporario

    Ana Beatriz

    Sobre as datas, 13/12 e 20/12

    Sobre as intenções… Basta analisar o discurso do governo do Estado pelas declarações dadas na época em que se tentou fazer essa avaliação no ano passado. è mais fácil culpar o professor do que admitir que o sistema educacional está errado. E se pensarmos que o mesmo grupo que domina a política do Estado há quase 20 anos é o responsável pela definição da atual política educacional, fica evidente que essa prova tem o objetivo de provar que os professores são o problema.


  417. Quando vai ser a prova dos OFAS?
    Já tem data marcada?????


  418. Sou licenciada em biologia. Fiz minha inscrição na DE e no site vunesp com opção CFB – nunca trabalhei no estado de SP e estou com muitas dúvidas… pelo que entedi

    posso trabalhar como categoria O ou S… mas não assinaria um contrato anual? só ia pegar aula temporária (licença ou atestado acima de 15 dias de professores fixos)?

    e como fuciona esses 200 dias de congelamento para essa categoria?

    qual é o valor hora aula?

    Desde ja muito obrigada


  419. Boa noite!

    Eu li um comentario anterior direcionado a Su que diz que os professores que passarem no processo seletivo não precisaram fazer o curso de formação do concurso de março, isso procede, ou eu interpretei mal o comentario?

    Agradeço desde já!


  420. em 25 novembro 2009 às 22:30 professortemporario

    Mari

    Depois da prova e depois de feita a classificação, os aprovados participarão de um processo de atribuição, semelhante ao que acontecia antes, mas com a diferença de que o saldo de aulas será o que sobrar dos efetivos e professores OFA F. Nessa situação, o professor que conseguir aulas terá que apresentar sua habilitação e assinará um contrato de trabalho, dentro das regras da lei complementar 1093/09.

    Para isso os professores serão divididos em categorias diferentes, relacionadas ao tipo de função que pretendem. Assim, haverá uma categoria para professores que concorrerão ás atribuições ao longo do ano, uma outra para professores que assumirão contratos de substituição eventual nas escolas

    Ao final do ano letivo o professor contratado terá seu contrato encerrado e não poderá fazer um novo antes do prazo de 200 dias, o que significa dizer que trabalhará ano sim e ano não


  421. em 25 novembro 2009 às 22:34 professortemporario

    Wanderson

    O curso de formação é específico para os efetivos que forem aprovados no concurso público de março. Já os professores temporários e estáveis abrangidos pelo processo seletivo não farão esse curso


  422. entrei com uma liminar na diretoria de esino para equadrameto de categoria dia 28 de outubro, e ate agora nada.liguei para a diretoria de ensino ontem e por fim me disseram que o meu meu requerimento se encontr na escola.Por que sera que estão demorando tanto para dar a resposta, ja que sendo negativa tenho que entrar pela jusiça.Sera que vai dar tempo de recorrer, ja esta fazendo quase um mes. o


  423. Por favor, sou professora de geografia e estava com 5 aulas e declinei em junho deste ano 2009 2 aulas e fiquei com 3 aulas, apos a nova legislação fui convocada para pegar mais 2 aulas e falam que tenho que pegar 20 aulas para continuar na categoria F isto e verdadeiro???


  424. Boa noite!

    Na escola onde leciono há comentarios de que o processo seletivo não é mais eliminatório e sim classificatório, gostaria de saber se essa informação é oficial ou apenas especulação?

    Agradeço desde já!


  425. em 26 novembro 2009 às 21:22 professortemporario

    Cláudia

    De acordo com as novas regras, você será obrigada a assumir qualquer saldo de aulas que sua habilitação permita, na sua unidade sede, independentemente do fato de querer ou poder. Essa regra está prevista na resolução 73 e vale até que o professor complete uma jornada de 20 aulas. Isso quer dizer que se você tem três aulas em um período e aparecer uma atribuição em sua escola, em sua disciplina, mas em período diferente, você simplesmente será compulsoriamente considerada titular dessas aulas, sob pena de ser dispensada do direito da categoria F


  426. em 26 novembro 2009 às 21:41 professortemporario

    Wanderson

    Já comentamos isso e reiteramos: O PROCESSO É ELIMINATÓRIO. Ocorre que alguns professores F, que tem direito a estabilidade de 12 horas mesmo que reprovados, estão considerando essa estabilidade como um direito inviolável e que garante todas as prerrogativas, independentemente de serem ou não aprovados.

    Quem não passar será sumariamente eliminado do processo e não poderá participar de atribuições de aula, nem eventuar. Os que têm a estabilidade de 12 horas, se não passarem, terão que cumprir essa jornada na escola, em atividades pedagógicas de apoio, em local e horários determinados pelo Estado (esqueçam acúmulo de cargo…)

    Tem professor, que por falta de esclarecimento ou mesmo por ingenuidade, acredita que por ter o direito às 12 horas está garantido no Estado. Sem desmerecer o seu esforço ao longo de anos de serviço como OFA, esses professores estão esquecendo que da mesma maneira que os professores F que estavam com interrupção de exercício foram obrigados a assumir jornada de 12 horas distribuídas em todos os dias da semana, numa situação muitas vezes economicamente inviável, os professores F reprovados no processo estarão sujeitos às mesmas regras.

    Portanto, como essa prova eliminatória está prevista na lei 1093, qualquer coisa classificatória é apenas especulação; ou melhor, uma negação da realidade, típica de quem sofre um trauma e não consegue aceitar a verdade dolorosa…


  427. Boa tarde!!
    Eu tenho apenas formação de magistério (CEFAM), gostaria de saber se ainda posso dar aula?


  428. em 27 novembro 2009 às 22:02 professortemporario

    Rita

    Sem ser efetiva, acreditamos que não.


  429. em 29 novembro 2009 às 21:16 Hareton Leão

    Ola ..
    Tive aula atribuida ate 11/07/09 era categoria `L´ , depois perdia as aulas , a secretaria da escola me disse que virei categoria ,I, que era melhor ficar como eventual.
    Pois se não eu não poderia dar aula em 2010. é verdade?
    Agora sou categoria ´I´´ se passar na prova como fica minha atribuição , eu nunca vou poder me aposentar?]
    Vou ter que procurar outro emprego sou licenciado pleno em matematica ?

    O que o governo faz com seus funcionarios ..

    muito obrigado por este saite existir;


  430. em 29 novembro 2009 às 23:32 professortemporario

    Hareton

    Oficialmente, o Estado só aceita a aposentadoria do professor OFA categoria F, que passou à condição de estável. Os demais, terão que computar tempo de serviço e se aposentar pelo INSS.

    Sobre a questão da categoria, tudo se resume em saber como foi a sua saída em 11/07. Se você perdeu as aulas pelo retorno de um titular/efetivo, você deveria permanecer na L, a não ser que tenha assinado um termo de desistência para assumir um saldo de aulas em outro campo (de PEB I para PEB II, por exemplo). Se você desistiu das aulas e ficou sem vínculo na data da publicação da lei 1093 (16/07/09), nesse caso para o sistema você aparece como um novo contrato, que pelas regras da 1093 obrigatoriamente tem que ser feito nas novas regras.

    Talvez seja o caso de procurar um advogado trabalhista/previdenciário para analisar o caso com mais critério


  431. O importante é passar nessa prova..até ai tudo bem!!!
    Mas a duvida é: Um professor categoria F fez a prova e passou, assim como o professor categoria L tambem fez a prova e passou. Na hora da atribuição quais são os criterios para essas categorias? A partir da aprovação na prova, essas categorias deixam de existir? Caso essas categorias não deixam de existir, quem tem preferencia em na hora da atribuição; a categoria F ou L?

    A minha situação no momento é: Categoria L, minha pontuação é mais ou menos 19,600 pontos, estou na educação desde 1991. A minha pontuação será acrescida na nota da prova, ou independente da pontuação eu terei mesmo assim, passar com nota igual ou superior a 5 e depois sim será acrescentado a pontuação 19.600, para aumentar minha classificação? Po favor tire essa minha duvida…….Para efeito de atribuição de aula, quem terá preferencia primeiro: o categoria F ou L?…grato + uma vez.


  432. em 1 dezembro 2009 às 19:43 Marina Ortega

    Boa noite!!!
    Alguém tem notícias da Assembléia de hoje?
    Alguma novidade?
    Hoje saiu no DO a publicação das datas da prova,vcs viram?:


  433. ola pessoal,gostaria de saber se a prova vai ser eliminatoria ou eliminatoria???????????alguem sabe me informar?obrigada


  434. Carla

    HOUVE REUNIÃO COM O SECRETÁRIO E UMA DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DOS PROFESSORES, NO DIA 01/12, E O RESULTADO FOI:

    “Professor poderá utilizar tempo de serviço para a nota do “Provão”

    Por força da Lei Complementar nº 1093/09 os professores temporários passam por dois processos com vistas à atribuição de aulas:
    - fase de qualificação, através de um processo de avaliação
    - fase de classificação para a obtenção de aulas

    - a pontuação mínima para que o professor seja qualificado para dar aulas continua sendo 40 pontos. Por pressão do Sindicato, a S.E. Afirmou que o professor que obtiver ao menos 32 pontos (40% da nota máxima) poderá usar o tempo de serviço para somar aos pontos da prova e obter os 40 pontos. Para o PEB II, 32 pontos equivalem a 32 questões corretas em uma prova de 80 questões; para o PEB I, 32 pontos representam 24 acertos em uma prova de 60 questões.

    - De acordo com a Secretaria, a classificação para a atribuição será feita por faixas, sendo que, no caso dos ACTs, haverá a composição entre a nota da avaliação, o tempo de serviço e títulos, de acordo com o acordo do TRT (80 pontos+80 pontos+20 pontos) Ou seja: o professor que tiver utilizado o tempo de serviço para compor a nota do “provão”, o utilizará, na íntegra, para a classificação da atribuição de aulas.”

    ESPERAMOS QUE ISSO SEJA EFETIVAMENTE APLICADO.


  435. Ainda bem que existe o Sindicato ; Apeoesp para fazer valer os direitos adquirodos ao londo dos anos trabalhados pelos Acts . E pra muitos isso não é nada , mas pra todos nós Acts isso é a nossa vida funcional e trabalhista. com muito amor e dedicação ao magistério.Vocês novatos que estão começando a carreira no magisterio publico , não se esqueçam de; ” Um dia são pedra mas outro dia vão se tornar vidraças “. Pense bem nisso…………………………………..


  436. em 3 dezembro 2009 às 09:58 Sislei Natale

    Olá,pessoal,diante dessas tempestades de humilhações que os professores do Estado de São Paulo vem sofrendo,por parte do exterminador de professores, Jose Serra,gostaria de reiterar uma reivindicação,não podemos ficar á caso dos mandos e desmandos desse senhor,mandem emails para redações de jornais,escrevam artigos em jornais de bairros,falem em rádios,comuniquem á sociedade,o que o governo do estado está fazendo com os professores de seus filhos,não haverá professor efetivo suficiente para dar aulas ano que vem,o que é ruim para a sociedade ficará muito pior,eu,assim como muitos professores temporários,conseguimos concluir o ano de muitas salas,pois estavamos lá,para substituir os efetivos que em maioria se encontram doentes,pelas condições de trabalho que se apresenta o magistério hoje.O exterminador será canditado á presidencia,se se sentir ameaçado talvez volte atrás em algumas questões,estudamos para sermos respeitamos e garantir nossos trabalhos na sociedade,não para sermos humilhado.


  437. em 3 dezembro 2009 às 23:01 Maria Luiza Dias Gonçalves

    Trabalhei no estado como peb I de 87 à 98, com a municipalização me efetivei no município e tive que sair do estado,hoje trabalho como peb I no município e no programa escola da familia em meu município pela secretaria da educação do estado e sou categoria F com 24 aulas e recebo como peb I.Tenho licenciatura plena para as séries iniciais do ensino fundamental e no meu município não tem escola para pebI pelo estado.Que pode acontecer comigo?Fiz a inscrição na DE mais próxima, moro no interior à 150 KM da DE.


  438. Olá bom dia a todos. Sou professora de portugues. Trabalho no Programa Escola da Familia como Educadora Profissional, fui adimitida pela lei 500/74, gostaria de saber se tenho meu cargo garantido para o ano de 2010? Sem mais muito obrigada!
    Comentário: Nossa o que fazer? Como um governo pode agir de tal forma sem dar oportunidade para os professores iniciantes? Será que esse governador nunca teve que iniciar na sua profissão? Será que ele nunca precisou de nada na sua vida? Já nasceu em berço de ouro e imagina que todos também vieram do mesmo lugar? É assim que se motiva os profissionais da educação? Como poderemos motivar nossos alunos e crianças que frequentam as escolas se nem nos somos reconhecidos como profissionais inclusos na classe social trabalhista de professores? Possuidores do mesmo direito deveriamos ser, pois quando as escolas nos ligam estamos sempre dispostos a trabalhar, viver a realidade dos alunos, lutar por eles, buscar a diferença na educação de uma forma que a vida dessas crianças melhore e elas consigam viver em uma sociedade dignamente. É dessa forma que deveria fazer com os professores, sem diferenciar, isso chama-se preconceito!


  439. em 5 dezembro 2009 às 13:08 professortemporario

    Fernanda

    Dentro do seu raciocínio, existe apenas uma incoerência: professor temporário, eventual ou OFA, não é uma oportunidade e sim uma anomalia. Teoricamente, dentro da nossa legislação, o ideal é que todos os professores fossem efetivos e titulares de cargo. E, a única forma de isso acontecer é pela nomeação, após a aprovação e classificação dentro de um concurso público de provas e títulos, que garante inclusive a estabilidade ao trabalho do professor.

    Não se trata de preconceito, mas sim de lei. Professor temporário tem seus direitos, mas não pode ter exatamente os mesmos dos efetivos, até porque os efetivos passaram pelo concurso público e possuem a estabilidade garantida pela constituição.

    Assim, reiteramos: A situação do professor temporário é uma anomalia e deveria ser “temporária”, enquanto não se realiza o concurso público. Mas, como antes da lei 1093 o Estado não se preocupava em preencher as vagas por concurso, criou-se o absurdo de 43% de temporários lecionando na rede. Isso não é bom, nem para os professores temporários, nem para os alunos e muito menos para a sociedade.

    O que deveríamos discutir e nos preparar efetivamente é para o concurso que será realizado em março de 2010, pois como estamos lidando com o principal bem imaterial da sociedade, que é a educação das novas gerações, escolher para professor aqueles que forem aprovados em um concurso par exercer a função como efetivos e titulares de uma escola faz toda a diferença.

    Certa vez, fizemos uma pesquisa acadêmica com base nos resultados do quinto conceito em escolas públicas das redes estadual e municipal, antes e depois da progressão continuada. Evidentemente, depois da progressão o desempenho dos alunos piorou, mas um dado interessante que apareceu em todas as escolas e em todas as épocas analisadas é que as escolas onde existia maior rotatividade de professores os resultados foram piores.

    Não que o temporário seja mais despreparado que o efetivo. Mas, por não conseguir permanecer na mesma escola para o próximo ano letivo, esse professor tem sempre que começar do zero e nunca consegue dar continuidade a um trabalho.

    Portanto, defendemos sim o direito trabalhista do professor temporário, mas não acreditamos que essa condição seja positiva, nem para o professor, nem para a sociedade. O ideal é que todos os usuários deste site conseguissem a aprovação no concurso de março de 2010 e começassem 2011 como efetivos.


  440. em 5 dezembro 2009 às 19:54 Maria Luiza Dias Gonçalves

    Aguardando resposta anciosa.


  441. em 5 dezembro 2009 às 22:09 professortemporario

    Maria Luiza Dias Gonçalves

    Se você fez sua inscrição na sua diretoria de ensino, mesmo que não exista saldo de aulas para sua habilitação, o Estado não poderá deslocá-la para outra diretoria de Ensino.

    Assim, ou você continuaria participando dos projetos do escola da família, ou teria que cumprir uma jornada de 12 horas como professora eventual em sua escola sede (desde que passe na prova)

    Caso você seja reprovada, você só poderá cumprir as 12 horas em atividades de apoio em local e horário definidos pelo Estado, ainda dentro da diretoria de ensino onde está escrita.

    Se faltar à prova, por qualquer motivo que seja, você será sumariamente eliminada do processo e perderá todos os seus direitos


  442. Ise

    Infelizmente não posso concordar com vc, últimamente tenho me sentindo frustada com a APEOESP, contribuo com ela 19 anos. Veja bem os OFAS farão a prova se não passar estarão fora da sala de aula, os EFETIVOS se também não passarem não terão aumento ,ou seja ,tanto OFAS ou EFETIVOS terão que mostrar se tem capacidade ou não. Na verdade o teor das provas serão os mesmo tanto pra OFAS quanto EFETIVOS.

    Agora, que a APEOESP está pisando na bola não resta dúvidas, pq ela está pedindo para que os efetivos venham boicotar,que ninguém faça inscrição para prova e pq não fêz o mesmo com os 80.000 OFAS ? estranho a atitude da APEOESP,lamentável,decepcionante . Bem, Os OFAS podem passar pelo ridículo se não forem aprovados, e os EFETIVOS não podem passar por esses vexames,pq com certeza terá muitos EFETIVOS também que não passarão nessa prova por mérito.

    È APEOESP realmente vc nos decepcionou!

    Agora acho sim que todos os OFAS deveriam se unir, e boicotar também esse dia 13 e 20 de Dezembro,ninguém deveria comparecer nos dias da prova , poís eu quero ver o governo se virar com tantas faltas de professores no início do ano irá virá um caos.

    Outra coisa !

    Assim como tem professores competentes EFETIVOS também tem muitos OFAS, embora conheço muitos EFETIVOS que MAMA na teta da vaca do ESTADO .


  443. em 5 dezembro 2009 às 23:49 professortemporario

    Odete

    Com certeza. No nosso meio tem de tudo, desde profissionais competentes e preparados, profissionais não tão preparados, mas preocupados com seus alunos e até pessoas sem nenhum espírito profissional, que só contribuem para denegrir a imagem da categoria.

    Justamente para separar os profissionais dos parasitas é preciso que exista sim um sistema da avaliação (não necessariamente este, que nos foi imposto).

    Professor é um profissional consciente, que possui opinião e se posiciona diante da realidade (pelo menos deveria…). Mas, lendo comentários publicados no site é possível perceber que muitos simplesmente se deixam guiar e colocam suas vidas funcionais nas mãos de outras pessoas (dos secretários de escola, do sindicato, do diretor da escola…)

    Assim, seria até ingenuidade pensar que esse boicote funcionaria, pois muitos estão ainda atordoados com as mudanças e as amarrações legais desse processo trazem consequências terríveis aos faltarem à prova.

    A grande verdade é que a educação em São Paulo já é um caos e o governo não tem a menor preocupação se isso vai ou não piorar, ou se os professores vão ou não boicotar o processo, até porque dependendo do resultado desse processo, o governo ampliará seus esforços na direção da municipalização, o que reduziria seus custos e passaria o problema para outras mãos.


  444. Boa noite!

    Por favor, se puder, esclareça-me a minha situação.

    Fui professora de maio/95 a fev/96. Depois voltei a atribuir aulas em abr/96 e pedi dispensa em out/96. Nos meus holerites constam admitida pela Lei 500/74 de Nat. Permanente, categoria F. Voltei este ano para a faculdade e estou no 2º sem de Letras. Consegui me inscrever na DE em que trabalhava antes com o anexo e histórico parcial. Desejo saber em qual categoria me enquadrarei se for asprovada no processo seletivo 2010?

    Grata pela atenção.


  445. em 7 dezembro 2009 às 01:12 professortemporario

    Cíntia

    Para o Estado, você se enquadra em uma das categorias da lei 1093 (possivelmente a O). Mas, talvez seja o caso de procurar um advogado para estudar melhor esse caso e até entrar com um processo na justiça


  446. em 7 dezembro 2009 às 23:14 Search the Web on Snap.com

    Boa noite professor :]
    Me formei ano passado, mas até então nunca lecionei, irei prestar essa prova para conseguir aulas como professor temporário, se caso eu passar eu serei OFA de que categoria?
    Ficarei muito grata se me responder!


  447. Boa Noite! Sou professora categoria f e gostaria muito de saber o seguinte: caso o professor não passe no processo seletivo em 2009 e tb não passe no processo seletivo em 2010 como fica sua situação, fiquei sabendo que se não passar tb em 2010 perde o direito de permanecer na f, me confirme por favor. Esta estabilidade é até se aposentar?


  448. em 8 dezembro 2009 às 22:26 professortemporario

    Andressa

    Até o momento isso é boato, mas pode se tornar verdade com uma canetada do governador


  449. Olá!
    Estou me formando este ano em matemática – Licenciatura Plena. Fiz minha inscrição na De e depois no site para fazer a prova do professor.Se eu não conseguir , não irei pegar nenhuma aula, mas se eu conseguir, terei direito do que?Em que categoria me encaixo?Estou um tanto que perdida sobre o assunto.Obrigada


  450. em 9 dezembro 2009 às 19:53 professortemporario

    Suzana

    Você terá direito a participar das atribuições de aula e dentro da sua classificação, obtida com a nota da prova, você poderá assumir um saldo de aulas, dentro das regras da lei 1093


  451. A CAIXA PRETA DA EDUCAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO (edição atualizada)
    29 Outubro 2009 por professortemporario

    Os professores não efetivos foram divididos em categorias diferentes, considerando as leis 1010/07 e 1093/09. Todos tinham que se inscrever para o processo seletivo de 2010, em apenas uma única diretoria de ensino, até 30 de outubro de 2009, NAS ESCOLAS SEDE (PROFESSORES COM AULAS ATRIBUIDAS E PROFESSORES F EM INTERRUPÇÃO E EXERCICIO) e nas diretorias de ensino (demais professores). Terão também que fazer uma segunda inscrição, para realização de prova(s) relativas ao processo Seletivo Simplificado, via Internet, no endereço eletrônico da Fundação VUNESP – http://www.vunesp.com.br , no período de 03 a 20/11/2009.

    Qual foi a fonte para vocês obterem essa informação que coloquei em destaque ? AJUDE-ME, pois essa fonte poderá auxiliar-me no mandato de segurança , porque no meu entendimento como estava afastada ( licença saúde ) e com aulas atribuidas em 2009 deveria fazer duas inscrições : na sede e na internet.

    Grata,

    Tânia


  452. Olá professor.
    Vou fazer a prova de biologia no dia 20, cai na prova somente a Proposta de Biologia (aquele livrinho verde) ? Ou cai mais algumas coisas?
    Obrigada!


  453. Olá, tenho aulas..hoje.de reforço e me enquadro na categoria L, caso não passe na prova o que acontecerá ??? terei deireito a essas aulas..já que as mesmas são por seleção na própria escola ??? O que seria ficar com a portaria congelada.???


  454. em 10 dezembro 2009 às 13:22 professortemporario

    Tânia

    Essas referências estão nas disposições transitórias da lei 1093


  455. Oi, eu comecei no estado no dia 19/08/2009 e até o momento não recebi nada, sei que eu estou na lei 1093 e que ficarei sem dar aulas em 2010, mas porque eu não recebi nada até agora, o que eu devo fazer para receber por favor me ajude obrigada


  456. em 10 dezembro 2009 às 23:34 professortemporario

    Márcia

    Entre com uma solicitação por escrito, protocolada em duas vias, pedindo esclarecimento sobre o fato de não ter recebido pagamento. Normalmente e inserção de professores no cadastro do sistema só pode ser feita em épocas específicas do ano letivo. Assim, como estamos no fim do ano, você pode ser inscrita talvez até no ano que vem, mas terá direito de receber os valores corrigidos


  457. Olá, tenho aulas..hoje.de reforço e me enquadro na categoria L, caso não passe na prova o que acontecerá ??? terei deireito a essas aulas..já que as mesmas são por seleção na própria escola ??? O que seria ficar com a portaria congelada.??? Naverdadeo que eu quero saber…o que essa catergoria tem direito se nao passar na prova ?????


  458. Obrigada !!!


  459. Bom dia

    Me esclareçam o que a APEOESP, conseguiu junto a SEE:
    Professor poderá utilizar tempo de serviço para a nota do “Provão”

    Por força da Lei Complementar nº 1093/09 os professores temporários passam por dois processos com vistas à atribuição de aulas:
    - fase de qualificação, através de um processo de avaliação
    - fase de classificação para a obtenção de aulas

    A APEOESP reiterou ao secretário a reivindicação da aplicação do critério acordado no ano passado entre a Secretaria e o TRT . Ao final, a fórmula proposta pelo secretário considera que a pontuação mínima para que o professor seja qualificado para dar aulas continua sendo 40 pontos. Por pressão do Sindicato, a S.E. Afirmou que o professor que obtiver ao menos 32 pontos (40% da nota máxima) poderá usar o tempo de serviço para somar aos pontos da prova e obter os 40 pontos. Para o PEB II, 32 pontos equivalem a 32 questões corretas em uma prova de 80 questões; para o PEB I, 32 pontos representam 24 acertos em uma prova de 60 questões.

    De acordo com a Secretaria, a classificação para a atribuição será feita por faixas, sendo que, no caso dos ACTs, haverá a composição entre a nota da avaliação, o tempo de serviço e títulos, de acordo com o acordo do TRT (80 pontos+80 pontos+20 pontos) Ou seja: o professor que tiver utilizado o tempo de serviço para compor a nota do “provão”, o utilizará, na íntegra, para a classificação da atribuição de aulas.

    Pelo que entendo, a prova será classificatória, não mais eliminatória. Seria isso???

    Sou OFA cat F, e conto hj com 26,915 pontos.

    Por exemplo: Como ficaria minha situação se não atingir 40 pontos na prova?
    Digamos que eu alcançe a nota 30. Eu estaria fora, e não poderia participar da atribuição de aulas em 2010?

    Aguardo esclarecimentos

    Grata


  460. em 12 dezembro 2009 às 11:53 professortemporario

    Ana

    Não. A prova será eliminatória.

    O professor sem tempo de serviço que obtiver menos de 40 pontos, ou o professor com tempo de serviço que obtiver menos de 32 pontos; nos dois casos, o professor será eliminado e não poderá lecionar.

    Assim, se você não atingir pelo menos 32 pontos não poderá somar a esses o seu tempo de serviço para inteirar os 40 pontos exigidos e será sumariamente eliminada, podendo apenas cumprir as 12 horas em atividades de apoio onde o estado determinar (isso, apenas para que é categoria F, pois o restante não tem esse direito)


  461. Olá sou categoria F e nao passei na prova como fica minha situacao ???


  462. Desculpe…escrevi categoria errada..sou categoria L…e nao passe na prova…


  463. em 15 dezembro 2009 às 13:34 maria goretti

    BOM DIA!
    GOSTARIA DE SABER QUAL A CATEGORIA QUE EU ESTOU. INGRESSEI COMO OFA NO ESTADO EM 1990 COMO PEBl. A PARTIR DE 2006, NÃO FUI MAIS NAS ATRIBUIÇÕES, APESAR DE SEMPRE FAZER MINHA INSCRIÇÃO NA DIRETORIA DE ENSINO.
    FIZ A PROVA SELETIVA E CONSEGUI ACERTAR 32 QUESTÕES.
    TENHO 32.000PONTOS NO ESTADO .COMO FICA MINHA SITUAÇÃO?
    DESDE JÁ , OBRIGADO PELA ATENÇÃO.


  464. em 15 dezembro 2009 às 15:07 Mariana Ribeiro

    Olá, gostaria de tirar umas dúvidas:
    Todos os professores estão dizendo que o processo seletivo simplificado já está sendo descartado. Eu fiz a prova dia 14/12 e passei. Gostaria de saber se será cancelado mesmo, se a categoria F é essa q a lei diz. Ou seja: O que é formado em lei e o que não é? O que podemos garantir q já é LEI?
    O processo seletivo? Será cancelado mais uma vez ???? A Categoria? Queria saber o que já é LEI nisso.
    Obrigada


  465. em 15 dezembro 2009 às 15:16 Mariana Ribeiro

    Tenho mais uma dúvida, no site da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo diz que : Para participar da classificação para atribuição de classe ou aulas, o candidato deve obter um mínimo de 40 pontos na prova. OU seja…..a partir de 40 pontos feitos na prova é que serão somados os títulos e o tempo de serviço de cada um. Um professor que tire 30 pontos na prova……..já será eliminado? Ou seja….mesmo que ele tenha 10 pontos de tempo de serviço….não soma por não ter tirado 40 pontos na prova. É isso?


  466. em 15 dezembro 2009 às 16:51 professortemporario

    Maria Goretti

    Como acertou pelo menos 40% da prova, você poderá ter somado a sua nota o seu tempo de serviço e será classificada em função do resultado dessa soma.


  467. em 15 dezembro 2009 às 16:57 professortemporario

    Mariana Ribeiro

    A nota da prova terá valor máximo de 80,0 (oitenta) pontos sendo que o candidato que obtiver nota inferior a 40,0 (quarenta) pontos ESTARÁ ELIMINADO DO PROCESSO SELETIVO, ficando impedido de participar do PROCESSO DE ATRIBUIÇÃO DE CLASSES E AULAS do ano referente.

    Além disso, numa negociação entre o Sindicato, o Estado e o Tribunal Regional do Trabalho, ficou estabelecido que o professor que acertar pelo menos 40% da prova poderá somar seu tempo de serviço para inteirar os 40 pontos exigidos.


  468. em 15 dezembro 2009 às 16:58 professortemporario

    Mariana Ribeiro

    O processo seletivo está previsto na lei 1093/09. Portanto, não será descartado.


  469. em 15 dezembro 2009 às 22:43 Queli Cristina Moura

    Olá boa noite, comecei a trabalhar no estado desde outubro de 2008, então pertenço a categoria L ? Poderia me esclarecer essa duvida, também gostaria de saber o que vai acontecer agora já que não consegui passar nessa prova do processo seletivo que aconteceu no dia 13-12-2009, não poderei mais dar aulas de substituição? Obrigada.


  470. em 16 dezembro 2009 às 09:21 professortemporario

    Queli Cristina

    Quem não passar na prova (atingir 40 pontos) não poderá lecionar na rede em 2010, independentemente do tempo de serviço que tenha.


  471. em 16 dezembro 2009 às 10:42 professortemporario

    RESPONDENDO A TODOS

    Nossa iniciativa surgiu de um grupo de professores temporários em 2007 com o objetivo de esclarecer a categoria dos professores temporários sobre seus direitos e o que fazer para conquistá-los.

    Nesse sentido, organizamos esse site com páginas e artigos específicos, classificados em seus direitos ou reflexão.

    Essa iniciativa, que é totalmente desvinculada de sindicatos, governo, Igreja, associações desportivas ou partidos políticos, constitui um grande esforço gratuito de dedicar o tempo disponível para esclarecer os professores.

    Talvez muitos não tenham percebido, mas somos professores, que como seres humanos temos nossas responsabilidades familiares e sociais e como profissionais também temos nossas obrigações, com Conselhos de Classe, cadernetas e fichas individuais de estudantes, além da óbvia obrigação de estarmos em sala de aula como professores.

    Ocorre que em dois momentos de nossa iniciativa passamos por dificuldades: De dezembro de 2008 a fevereiro de 2009, tivemos um aumento expressivo no número de acessos ao site, de professores procurando entender o processo seletivo, que depois foi cancelado pela justiça. Agora, mês de dezembro de 2009, tivemos um aumento ainda maior na quantidade de acessos e simplesmente não conseguimos responder a todos na velocidade que gostaríamos.

    Entretanto, embora entendamos a angústia dos professores (também passamos por isso), percebemos que como tudo na vida, É PRECISO ORGANIZAÇÃO.

    Em primeiro lugar, se você professor(a) não entendeu ou não acompanhou as mudanças que estão sendo feitas na seleção de professores para a rede estadual de São Paulo, recomendamos que lei nosso artigo “A caixa Preta da educação no Estado de São Paulo“. Esse artigo, que tem sido atualizado para esclarecer e abranger as mudanças mais recentes, foi penado para que a pessoa mais desavisada conseguisse entender como era, o que muda e qual a consequência disso.

    Em segundo lugar, em todos os artigo publicados existem diversos comentários feitos e já respondidos. Assim, recomendamos aos professores que leiam a caixa preta da educação, leiam os comentários desse artigo e depois leiam os artigos mais específicos.

    Em terceiro lugar, as provas do processo seletivo foram constituídas de 60 perguntas para PEB I e 80 perguntas para PEB II. A determinação legal vigente considera que será considerado aprovado e classificado para concorrer às atribuições somente o professor que conseguir 40 pontos (que correspondem a 50% de acertos na prova). No entanto, numa negociação entre Sindicato, Governo e Tribunal Regional do Trabalho, manteve-se a necessidade dos 40 pontos, mas abriu-se a possibilidade para que professor que tenha acertado pelo menos 40% da prova (24 questões PEB I e 32 questões PEB II) de utilizar o seu tempo de serviço para completar os 40 pontos. Isso quer dizer que o PEB I que acertou menos de 24 ou o PEB II que acertou menos de 32 ESTÁ ELIMINADO DO PROCESSO SELETIVO.

    Em quarto lugar, considerando os professores que acertaram entre 40 e 49% da prova, para saber se será aprovado é preciso calcular quantos pontos faltam e quantos podem ser convertidos em tempo de serviço:

    2000 dias trabalhados correspondem a 8 pontos (o mínimo para PEB II com 32 acertos)
    1750 dias trabalhados correspondem a 7 pontos (o mínimo para PEB II com 33 acertos)
    1500 dias trabalhados correspondem a 6 pontos (o mínimo para PEB II com 34 acertos e para o PEB I com 24 acertos)
    1250 dias trabalhados correspondem a 5 pontos (o mínimo para PEB II com 35 acertos e para o PEB I com 25 acertos)
    1000 dias trabalhados correspondem a 4 pontos (o mínimo para PEB II com 36 acertos e para o PEB I com 26 acertos)
    750 dias trabalhados correspondem a 3 pontos (o mínimo para PEB II com 37 acertos e para o PEB I com 27 acertos)
    500 dias trabalhados correspondem a 2 pontos (o mínimo para PEB II com 38 acertos e para o PEB I com 28 acertos)
    250 dias trabalhados correspondem a 1 ponto (o mínimo para PEB II com 39 acertos e para o PEB I com 29 acertos)

    Assim, uma professora PEB I que nunca tenha lecionado na rede e tenha acertado 29 questões estará eliminada, pois não possui o mínimo de 250 dias trabalhados para somar o ponto que falta.

    Em quinto lugar, o professor que não fez a prova (inclusive o F), pelos termos das disposições transitória da lei 1093/09, será dispensado (demitido, por descumprimento de determinação legal do Estado. O professor F que fez a prova, mas não consegui ser aprovado, terá que cumprir uma jornada de 12 horas em local e horários determinados pela diretoria de ensino, SEM PODER LECIONAR. Os demais, categorias L, O, S (faltou apenas uma categoria “T”, para caracterizar a situação) se não aprovados estão eliminados do processo e não poderão lecionar em 2010, nem em projetos e nem como eventuais.


  472. olá..sou categoria L mas tenho com esse ano 8mil pontos pois estou no estado desde 2003 + em 2007 e 2008 não está com aulas livres os demais anos sim..ESTOU COM L …FIZ A PROVA ACERTE 36 QUESTÕES P/ L TBM TEM A CONTAGEM DE PONTOS DE TRABALHO???EU PASSEI A MINHA ERA 80 QUESTÕES..ESTOU DESISPERADA COM TANTAS INFORMAÇÕES MAS CADA UM DIZ UMA COISA???


  473. em 16 dezembro 2009 às 18:43 Mariana Ribeiro

    Tenho mais uma duvidaaaaaaaa:

    Todos terão de fazer esta prova todos os anos?

    Independente da categoria q são?

    Parece que o categoria F teria dois anos de chances pra passar, se não cairia de categoria. Se classificando não precisaria fazer outra ” o categoria F ”

    Alguém sabe algo a respeito?
    Abraços


  474. vale por três anos:


  475. Boa noite;
    Sou Peb ll, tenho pontos em outro estado, em São Paulo, só

    trabalhei 08 dias, entre maio e junho deste ano, gostaria de
    saber , como fica minha situação, somente acertei 39
    questões, tenho alguma chance?
    Muito obrigada.


  476. Pergunta curiosa!!!!

    Queiram orientar – me ?

    Professor F nao teria que receber um salário base da categoria….Pois sobre 12 aulas ganhariamos menos que um salário mínimo…

    Por favor há alguma lógica nesta minha questão???

    Abraço fraterno

    Iocléres


  477. Sou formado em Geografia e nunca lecionei, o que me enquadra na ultima categoria.Queria saber como vai funcionar a atribuição de aulas esse ano, por exemplo, caso eu venha obter uma pontuação maior que a de um professor da categoria F, quem pega as aulas primeiro eu ou ele. Desde já agradeço.


  478. em 17 dezembro 2009 às 11:01 professortemporario

    Deuslene

    Pelo que nos informou,você está eliminada


  479. em 17 dezembro 2009 às 11:07 professortemporario

    Iocléres

    A legislação que regulamenta o salário mínimo determina o valor mínimo para uma jornada de 44 horas semanais. Assim, proporcionalmente, essas 12 horas são um valor maior que o salário mínimo.

    Em relação aos efetivos, existem gratificações que são incorporadas ao salário.


  480. Boa tarde….comecei a lecionar em 2002 como professora EVENTUAL, sem aulas atribuidas. Em 2003 abri uma loja e fiquei quatro anos sem dar aulas. Em 2008 retornei, abri portaria normalmente e leciono até hoje (como eventual). A secretária de minha escola disse que agora sou faixa L …ela realmente tem razão?….por favor…aguardo resposta…Obrigada.


  481. Olá…
    Estou trabalhandu no estado desde fevereiro de 2008, mas como eventual, não sou formada ainda, vou me formar em dezembro de 2010. Mas tive que fazer a inscrição tanto na DE da minha cidade quanto na vunesp, eu não fui informada de que não poderia dar aulas nem de eventual no ano que vem, pois não tenho a minha licenciatura concluida…
    Mas lendo os arquivos deste site, me deparei com essa informação!!!!AGORA EU ME PERGUNTO… PORQUE NINGUEM FALOU SOBRE ISSO, pelo contrario fui orientada a fazer as incrições e a prova para naum ficar sem dar aulas… porque o pessoal na diretoria de ensino não falou nada quando analizaram os documentos no memento da inscrição??? e outra, tinha até normas para estudantes, (temos que levar o comprovante de rematricula e historico atualizado até 25/01/2010) Eu num to entendendo mais nada, num sei a minha categoria, num sei se vou poder dar aulas…eu estou perdidinha!!!!

    me ajude por favor!!!

    Ps: parabéns pelo site e os serviços prestados!!!!


  482. em 17 dezembro 2009 às 21:59 professortemporario

    Jacielly

    Estamos em um momento de transição e as mudanças foram profundas. Assim, o que lhe foi dito pela sua escola foi baseado no que existia, mas como tudo mudou, isso não vale mais.

    Se ter concluído o seu curso de licenciatura você não poderá lecionar na rede. Poderá concorrer á atribuição e ao ser chamada será barrada pela exigência da documentação.


  483. em 18 dezembro 2009 às 09:59 Anselmo Costa

    Olá, prof. agradeço pelas informações!

    Se realmente conseguir ser profesor OFA, estarei ocupando um emprego ou função pública a ponto de não poder participar do processo fundação casa?

    Digo isto porque no edital diz que o candidato não pode estar ocupando emprego ou função pública, ressalvos cargos acumulaveis previstos na constituição federal.

    obs; li o edital todo, mas quando chegou nesta parte fiquei nessa dúvida.

    Agradecido!


  484. Bom Dia!
    Alguém pode me ajudar?

    Fiz a prova e obtive 26 pontos , será que posso contar com o tempo de estágio do meu curso superior , pois nunca trabalhei contratada e é a primeira vez que me inscrevi pra professor classe.


  485. Professores,

    Sou F, e temo que não passando na provinha, segundo informações que tive, terei de cumprir horas(2) na escola e fazer um “cursinho” de reciclagem… Assim sendo tenho pretençoes de trabalhar em outra área, mas como isso pode se dar caso o estado exija de nós F dedicação do tempo? Teria a possibilidade de transferir o cumprimento dessas horas para a noite e trabalhar de dia? Como fica o caso de passar em um concurso federal(seria acumulo), ou cargo em empresa privada?
    Posso requerer isso junto à diretoria de ensino ou minha sede?
    Obrigada!!!!

    Saudações companheiros!


  486. Boa tarde….comecei a lecionar em 2002 como professora EVENTUAL, sem aulas atribuidas. Em 2003 abri uma loja e fiquei quatro anos sem dar aulas. Em 2008 retornei, abri portaria normalmente e leciono até hoje (como eventual). A secretária de minha escola disse que agora sou faixa L …ela realmente tem razão?….por favor…aguardo resposta…Obrigada.


  487. em 18 dezembro 2009 às 13:40 professortemporario

    Anselmo

    Desde que seja aprovado no processo, você pode fazer sua inscrição no projeto da fundação casa, para lecionar aos internos.

    E, no caso de procura de outro cargo na fundação casa, o máximo que pode acontecer é que você seja obrigado a abrir mão de suas aulas na rede estadual para poder assumir o cargo na fundação


  488. em 18 dezembro 2009 às 13:41 professortemporario

    Silva

    o tempo de serviço para completar a nota ´so considerar o tempo exercido como professor na rede estadual, inclusive como eventual.


  489. Boa tarde!
    Trabalho há 13 anos no Estado tenho o holerite do mes de maio de 2007, perdi todas as aulas, pois a professora voltou, so consegui pegar aulas em agosto de 2007, portanto minha categoria é L. Gostaria de saber se existe a possiblidade deles repensarem nesses casos q por infelicidade perderam as aulas q ja tinham.
    fiz requerimento, pela apeosp mandei as documentaçoes necessarias para análise.Será que tenho alguma esperança, me tornar categoria F como antes? Passei na prova, mas o que adianta se primeiro os F vao escolher? Será que sobrará alguma coisa??
    Obrigada!


  490. em 18 dezembro 2009 às 13:52 professortemporario

    Karen

    Para o professor F que apenas cumpre as 12 horas, hoje e amanhã, a questão e acúmulo de cargo dependerá do horário determinado pela direção


  491. Boa tarde….comecei a lecionar em 2002 como professora EVENTUAL, sem aulas atribuidas. Em 2003 abri uma loja e fiquei quatro anos sem dar aulas. Em 2008 retornei, abri portaria normalmente e leciono até hoje (como eventual). A secretária de minha escola disse que agora sou faixa L …ela realmente tem razão?….por favor…aguardo resposta…Obrigada…


  492. BOA TARDE! GOSTARIA QIE SE POSSIVEL MES RESPONDESSEM A SEGUINTE PERGUNTA:SOU ADMITDA PELA LEI 1093, POIS PERDI MINHA CATEGORIA F, COM MAIS DE 39000PONTOD, SO POR QUE PEDI DISPENSA, POIS BEM FIZ A PROVA E ACERTEI 32 QUESTOES COMO PEBI, O MEU TEMPO DE SERVIÇO IRA CONTAR PARA A CLÇASSIFICAÇÃO NO DIA DA ESCOLHA?E ESTA HISTORIA DE QUEM NÃO ATINGIU A NOTA DE GANHAR 8 PONTOS COMO VAI FUNCIONAR, ISSO, NÃO É JUSTO? MUITO OBRIGADO E AGUARDO RESPOSTA. ABRAÇOS.


  493. Olá eu fiz a prova aceitei só 28.Eu sou da categoria Ofa eu não posso da aula.Tenho que fazer um cursinho de reciclagem para da aula.


  494. Boa noite, gostaria, se possível, que me informassem sobre a minha possível categoria.
    Lecionei como eventual durante todo o ano de 2006. Em 2007, abri portaria para categoria eventual somente em agosto. No mesmo ano de 2007, em setembro, me foram atribuídos 30 dias de substituição a uma licença premio. E em outubro do mesmo ano consegui mais um mês e meio de substituição a docente afastado. Ambas as atribuições foram feitas a nível de Diretoria de Ensino. Durante todo o ano de 2008, atuei somente como eventual. No ano de 2009, não atuei na rede estadual, pelo fato de não ter realizado inscrição para a prova do processo seletivo. Para o ano de 2010, fiz minha inscrição para o processo seletivo (além de ter feito previamente o cadastro na Diretoria de Ensino de minha região). Ressalto também que durante todo esse período não tive licenciatura plena; na verdade sou aluna de bacharelado (Engenharia Química) e concluirei a graduação somente em dezembro de 2010.
    O fato é que, diante de tantas mudanças e informações confusas, estou meio perdida, e não sei em que categoria estarei enquadrada em 2010 caso seja aprovada nesta prova…
    Seria possível uma orientação para o meu caso, com relação a minha categoria? E ainda, se a minha categoria for a 1093, como fica o período em que trabalhei antes da nova lei? A minha atuação no Estado desde 2006 de nada servirá para a definição de minha nova condição? Agradeço desde já a atenção.


  495. em 18 dezembro 2009 às 22:13 professortemporario

    Alessandra

    Com 32 pontos você precisará contar uma parte do seu tempo de serviço para compor os 40 pontos exigidos. Assim, para compor a classificação, o tempo de serviço usado anteriormente não conta. Assim, sua pontuação final será os 32 da prova mais o total do tempo de serviço.


  496. Gostaria de saber qual é minha categoria, nunca lecionei na rede estadual.
    Fiz a prova de peb1 e acertei 36 questões,posso participar do processo de atribuição?
    Quem tem tempo de serviço passará na minha frente no processo de atribuição ou só será considerado, apenas, para completar os 50% da prova?
    Os professores “F” serão os primeiros a terem aulas atribuídas?


  497. Desde já agradeço pela atenção!


  498. em 18 dezembro 2009 às 22:30 professortemporario

    Taty

    Depende

    Para PEB I você precisaria de dois pontos que poderiam ser tirados de pelo menos 500 dias de serviço.

    Para PEB II você está eliminada


  499. em 18 dezembro 2009 às 22:41 professortemporario

    Janaína..Pelo que nos informou você está na categoria L, mas se aprovada e conseguir aulas terá que comprovar sua habilitação, apresentando o diploma. Nesse caso, você será impedida de assumir as aulas


  500. em 18 dezembro 2009 às 22:46 professortemporario

    Eduardo

    1) você será enquadrado em uma das categorias da lei 1093, provavelmente a O;
    2) O tempo de serviço de todos os professores será contado, de zero a 80, considerando-se o máximo para 27 anos de serviço;
    3) Os professores F aprovados participam do processo em seguida á composição de carga suplementar dos efetivos, antes dos demais.


  501. Olá!
    Serve para alguma coisa ter passado em dois cargos no concurso de 2004? Ah, eu nunca lecionei. Nunca assumi aulas, estava estudando outros cursos e preferi não dar aulas.
    Há possibilidade de conseguir participar da atribuição juntamente com os da categoria F?
    Obrigado!!!


  502. em 19 dezembro 2009 às 12:39 professortemporario

    Marcel

    Nesse processo seletivo, a aprovação em concursos da rede não está sendo computada.


  503. Ola eu fiz aprova sou acetei 28 sou da categoria L que não lencionei como ficar minha situação.
    Sera que vai tem uma cursinho de reciclagem para aqueles que não passou para da aula de eventual.


  504. Boa noite! tenho uma duvida, sou categoria O, bem acho que sou, sou pebI e acertei 32 questoes, tenho os 50 por cento mais 1, esta correto? pois então não precisarei contar com meu tempo de serviço no magisterio que seriam 16 anos de estado a toa, não consigo entender ate agora, como sera feita essa classificação, perderei tudo que conquistei em pontos durante tanto tempo, desse jeito vai ficar dificil pra eu pegar aulas, se os da categoria F que foram mal terão a oportunidade de ganharem mais 8 pontos para poderem chegar a nota desejada. por favor me expliquem , quero muito entender, não consigo pensar, o que esses governantes estão querendo, só pode ser nos deixarnos loucos!!!ABRAÇOS!!!!!!


  505. por favor…

    Acertei 36 questões sou categoria L , posso usar o tempo de

    serviço ou é só para o f.

    obrigada.


  506. Gostaria de uma informação, ingressei no Estado em 2006 com eventual, tive aula atibuida mas rm julho de 2007 não estava com aula por esse motivo sou categoria L.
    Só que em todos holeriths tinha descontado a contribuição previdenciária, mas agora em 2008 entrei com pedido de auxilio maternidade no INSS, mas pela prefeitura de são José.
    Consegui o beneficio mas para minha supresa não consta estes anos de contribuição no INSS.
    Como sou categoria L também não tenho previdencia do SP, minha pergunta é: Onde esta minha contribuição?
    O que devo fazer?
    No aguardo .


  507. em 20 dezembro 2009 às 09:22 professortemporario

    Rosângela

    Já respondemos isso. A contagem de tempo vale para todos que tenham esse tempo


  508. Caro prof. temporário,
    parabéns pelo artigo, foi muito esclarecedor, principalmente porque eu não entendia nada dessas siglas todas, acabo de me formar e nunca dei aula no estado e estou tentando entrar agora pelo processo seletivo. Seu artigo me ajudou entender muita coisa. Queria pedir o favor, se possível e não for muito abuso, vcs explicarem como será agora, depois dessas provas, como ocorrerão as atribuições de aulas? vai contar mais a nota da prova? ou tempo de serviço? obrigada desde já.


  509. Caros professores

    O processo seletivo foi um massacre, parece que a intenção é provar que nós somos realmente burros para, assim, poder justificar a má qualidade da educação, as provas foram massantes, na disciplina de matemática (fiz prova) não houve tempo de resolver os exercícios, alguns enunciados não eram muito claros e a bibliografia pedida não foi muito levada em consideração. E agora como fica? Professoes com 22 anos de magistéri não acertaram as 32 questões …
    Professor tempórario, existe alguma possibilidade do processo ser cancelado ou ser classificatório?

    Grata
    Ivanir


  510. em 22 dezembro 2009 às 00:35 professortemporario

    Ivanir

    Você já apontou o objetivo real dessa prova: eliminar, exterminar, provar que os professores são incompetentes para justificar o fracasso da política educacional do Estado.

    Assim, coerente com esse objetivo, não teria sentido o Estado revogar essa prova (a quantidade de reprovados seria para eles a prova de que os professores são o problema…)


  511. em 22 dezembro 2009 às 10:34 Mariana Ribeiro

    Olá, Bom dia a Todos.

    Tenho uma dúvida que não acho respostas.

    Se puderem me ajudar…..agradeço!

    Todos terão de fazer esta prova todos os anos?

    Independente da categoria q são?

    Parece que o categoria F teria dois anos de chances pra passar, se não cairia de categoria. Se classificando não precisaria fazer outra ” o categoria F ”

    Alguém sabe algo a respeito?
    Abraços

    Desde já agradeço a atenção…….


  512. Boa tarde, gostaria muito de saber qual a minha situação na prova acertei 22 questões , tenho 6.078 pontos e 650 números de dias aulas e sou F. O que realmente acontecerá comigo? Espero uma resposta sua e desde já agradeço.


  513. Olá, nunca dei aulas no estado, somente na rede municipal.
    Realizei duas provas, onde fiz 46 acertos na avaliação de Peb I, e 51 acertos na avaliação de Peb II (Ciências Biológicas). Considerando que todos os professores da categoria F e L tem muitos pontos por tempo de serviço, e professores como eu, que só temos os pontos da avaliação para contar, gostaria de saber se há realmente uma possibilidade concreta de eu conseguir alguma sala de aula para o ano de 2010 com essa pontuação que alcancei.
    Desde já, agradeço a atenção e o ótimo espaço para discussão que vocês nos proporcionaram.
    Obrigada.


  514. Olá, eu fiz a prova de biologia que estava relativamente difícil, mas olhei a prova de Ciências que estava ridiculamente fácil. A minha dúvida é como será essa classificação para atribuição, ou seja, uma pessoa com formação para biologia ou matemática, que fez a prova de ciências poderá pegar aulas de biologia ou matemática na nossa frente?

    Atenciosamente


  515. Olá, sou estudante ainda, me formo no final de 2010. Fiz 36 pontos e nunca dei aula.
    Pergunta: pelo princípio da igualdade do art 5 da constituição federal e pelo objetivo do Estado na referida prova que é quantificar o desempenho dos professores, pode uns passarem com 32 na categoria PEB II, e poder contar com tempo de serviço e outros que não tem esse tempo de serviço com 40 pontos?? Ora, mudou o foco da prova? podem uns serem beneficiados e outros não?? acredito que isso é inconstitucional e vou lutar pelos meus direitos, se o objetivo da prova é AVALIAR


  516. Olá, sou estudante ainda, me formo no final de 2010. Fiz 36 pontos e nunca dei aula. (Peb II)
    Pergunta: pelo princípio da igualdade do art 5 da constituição federal e pelo objetivo do Estado na referida prova que é quantificar o desempenho dos professores, pode uns passarem com 32 na categoria PEB II, e poder contar com tempo de serviço e outros que não tem esse tempo de serviço com 40 pontos?? Ora, mudou o foco da prova? podem uns serem beneficiados e outros não?? acredito que isso é inconstitucional e vou lutar pelos meus direitos, se o objetivo da prova é AVALIAR CONHECIMENTO e não TEMPO DE SERVIÇO, tem que haver igualdade aí!


  517. em 23 dezembro 2009 às 11:43 professortemporario

    Jociani

    Ciências é disciplina específica do Ensino Fundamental e Biologia, do Ensino Médio. Assim, não haverá essa posibilidade


  518. em 23 dezembro 2009 às 12:15 professortemporario

    Kátia

    Na resolução 91 o Estado considerou como critério da avaliação a experiência profissional, numa pontuação máxima de 8 pontos. Portanto, não se trata de irregularidade.


  519. Sou PEB II filosofia, acertei 40 na risca…nunca dei aula e agora o que devo fazer? devo entrar em contato com a secretaria da educação da cidade? o concurso era pra corte então vai ter classificação? Estou meio perdido em relação a tanta burocracia.


  520. Olá, estou aguardando resposta para a pergunta que fiz no dia 22/12/09. Obrigada pela atenção…


  521. BOM DIA GOSTARIA DE UM ECLARECIMENTO POR FAVOR , EU SOU PROFESSOR CATEGORIA F , PASSEI NO PROCESSO SELETIVO COM 48 PONTOS , SEGUNDO A LEI 1093/09 DISPOSIÇOES TRANSITORIAS PASSAREI A CONCORRER NA FAIXA 3 , GOSTARIA DE SABER O QUE É ESSA FAIXA 3 , A ATRIBUIÇAO PARA QUEM SE ENCONTRA NA FAIXA 3 SERÁ NA ESCOLA SEDE ? OU SERÁ NA DIRETORIA DE ENSINO ?

    ALGUEM PODERIA ME AJUDAR
    OBRIGADO !!!!


  522. em 23 dezembro 2009 às 21:14 Edison Villela

    Olá,
    Estou entrando agora na docência.
    Estou no primeiro ano da licenciatura de filosofia.
    Fiz a prova do dia 20/12 e acertei 49 das 80 questões.
    Agora preciso procurar as escolas próxima da minha residência para peder a atribuição de aulas. É isso?
    Acho que pela minha nota passei na prova, qual vai ser a minha categoria, ou sou simplesmente professor temporário e pronto?
    Posso fazer o concurso de março de 2010 mesmo ainda cursando a licenciatura?
    Obrigado!!!
    Abraços,

    Edison


  523. sou categoria “F” e passei na provinha.Terei que faze-la todos os anos??????


  524. em 23 dezembro 2009 às 23:55 Vera Lucia Araujo

    Caro Professor,

    Fui admitida na rede em abril de 2007 como eventual, em setembro do mesmo ano tive aulas atribuidas em substituição,
    este ano estou com aulas atribuidas , com vínculo até fevereiro.até 07/08/2008 vinha assim: Cargo/ Função Atividade F/6407-PROFESSOR EDUCACAO BASICA I Categoria
    ADM. LEI 500/74 – SUBS DOC EVENTUAL

    Hoje Em meu holerith vem descontado IAMSPE E INSS.
    Cargo/ Função Atividade
    F/6409-PROFESSOR EDUCACAO BASICA II Categoria
    ADMITIDO LEI 500/74 – R.G.P.S.

    A que categoria pertenço, pois uns dizem ser F outros L.

    desde já agradeço a atenção.


  525. Li sua resposta à prof. Jociane, cuja dúvida também é a minha; no entanto ainda permanece a dúvida; possuo formação em Ciências com habilitação em Matemática, e fiz a prova na disciplina de Matemática. Eu poderia ter feito a prova de Ciências ao invés da prova de Matemática e ter aulas atribuidas de Matemática.?


  526. Boa Tarde!

    Na escola onde leciono existem muitos professores formados em mais de uma disciplina de mesma area do conhecimento por exemplo ciências e matematica, muitos optaram por fazer a prova de ciências por considerar mais facil. Gostaria de saber se a nota que obtiveram em ciências tambem servira de classificação para matematica e se na atribuição eles poderam pegar aulas antes de um professor que passou na prova de matematica.

    Agradeço desde ja!


  527. em 24 dezembro 2009 às 19:27 professortemporario

    Wanderson

    Pelas regras estabelecidas, a classificação será por disciplina específica e não por banca


  528. Tenho uma dúvida que muitas pessoas também têm.
    De acordo com o Edital publicado no DOE de 24/10/2009, o docente/candidato poderá se inscrever:
    1. Para o campo de atuação Classe e/ou
    2. Para o campo de atuação Educação Especial e/ou,
    3. Para o campo de atuação Aulas, em até 2 (duas) áreas, sendo 1 (uma) disciplina por
    área:
    • Linguagens e Códigos ( Língua Portuguesa, Inglês, Arte, Educação Física, Espanhol,
    Alemão, Japonês, Francês, Italiano e Língua e Cultura Étnica )
    • Ciências da Natureza e Matemática (Matemática, Ciências Físicas e Biológicas, Biologia, Física e Química )
    • Ciências Humanas (História, Geografia, Filosofia e Sociologia )
    Esclarecemos que a nota obtida na disciplina objeto da prova será utilizada para classificação nas demais disciplinas da mesma área em que o candidato for habilitado.
    Exemplificando, o docente inscrito para a prova de Matemática será classificado nas disciplinas de Ciências Físicas e Biológicas, Física, e/ou Química, de acordo com sua
    habilitação e assim, sucessivamente.
    Isso quer dizer que um professor que fez a prova de biologia e tiver habilitação em matemática, poderá usar a mesma nota para ser classificada em matemática també?
    Obrigada.


  529. Ola pessoal…

    Bem a minha dúvida é praticamente a mesma que a do Edison Villela, conclui agora em dezembro de 2009 o primeiro ano da faculdade de Letras.

    Fiz a prova de PEB II Português fazendo 41 acertos e PEB II Sociologia tendo alcançando 45 acertos e gostaria muito de saber se poderei participar da atribuição de aulas, sendo que nunca lecionei antes e não conclui a faculdade ainda.

    Estou muito ansiosa e estou ficando muito confusa, pois cada um diz uma coisa diferente, na DE da região onde resido e minha professora de Lingua Portuguesa disseram que poderei participar das atribuições e aqui nos tópicos já vi várias pessoas dizerem que não.

    E agora por favor me ajudem…estou desesperada!
    Preciso saber se o resultado e minha inscrição na prova foram em vão.

    E se por acaso eu terei a oportunidade de lecionar como devo proceder e onde devo ir para saber onde ministrarei aulas.

    Beijinhos á todos grata desde já.


  530. em 25 dezembro 2009 às 18:21 professortemporario

    Mary

    Teoricamente, sim. O professor aprovado no processo será classificado na sua disciplina, mas poderá concorrer às aulas de disciplinas da mesma área. Entretanto, não está definido como isso ocorrerá, pois cada professor será classificado em sua disciplina específica, entre os que fizeram a mesma prova que ele. Ao comparar essa classificação com a de outro professor de outra disciplina, que fez prova diferente, não sabemos qual critério será utilizado. Provavelmente, essa possibilidade será utilizada como recurso para o Estado atribuir aulas a professores de disciplinas de mesma área, caso falte professor da disciplina específica.


  531. em 25 dezembro 2009 às 18:26 professortemporario

    Edson Villela e Érica Alves

    O professor aprovado no processo concorrerá aos saldos de aulas disponíveis e nesse momento precisará comprovar sua habilitação. Assim, sem do diploma o professor não poderá assumir as aulas, mas não será desclassificado. Se porventura concluir a faculdade no meio do ano, poderá a partir de então assumir aulas nas atribuições que participar.


  532. em 25 dezembro 2009 às 18:44 Edison Villela

    Olá,
    Se fosse necessário ter concluído a faculdade até o meio do ano porque seria possível concorrer estando no primeiro o que impossibilita a conclusão até o final?
    Grato,

    Edison


  533. em 25 dezembro 2009 às 23:55 Professora temporaria

    Olá gostaria de saber mais sobre essa prova do dia 30/12/2009, vai ajudar na pontuação dos professores que não conseguiram alcançar as 40 questões. Grata.


  534. em 26 dezembro 2009 às 07:13 professortemporario

    A prova do dia 30/12/09 é uma anomalia, que ocorre devida ao fato do sistema da vunesp ter falhado no dia 20. Assim, os professores do interior que não fizeram suas provas naquela data farão no dia 30. Trata-se do mesmo processo, com o mesmo valor e possivelmente, da mesma prova, com gabarito diferente


  535. em 26 dezembro 2009 às 09:53 Divino Gomes da Silva

    Sou categoria L, e fiz a prova no dia 20.12 e passei, e Gostaria de saber se terei que fazer novamente no final de 2010 ?????


  536. BOM DIA GOSTARIA DE SANAR UM DUVIDA !!
    UM PROFESSOR QUE É DA CATEGORIA F NA DISCIPLINA DE LINGUA PORTUGUESA E RESOLVE FAZER UMA OUTRA FACULDADE POR EXEMPLO DE ARTES E SE FORMA EM 2008 ELE SERÁ CONSIDERADO DA CATEGORIA F NAS DUAS AREAS OU SERÁ F EM LINGUA PORTUGUESA E L EM ARTES ???

    ME AJUDEM
    OBRIGADO !!


  537. Boa tarde! Comecei a eventuar em 04.04.08, porém fiquei somente 3 meses, pois passei para uma escola particular. Retornei em março de 2009, mas não participei de nenhuma atribuição, fiquei apenas como eventual. No meu demonstrativo de pagamento no campo cargo/função atividade está – F/06407-PROF.ED.BÁSICA I – no campo categoria está ADM LEI 500/74 – EVENT – R.G.P.S.. A qual categoria pertenço? Acertei 50 questões na prova de Língua Portuguesa e pelo meu anexo I tenho em torno de 0,500 pontos. Sei que passei na prova, caso consiga aulas atribuídas trabalharei 2010 e 2011 e ficarei parada 200 dias? Estou muito confusa. Agradeço por algum esclarecimento


  538. Olá, nunca dei aulas no estado, somente na rede municipal.
    Realizei duas provas, onde fiz 46 acertos na avaliação de Peb I, e 51 acertos na avaliação de Peb II (Ciências Biológicas). Considerando que todos os professores da categoria F e L tem muitos pontos por tempo de serviço, e professores como eu, que só temos os pontos da avaliação para contar, gostaria de saber se há realmente uma possibilidade concreta de eu conseguir alguma sala de aula para o ano de 2010 com essa pontuação que alcancei.
    Desde já, agradeço a atenção e o ótimo espaço para discussão que vocês nos proporcionaram.
    Obrigada.


  539. em 26 dezembro 2009 às 16:13 professortemporario

    Clayton

    Na lei 1010/07, que estabeleceu a estabilidade dos F, não existe referência quanto a disciplina do professor. Assim, acreditamos que essa estabilidade seja para qualquer disciplina em que o professor tenha habilitação


  540. sou categoria “F”,fiz a provinha e passei.Terei que fazê-la todos os anos?


  541. OK ENTEDI QUANTO AS DISCIPLINAS O QUE NAO FICOU CLARO PARA MIM E QUE PELO O QUE DIZ A LEI É CONSIDERADO DA CATEGORIA F QUEM ESTAVA NA REDE EM 2007 , MUITO BEM SE EU NO CASO EM 2007 ESTAVA LECIONANDO MATEMATICA E RESOLVI FAZER UMA OUTRA FACULDADE POR EXEMPLO INGLES
    E ME FORMEI EM INGLES EM 2008 NAO SEREI CATEGORIA F EM INGLES ! E SIM APENAS EM MATEMATICA OU NAO ???

    ME ORINTE MELHOR
    OBRIGADO !!


  542. Olá,

    Eu gostaria de saber o que quer dizer:

    “OS PROFESSORES OFA DA CATEGORIA “L” … Serão selecionados entre os que conseguirem notas iguais ou superiores a 5,0 no processo seletivo, para lecionar as aulas que sobrarem da categoria F.”

    A nota mínima para classificação de todas as categorias não é 40 pontos?


  543. teremos que fazer essa “PROVINHA” todos os anos?


  544. na hora da escolha,em 2010,essas categorias serão separadas?Ou será uma única classificação envolvendo todas as categorias?


  545. Olá professores! Será que alguém já recebeu o pagamento que seria feito aos aplicadores e fiscais do SARESP/2009? Eu fui aplicadora nos 3 dias até agora não recebi nada….se alguém puder responder……obrigada!


  546. Renata, o pagamento dos aplicadores foi feito último dia 23.


  547. em 27 dezembro 2009 às 18:18 professortemporario

    Sandra

    Para a categoria F, a obrigação de fazer a prova existe até que ocorra a aprovação. Assim, quem foi aprovado nessa categoria não precisará fazer outras provas, mas poderá fazê-las, caso queiram melhorar a classificação.


  548. Muito obrigada pela resposta Priscilla!!


  549. É verdade que a categoria “L” escolherá após a categoria “F”????Ou seja,mesmo que o candidato da categoria “L”,tenha conseguido mais pontos que outro da categoria “F”,o “L” vai escolher o que sobrou do “F”?????


  550. Olá, sou repórter do Jornal da Tarde, do Grupo Estado. Fiquei bem impressionado com a qualidade do blog e gostaria de falar com um dos professores responsáveis pelos posts. Como não consegui um contato direto, deixo esta mensagem e um e-mail, na esperança de uma resposta. Obrigado. Um abraço,
    Fábio Mazzitelli


  551. Quem esteve sem dar aulas desde 1993 e já era OFA , necessitaria inscrever-se tambem em sua sede?
    Por ter ministrado aulas eventuais de 1977 até 1993 consgui estabilidade?
    Tendo conseguido pontuação superior a 50% nas 03 disciplinas que concorri, qual minha situação funcional?


  552. em 28 dezembro 2009 às 22:57 Vera Lucia Araujo

    Caro Professor,

    Fui admitida na rede em abril de 2007 como eventual, em setembro do mesmo ano tive aulas atribuidas em substituição,
    este ano estou com aulas atribuidas , com vínculo até fevereiro.até 07/08/2008 vinha assim: Cargo/ Função Atividade F/6407-PROFESSOR EDUCACAO BASICA I Categoria
    ADM. LEI 500/74 – SUBS DOC EVENTUAL

    Hoje Em meu holerith vem descontado IAMSPE E INSS.
    Cargo/ Função Atividade
    F/6409-PROFESSOR EDUCACAO BASICA II Categoria
    ADMITIDO LEI 500/74 – R.G.P.S.

    A que categoria pertenço, pois uns dizem ser F outros L.
    Estou entre os professores que perderam a prova do dia 20.

    desde já agradeço a atenção.

    Vera Lucia Araujo


  553. Desculpe-me pela insistênsia, eu sei que a pontuação mínima para a classificação no processo seletivo é 40 pontos, porém o texto abaixo é um trecho retirado deste artigo. Talvez precise ser corrigido, pois cita 5,0 pontos.

    “OS PROFESSORES OFA DA CATEGORIA “L” são aqueles admitidos pela lei 500/74 entre junho de 2007 e julho de 2009 e hoje são considerados temporários, contratados apenas pelo período do ano letivo, sem registro na carteira de trabalho e sem o recolhimento do FGTS. Serão selecionados entre os que conseguirem notas iguais ou superiores a 5,0 no processo seletivo, para lecionar as aulas que sobrarem da categoria F.”

    Grata.


  554. Gostaria de saber maiores esclarecimentos sobre a categoria L, se realmente serão selecionados entre os que conseguirem notas iguais ou superiores a 5,0 no processo
    seletivo, para lecionar aulas que sobrarem da categoria F.
    Alguém pode nos esclarecer corretamente sobre essa informação,,,obrigado


  555. ALGUEM PODE NOS ESCLARECER ESTA INFORMÇÃO POIS A
    INFORMAÇÃO DIZ QUE A CATEGORIA L PODERA LECIONAR AS AULAS QUE SOBRAREM DA CATEGORIA F QUE OBTIVER
    NOTA IGUAL OU SUPERIOR A 5,0NO PROCESSO SELETIVO, MAS NÃO TERIA QUE TIRAR 40PTOS, PARA SEREM APROVADOS,,,,ALGUEM PODE EXPLICAR MELHOR OBRIGADO


  556. MAIS UMA DUVIDA SOBRE MEU CASO COMECEI A DAR AULAS
    EM FEV/09 SOMENTE COMO EVENTUAL E DURANTE ESTE ANO DE 2009 NAO TIVE NENHUMA AULA ATRIBUIDA, APENAS
    COMO EVENTUAL,,
    ALGUEM PODE ME INFORMAR QUAL CATEGORIA QUE PERTENÇO,,,/??????

    obrigado mais uma vez…………


  557. em 29 dezembro 2009 às 12:21 professortemporario

    Amiguinha

    Todos os OFA F tiveram que se inscrever na sua escola sede. Mesmo os que estavam desvinculados foram obrigados a assumir uma carga horária de permanência na escola, sob pena de serem excluídos definitivamente da condição de professor estável


  558. em 29 dezembro 2009 às 12:31 professortemporario

    Marta

    Se a prova tinha 80 questões e a pontuação mínima é 40, numericamente isso corresponde a uma nota 5,0 (de zero a dez)


  559. Gostaria de saber se a ordem de atribuíção de aulas será da seguinte forma?
    Primeiro, todos os professores da categoria F que passaram na prova;
    Depois, todos os professores da categoria L que passaram na prova;
    E por último, os professores que passaram na prova, mas que não são nem da categoria F e nem L.

    Ou será que a classificação será feita em uma única lista com a pontuação total (prova, tempo de serviço e títulos) de cada professor e atribuíão seguirá essa ordem de classificação?

    Aguardo respostae obrigada.


  560. gostaria de saber como vai ficar a situação do professor coordenador e do vice que não conseguiu passar no processo seletivo e se professor que é categoria f vai poder ser designado vice caso não tenha sido aprovado no processo seletivo ; as 12 aulas dão direito dele ser vice?


  561. quando vai sair o resultado da moderação


  562. O texto acima não define a categoria “I”, poderia me dizer oque esta significa?


  563. em 30 dezembro 2009 às 16:39 professortemporario

    M. Antônio

    A categoria I é uma antiga nomenclatura para a O. Se existir diferença entre as duas, a categoria O se refere aos que já lecionaram e a I aos que são novos na rede.


  564. em 30 dezembro 2009 às 18:16 Sérgio Santos

    Dei algumas aulas como eventual este ano, sendo que a primeira foi em abril/09.
    Meu hollerith indica categoria F
    Obtive boa nota na prova(78%), porém não termino o curso de letras em 2010.
    Não poderei participar das atribuições. Estou certo? O que poderei fazer na rede pública no próximo ano?

    Parabéns pelo site!


  565. BOA NOITE PESSOAL, SÓ ENTREI PARA DESEJAR UM FELIZ ANO NOVO É MUITA PAZ NO CORAÇÃO , VAMOS TENTAR AO MENOS ESQUECER O QUE ESTA SE PASSANDO CONOSCO, POR CAUSA DESTA PROVA, VAMOS DEIXAR NAS MÃOS DE DEUS, QUE TENHO CERTEZA QUE O QUE TEM QUE SER SERÁ, NÃO ADIANTA FICARMOS PREOCUPADOS SEI QUE É DIFICIL, MAS VALE A PENA TENTAR , E NÃO FICAR SOFRENDO POR ANTECEDENCIA JÁ QUE TODO ANO O NOSSO GOVERNO, VEM COM UMA NOVIDADE PARA NÓS, MAS NO MEU PONTO DE VISTA ACHO QUE ESSA PROVA NÃO VAI LONGE NÃO, MUITA COISA VAI ROLAR ATE A ATRIBUIÇÃO. BEIJOS, MUITA PAZ NO CORAÇÃO!!!!!!!!!!!


  566. em 30 dezembro 2009 às 19:05 professortemporario

    Sérgio Santos

    A situação dos estudantes universitários para a rede pública é incerta. Talvez, sejam aceitos em projetos do escola da família, mas lecionar disciplinas regulares não será possível


  567. quarta-feira, 30 de dezembro de 2009 Diário Oficial Poder Executivo – Seção I São Paulo, 119 (243) – 33/34/35

    Resolução SE 98, de 29-12-2009

    Dispõe sobre o processo anual de atribuição de classes e aulas ao pessoal docente do Quadro do Magistério

    O Secretário Da Educação, tendo em vista o que determina o artigo 45 da Lei Complementar nº 444, de 27-12-1985, bem como as disposições da Lei Complementar nº 1.093, de 16-07- 2009, da Lei Complementar nº 1.094, de 16-07-2009, do Decreto nº 53.037, de 28-05-2008, do Decreto nº 54.682, de 13-08-2009, do Decreto nº 55.078, de 25-11-2009, observadas as diretrizes da Lei federal nº 9.394/96, e considerando a necessidade de estabelecer normas, critérios e procedimentos que assegurem legalidade, legitimidade e transparência ao processo anual de atribuição de classes e aulas, na rede estadual de ensino, resolve:

    SEÇÃO III

    Da Classificação dos Inscritos

    Artigo 7º – Os docentes inscritos para o processo de atribuição de classes e aulas serão classificados, caso atendam aos demais requisitos, em nível de Unidade Escolar e/ou de Diretoria de Ensino, com observância ao campo de atuação indicado nas respectivas inscrições, na seguinte ordem de prioridade:

    I – titulares de cargo, no próprio campo de atuação;

    II – titulares de cargo, em campo de atuação diverso;

    III – docentes estáveis, nos termos da Constituição Federal/ 1988;

    IV – docentes estáveis, nos termos da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT;

    V – docentes ocupantes de função-atividade, abrangidos pela L.C. nº 1.010/2007;

    VI – demais docentes ocupantes de função-atividade e candidatos à contratação temporária.

    Artigo 8º – Os titulares de cargo serão classificados, na unidade escolar, observado o campo de atuação referente às classes ou às aulas a serem atribuídas, na seguinte conformidade:

    I – quanto à situação funcional:

    a) titulares de cargo nomeados por concurso público;

    b) titulares de cargo, para atribuição em outro campo de atuação.

    II – quanto à habilitação:

    a) na disciplina específica do cargo;

    b) na(s) disciplina(s) não específica(s) da licenciatura do cargo,

    c) em disciplinas decorrentes de outra(s) licenciatura(s) plena(s) que possua.

    III – quanto ao tempo de serviço, no campo de atuação da inscrição, com a seguinte pontuação e limites:

    a) na Unidade Escolar: 0,001 por dia, até no máximo 10 pontos;

    b) no Cargo: 0,005 por dia, até no máximo 50 pontos;

    c) no Magistério Público Oficial da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo: 0,002 por dia, até no máximo 20 pontos.

    IV – quanto aos títulos, observado o campo de atuação da inscrição, com a seguinte pontuação para:

    a) certificado de aprovação em concurso público, relativo ao provimento do cargo de que é titular: 10 pontos;

    b) certificado(s) de aprovação em outro(s) concurso(s) de provas e títulos da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, no mesmo campo de atuação da inscrição, ainda que de outra(s) disciplina(s), desde que comprove atendimento à habilitação prevista no Edital do(s) concurso(s) para essa(s) outra(s) disciplina(s): 1 ponto por certificado, até no máximo 5 pontos;

    c) diploma de Mestre, correlato e intrínseco à disciplina do cargo de que é titular ou à área da Educação, referente às matérias pedagógicas: 5 pontos, e

    d) diploma de Doutor, correlato e intrínseco à disciplina do cargo de que é titular ou à área da Educação, referente às matérias pedagógicas: 10 pontos.

    § 1º – o título de Mestre ou de Doutor correlato e intrínseco à área da Educação, referente às matérias pedagógicas dos cursos de licenciatura, poderá ser considerado em qualquer campo de atuação docente e mesmo em mais de um, quando em regime de acumulação.

    § 2º – o docente que acumula cargos no mesmo campo de atuação poderá ter considerado o certificado de aprovação em concurso público de um cargo para fins de classificação no outro, e vice-versa.

    § 3º – a classificação dos titulares de cargo inscritos para designação nos termos do artigo 22 da Lei Complementar nº 444/85 dar-se-á em nível da Diretoria de Ensino indicada na inscrição, entre seus pares da mesma classe docente.

    § 4º – a contagem do tempo de serviço do docente efetivo, na unidade escolar e também no magistério público oficial, incluirá os períodos trabalhados em funções-atividade ou em contratações anteriores ao ingresso, desde que exercidos no próprio campo de atuação do docente.

    § 5º – Os titulares de cargo inscritos para atribuição de carga suplementar em outro campo de atuação serão classificados apenas com o tempo de serviço e os títulos referentes unicamente à carga suplementar, devendo ser excluídos o tempo de serviço e os títulos relativos ao campo de atuação correspondente ao cargo.

    § 6º – o tempo de serviço do titular de cargo de Professor Educação Básica I ou de Professor Educação Básica II – Educação Especial, quando trabalhado com aulas de campo de atuação diverso do que lhe é próprio, compondo a respectiva Jornada de Trabalho Docente, fica caracterizado como tempo de serviço no próprio campo de atuação, não podendo ser considerado na classificação relativa à carga suplementar em outro campo de atuação.

    § 7º – o tempo de serviço do docente que tenha sido indenizado, mediante programas de demissão voluntária (PDV), poderá ser regularmente considerado para fins de classificação, observados o campo de atuação e sua atual situação.

    § 8º – o tempo de serviço, trabalhado na condição de titular de cargo do qual o docente tenha se exonerado, inclusive em demissão voluntária (PDV), não poderá ser considerado como tempo no atual cargo ou na atual função-atividade, sendo computado apenas como tempo de magistério e como tempo de unidade escolar, se houver, observado, em ambos os casos, o campo de atuação.

    § 9º – para fins de classificação em nível de Diretoria de Ensino, destinada a qualquer etapa do processo inicial, e também às atribuições do decorrer do ano, neste nível, será sempre desconsiderada a pontuação referente ao tempo de serviço prestado na unidade escolar.

    § 10 – o tempo de serviço do docente, trabalhado em afastamentos a qualquer título, desde que autorizados sem prejuízo de vencimentos, inclusive o tempo de serviço na condição de readaptado, será computado regularmente para fins de classificação no processo de atribuição de classes e aulas, no cargo, no magistério e mesmo na unidade escolar, quando for o caso.

    § 11 – o tempo de serviço trabalhado fora da unidade de origem, em designações, nomeações, readaptações e outros afastamentos, a qualquer título, não será considerado para pontuação na Unidade Escolar, exceto o exercido em órgãos centrais da Pasta ou nas Diretorias de Ensino e Oficinas Pedagógicas, ou ainda junto aos convênios de municipalização do ensino.

    § 12 – Não será considerado, para fins de classificação do docente aposentado, o tempo de serviço, em qualquer campo de atuação, prestado até a data da aposentadoria.

    § 13 – na contagem de tempo de serviço, que deverá ser refeita integralmente a cada ano, serão utilizados os mesmos critérios e deduções que se aplicam para concessão de Adicional por Tempo de Serviço, sendo que a data-limite da contagem de tempo é sempre 30 de junho do ano precedente ao de referência.

    § 14 – em casos de empate de pontuação na classificação dos inscritos, o desempate deverá se efetuar na seguinte ordem de critérios:

    a) pela idade, quando maior ou igual a 60 (sessenta) anos – Estatuto do Idoso;

    b) pelo maior tempo de serviço no Magistério Público Oficial da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo;

    c) por encargos de família (maior número de dependentes);

    d) pela maior idade, para os inscritos com idade inferior a 60 (sessenta) anos.

    Artigo 9º – a classificação dos docentes estáveis e celetistas, bem como a dos demais ocupantes de função-atividade e dos candidatos à contratação, dar-se-á por campo de atuação e/ ou por áreas de disciplinas e por áreas da Educação Especial, por habilitação e qualificação docentes, por situação funcional e também por tempo de serviço, por títulos e pelo resultado do processo de avaliação anual, em prova eliminatória, conforme segue:

    I – quanto à situação funcional:

    a) docentes estáveis, pela Constituição Federal/1988 (categoria P);

    b) docentes estáveis, pela CLT (categoria N);

    c) docentes ocupantes de função-atividade, abrangidos pela L.C. nº 1.010/2007 (categoria F);

    d) demais docentes ocupantes de função-atividade (categoriaL) e candidatos à contratação.

    II – quanto ao tempo de serviço, no campo de atuação da inscrição, com a seguinte pontuação e limites:

    a) na Unidade Escolar: 0,001 por dia, até no máximo 10 pontos;

    b) na Função: 0,005 por dia, até no máximo 50 pontos;

    c) no Magistério Público Oficial da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo: 0,002 por dia, até no máximo 20 pontos.

    III – quanto aos títulos, no campo de atuação da inscrição, com a seguinte pontuação para:

    a) certificado(s) de aprovação em concurso(s) de provas e títulos desta Secretaria da Educação, referente(s) ao mesmo campo de atuação da inscrição, desde que comprove atendimento à habilitação exigida no Edital do(s) concurso(s) para o campo de atuação (séries iniciais do EF) ou para a área de necessidade especial (Educação Especial) ou para a disciplina (EF/EM), conforme o caso: 1 ponto por certificado, até 5 pontos;

    b) diploma de Mestre, correlato e intrínseco à disciplina para a qual é habilitado/qualificado ou à área da Educação, referente às matérias pedagógicas: 5 pontos;

    c) diploma de Doutor, correlato e intrínseco à disciplina para a qual é habilitado/qualificado ou à área da Educação, referente às matérias pedagógicas: 10 pontos.

    IV – quanto ao resultado da participação no processo de avaliação anual – nota da prova eliminatória: máximo de 80 pontos.

    § 1º – no Processo de avaliação anual, a obtenção de pontos inferior a 40 (quarenta) caracterizará a não aprovação do docente/candidato, que não será classificado e ficará impedido de participar do processo de atribuição de classes e aulas do ano de referência.

    § 2º – Os tempos de serviço trabalhados pelo docente em campos de atuação distintos, por corresponderem a situações passíveis de acúmulo, deverão ser sempre computados isoladamente, para todos os fins e efeitos, independentemente de o docente pretender ou não trabalhar em regime de acumulação.

    § 3º – a classificação dos docentes de categoria L, dos docentes contratados de categoria O e dos candidatos à contratação será indiscriminada e conjunta, não se considerando a existência nem o tipo de vínculo empregatício.

    § 4º – As disposições dos parágrafos anteriores aplicam-se igualmente aos docentes estáveis, celetistas e ocupantes de função-atividade de categoria F, quando inscritos para atuar em regime de acumulação, em campo de atuação diverso do referente à sua situação funcional.

    § 5º – na classificação dos docentes e candidatos à contratação de que trata este artigo, aplicam-se analogamente as mesmas normas e critérios referentes à classificação dos titulares de cargo, exceto o disposto nos §§ 2º ao 6º do artigo anterior.


  568. Olá, sou professora de Educação Especial , gostaria de saber alguma notícia sobre a mesma, sei que vai ter concurso mas e a nossa situação no momento.
    Meu holerit cnsta com categoria L , a prova constava 60 questoes, acertei 27 será que tenho chance?


  569. em 1 janeiro 2010 às 17:03 CÍNTIA MATUKAJ

    OI PESSOAL SURGIU UMA DÚVIDA QUEM SÃO OS CATEGORIA N? OS F NÃO SÃO MAIS CONSIDERADOS ESTÁVEIS?


  570. Então quem é categotia F,e acertou ate 32 questões não vai poder usar o tempo de serviço para chegar aos 40 pontos??


  571. Pelo que M.Antonio colocou acima, professores que tiveram apenas 32 acertos,não poderam completar com os 8 pontos referentes ao tempo de serviço???????E quem
    seria categoria “P” e “N” que vem antes da “F”???????
    Estava tudo tão claro,tão bem explicadinho, agora com essa nota do diário oficial,estou mais perdida que cego em tiroteio.Por favor, alguém pode exclarecer minhas dúvidas?????Há….um feliz 2010 para todos.


  572. em 2 janeiro 2010 às 01:01 waldemar antonio dini

    Estou a 22 anos na rede, sou professor OFA, estou á 9 anos como coordenador, na semana da avaliação a minha mãe faleceu eu fui fazer a prova sem condições nenhuma, não consegui ir bem devido ao fato ocorrido. Vou perder a minha função de professor coordenador. Grato


  573. Boa Tarde—

    Alguém pode me dizer quais as chances, de apeoesp anular
    esta prova na justiça ja que a mesma entrou com uma ação contra esta prova…..
    Obrigado,,agradeço,,,,,


  574. Boa tarde….

    Gostaria de saber, se alguém pode esclarecer mas informações sobre a ação que a APEOESP entrou
    sobre esta prova dos temporários,,,sera que tem alguma
    chance de ser anulada estas provas?

    Obrigado…


  575. em 2 janeiro 2010 às 16:45 professortemporario

    Waldemar

    Já existe um artigo específico sobre esse tipo de situação neste site


  576. Boa tarde!
    Tenho algumas dúvidas, realizei a prova de Língua Portuguesa.onde, consegui 43 pontos,porém,nesse ano de 2010 termino a faculdade.Na Diretoria fui informada, que poderia participar do processo seletivo,mas de aulas e não de classes.Poderia me expilicar como funciona,a atribuição de aulas,caso venha ser atribuida?
    Obrigada!


  577. em 2 janeiro 2010 às 18:13 professortemporario

    Soraya

    Classe é a nomenclatura que o Estado usa para a aula ministrada pelo PEB I, de 1ª a 4ª série


  578. SOU PROFESSOR DESDE MARÇO DE 2007, CADASTRADO NA CATEGORIA F LEI-500.74, PORÉM LECIONO ATÉ O PERIODO ATUAL COMO EVENTUAL. GOSTARIA DE SABER SE PERMANEÇO NA CATEGORIA F.
    OBS: FIZ A PROVA OFA E TIVE 60 ACERTOS.


  579. BOA NOITE?
    estou atuando como PBII desde 98 tenho 19mil pontos,hoje trabalho na escola da familia a 5 anos,e 3 anos e meio na fundaçao c.a.s.a ,fiz a prova e fui mal,admito que fui muito mal .
    A minha pergunta é posso continuar nesses projetos ?


  580. em 2 janeiro 2010 às 21:34 professortemporario

    Renato

    Estranha essa sua situação, pois se você é da categoria F e estava como eventual deveria ter cumprido a convocação de 30 de outubro e passado a cumprir 12 horas na sua escola sede. Se não foi chamado a essa convocação significa que para o Estado você não é da categoria F


  581. em 2 janeiro 2010 às 21:35 professortemporario

    Eliana

    Já respondemos esse tipo de pergunta.


  582. em 3 janeiro 2010 às 13:21 CÍNTIA MATUKAJ

    quem é categoria N????


  583. em 3 janeiro 2010 às 16:01 Luciana A H

    COMO FUNCIONA O “ABRIR PORTARIA”? (nem sei se isso vale mais)
    É que em 2007 eu abri portaria em uma escola, mas nunca lecionei, não “sobrou aulas” e eu não tinha QI (quem indica), daí não consegui ministrar nenhuma aula, minha portaria ainda está aberta ou eu tinha que dar ao menos uma aula para abri-la?


  584. s nós professores

    Opinião do ex-secretário Gabriel Chalita em relação a humilhação que os professores se submeterão. Vale a pena conferir. http://d.yimg.com/kq/groups/21945683/1321504195/name/Filme.wmv


  585. em 3 janeiro 2010 às 17:01 Mariana Mattos

    Gabriel Chalita, obrigada pela sua solidariedade neste momento de extrema instabilidade profissional e psicológica que estamos passando.


  586. Dei aulas até 2002 e resolvi trabalhar em outro ramo.Fiz a provinha,passei e gostaria de saber, em que categoria devo me enquadrar.


  587. Rose

    Obrigada, por você postar esse vídeo.

    Obrigada Sr. Gabriel Chalita, pela solidariedade.

    Como o prof. disse, Os médicos, engenheiros, políticos, farão a prova para ter aumento???

    E os professores aposentados??? tantos anos de dedicação e os salário cada vêz mais achatado.


  588. Boa tarde! Professores , sou professora aposentada e estou muito triste com a situação atual dos professores.Não consigo acreditar no que está acontecendo. A Lei complementar 1093 e 1094/09,veio para massacrar a vida de milhares de professores,digo educadores e seus familiares.Como podem trabalhar com tanta insegurança?, isto aqueles que ainda tiverem onde trabalhar e a garantia de 12 aulas ou ainda atividades em uma determinada escola, é muita humilhação.Como olhar sua família e explicar para eles uma situação tão confusa e vergonhosa ? Este é um ano político,pensem bem.Um abraço fraterno para todos os professores.


  589. em 3 janeiro 2010 às 21:05 professortemporario

    Luciana A H

    A portaria era um documento que fundamentava a contratação dos eventuais antes da lei 1093. Hoje, esse sistema não existe mais e os professores aprovados no processo terão que firmar contrato de trabalho com o Estado, pelas regras da lei 1093


  590. em 4 janeiro 2010 às 13:10 Luciana A H

    Obrigada pelo esclarecimento!!!


  591. em 4 janeiro 2010 às 13:29 Fatima Walfredo

    Qdo sai o resultado oficial da prova?


  592. em 4 janeiro 2010 às 13:39 RITA DE CÁSSIA HORTA DE LIMA

    querido professor temporário,primeiramente feliz 2010.gostaria de saber o que devo fazer, pois dia 17/11 entrei com recurso na delegacia de ensino pedindo esclareciomentos sobre minha categoria, pois entrei no estado em 2004,.mas em 2007 estava só como eventual, fui considerada categoria l,mas sinto que deveria estar na f,até agora não recebi nenhuma resposta.o que devo fazer?
    obrigada desde já


  593. Boa noite!!

    Sou estudante do último ano do curso de Direito e realizei a prova para PEB II (Sociologia), obtive 43 pontos, mas nunca dei aula. Terei possibilidade de atribuir aulas, ou ao menos dar aula como eventual??

    Grata!!


  594. A Resolução 91 não foi alterada pela 98 e mantém o mínimo de 40 pontos para se classificar para a atribuição, está tudo certo até aí.

    Os 8 pontos de tempo de serviço no magistério ( Peb I ou Peb II ) podem ser utilizados para atingir os 40 pontos caso o professor precise e tenha esses pontos, tudo cert também.

    o problema está que o número de questões do Peb I era 60 e isso fez que cada questão valesse 1,33 ponto e a prova do Peb II tinha 8o questões e cada uma valia 1 ponto. Então, para o Peb II fica 32 questões x 1 ponto = 32 pontos + 8 pontos de tempo = 40 pontos, mas para o Peb I fica 24 questões x 1,33 ponto = 32 pontos + 8 pontos de tempo = 40 pontos.

    A confusão está em que seja Peb I ou Peb II a nota máxima da prova é 80 pontos e a mínima para se classificar 40 pontos, porém se precisar e tiver tempo, a nota mínima passa a ser 32 pontos para Peb II e 24 pontos para Peb I, se tiver 2000 dias letivos trabalhados na rede ( 0,004 por dia ), se tiver menos dias trabalhados faça a regra de três.
    Abraço.


  595. em 5 janeiro 2010 às 19:54 Valéria Braga

    Boa noite professor, parabéns pelo site, é de grande utilidade. Gostaria de saber como ter acesso ao comprovante de aprovação no processo seletivo, necessário no momento das atribuições, e a partir de quando elas começarão a ser feitas. Desde já lhe agradeço pela atenção.


  596. ATRIBUIÇÂO NAS ESCOLAS DE TEMPO INTEGRAL NAS U.Es( ENTREGAR PROJETOS PARA A DIREÇâO DAS ESCOLAS OS DIRETORES QUE ESCOLHEM OS PROFESSORES) JÀ VIROU PIZZA POR A RESOLUÇÃO DIZIA ASSIM:Em atendimento a Coordenadoria de Ensino e Normas Pedagógicas retransmite comunicado e solicita especial atenção: “Informamos que no ano de 2.010 a atribuição de aulas das Oficinas Curriculares das Escolas de Tempo Integral deverá ser feita no processo normal de atribuição de aulas, seguindo a legislação sobre o assunto e não mais na escola, por perfil, como ocorreu nos anos anteriores. Portanto, os incisos II, III e § 1º do artigo 4º da Resolução SE 93/2008 serão modificados para adequação ao novo procedimento, por meio de uma outra legislação.


  597. Boa tarde.
    Comecei a lecionar a disciplina de Geografia numa escola estadual no dia 15 de junho de 2007, e sempre tive no meu hollerit o desconto do INSS. Entretanto, comecei a lecionar como eventual ao mesmo tempo estava cursando a graduação. Terminei meu curso em dezembro de 2009.
    Eu fiz a prova dos OFA e acertei 56 questões. Sempre trabalhei como professor eventual, e nunca peguei licença, mas apenas aulas como eventual. Em que categoria estou? O meu diploma ficará pronto apenas no final de janeiro, no dia 28.
    Eu serei tratado como L, ou estou na categoria extinta, pois até a realização da prova, eu ainda era aluno do curso de geografia e trabalhava como professor eventual. O que devo fazer?


  598. Olá Professor,

    Sou efetiva desde 2001 e em Dezembro/2009 solicitei o art. 22 para a DE de Campinas.
    Minha dúvida é a seguinte: tirei algumas licenças médics e abonei algumas faltas no ano passado.
    Há algum impedimento para a inscrição no art 22, diante do Decreto 53.037/08?

    Obrigada!

    Seu site é ótimo e valioso!

    Abraço


  599. em 7 janeiro 2010 às 18:21 professortemporario

    Milena

    No seu caso, a substituição pelo art. 22. teria como restrições mais de 10 faltas ou licenças (exceto gestante) nos últimos 200 dias


  600. Gostaria de saber,se existe alguma possibilidade,dos governantes voltarem atrás,em relação aos até 8 pontos, que podemos utilizar para compor a provinha?


  601. em 8 janeiro 2010 às 00:31 Mariana Mattos

    Colegas Professores, vamos ter calma e acreditar no que está contido na RESOLUÇÃO SE 91 09/12/2009 – Regulamentação dos critérios para composição da nota mínima pelo tempo de serviço, mesmo porque, seria um absurdo o governo voltar atrás no texto da resolução.
    Vamos aguardar também a “curva”, pois como as provas tiveram um altíssimo grau de dificuldade, com certeza irão compor uma média dos níveis de acertos.
    O momento é para refletirmos sobre “nosso ofício de mestre”, e saber que a escola é mais do que escola, professor é mais que mero transmissor de conhecimento. Segundo Miguel Arroyo, o mestre tem que ser humano, reflexivo, transformador.
    Estamos vivendo um momento de mudanças profundas na educação de São Paulo (questionável com certeza), mas somos “mestres”, portanto, somos “homens e mulheres que ensinam”, somos formadores de opinião, educadores……e, eleitores…!!!


  602. Professor,

    Mas o inciso III do art. 7 do Decreto 53.037/08 não foi alterado pelo Dec. 53.161/2008?

    Pelo que entendi, o texto do art. 7º, inc. III, ficou assim:

    Artigo 7º (…)
    III – apresentarem, no ano precedente ao da atribuição de vaga, mais de 12(doze) faltas de qualquer natureza.

    Parágrafo único – O período de afastamento para substituição deverá ser igual ou superior a 200 (duzentos) dias e a carga horária do substituído igual ou superior à do substituto.

    Obrigada!
    Milena


  603. Olha ai, a municipalização acontecendo na calada da noite!!07/01/2010

    MUNICÍPIO ESCOLAS ESTADUAIS MUNICIPALIZADAS NÚMERO DE ALUNOS POR SÉRIE
    1ª a 4ª 5ª a 8ª Educação Especial
    ALTO ALEGRE EE DIOGO GARCIA MARTINS EXP 3.166 0 0
    Convênio Novo EE SÃO MARTINHO D’OESTE 18 0 0
    EE MARIA RAMOS GONZALES PROFA 38 0 0
    Total 3.222 0 0
    ANHEMBI EE VALENTIM DO AMARAL 0 200 0
    Ampliação de convênio anterior EE BAIRRO MORADA DO SOL 0 129 0
    Total 0 329 0
    ARUJÁ EE BAIRRO DA PENHINHA 140 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE EUFLY GOMES 467 0 0
    Total 607 0 0
    BIRIGUI EE NAYR BORGES PENTEADO PROFA 285 0 0
    Ampliação de convênio anterior Total 285 0 0
    BORACÉIA EE EDIR HELENA S FACCIOLI PROFA 292 0 0
    Convênio Novo Total 292 0 0
    BOTUCATU EE AMERICO VIRGINIO DOS SANTOS PROF 180 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE JOÃO QUEIROZ MARQUES PROF 274 0 0
    EE RAYMUNDO CINTRA PROF 194 0 0
    EE FRANCISCO GUEDELHA PROF 205 0 0
    EE MARTINHO NOGUEIRA PROF 446 0 0
    EE PAULO GUIMARÃES PROF 506 0 0
    Total 1.805 0 0
    CAIEIRAS EE JOAQUIM OSORIO DE AZEVEDO 593 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE MARIO MENEGUINI 560 0 0
    Total 1.153 0 0
    CAMPINAS EE ANTONIO FERNANDES GONÇALVES 448 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE JARDIM ICARAI 565 0 0
    Total 1.013 0 0
    CRUZEIRO EE ARNOLFO AZEVEDO 145 0 0
    Convênio Novo EE ITA FORTES 149 0 0
    EE JOAQUIM DE CARVALHO NETTO 337 0 0
    EE FRANCISCO DE ASSIS CARVALHO 71 0 0
    EE HUMBERTO TURNER 254 0 0
    Total 956 0 0
    COLINA EE DARCY SILVEIRA 0 660 0
    Ampliação de convênio anterior EE LAMOYNIER DE ANDRADE 0 336 0
    Total 0 996 0
    DIADEMA EE MARIO SANTA LUCIA 941 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE ZILDA GOMES 577 0 0
    EE REINALDO JOSE SANTANA 942 0 0
    EE SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS 547 0 0
    Total 3.007 0 0
    EMBU GUAÇU EE BAIRRO DO GRAMADO 40 0 0
    Ampliação de convênio anterior Total 40 0 0
    ELIAS FAUSTO EE MARIA CANDIDA ALVES PINTO PROFA 383 0 0
    Ampliação de convênio anterior Total 383 0 0
    FERNANDOPOLIS EE IVONETE A DA SILVA ROSA 391 0 14
    Convênio Novo EE FRANCISCO A DA SILVA CEL 588 0 18
    EE JOÃO GARCIA ANDREO 177 0 0
    EE PEDRO MALAVAZZI 126 0 0
    Total 1.282 0 32
    FERRAZ DE VASCONCELOS EE LUCIANO POLETTI 0 459 0
    Ampliação de convênio anterior EE HELMUTH H.H.LOUIS BAXMANN PREF 0 583 0
    Total 0 1.042 0
    FLORIDA PAULISTA EE OCTAVIANO JOSE CORREA 664 0 0
    Convênio Novo EE MARIANA M PANDOM 63 0 0
    Total 727 0 0
    GUARAREMA EE ANTONIO LERARIO 114 240 0
    Ampliação de convênio anterior EE BAIRRO FUKUSHIMA 31 0 0
    EE GETULIO VARGAS 555 0 0
    EE JOÃO BAPTISTA JUNGERS 82 0 0
    EE JOSE QUERINO RUBEM 40 0 0
    EE KEISABURO HONDA 110 0 0
    Total 932 240 0
    GUARARAPES EE ADELMO DE ALMEIDA 427 0 0
    Convênio Novo EE ANTONIO PINTO DE OLIVEIRA DR 522 0 0
    EE IVETE ABDO T DE OLIVEIRA PROFA 369 0 0
    Total 1.318 0 0
    GUARATINGUETA EE ANA FAUSTA 162 236 0
    Ampliação de convênio anterior EE ANTONIO DA CRUZ PAYAO 114 0 0
    EE RAMÃO GOMES PORTÃO 109 180 0
    EE ELVIRA MARIA GIANNICO 0 76 0
    Total 385 492 0
    HORTOLANDIA EE MARIA DE LOURDES L L CANTO PROFA 121 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE JD SANTA CLARA DO LAGO II 71 0 0
    EE VILA IPE 37 0 0
    Total 229 0 0
    IGARAÇU DO TIETE EE ANGELO DOMEZI PREF 485 0 0
    Convênio Novo EE JOÃO TUSCHI 656 0 0
    EE ODYNIR MAGANHA 277 0 0
    Total 1.418 0 0
    ILHABELA EE EVA ESPERANÇA 0 585 0
    Ampliação de convênio anterior EE GABRIEL RIBEIRO DOS SANTOS 0 334 0
    EE WALDEMAR BELISARIO 0 289 0
    EE ANNA LEITE JULIÃO 0 250 0
    EE MARIA GEMMA DE SOUZA OLIVEIRA 0 454 0
    Total 0 1.912 0
    INDAIATUBA EE MARIA CECILIA IFANGER 178 0 40
    Ampliação de convênio anterior EE AUREA MOREIRA COSTA 328 0 0
    EE BENEDITA WAGNER CAMPOS 193 0 0
    EE DOARDO BORSARI 320 0 0
    EE DEOLINDA MANEIRA SEVERO 162 0 0
    Total 1.181 0 40
    INDIAPORÃ EE OTHAYDES LUIZ ARANTES 191 0 0
    Convênio Novo Total 191 0 0
    ITAÍ EE LUCIA DE MORAES C ROCHA PROFA 327 0 0
    Ampliação de convênio anterior Total 327 0 0
    ITAJOBI EE RUTHE D FERRAZ FARÃO 0 568 0
    Ampliação de convênio anterior Total 0 568 0
    ITAPORANGA EE PATRIMONIO CORAÇÃO DE JESUS 15 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE PATRIMONIO SÃO SEBASTIÃO 19 0 0
    EE JULIO GONÇALVES DE OLIVEIRA PROF 43 0 0
    Total 77 0 0
    JACAREÍ EE RICARDINA DOS S. DE MORAES 500 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE TITO MAXIMO 729 0 0
    EE ALCINA MORAES SALLES 305 0 0
    Total 1.534 0 0
    JALES EE OSWALDO CARVALHO DEP 160 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE ELZA PIRRO VIANNA PROFA 223 0 0
    EE JOÃO ARNALDO AVELHANEDA PROF 209 0 0
    EE COHAB JOSE ANTONIO C BOGAZ 105 0 0
    EE ELJACIA MOREIRA PROFA 174 0 0
    EE JUVENAL GIRADELLI 95 0 0
    Total 966 0 0
    JANDIRA EE HENRIQUE S ALFERES 129 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE MOACIR THOMAZ DA SILVA 306 0 0
    EE DOLORES PASCHOALIN 190 0 0
    EE WILMAR SOARES DA SILVA 173 0 0
    Total 798 0 0
    JAU EE CAETANO PERLATTI 341 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE DALTYRA DE TOLEDO CASTRO PROFA 62 0 0
    EE GALVÃO REI 73 0 0
    EE JOÃO PACHECO DE ALMEIDA PRADO 92 97 0
    EE LUCIA SAMPAIO GALVÃO PROFA 451 0 0
    Total 1.019 97 0
    MERIDIANO EE PAULA ZANGRANDO PROFA 168 0 0
    Convênio Novo EE POVOADO DE SANTO ANTONIO 25 0 0
    Total 193 0 0
    MIRACATU EE SANTA RITA DE CASSIA 158 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE SYLAS BALTAZAR DE ARAUJO 143 0 0
    EE PEDRO BARROS 119 0 0
    Total 420 0 0
    MIRA ESTRELA EE PASCHOAL CASTREQUINI PREF 144 0 0
    Convênio Novo Total 144 0 0
    MIRANTE DO PARANAPANEMA EE JOANA COSTA ROCHA 201 0 0
    Convênio Novo Total 201 0 0
    MOGI GUAÇU EE GERALDO SORG 268 352 0
    Ampliação de convênio anterior EE JOAQUIM LEITE DE SOUZA 98 83 0
    Total 366 435 0
    MONGAGUA EE JOSE CESARIO PEREIRA 0 343 0
    Ampliação de convênio anterior EE ARACY DA SILVA 0 344 0
    EE AGENOR DE CAMPOS 0 576 0
    EE HORTENCIA QUINTINO DE FARIA BOTELHO 0 427 0
    EE AINDA LEDA BAUER DAVIES 0 280 0
    EE JACOUB KOURDJIAN 0 293 0
    EE VERA CRUZ 0 506 0
    EE REGINA MARIA BALNEARIO 0 530 0
    EE JOAQUIM OSORIO DE AZEVEDO 0 593 0
    Total 0 3.892 0
    MONTE MOR EE ANTONIO SPROESSER 0 459 0
    Ampliação de convênio anterior Total 0 459 0
    NATIVIDADE DA SERRA EE FIGUEIRA DE TOLEDO 266 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE BAIRRO DAS PALMEIRAS 27 0 0
    EE BAIRRO VARGEM GRANDE 44 0 0
    Total 337 0 0
    NOVA CANAÃ PAULISTA EE MARIA DO PILAR ORTEGA PROFA 97 0 0
    Convênio Novo Total 97 0 0
    NOVA GUATAPORANGA EE JACINTO PERNAS GOMATO 137 0 0
    Convênio Novo Total 137 0 0
    NUPORANGA EE MARIA CAROLINA DE LIMA 0 332 0
    Ampliação de convênio anterior Total 0 332 0
    OUROESTE EE SANSARA SINGHI FILHO PROF 371 0 0
    Convênio Novo Total 371 0 0
    PALMEIRA D’OESTE EE DISNEI ANTONIO MONZANI PROF 401 0 0
    Convênio Novo Total 401 0 0
    PARANAPUÃ EE JOSE RIBEIRO PREFEITO 240 0 0
    Convênio Novo Total 240 0 0
    PEDERNEIRAS EE ALVA FABRI PROFA 159 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE JOÃO CHAMMAS COMENDADOR 412 0 0
    EE ESMERALDA LEONOR T. CALAF PROFA 185 0 0
    Total 756 0 0
    PIRATININGA EE JACYRA MOTTA MENDES PROFA 622 0 0
    Convênio Novo EE MARIA JOSE DE CAMPOS VASQUES 38 0 0
    Total 660 0 0
    PIRAPOZINHO EE MARIA EVANILDA GOMES 37 0 0
    Ampliação de convênio anterior Total 37 0 0
    PRESIDENTE VENCESLAU EE ALVARO COELHO 665 0 0
    Convênio Novo EE DUARTE D’INCÃO 377 0 0
    Total 1.042 0 0
    POÁ EE WALTER DE ALMEIDA MONTEIRO PROF 522 0 0
    Ampliação de convênio anterior Total 522 0 0
    POPULINA EE LESBINO DE SOUZA ALKIMIN 234 0 0
    Convênio Novo Total 234 0 0
    POTIM EE CIDADE NOVA 0 461 0
    Ampliação de convênio anterior Total 0 461 0
    QUEIROZ EE JOÃO VIEIRA DE MELO 161 0 0
    Convênio Novo Total 161 0 0
    RIO DAS PEDRAS EE MARIA ARLETE ANGELELI PROFA 0 135 0
    Ampliação de convênio anterior Total 0 135 0
    SANTA CLARA D’OESTE EE ANTONIO BEZERRA DE ARAUJO PREF 122 0 0
    Convênio Novo Total 122 0 0
    SÃO CAETANO DO SUL EE ANACLETO CAMPANELLA 0 247 0
    Ampliação de convênio anterior EE EDA MANTONELLI PROFA 0 369 0
    Total 0 616 0
    SÃO JOÃO DE IRACEMA EE JOANITA B.B.CARVALHO PROFA 97 0 0
    Convênio Novo Total 97 0 0
    SÃO JOSE DOS CAMPOS EE MARIA AP RONCONI 371 0 0
    Ampliação de convênio anterior EE ILGA PUSPLATAKIS 272 0 0
    Total 643 0 0
    SUD MENUCCI EE CICERO CASTILHO CUNHA 0 449 0
    Ampliação de convênio anterior Total 0 449 0
    SUZANÁPOLIS EE ERNESTO SCHIMIDT CEL 220 0 0
    Convênio Novo Total 220 0 0
    TATUI Os alunos serão transferidos da Rede Estadual 0 99 0
    Ampliação de convênio anterior para o Municipio 0 0 0
    Total 0 99 0
    TIETE EE PLINIO RODRIGUES DE MORAIS 0 300 0
    Ampliação de convênio anterior EE LUIS ANTUNES 0 320 0
    EE ELEUTERIO J MOREIRAA 0 299 0
    EE NELSON ALVES VIANNA 0 158 0
    EE AGLASSI ELINDA F RODRIGUES 0 226 0
    EE LYDIA DE TOLEDO PASQUALE 0 333 0
    EE JOÃO MARCOS B MARCUZ 0 365 0
    Total 0 2.001 0
    VARGEM GRANDE DO SUL EE FRANCISCO R CARRIL 246 0 15
    Convênio Novo Total 246 0 15
    VOTUPORANGA EE OROZIMBRO FURTADO FILHO PROF 69 71 0
    Ampliação de convênio anterior Total 69 71 0
    Total Geral 35.066


  604. em 8 janeiro 2010 às 16:58 professortemporario

    Milena

    Muito bem lembrado. O decreto 53.161/08 ampliou o limite de faltas de 10 para 12, mas manteve as restrições ao gozo das licenças, de qualquer natureza, exceto gestante


  605. em 15 janeiro 2010 às 00:50 professortemporario

    Vamos fazer algo mais produtivo?

    Como estamos em ano eleitoral e esse espaço tem sido frequentado por pessoas comprometidas com a educação e a qualidade de ensino, criamos um espaço nesta página para discussão de medidas efetivas para melhorar a qualidade do ensino público.
    As pessoas sozinhas não conseguem muito. As propostas, mesmo as mais adequadas e viáveis, não se concretizam sem pessoas que as defendam e divulguem.
    Sabemos que nesse espaço existe tanto quem aparece apenas para se informar, mas também percebemos que muitos se apresentam com algo mais.
    Neste ano eleitoral, se iniciarmos uma discussão séria e realista sobre propostas e políticas educacionais, poderemos fazer mais que criticar. Poderemos colocar em discussão um conjunto de medidas dentro de uma perspectiva que normalmente é ignorada.

    De qualquer forma, convidamos a todos para essa discussão
    http://professortemporario.wordpress.com/data/


  606. A Prova dos ACTs será classificatória e não mais eliminatória. Isto está divulgado no Site da Apeoesp. no dia 16/01/2010.


  607. em 17 janeiro 2010 às 23:32 professortemporario

    Mariane

    Ainda não existe nada oficial.


  608. Olá, professor! Hoje, por meio do google encontrei esta página de discussão e esclarecimento a respeito da educação/professores do estado de SP.

    Nunca lecionei na rede estadual paulista e estava fora do país até dezembro/09. Pela internet fiz minha inscrição para a prova do dia 13/12 (PEBI). Realizei a prova em minha cidade de residência e, pelo meu gabarito, acertei 44 das 60 questões.

    Lendo as mensagens e perguntas postadas aqui, uma dúvida me ocorreu: Por não ter feito inscrição na Diretoria de Ensino desejada, anterior ao processo de inscrição pela internet para realização da prova, isso me desclassifica no processo seletivo para contratação pela 1093?

    Obrigada pela disposição de seu tempo e conhecimento para esclarecer e amenizar a ansiedade de muitos que aqui se apresentam.


  609. em 18 janeiro 2010 às 19:49 professortemporario

    Lenina

    Pelo que está na legislação referente ao assunto, você pode ser desclassificada.
    Recomendamos que você procure a diretoria de ensino onde fez sua prova e converse sobre o caso. Talvez ainda haja solução…


  610. Obrigada pela indicação…procurarei mais informações na Diretoria de Ensino aqui de Mogi…


  611. eção I terça-feira, 19 de janeiro de 2010

    DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS

    PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

    O Diretor do Departamento de Recursos Humanos da Secretaria

    de Estado da Educação, nos termos do Decreto nº 54.682,

    de 13 de agosto de 2008 e da Resolução SE 68, de 1 de outubro

    de 2009, disciplinadora do processo em questão e à vista do que

    lhe apresentou a Fundação VUNESP, após análise pela Banca

    Examinadora dos recursos apresentados pelos docentes/candidatos

    à contratação, torna público o que segue:

    1- As questões anuladas serão consideradas corretas para

    todos os candidatos do respectivo campo de atuação.

    2- Para as demais questões fica mantido o constante nos

    Gabaritos publicados no DOE de 22/12/2009 e 01/01/2010.

    3 – Os demais recursos apresentados pelos candidatos ficam

    indeferidos por terem sido considerados improcedentes.

    Campo de Atuação – AULAS (Professor Educação Básica II)

    Área de Ciências Humanas – Disciplina Geografia

    Questão 54 – Alterado o gabarito de “c” para “d”

    Área de Ciências Humanas – Disciplina Sociologia:

    Questão 72 – Alterado o gabarito de “a” para “b”

    Área de Ciências da Natureza e Matemática – Disciplina

    Matemática:

    Questão 43 – Alterado o gabarito de “c” para “b”

    Área de Ciências da Natureza e Matemática

    Disciplinas: Biologia, Ciências Físicas e Biológicas, Física,

    Matemática e Química:

    Questão nº 10 – Anulada

    Área de Ciências da Natureza e Matemática – Disciplina

    Ciências Físicas e Biológicas:

    Questão nº 36 – Anulada

    Questão nº 66 – Anulada

    Área de Ciências Humanas – Educação Especial:

    Questão nº 56 – Anulada

    Área de Ciências Humanas – Disciplina História

    Questão nº 68 – Anulada

    Área de Ciências Humanas – Disciplina Sociologia

    Questão nº 53 – Anulada

    Área de Ciências da Natureza e Matemática – Disciplina

    Física: prova reaplicada em 30/12/2009, nas Diretorias de Ensino

    Regiões Araraquara e Bauru.

    Questão nº 78 – Anul


  612. Quem quiser o conteúdo pedagógico ou o de Português tenho as apostilas e mando por email – meu email é elissandrabelaarte@yahoo.com.br


  613. em 21 janeiro 2010 às 12:29 embuscadoconhecimento

    Boa tarde a todos!

    Galera da matemática, eu acabei de postar mais uma solução parcial da prova de temporário.

    OBS: do número 60 ao 69.

    Abraços


  614. Olá pessoal.É verdade que dia 26/01 no diário oficial sairam as classificações?
    Um abraço a tds.


  615. em 23 janeiro 2010 às 01:36 Carla Brahim

    Sim, Elena!
    Se nada mudar, a classificação geral dos OFA’s saíra no dia 20/01.


  616. em 23 janeiro 2010 às 01:41 Carla Brahim

    *correção: sairá.


  617. em 23 janeiro 2010 às 01:46 Carla Brahim

    *correção II: 26/01.
    Desculpe-me pelos erros, Elena….estou morrendo de sono!!!


  618. em 23 janeiro 2010 às 10:21 Bruno de Jacarei

    Veja a resolução que saiu ontem dia 22/01/2010 aqui mesmo postado nos outros artigos……


  619. Por favor professor me explique encarecidamente: Sou categoria “S”, trabalho como eventual desde março de 2006. Fiz 45 pontos na prova. Poderei participar das atribuições ou somente eventuar.
    Desde já obrigado


  620. Por favor alguém poderia observar e me informar por que na folha de pagamento no campo cargo, onde sempre (pelo menos no minha folha) estava escrito 6409-prof. educação basica II – e agora aparece escrito ” cargo não cadastrado”???
    No aguardo, agradeço.


  621. Quer dizer que quem não passou na prova e nunca deu aulas antes não poderá dar aulas esse ano? Nem abrir portaria pra eventual?
    Nesse caso que categoria estou e como eu faço pra dar aulas?


  622. Na lista de classificação de Atribuição de Aulas 2010 publicado em 26/01/2010 – não consta a minha classificação e nem o meu nome…
    Sou professora categoria “F”, fiz 29 pontos na prova e tenho mais de 12 anos no magisterio…
    tive amigos da categoria F que fizeram 28 pontos e estão classificados e professor categoria L tb que não passou e está classificada…
    - Quais os criterios para a classificação?
    - Por que meu nome não está na lista?
    - Qual modelo de recurso que deve entrar?
    - Esse recurso, faço pedido pela diretoria de ensino ou unidade sede?
    obrigada pela ajuda


  623. ALGUEM PODE ME ESCLARECER—

    Comecei a dar aulas em 20/02/09, como EVENTUAL dei aulas o ano todo sem pegar aulas atribuidas e se este ano dfe 2010 quem não conseguir aulas atribuidas podera ficar como EVENTUAL???
    Gostaria de saber a qual categoria eu me enquadro,,,agradeço desde já


  624. Saiu alguma informação no sindicato?


  625. AS aulas vão sendo atribuidas, primeiro para quem conseguiu a pontuação minima na prova e depois para os demais, os que não conseguirem aulas, vão eventuar normalmente como no ano passado, substituindo professores que faltarem no dia letivo, ou por outro motivo, como no ano passado.


  626. ola,alguem tem algo concreto para informar sobre a atribuiçao?essa lista q saiu somente com os nomes de quem pasou na prova sao os que vao participar da atribuiçao e oq sobrar de aulas fica para quem nao passou?e isso mesmo ?
    me esclareçam por favor
    obrigada


  627. em 27 janeiro 2010 às 15:41 cintiamatukaj

    isso mesmo carla depois de esgotada todas as alternativas dos aprovados inicia-se a segunda listas entre os dias 12/02/2010 ate o dia 17/02/2010. para os aprovados a atribuição será marcada até o dia 11/02/2010.


  628. É a primeira vez que faço a prova, sou licenciado em filosofia, prestei a prova pela diretoria de ensino de limeira.
    Aonde acho a classificação da prova como professor eventual do estado?

    Atenciosamente,

    Roberson


  629. Dete, você não foi aprovada, não acertou o mínimo-32, será classificada na 2ª lista. Seus amigos é que estão errados, também foram reprovados e não deveriam estar nesta 1ª lista. Não se esqueça os OFAs F (Objetos Fora do Ar), como eu, teremos garantidas 10 aulas (ou horas)mais 2 HTPCs.


  630. ROBERSON

    Você precisa entrar no site http://www.educacao.sp.gov.br, clicar no link “2010 DRHU – classificação p/atribuição de aulas publ. 26/01″ e verificar sua situação no processo, ok!


  631. Graça

    Na boa, isso de voce ter direito a 10 aulas esta meio confuso ainda, as 10 aulas não serão em salas de aulas ministrados, os professores estarão em cargos administrativos, a dispor da direção da escola, o que eu acho um rebaixamento do profissional.


  632. Se a atribuição das aulas será primeiro para os aprovados, nesse caso nesta lista escolhe primeiro os da categoria F e depois L, ou somente uma lista única?


  633. Mari

    Primeiramente serão os da F e depois L, dos aprovados.


  634. Carlos
    Na boa, por isso coloquei parenteses em (ou horas)…categoria F aprovada fica em sala de aula, não aprovada em apoio pedagógico ou sabe-se lá o que. O certo é que teremos garantia de estabilidade no sistema.Quero deixar claro que fui aprovada! e bem! Rebaixamento profissional é passar medade da sua vida numa escola ensinando ( eu sou educadora há 24anos) e ver, ler, sentir o descaso e as ofensas dos nossos colegas por aqui!


  635. Corrigindo…”metade”


  636. Lecionei durante 11 anos e depois parei, porque a minha disciplina de obrigatória passou a não ser e foi extinta depois, e no meu holerit constava a categoria Adm.lei 500/74-FCAO NAT.PERM., a partir daí sai do estado e fiquei muitos anos sem lecionar. Agora com mais estudos e tendo feito outra licenciatura, voltei a lecionar no ano de 2009 do começo do ano até o final. Atualmente estou enquadrada na categoria L e fui bem na prova, o que dá garantia de pontos para a minha escolha, porém ainda tenho dúvidas quanto a minha categoria, pois eu não sou uma professora recém contratada, tenho no meu curriculo fatos que possam reverter esse quadro, então eu pergunto é possível eu passar de L para F?


  637. Mari

    Hugo

    Quanto a atribuição Hugo, essa mesma pergunta sobre a atribuição eu fiz para um supervisor de ensino, o que ele me respondeu que não sabia o que iria acontecer, então como poderemos ter certeza da alguma coisa nesse sentido?


  638. Cadê a apeoesp que não derrubou a atribuição por categorias e não esta fazendo nada pelos professores que não passaram adianta contar vantagens por ser classificatória diante de uma situação destas, é muito humilhante


  639. Gente essa classificação tem que ser por tempo de serviço mais a nota da prova numa única lista porque complicam tanto? Tenho 25 anos de serviço e estou na categoria L. Isso é um absurdo enquanto professores com 4 anos na rede está na categoria F. Sou categoria F em PEB II mas prefiro que essa atribuição não seja por categorias.


  640. O que não falta no Estado é muita criatividade, sabe porque? É criatividade para criar novas leis para complicar a vidas dos professores, criação de bonos sem aumento de salário, criação de categorias para dividir mais ainda os professores, criação de um bibliografia com 40 autores para estudar em um mes para uma prova de eliminação, criação de cargos sem o devido preparo para lidar com os professores, criação de um sistema educacional que não está dando certo, criação de cadernos dos alunos como sugestão para trabalhar em situações precárias em sala de aula, e por ai vai…….Quem quer completar mais esta lista?


  641. Mari

    o governo do estado esta tentando mexer em algumas coisas, o fato é que as vezes erra e as vezes acerta, a prova para docentes foi um desses acertos, o caderno dos alunos não é ruim o fato é que muitos professores não sabiam o conteudo dele, tanto é verdade que muitos não passaram na prova.


  642. Graça

    Legal que voce passou bem, isso é muito bom, mostra para a sociedade que exitem sim bons profissionais na educação do estado, o problema que eu quero partilhar com voce e outros colegas é o fato de não termos agora condições adequadas de trabalho, pelo menos em grade parte das escolas, eu queria ver se 99% dos professors tivessem passado, quem o governo iria culpar pela educação precaria do estado, acho que isso sim seria uma resposta a altura, não fazer o que o sindicato da APEOESP vem fazendo, culpando A ou B pela educação do estado.


  643. Professor

    tenhos dúvidas qto ao acúmulo, ingressei no município em janeiro de 2010, esse acumulo será aceito????? sou categoria F e passei na provinha.


  644. Sabe Carlos,
    Nós, professores mais antigos da REDE, os OFAs F na sua maioria, sempre fomos injustiçados…entra Governo e sai Governo lá estamos nós na fila dos culpados: culpados pelos baixos índices de aprendizagem, pelo nº de abandonos, pelo nº de casos de violências …e por aí vai, só que nunca ninguém por nós, mas contra nós, o mundo!Agora, neste momento a coisa se repete e lá vamos nós Professores (ou Carregadores da educação) sermos bombardeados novamente. Sabe Carlos, queria dizer e pedir a todos para que nos respeitássemos mutuamente e que jamais fizessemos juízo de valores sobre nossos colegas de profissão, pois temos que reconhecer: NOSSA PROFISSÃO É A MAIS IMPORTANTE NA SOCIEDADE E A ÚNICA REALMENTE INSUBSTITUÍVEL…e a história vivida por cada um é única e cheia de razões para que haja, em particular, propósitos LEGÍTIMOS a reivindicar.


  645. Boa tarde!

    Gostaria de saber se está valendo ainda a regra q o prof. F é obrigado a pegar qualquer aula em qualquer período e escola pra completar as 20 aulas semanais?


  646. em 31 janeiro 2010 às 20:29 professortemporario

    Maria

    O acúmulo de cargo em duas redes públicas só é possível se não houver choque de horários e nenhuma das redes é obrigada a ajustar seu horário para permitir esse acúmulo. Assim, você deve negociar seus horários com a direção das escolas de uma maneira que não choque. Se não for possível, você terá que abrir mão de uma delas.


  647. PROFESSOR TEMPORARIO; BOA NOITE .
    UMA INFORMAÇÂO. EU LI VOCÊ EXPLICANDO QUE O PROFESSOR PB1 QUE FEZ “22 PONTOS” ENTRANDO NA JUSTIÇA E TENDO TEMPO DE SERVIÇO PODERÁ SE CLASSIFICAR. ISSO É VERDADEIRO. RESPONDE POR FAVOR..


  648. Boa noite!

    Gostaria de saber se a atribuição será realizada por disciplina ou por area do conhecimento?

    Desde ja agradeço!


  649. Perguntando novamente.
    Lecionei durante 11 anos e depois parei, porque a minha disciplina de obrigatória passou a não ser e foi extinta depois, e no meu holerit constava a categoria Adm.lei 500/74-FCAO NAT.PERM., a partir daí sai do estado e fiquei muitos anos sem lecionar. Agora com mais estudos e tendo feito outra licenciatura, voltei a lecionar no ano de 2009 do começo do ano até o final. Atualmente estou enquadrada na categoria L e fui bem na prova, o que dá garantia de pontos para a minha escolha, porém ainda tenho dúvidas quanto a minha categoria, pois eu não sou uma professora recém contratada, tenho no meu curriculo fatos que possam reverter esse quadro, então eu pergunto é possível eu passar de L para F?


  650. PROFESSOR TEMPORÁRIO
    Por favor! Tem um ERRO no REGRAS DE NOSSA PÁGINA!!!!
    A palavra DESEMPENHO. Seria MUITO bom corrigir.
    Está no campo da pesquisa….
    “A estrutura curricular de ciclos e progressão continuada causa baixo desenpenho de aprendizagem?”


  651. Graça

    Obrigado, já está consertado. Caso ainda apareça com erros em seu navegador, é pq a página está armazenada em seu computador (para rapidez). Porém, para os outros usuários que acessarem a página, esta estará com a escrita correta de desempenho.


  652. Professor Temporário
    De nada! e me desculpe, mas corrigir é função de educador. Parabéns pelo site.


  653. Graça

    Eu apenas ajudo o real professortemporario (autor da idéia e quem se empenhou em colocar o blog pra frente).


  654. em 2 fevereiro 2010 às 12:10 silvia coutinho

    Por favor,voces podem me dizer quando e onde sairá o gabarito da promoção por merecimento, sou pebI, e lá disseram que sairia hoje. Nao estou encontrando.


  655. Silvia

    O gabarito saira´amanha no site da cesgranrio com certeza.


  656. achei uma parte desse blog onde os professores não se agridem, vamos continuar assim !!
    parabéns!!!!!!!!!!!!!!!!


  657. fiz a prova (processo de promoção), estava muito fácil, não se compara com processo seletivo, o que este governo quer fazer?


  658. Silvia
    Os gabaritos de diretor,supervisor já está disponível no educacao.


  659. Professores

    Temos que estarmos juntos, eu queria saber se alguem sabe da manifestação que ocorrera sexta feira realizada pela APEOESP, se alguem vai, vai ser em frente o predio da secretaria, sera para que o professor formado que não passou, passe na frente do professor estudante que passou, o que voces acham, eu desde ja não sou a favor, o professor esta sendo usado como manobra politica


  660. Quando saiu a prova, a APEOESP sumiu, não se manifestou, não mostrou mobilização, não no sentido de acabar com a prova, mas no sentido de fazer com que os professores estudassem mais, e que mostrassem para a sociedade e principalmente para o governo que estamos aptos para exercer a função, não que a prova seja criterio para dizer se o professor é bom ou ruim, cada um tem uma opinião, mas abandonar o professor ao DEus dara nesse momento, foi um grande erro da APEOSP, agora acho humildemente que devemos estar juntos sem precisar talvel de um sindicato.


  661. como faço o cálculo da prova seletiva? se acertei 56 qto tirei na prova????


  662. Professor!

    Sou efetiva do município e categoria F no estado, não quero sair de minha cidade, caso passe no concurso do estado o que acontece? sou obrigada a ir fazer a escolinha em s.paulo? se não for perco a categoria F????

    obrigada


  663. Boa tarde!

    Gostaria de saber se é verdade que a quarentena reduziu para 6 meses?

    Agradeço desde já!


  664. Maria

    É preciso compreender mais profundamente, pois percebo que você está um pouco desinformada. Enquanto categoria F, você tem ESTABILIDADE. O que é isso? É uma espécie de “garantia” de emprego adquirida por meio de legislação própria, sem obrigatoriedade de participação em concurso público. Enquanto você pertencer a esta categoria, terá direito a um salário mínimo de 12 aulas, caso não tenha aulas atribuídas, e a quase todos os benefícios do efetivo. O que provavelmente dê margem à dúvida é o fato de, se já há uma estabilidade que garanta um mínimo de salário, fora as aulas atribuídas, completando o quadro pretendido, e que, tendo participado de um único processo seletivo, já não há mais necessidade de se participar dos demais (a não ser que queira melhorar sua classificação), para que prestar concurso? O concurso dará a você o direito apenas de ser efetivo. O que ocorre é que, se você passar no concurso, terá APENAS UMA VANTAGEM: TER AULAS ATRIBUÍDAS ANTES DA CATEGORIA F (a qual você pertence hoje). Tirando isso, é só desvantagem: concurso, curso “preparatório” com 80% (ou 75%) do salário, seguido de prova de conhecimentos e estágio probatório de 3 anos. Nem mesmo o professor efetivo, hoje ou futuramente, tem ou terá a vantagem de ganhar um salário mínimo sem precisar trabalhar por ele. Imagine os demais colegas professores das outras categorias, como não estão em desvantagem! É culpa do professor? Obviamente que não. Mas, certamente, alguém tem culpa por esse tratamento tão diferenciado. Consegue entender a sua condição e a divisão real da categoria? Agora, decida se você quer ou não prestar concurso, Maria. Boa sorte!


  665. Pra mim, acredito que o concurso valha a pena. Fui admitida em 2007, portanto ainda tenho chão a percorrer… Fui bem na prova dos OFAs e passei em mais um concurso agora no início do ano, ficando em terceiro lugar. Desse modo, acredito estar passando por um momento “interessante”, inspirador.
    Não tenho filhos e tenho um companehiro para dividir as contas, portanto a redução de salário por alguns meses não será gostosa mas será suportável.
    São realmente muitos ângulos a serem analisados, cada caso é um caso.

    Agora…
    Como a educação nesse país é uma “caixa preta”, vai saber o que acontecerá com os OFAs a partir do ano que vem. Com a entrada de efetivos na rede e o processo seletivo acontecendo todo ano, sendo sistematizado, entrarão mais pessoas na rede, portanto, a cada dia, o OFA encontrará menos vagas.

    abraços


  666. tenho uma dúvida, F e L tem estabilidade, mas não entendo porque a categoria L só até 2011?
    Os que são L hoje, e conseguirem pegar aulas, se enquadrarão da categoria F em 2011?

    Vera Lucia


  667. Vera Lucia

    Apenas os professores categoria F têm a estabilidade garantida pel lei vigente, os categoria L encontram-se em situação de “permanência” até 2011, depois disso, estarão enquadrados nos termos da Lei 1093/09. A não ser que passem em concurso. Aí, serão efetivos, ok!


  668. Para refletirmos:

    Não podemos deixar de ter como foco em nosso trabalho o SER HUMANO. Precisamos valorizar as pessoas. Uma frase de Walt Disney ilustra bem essa idéia: “Você pode sonhar, criar, desenhar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo… Mas é necessário TER PESSOAS para transformar seu sonho em realidade”. Estamos envolvidos com pessoas em nosso dia a dia: alunos, professores, pais, coordenadores, orientadores e diretores e, por isso, precisamos aprender a trabalhar em equipe para obter uma instituição forte, competente e coesa. A qualidade é obtida através do esforço de todos os seus integrantes, onde cada profissional é importante e cada aluno também. A escola é uma organização humana em que as pessoas somam esforços para um propósito educativo comum.

    O governo é o único agente que pode nos ajudar.


  669. O governo é o unico agente que pode nos ajudar, oferecendo uma sala de aula com 35 alunos, um salário digno para que possamos fazer bons curso …


  670. *** antes que me corrijam: bons cursos…


  671. Leoni

    Concordo com voce, ja que o governo quer aplicar provas para professores, deveria aplicar provas tambem para os alunos, para que os professores que passaram, ter tambem os alunos que passaram.


  672. em 4 fevereiro 2010 às 17:36 professortemporario

    Maria

    o professor estabilizado pela lei 1010/07 tem como obrigação apenas fazer a inscrição na unidade sede e na internet para o processo seletivo de temporários e assumir qualquer saldo de aulas que lhe seja atribuído. Esse professor não é obrigado a fazer o concurso para efetivo ou a prova para promoção por merecimento.

    Assim, se você fizer o concurso para efetivo e for aprovada, na hipótese de ter que fazer o curso de formação na capital, você não perde nada relativo a sua condição de professora estável da categoria F se simplesmente não se apresentar para o curso de formação. Mas, se fizer isso, estará abrindo mão do seu cargo efetivo decorrente dessa hipótese de aprovação no concurso público.


  673. Bom dia! Em primeiro lugar parabéns pelo site, o qual venho acompanhando há algum tempo. Parabéns pela iniciativa e ajuda! Tenho uma dúvida que já enviei à Fundação Carlos Chagas e ainda não obtive resposta… Eu possuo 2 licenciaturas plenas (1 em História e 1 em Filosofia) e gostaria de saber se poderei realizar 2 provas e se terei que pagar 2 inscrições. Ainda não obtive resposta, estou esperando isso a semana inteira e nada e, com isso, ainda não me inscrevi para o concurso. Alguém saberia responder? Obrigado!


  674. João Marcos

    Na parte do edital da FCC, item 4 e subitens, há a resposta para sua pergunta sobre a possibilidade de realizar ou não as 2 provas.

    “4. Ao se inscrever, o candidato deverá indicar no Formulário de Inscrição o Código da Opção da Diretoria de Ensino (Anexo II das Instruções Especiais SE 1, de 24/12/2009), à qual ficará vinculado para as fases do Concurso, tais como realização das provas, entrega dos títulos e dos recursos, e o Código do Campo de Atuação/Disciplina (Título C deste Edital) e da barra de opções do Formulário de Inscrição.
    4.1 É recomendado ao candidato observar atentamente as informações sobre a aplicação das provas (Capítulo VI, item 3 e seus subitens das Instruções Especiais SE 1, de 24/12/2009) uma vez que só poderá concorrer a um Campo de Atuação/Disciplina por período de aplicação das provas:
    4.1.1 Primeiro período de aplicação para os candidatos inscritos para as disciplinas de: Língua Portuguesa, Matemática, História, Química, Educação Física, Biologia e Sociologia.
    4.1.2 Segundo período de aplicação para os candidatos inscritos para as disciplinas de: Inglês, Ciências Físicas e Biológicas, Geografia, Arte, Física, Filosofia, Educação Especial – Deficiências: Auditiva, Física, Mental e Visual.
    4.2 O candidato que efetuar mais de uma inscrição por período de aplicação das provas terá apenas a última inscrição confirmada, por período de aplicação.” destaque meu.

    Caso faça as duas inscrições, terá que pagar ambas.


  675. olá sou peb I e fiz 28 pontos, nunca lecionei no estado mas tenho 10 anos na rede particular, em que lista estarei?


  676. em 5 fevereiro 2010 às 16:26 silvia coutinho

    Por gentileza, me informem se saiu o cronograma de peb I com os locais e horários da atribuição? Sou da Sul 3 Capital


  677. Professor! O professor categoria F pode tem direto a afastamento?


  678. O professor categoria F, que não atingiu os 40 pontos do provão poderá exercer as funções de vice-diretor.


  679. Meu caso é diferente:
    Sou da categoria L: Lecionei até junho/2009.
    Passei na prova classificatória.
    Estou grávida de 05 meses. Terei que fazer laudo médico.
    Existe a possibilidade de não ter aulas atribuídas devido à gravidez e/ou mesmo ser considerada inapta no laudo médico?
    Agradecida.


  680. em 7 fevereiro 2010 às 14:04 professortemporario

    Vera Lúcia

    Acreditamos que o fato de você estar no 5° mês de gravidez não a prejudique, pois pela legislação até o 7° mês você poderia trabalhar.


  681. VERA LUCIA

    FIQUE TRANQUILA EU PASSEI POR ISSO E NÃO TEM PROBLEMA ALGUM .COMO DISSE PROFESSORTEMPORARIO TEM UMA LEI A SEGUIR. FIZ O LAUDO MEDICO NORMAL E GRAVIDINHA COMO VOCE A SAUDE ESTÁ MUITO BEM ACOMPANHADA SÓ LEVE O SEU ULTIMO PAPANICOLAU, POIS O MEDICO CLINICO GERAL ME PEDIU.LEVE TAMBEM SUA CARTEIRINHA DO OBSTETRA QUE TE ACOMPANHA É MELHOR LEVAR PARA MAIS CASO PRECISE.NÃO SEI SE VC É PEBI OU PEBII MAS EU TE ACONSELHO CASO SOBRE SOMENTE SUBSTITUIÇÃO DE UM MES OU DOIS PEGUE, NO SEU CASO COMPENSA QUE LOGO VC ESTARÁ AFASTADA SÓ PARA VC NÃO FICA SEM NADA. BOA SORTE NA ATRIBUIÇÃO E NO SEU PARTO!


  682. OLá queria saber com ficar minha situação pois eu acertei só 28 questões eu sou ofa .
    EU posso pegar o resto da aulas que sobrou dos professores que passou.
    ME responde por favor ..
    Obrigado..


  683. Taty

    Pelo que li na Diretoria de Guaratingurtá, você poderá escolher
    “Saldo remanescente da etapa complementar
    para docentes e candidatos à contratação que
    realizaram a prova mas não alcançaram os índices
    exigidos”


  684. professor temporario o senhor ainda não respondeu a minha pergunta…


  685. e não menha me dizendo que tem pergunta especifica para esta pergunta…


  686. Professor!

    Por favor, o professor categoria F tem direto a afastamento?


  687. Professor temporário li o texto acima sobre a categoria L que diz: Até o dezembro de 2011, os professores L mantém os direitos da lei 500 e poderão renovar seus contratos na próxima atribuição, desde que não percam o vínculo. No meu caso peguei aulas livres em março de 2009 elas serão “minhas” até o próximo 17/02 então quer dizer que se na atribuição dessa semana eu não conseguir pegar aulas eu não mantenho esses direitos da lei 500? No caso o que ocorrerá na minha situação?? Obrigada, abraço!


  688. em 9 fevereiro 2010 às 21:44 embuscadoconhecimento

    Olá galera da MATEMÁTICA!

    Bom, eu postei a solução de metade dos testes da parte específica em meu blog.

    Eu não sei quando poderei postar a outra metade, pois é uma tarefa que demanda tempo. Portanto, eu sugiro que TODOS votem na enquete que está no blog:

    Quais foram as 10 questões MAIS DIFÍCEIS da prova de matemática para OFA?
    Nessa enquete vcs poderão escolher 10 questões.

    Votem o mais rápido possível, pois assim que eu tiver um número razoável de votos eu postarei as soluções dos testes mais escolhidos.

    OBSERVAÇÃO: Os 10 mais difíceis compreendidos entre os testes 21 e 49. Os demais estão no blog.

    Espero que essa minha iniciativa esteja contribuindo para a preparação de vcs.

    Abraços


  689. Hoje, 09/02/09, a APEOESP conseguiu liminar judicial que determina à SEE que classifique os professores contratados pela Lei 500/74 (OFAs “F” e “L”) em lista distinta dos professores categoria “O”, e que dê o direito dos mesmos escolherem aulas na frente daqueles, isto é, dos contratados pela Lei 1.093/09 – categoria “O”.
    Na prática, isso possibilitará que os professores habilitados, também escolham aulas na frente dos não habilitados.


  690. ola,gostaria de saber se a apeoesp pretende entrar com alguma ação para impedir que nós da categoria L tenhamos que cumprir o gancho de 200 dias em 2012 e sera que essa resolução vai cair?não é possivel alguem trabalhar ano sim e ano não….alguem sabe informar se as aulas de reforço são livres até dezembro ou até a proxima atribuição em 2011?obrigada


  691. Boa tarde caro professor temporario!

    Preciso que você me esclareça uma duvida a respeito da atribuição. Fui aprovado no processo seletivo para o cargo professor de matematica, e peguei 30 aulas na atribuição, só que acabaram de me chamar para assumir aulas no municipio, onde fui aprovado em concurso público, gostaria de saber se posso desistir de algumas aulas do estado?

    Obs: Fui contratado pela lei 1093

    Desde já agradeço!


  692. Wanderson

    Como as mudanças não param de acontecer, sugiro que você leve seu caso à D.E. ou à diretora da escola onde teve aulas atribuídas, ok!


  693. Olá embuscodoconhecimento, qual seu blog por favor ? Valeu sua iniciativa… obrigada!!!!!!!!


  694. achei , achei….


  695. Ola professor Lucivelo, a respeito do meu caso você acha que se eu desistir de uma sala eu perdo as outras?
    Obrigado!


  696. Boa noite, gostaria de saber a seguinte situação
    O professor que pegou aulas no inicio de 2007 como professor aluno area de Filosofia (ainda não havia terminado o curso) automaticamente fica como PEBI e ao termino do curso ao levar o diploma para a secretaria que informou que ao mudar de aluno para formado ou seja se mudar de PEBI para PEBII mudaria de categoria deixando de F para ser L. As perguntas são:

    Não estaria infringindo a lei, que diz que todo professor formado deve apresentar diploma para atualização de cadastro ?

    Pegar aulas de PEBII (Filosofia) não esta errado uma vez que ainda é considerado PEBI ?

    Alguem pode abrir um processo administrativo por isso? Pois o governo pode entender que há uso de má fé, só para garantia das 12 aulas caso não pegue aulas na atribuição?


  697. Boa noite…

    Gostaria que me esclarecessem umadúvida sobre categoria “L” e “O”.

    trabalho de eventual no estado desde fevereiro/2008, sendo que em setembro/2008 foram atribuidas aula livres até 02/2009, quando voltei a eventuar até junho/2009 quando foi atribuida uma licença de 30 dias e continuei eventuando até dezembro/2009.

    Em qual das categorias estarei enquadrado atualmente?


  698. em 10 fevereiro 2010 às 23:08 professortemporario

    Wanderson

    Oito ou oitenta. Não é possível para o professor contratado pela 1093 desistir de algumas aulas na rede estadual. o que pode ser negociado é o acúmulo de cargo, desde que você consiga assumir as aulas no município em um período diferente do que você leciona no Estado.


  699. fui contratado pela lei 1093, gostaria de saber se o gancho pode me prejudicar no concurso na hora de assumir. E se posso largar as aulas caso precise, para fazer o cursinho do estado?


  700. TATY

    Que confusão! Calma! CONCURSO é muito diferente de PROCESSO SELETIVO. O edital do concurso é que vai ditar as regras, mas, a princípio, ao ingressar, você terá de se dedicar ao cursinho de 4 meses, com salário reduzido (75% ou 80%) e ainda passar em outra prova de conhecimentos para poder ingressar . Leia o edital do concurso e a Lei 1094, de 17-07-2009, ok!


  701. José Alfredo

    A confusão em torno dessas categorias ainda é grande; então, peço-lhe que leve seu último demonstrativo de pagamento à D.E. ou à escola onde tenha tido aulas atribuídas e esclareça sua dúvida, ok!


  702. O professor categoria F, que não atingiu os 40 pontos do provão poderá exercer as funções de vice-diretor.


  703. Professor cadê você? Li o texto acima sobre a categoria L que diz: Até o dezembro de 2011, os professores L mantém os direitos da lei 500 e poderão renovar seus contratos na próxima atribuição, desde que não percam o vínculo. No meu caso peguei aulas livres em março de 2009 elas serão “minhas” até o próximo 17/02 então quer dizer que se na atribuição dessa semana eu não conseguir pegar aulas eu não mantenho esses direitos da lei 500? No caso o que ocorrerá na minha situação?? Obrigada, abraço!


  704. Olá…
    Não sei se indignação é a palavra correta para demonstrar tamanha falta de consideração com os que estão iniciando sua carreira no Magistério…Sou professora formada em Pedagogia – 1º ao 5º ano, mais formação específica em Educação Infantil, além de estar cursando a Pós graduação de LIBRAS e Psicopedagogia…tive 51 acertos na avaliação dos temporários, no entanto, não consegui uma aula se quer no processo de atribuição…aff…quem acertou 10 ou 15 questões, não foi classificado, mas esta sendo chamado para o processo de saldo de aulas…eu não posso acreditar que alguém que não teve a capacidade de estudar e conseguir o minimo de pontuação na prova esta na minha frente e eu que estou na luta ( estudando e batalhando por uma vaga ) não consegui…muito triste isso…
    Desculpem, mas precisava desabafar…


  705. A falta de respeito é com todos!! , iniciando carreira, final de carreira e meio termo o governo não esta poupando ninguem esse ano, e muito menos vai poupar daqui para frente é só esperar para ver o final dessa comédia meio drama…a falta de estudo não compete a nós falar , pois cada sabe de sua vida , e quem somos nós para julgar … estamos todos no mesmo barco , um dia da caça outro do caçador…muitos não conseguiram por “n ” motivos que para mim não importa , o que importa é nossa categoria de professores, esqueça as letrinhas… sermos respeitados .


  706. Achei esse poema em um site achei legal postar: A educação em construção

    Compreensão….
    É isto que falta à educação.
    O professor aprender a se valorizar,
    Pois o mesmo, adquire muitos saberes
    Se prepara para isto realizar
    Empilha idéias e idéias para praticar

    Porém, ao entrar em sala de aula
    Somente o teórico não basta
    Precisa buscar conciliar
    A pratica com a teoria
    Para poder o discente cativar
    Fazendo que ele possa internalizar
    Conhecimentos para na sua vida aproveitar

    De fato, o educador…
    …artimanhas vai aprendendo
    Como tampouco não sabia
    Um baú completo de ingredientes
    Prontos para serem melhorados
    No transcorrer do tempo

    Ah, exercer esta profissão,
    De simples, só na imaginação
    Às vezes, o desânimo
    Edifica o coração
    E opera a escravidão
    Do profissional desta missão

    Dia, após dia,
    Enfrentando este quartel
    Que exigem inovação
    E, libertação da…
    …ditadura da informação

    Os docentes
    Foram tomados
    De súbita emoção
    Que a alfabetização
    Se tornou neste milênio

    Porém, a gratificação
    Está num olhar de entendimento
    Num agradecimento,
    De um sorriso de outra dimensão
    Palavras que escaparam do caldeirão
    Fechado e cheio de assombração
    Da era da tecnologia
    Na qual tudo parece
    Tão fácil e com solução

    São casas vazias que…
    …abriram as suas janelas
    Para absorver os encantos
    Desta geração em reconstrução
    Reaprendendo o significado
    De uma boa educação.

    de Rosilei Heck Lauschner
    Tunápolis – SC – por correio eletrônico


  707. Pessoal,
    Acabei de ser notificado que a atribuição dos OFAS foram canceladas e haverá uma nova atribuição…!!
    Deus ouviu nossas preces!!
    Graças a Deus!!!

    Aos outros colegas que estão indignados…. deixo o seguinte comunicado: A NOVA PEDAGOGIA DIZ QUE NÃO DEVEMOS JULGAR OU AVALIAR O CONHECIMENTO DE ALGUÉM SIMPLESMENTE COM UMA PROVA…. mas sim com o seu desenvolvimento do dia-a-dia…
    Aos muitos que foram aprovados e estão de “glorificando” digo a vocês: Vão ministrar aulas… para depois falarem alguma coisa… pois só quem está dentro… sabe o que passamos….
    Quando vocês estiverem pelo menos com uns 3 anos trabalhando no Estado, irão entender nossa indignação…
    Eu sou categoria F e acertei 65 questões e nem por isso fico humilhando ou excluindo os nossos colegas que não passaram…
    Será que vocês não entenderam que esse Governo que ver a classe dos professores desunida??? Por que desunida??? Para que não possamos contar com os nossos colegas para reivindicação dos nossos direitos….


  708. em 11 fevereiro 2010 às 19:16 PROFESSORA INDIGNADA

    POR FAVOR ME RESPONDAM

    E VERDADE QUE A ATRIBUIÇÃO PAROU HOJE DEVIDO ESTAREM ATRIBUINDO AULA PARA ESTUDANTE E BACHAREL NA FRENTE DOS HABILITADOS.
    SE FOR VERDADE PARABENS PARA ESSE JUIZ QUE CONCEDEU A LIMINAR QUE JUSTIÇA SEJA FEITA.
    PAULO RENATO DITADOR.


  709. Vinicius
    A liminar caiu amigo!


  710. Carlos…
    As escolas foran notificadas pelo final da tarde, terão que mandar novamente o saldo de aulas….
    as escolas foram notificadas no final desta tarde!!!
    Verifique em sua Escola


  711. Atualmente estou com apenas 10 aulas e foi o que sobrou e recebi de mérito por ter passado na prova e com duas licenciaturas mais uma especializações pedagógica e técnicas, isto porque não estava lecionando em 2007 e já com onze anos de experiência como professora no estado mais um ano em 2009. Conclusão , fiquei atrás de professores com bem menos experiência e pontuação. Essa sopa de letrinha não deu certo. Uma lista única já.


  712. Isso de Liminar não sai na midia né ? palhaçada que esse governo ……faz com nossa categoria é td abafado, sendo nós os patinhos feios , ele o lobo sedento de fome… não sai nada a nosso favor , eu acho que tinhamos que nos unir, pessoal que esta sendo prejudicado , seje lá a letrinha que for e entrar com alguma coisa contra ele , isso é falta de respeito… pressão, passar constrangimento em pegar aula, e deixar, ficar para trás . Lembrando não estou tomando partido de lado nenhum , aprovado e reprovado…estou do lado de tds colegas de profissão…. isso é mexer com nossa reputação, nossa moral fazer de tonto… mexeu com nossa moral tem que dar um BASTA nisso mostrar que estamos aqui….


  713. em 11 fevereiro 2010 às 20:19 mariaaparecida

    ANDREA

    Essa informação que vc passou, ”O professor categoria F, que não atingiu os 40 pontos do provão poderá exercer as funções de vice-diretor”’, falta um complemento. Vale para aqueles que já estavam como vice .
    a minha ex-vice que continuará sendo minha vice não atingiu os 40 pontos, mas continuou no cargo pq o diretor autorizou. Vale lembrar que hoje estive na escola para levar o modelo drhu e ela continua a mesma, dedicada e pelo jeito competente como sempre demonstrou.

    Quem não era vice não pode iniciar agora, nem tendo 30 anos de estado
    se eu estiver errada por favor me corrija.


  714. Concordo com vc Prof Paula , isso é um tremenda falta de respeito fazer de fantoche dele… manipular…sinceramente tenho vergonha dessa situção…. que o governo chegou….


  715. ops! situação..


  716. Maria Aparecida
    Eu nâo sei tb estou apenas perguntando….O professor categoria F, que não atingiu os 40 pontos do provão poderá exercer as funções de vice-diretor”?????? será que o diretor vai poder convidar? beijos obrigada


  717. “OS PROFESSORES OFA DA CATEGORIA “L” são aqueles admitidos pela lei 500/74 entre junho de 2007 e julho de 2009 e hoje são considerados temporários, contratados apenas pelo período do ano letivo, sem registro na carteira de trabalho e sem o recolhimento do FGTS. Serão selecionados entre os que conseguirem notas iguais ou superiores a 5,0 no processo seletivo, para lecionar as aulas que sobrarem da categoria F.”

    Considerando o exposto imaginei ser da categoria L, conforme classificação na atribuição de aulas.

    Mas, fui informada pelo secretário que, como pedi dispensa em 16/06/2009 para assumir efetiva como AOE ficarei agora na categaoria O.

    Procede? Visto que estou grávida de 05 meses e terei que usar o SUS.

    Se puderem me dar um parecer o mais breve possível agradeço, pois precisarei me exonerar do cargo AOE, e quero fazer isto consciente.

    Grata.


  718. Qual é a novidade em relação a aula de reforço,e em que lei

    ela se enquadra?


  719. Professor vc pode responder

    O professor que pegou aulas no inicio de 2007 como professor aluno area de Filosofia (ainda não havia terminado o curso) automaticamente fica como PEBI e ao termino do curso ao levar o diploma para a secretaria que informou que ao mudar de aluno para formado ou seja se mudar de PEBI para PEBII mudaria de categoria deixando de F para ser L. As perguntas são:

    Não estaria infringindo a lei, que diz que todo professor formado deve apresentar diploma para atualização de cadastro ?

    Pegar aulas de PEBII (Filosofia) não esta errado uma vez que ainda é considerado PEBI ?

    Alguem pode abrir um processo administrativo por isso? Pois o governo pode entender que há uso de má fé, só para garantia das 12 aulas caso não pegue aulas na atribuição?


  720. em 12 fevereiro 2010 às 10:15 Lilian Pugliese

    Não sei se esse assuntos já foi discutido aqui, mas tenho acompanhado o site e não vi nada a respeito, caso tenha me enganado peço desculpas, mas essa é nova para mim:

    Sou estudante de último ano de geografia, nunca lecionei, e conforme a Portaria DRHU 9 de 28-1-2010:

    “VIII – 08 e/ou 09/02/2010 – Fase 2 – Diretoria de Ensino,

    de acordo com calendário fixado e divulgado por cada uma das

    Diretorias de Ensino:

    a) aos docentes ocupantes de função-atividade abrangidos

    pela L.C. nº 1010/2007;

    b) aos demais docentes ocupantes de função-atividade e

    candidatos à contratação.”

    Compareci as atribuições no dia 09/02 (candidados a contratação), e apesar de sobrarem aulas dos professor categoria “L” não me permitiram a atribuição, pois me informaram que alunos de último seria no dia seguinte.

    Não desisti e voltei no dia seguinte.

    Muitos professores de outras formações (sociologia principalmente) queriam as aulas que sobraram, mas seguinte legislação que o pessoal da DE tinha nas mãos a preferência dessas aulas eram minhas.

    Pois bem, atribui elas, assinei tudinho e compareci na escola.
    Como o dirtor não estava na escola, deixei meus dados e ele entrou em contato comigo por telefone.

    Ele perguntou onde era minha sede e eu disse que ainda não tinha sede aberta.

    No dia seguinte (hoje) me telefonaram da escola dizendo que eu não posso ficar com essas aulas.

    Isso entra em contradição com o documento que o pessoal da DE tinha em mãos!

    Agora, eu preciso saber:

    - Eu realmente não tenho direito a essas aulas? Caso contrário, quais procedimentos devo ter para garantir meus direitos e assumir as salas?

    Muito obrigada!


  721. Boa tarde Professor temporario,

    Gosto muito desse site e tenho acompanhado seus comentario e textos….

    Sou aluna do ultimo ano (ciências da natureza – biologia), categoria L, passei na processo seletivo.

    Tenho uma duvida que esta me deixando muito inquieta.
    Os não aprovados no processo seletivo, mas que são da categoria F, tem direito de assumir aulas antes dos alunos do ultimo ano aprovados?????

    Preciso muito dessa resposta para dormir tranquila.
    Desde já obrigada.
    Abraço.


  722. Pessoal aki na minha DE de manha estavam cogitando cancelamento, mas ocorreu normalmente … uma pena prof indo para cidade 100 km ….


  723. Vamos ter calma pessoal. Os professores que não foram aprovados e fizeram a Avaliação de Mérito ainda tem mais uma chance de se classificarem e ser aprovados do Processo Seletivo.

    Olhem o que diz a Resolução SE 8, de 22-1-2010

    Dispõe sobre a classificação de docentes e candidatos à contratação temporária no processo seletivo para atribuição de classes e aulas da rede estadual de ensino e dá providências correlatas

    Artigo 6º – para os docentes abrangidos pelo disposto no § 2º do artigo 2º da Lei Complementar 1.010/2007 , a aprovação no concurso público de provas e títulos, promovido por esta Secretaria da Educação, ou o aproveitamento de, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) na Prova de Promoção, de que trata a Lei Complementar 1.097, de 27-10-2009, poderá, observado o campo de atuação, ser considerada como de participação e aprovação na prova do processo seletivo de que trata o artigo 2º desta resolução, efetuando-se a correspondência da pontuação obtida.
    Ainda há uma luz no fim do túnel!

    Abraços e boa sorte a todos!


  724. em 12 fevereiro 2010 às 21:31 professortemporario

    Vera Lúcia

    Procede. Ao pedir dispensa das aulas seu contrato pela lei 500/74 foi rompido e após a publicação da lei 1093/09 em julho de 2009 ficou proibida a realização de novos contratos pela lei 500. Assim, se você saiu em junho de 2009 e retornou a rede depois de julho de 2009, ou não retornou, você se enquadra na categoria da lei 1093, no seu caso O, com a obrigação de cumprir o gancho de 200 dias


  725. A minha situação é a seguinte: 1ºcomecei a lecionar no Estado durante os anos 80 durante dez anos, depois sai em 91,pois a disciplina que eu lecinava caiu do currículo escolar,então muito revoltada,sai. Voltei para lecionar, agora com mais cultura e estudo o ano de 2009 inteiro. Conclusão estou na categoria L, sendo eu eu passei na prova acima da média e com pontos do meu tempo de serviço, mas essa categoria me trouxe apenas um número reduzido de aulas, sendo que outros professores com menos tempo e pontuação na prova escolheram na minha frente ,no total pude escolher apenas dez aulas.Belo presente não?


  726. professor temporario ou Lucivelo
    com essa bagunça de informações, tenho muitas duvidas agora, comecei dar aulas no inicio do ano 2009, peguei reforço até julho, logo após as ferias só eventuei, e agora a qual categoria pertenço, sou L ou O,entro no gancho dos 200 dias? não consegui pegar aulas na atribuição pois não fui aprovada na prova, acertei somente 39 questões, vou poder eventuar neste ano?


  727. em 13 fevereiro 2010 às 11:31 mariaaparecida

    ANDREA

    Minha querida colega , leia novamente acima eu não sou só profª, to sem, tempo de responder tudo de novok,. foi oq ue eu li.
    VALE P QUEM JÁ ESTAVA COMO VICE.
    ,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
    PROCURA NO SITE DA EDUCAÇAÕ A RESOLUÇÃO

    Pergunta p seu diretor. FUI


  728. O que acontece com os professores da categoria F e passaram na prova que não pegaram aula, muda de categoria ou estão fora de tudo?


  729. em 13 fevereiro 2010 às 20:02 cintiamatukaj

    LÉTICIA
    OS PROF. CAT. F QUE FORAM APROVADOS E ESTÃO SEM AULAS DEVERÃO CUMPRIR AS DOZE HORAS NA U.E ATÉ QUE CONSIGAM AULAS ATRIBUÍDAS SUPERIOR A 12 AULAS.


  730. Oi ,Cintia obrigada por responder minha dúvida. O problema é que eu perdi a primeira atribuição por motivos particulares e não consegui chegar a tempo , então não sei como fica minha situação e o pessoal da atribuição ¨educados¨ como vc já deve imaginar disse que fosse atrás dos meus direitos,porém na DE ninguém sabe me informar…. Claro que não pedi para ninguém me passar na frente, mas pelo menos dissessem o que fazer.
    E´vida de professor não é fácil o que era uma linda profissão está virando cenário de filme de terror ou de comédia para quem criou tudo isso , que pena diante disso tudo se alunos já não nos respeitavam agora muito menos ,que decepção.bjs


  731. em 13 fevereiro 2010 às 20:48 cintiamatukaj

    léticia os ofa categoria F que não comparecem as atribuições teem as aulas atribuidas compulsoriamente. se vc é cat.F foi aprovada e perdeu a atribuição devem de acordo com a legislação atribuirem aulas a vc compulsoriamente isso se chegou na sua classificação. Se não fizeram isso vá o quanto antes atras de seus direitos senao vc fica impedida de lecionar este ano 2010 e no proximo ano vc vem com cat. L. não perca tempo…


  732. em 13 fevereiro 2010 às 20:51 cintiamatukaj

    leticia se ser educadora é um Dom com certaeza também deve ser uma paixão, não desanime os jovens e as crianças precisam de nós como também precisamos deles, apesar de as vezes nos tirarem do sério acredito que nos querem bem pois dependem de nós para sua formação. não deixe sua paixão morrer e vá atras de seus direitos vc tem muitos…


  733. MARCIA

    Existem fatores a se levar em conta. Seu nome está na 2ª lista? Se está, você ainda tem como ter aulas remanescentes atribuídas. Caso não, leve seu demonstrativo de pagamento à D.E. onde esteja vinculada e informe-se sobre sua categoria e se você poderá atuar como eventual, pois há muitas medidas que serão tomadas depois do carnaval, ok!


  734. OS PROFESSORES NÃO SÃO VALORIZADOS SOCIALMENTE COMO MERECEM, NÃO ESTÃO NOS NOTICIÁRIOS DA TV, VIVEM NO ANONIMATO DA SALA DE AULA, MAS SÃO OS ÚNICOS QUE TEM O PODER DE CAUSAR UMA REVOLUÇÃO SOCIAL.COM UMA DAS MÃOS ELES ESCREVEM NA LOUSA, COM A OUTRA, MOVEM O MUNDO, POIS TRABALHAM COM A MAIOR RIQUEZA DA SOCIEDADE: A JUVENTUDE.CADA ALUNO É UM DIAMANTE QUE, BEM LAPIDADO, BRILHARÁ PARA SEMPRE.
    PROFESSORES HOJE ESTOU MUITO TRISTE COM A NOSSA CATEGORIA , POIS FOMOS JOGADOS NO LIXO COMO UM PAPEL USADO, DEPOIS DE ANOS SE DEDICANDO A NOSSA EDUCAÇÃO, VI AMIGOS DE 10,15,20,25 ANOS DE SALA DE AULA SEM AULAS. ESSA CLASSIFICAÇÃO FOI DESONESTA, POIS NÃO LEVOU EM CONTA O NOSSO TEMPO. VOCÊS QUE PASSARAM NA NOSSA FRENTE UM DIA VÃO SER JOGADOS NO LIXO COMO NÓS E AÍ VAI DOER, ESSE GOVERNO ESTÁ MASSACRANDO NÓS EDUCADORES E TODOS TEMOS QUE NOS UNIR E FAZER VALER DOS NOSSOS DIREITOS, LEEM O TEXTO ACIMA OLHA O NOSSO PODER É SÓ USAR.
    NÃO SOU CONTRA A PROVA MAIS QUE CLASSIFICASSE TODOS COM OS ACERTOS DA PROVA E O TEMPO DE SERVIÇO E NÃO COMO FOI FEITO E QUE A PROVA TERIA QUE SERVIR COMO UM TERMOMETRO PARA MELHORAR A EDUCAÇÃO E NÃO EXCLUIR, FALAM DE EXCLUSÃO E O QUE FIZERAM COM NÓS PROFESSORES EXCLUSÃO.

    UM ABRAÇO E DIVIDO COM TODOS ESSA EXCLUSÃO,POIS ME SINTO UM LIXO


  735. Dicas para professores iniciantes

    Prepare-se

    Às vésperas da primeira aula, um professor pode ter algumas reações desagradáveis, como ansiedade e medo. O novo professor também pode acreditar que é tímido, e ter dúvidas quanto ao seu desempenho em sala. Não creio que isso possa ser considerado “normal”, mas são reações freqüentes. Na minha opinião, isso decorre de uma avaliação distorcida que fazemos: imaginamo-nos dando aulas e as coisas dando errado, só que não incluímos na avaliação a preparação que iremos fazer. Você pode considerar os medos e ansiedades como procedentes, se você fosse dar aulas naquele momento. Inclua uma preparação no caminho entre o agora e o momento das aulas e você vai perceber que as emoções vão se modificando à medida que você vai se preparando. Isto vale, é claro, se você pretende se preparar o necessário para o que vai fazer.

    Minhas sugestões para essa preparação:

    1) Planeje bem as aulas

    Faça um planejamento detalhado do que vai fazer, em conteúdo e estrutura, o que vai por no quadro, o que vai dizer. Improviso é para quando você estiver mais maduro e mais à vontade. Se quiser modelos de planejamento, veja o Almanaque do Professor.

    Você pode usar também mapas mentais, seja para planejar, seja para apresentar o conteúdo para os alunos, seja para estes estudarem. Veja no link acima a seção com exemplos, modelos e roteiro de elaboração, entre outras coisas. Mapas mentais também requerem prática e dedicação para sairem bem-feitos, mas está no futuro das escolas, pode ter certeza. Se você os usar bem, já estará se diferenciando dos outros professores, para melhor.

    É bom que você tenha experiência significativa com o conteúdo, aí pode se concentrar na parte didática. Se não tem, sugiro que a adquira rapidamente ou lecione outra matéria. Nada pior do que um professor teórico, que acaba investindo a maior parte do tempo em seu próprio aprendizado e não no aperfeiçoamento do planejamento, da comunicação e outros aspectos do ensino.

    Lembre-se de que todos nós gostamos de variação e não gostamos de monotonia. Varie as estratégias de ensino, faça os alunos se mexerem de vez em quando, faça perguntas, faça-os trabalhar em dupla ou em grupo. Se estiverem inquietos, dê 2 minutos para fazerem o que quiserem. De vez em quando, certifique-se de que estão acompanhando; conforme o caso, um conceito perdido compromete o restante da aula. Dirija-se a um aluno específico; alguns alunos nunca abrem a boca por iniciativa própria, talvez por medos como gozações de colegas ou “pagar mico”.

    E faça o possível para dar plantões ou ter plantonistas para atendimento individual, os alunos aprendem muito melhor com as respostas às suas próprias perguntas.

    2) Ensaie

    Dê a aula antes, para ninguém, para o espelho ou para um conhecido. Se com este, peça para ele criticar e lhe indicar as oportunidades de melhoria. Grave-se ou filme-se dando aulas e depois escute ou veja procurando oportunidades de melhoria (faça isso antes que a realidade lhe mostre). Se você nunca deu uma aula antes, quase tudo é novo, e há muito, muito que você não sabe e que nem sabe que não sabe.

    Procure variar o tom de voz, é mais difícil prestar atenção a uma voz monótona. Repita e/ou enfatize com a voz algumas passagens mais importantes.

    3) Prepare-se emocionalmente

    Emoções geralmente contém uma mensagem. Na véspera da minha primeira aula, senti verdadeiro pânico; um colega o teve durante a primeira aula. Depois descobri que isso era uma mensagem de que eu devia me preparar melhor.

    Na seção Inteligência Emocional tem uma matéria sobre como lidar produtivamente com medos: Medo, seu aliado para o sucesso. Pratique-a algumas vezes que depois você acaba fazendo-a automaticamente, e terá uma boa ferramenta para o resto da vida.

    4) Ajuste as expectativas

    Cuidado com a auto-expectativa irreal de que você tem que saber tudo e responder a tudo. Já vi um professor contar que disfarçava seu não-saber indicando ao aluno o exercício de buscar a resposta. Você tem que saber o conteúdo e mais um pouco. Quando me perguntavam coisas que eu não sabia, fora da matéria, eu simplesmente dizia que não sabia. Se achasse importante, podia até procurar, mas não era a regra. Um aluno uma vez até disse me admirar por isso!

    O que lhe dá credibilidade, talvez a mais importante característica de um professor, não é saber tudo, porque isso não é possível, mas sim dizer o que é, quando sabe, dizer que acha que é, quando não tem certeza, e dizer que não sabe, quando realmente não sabe. Isso é que o torna confiável.

    5) Segure as rédeas da turma

    Um ponto essencial em classe é você reconhecer e saber que você é a autoridade. Os alunos testam os limites para saber como se portar e usam o que acontece como referência para o que vão fazer. Se alguém conversar alto e você não fizer nada, abre caminho para que aconteça de novo. E se você disser que vai mandar alguém embora se atrapalhar e o fizer duas ou três vezes, vai ter um padrão que permite aos alunos prever o que vai acontecer, e aí não vai precisar mandar ninguém embora. O importante aqui é você ter bem claro para si mesmo o que quer e saber que é o responsável por fazer isso acontecer.

    Por outro lado, é importante preservar um bom e amigável relacionamento com os alunos, senão te “fritam” e você não consegue alcançar o objetivo. Assim, um dos objetivos iniciais é construir um bom relacionamento com a turma e com os alunos, o que vai lhe permitir depois chamar a atenção deles sem que eles achem que você os odeia (sobre isso, veja a matéria Golfinho esperto, nesta seção). Para isso, procure os lados bons de cada um: um é estudioso, o outro é cordial e respeitoso, todos têm qualidades, e você é que tem que percebê-las. Se tiver que fazer algo drástico, como mandar alguém embora, faça-o na boa, sem “matar” o relacionamento com ninguém. O que você diz é secundário; a maneira como o diz é muito mais significativa.

    Nosso papel em sala é análogo ao de uma boa enfermeira, que não liga se o doente é chato ou não, ela tem uma missão e precisa fazer o que é preciso para cumpri-la, e precisa então relevar, ignorar e esquecer as coisas que a tiram do foco e não contribuem para os objetivos.

    6) Coloque-se no lugar do aluno

    Um exercício muito bom que você pode fazer é, estando relaxado, visualizar-se sentado numa das carteiras, na posição de aluno. Experimente e descubra as vantagens. Uma professora de Biologia que conheço prepara as aulas assim: lê a matéria, monta o quadro na mente e se coloca na posição de um aluno para verificar se está bom.

    Outra coisa boa é lembrar-se de suas próprias experiências como aluno, como o que gostava nos professores e como se relacionava com eles, o que sentia, como se motivava, influência dos colegas. .

    7) Tímido, eu?

    E se você acredita que é tímido, permita-me não acreditar nisso, garanto que tem situações em que você não age timidamente. É uma situação nova e requer preparação, e uma vez preparado o suficiente, você vai se sentir mais confiante e com vontade, sabendo que vai fazer um bom trabalho ou pelo menos que fez o seu melhor para isso, e vai continuar melhorando na medida de sua dedicação. Para isso você só precisa de foco: durante um tempo, priorizar a nova atividade e dedicar todo o tempo possível. É querer de verdade fazer o melhor possível. Depois é mais tranquilo.

    8) Melhore-se

    Para o futuro, mantenha ao lado, leia e procure aplicar as idéias de livros de didática, em particular os de PNL. Recomendo:

    - Treinando com a PNL (O’Connor e Seymour)

    - Enfrentando a Audiência (Robert B. Dilts)

    - Aprendizagem Dinâmica I e II (Dilts e Epstein)

    - Almanaque do Professor – Modelos, técnicas, estratégias e muitas outras idéias que juntei e que podem lhe inspirar.

    Ponha na cabeça e no coração que haverá sempre algo a mais para se aprender, seja com livros, com colegas, consigo mesmo, com o coordenador ou com feedbacks de alunos. Descobrir que não sabe algo é um avanço, lembre-se disso. E, como disse o Millôr, “Aula em que o professor não aprende nada é uma aula inútil”.

    Em síntese

    Se eu fosse resumir, diria que o mais importante é: vai acontecer, e você precisa se preparar para isso. A certeza de que vai acontecer, junto com a vontade de fazer bem-feito, é que mobilizam seus recursos e suas capacidades, é que fazem com que você dedique 5 minutos a mais. O resto é decidir como será feito e aprender com a experiência ao invés de lamentá-la. E não se iluda: você vai se enriquecer devagar, um passo de cada vez.

    Boa sorte! E uma frase que vi algures para fechar: “Quanto mais eu trabalho, mais sorte eu tenho!”


  736. O que significa ‘sucesso’?

    Os significados evoluem com a idade…

    Aos 02, sucesso é: conseguir andar.

    Aos 04, sucesso é: não mijar nas calças.

    Aos 12, sucesso é: ter amigos.

    Aos 18, sucesso é: ter carteira de motorista.

    Aos 20, sucesso é: fazer sexo.

    Aos 35, sucesso é: ter dinheiro.

    Aos 50, sucesso é: ter dinheiro.

    Aos 60, sucesso é: fazer sexo.

    Aos 70, sucesso é: ter carteira de motorista.

    Aos 75, sucesso é: ter amigos.

    Aos 80, sucesso é: não mijar nas calças.

    Aos 90, sucesso é: conseguir andar.

    Sucesso para você!!!


  737. Vamos parar um pouco de brigas e trocas de carinhos….. rir um pouco rsss


  738. Urgente!!!
    Quando sai o resultado do recurso da Vunesp?


  739. sonia

    por favor me ajudem!!!!

    Sou PEB II efetiva em geografia numa escola da capital, não consegui a remoção para outra escola e nem tenho condições de lecionar onde estou classificada, pois meu cargo fica na capital e eu moro no interior do estado. Em minha cidade há uma vaga de coordenador pegagógico que não é preenchida desde junho de 2009, isto é, mesmo a escola já tendo aberto edital duas vezes não há candidatos interessados. Decidi apresentar proposta de trabalho na referida escola mas a diretora disse que por estar em estágio probatório não posso ser designada professor coordenador, no entanto, pesquisei a legislação a respeito e não existe nada que fale sobre o assunto.
    alguem pode me ajudar com informações a respeito?


  740. professor temporário

    tenho uma dúvida em relação a minha categoria. estou enquadrada na categoria O.
    fui admitida em 2009 para aulas em substituição, porém permaneci até 03/07/09, quando a titular retornou.
    na minha dispensa está tipo 3, está certo?
    me disseram que o correto seria interrupção de exercício.
    a secretária da escola me deu a portaria, fiquei confusa.
    será que é para que eu recorra?
    na sua opinião, devo?


  741. 13 motivos para ser um sócio da APEOESP

    1 – A subsede não presta conta aos seus contribuintes.

    2 – Não possui uma biblioteca para auxilio do professor.

    3 – Não possui informações coerentes nas atribuições de aulas.

    4 – Não tem organização nas datas e horários da executiva.

    5 – Não possui aparato de apoio como data Data-Show para verificação de saldo de aulas na atribuição.

    6 – Faz discussão dos conjuntos das conjunturas esquecendo-se dos problemas dos professores.

    7 – Não faz uma discussão educacional, apenas política, tanto é que as maiorias dos seus associados não passaram na provinha.

    8 – Não tem um curso de capacitação profissional.

    9 – Possui uma divisão interna.

    10 – Você é muito bem recebido, desde que, concorde com tudo que lhe é passado.

    11 – Não luta por uma atribuição mais humana, visto que a maioria de seus associados são professores antigos e não merecem ficar esperando o dia todo para pegar meia dúzia de aulas.

    12 – Não aceitam uma critica construtiva, acham que tudo é perseguição da articulação. (chega a ser engraçado).

    13 – É raro ganhar uma queda de braços com o governo.

    É uma entidade super organizada, parabéns aos seus coordenadores e colaboradores. Há… Ia me esquecendo, as quatro palavras mais faladas, “revolução, conjuntura, socialismo e burguesia”, só tenho um recado, uma frase feita pelo um amigo meu:
    APEOESP: “Na atual conjuntura, não da para fazer uma revolução socialista e derrubar a burguesia”. HÁ! HÁ! HÁ! HÁ!


  742. em 16 fevereiro 2010 às 09:19 professortemporario

    Maysa

    Podemos estar enganados, mas a interrupção de exercício para os professores OFA afastados por retorno do titular ou não ter conseguido saldo de aulas na primeira atribuição é específica para os professores estáveis da categoria F. Os professores L, de acordo com o texto da resolução, perdem o direito de L se perderem o vínculo, seja por ter abandonado as aulas, seja por retorno do titular.

    De qualquer forma, como muita coisa tem mudado, sugerimos que você compareça pessoalmente à diretoria de ensino onde está cadastrada e fale com uma supervisora sobre esse seu caso. É possível que o Estado tenha uma interpretação diferente da lei nesse momento é a interpretação deles que importa.


  743. em 16 fevereiro 2010 às 09:29 professortemporario

    Sônia

    Existem duas possibilidades:
    1) Entrar com um requerimento solicitando explicações sobre isso, citando justamente o fato de você não ter encontrado nenhuma legislação que estabeleça essa limitação. Vale lembrar que até pouco tempo existia a limitação dos professores em estágio probatório participarem de remoção e artigo 22 e possivelmente a limitação para se assumir a função de coordenação estaria nesse pacote;
    2) Procurar um advogado e analisar a possibilidade de um mandado de segurança para garantir seu direito, enquanto o mérito do caso não é julgado.


  744. em 20 fevereiro 2010 às 12:34 Angela Maria Escobar Baesso

    E o bonus sai ou não?

    Vocês sabem quando?

    E como será o cálculo?

    Obrigada.


  745. Professor temporário
    Gostaria de saber se o professor que pertence a categoria O tem direito ao ticket alimentação, 13 salário, férias e bônus anual. Grata.


  746. Prezado professor-

    Gostaria que me esclarecesse uma dúvida-
    A DE da minha cidade enviou um cominicado no dia 19/02
    as escolas o qual diz:

    Professor categoria L que NÃO passou na prova pode ter aulas atribuidas na classificação, não pode, porém, dar aulas
    como EVENTUAL.

    Sou categoria L, não fui aprovado e a minha escola me chamou nos 17 e 18/02 para dar aulas como EVENTUAL, mas
    depois a escola me comunicou que não podderia mais continuar com as aulas como eventual.

    Essa regra e realmente correta??? OBRIGADO PELA ATENÇÃO


  747. em 22 fevereiro 2010 às 16:31 Eliane Ribeiro da Rocha

    Olá, por favor poderia me ajudar a esclarecer uma dúvida…
    Sou categoria L, e tenho aulas livres atribuídas neste ano de 2010, gostaria de saber se em 2011, ainda poderei participar do processo de atribuição de aulas, ficarei “fora” do Estado por 200 dias letivos…


  748. Me formei aem dezembro de 2009, colei grau em janeiro de 2010, mas nunca lecionei, não tenho portaria aberta, posso participar normalmente do concurso?


  749. em 6 março 2010 às 22:23 professortemporario

    Cenira

    Sim


  750. olá meu taty não sabia fiz inscrição em duas diretoria de ensino pois meu nome consta na diretoria sul 2 mas a prova que fiz foi na região da outra diretoria de ensino de Itap.da serra como ficar essa situação fico aonde fiz a prova onde meu nome está.
    me respondam por favor obrigado..


  751. Por favor preciso saber com urgência se categoria O pode entrar na greve?Se pode ou não se tem alguma lei?


  752. Olá, fui chamada em junho do ano passado para dar aula(substituição), e não tive aula atribuida, este ano estou trabalhando como eventual e gostaria de saber em que categoria pertenço.

    Desde já agradeço


  753. Diz acima que “OS PROFESSORES CONTRATADOS PELA LEI 1093 – categorias “O”, “V”, “S”serão os professores OFA que entraram no Estado depois de 16 de julho de 2009.”

    Eu tenho uma portaria desde de 2007 que dou aula como eventual. Essa portaria não foi fechada.

    Durante o ano de 2009 atuei como eventual e no final de maio início de junho, a escola me atribuiu 15 dias de uma professora que entrou de licença. Aí sim foi aberta uma outra portaria e foi fechada. Mas isso foi antes de julho.

    Na classificação eu estava como categoria “L”, na atribuíção, peguei 10 de recuperação por essa classificação. Quando cheguei na escola para acertar essas aulas, a moça da secretaria me informou que eu não seria mais categoria “L” e sim a “O”.
    Por quê?


  754. em 26 março 2010 às 09:50 professortemporario

    Mila

    Professor L é aquele que teve aulas atribuídas (livres ou substituição) antes de 16 de julho de 2009 e que durante esse período não pediu dispensa das mesmas e manteve-se vinculado. Para contagem dessa data, não se considera o contrato de eventual.


  755. Olá,

    Sou categoria O e estou com aulas em 2 escolas. Gostaria de saber se posso abandonar as aulas em uma escola e para completar minha carga horária apenas na escola é minha sede?


  756. Lendo as reinvidicações do Sindicato, infelizmente não ví nada que tratasse do caso dos professores categoria L que perderam a prova, entraram com recurso junto a DE e ao DRHU e tiveram seu pedidos de participar das atribuições indeferidos, não podendo nem trabalharem como eventuais, no meu caso nem constro em Lista de classificação nenhuma, fui me informar na De e me responderam que não poderei trabalhar este ano. Fui aprovada na prova para Professor Coordenador que segundo eles vale por 3 anos, e tb não posso trabalhar. o que a Apeoesp tem de reivindicações para estes casos? No sindicato me disseram que não posso fazer nada a respeito, então quem pode me ajudar?

    Concordo com a Greve, mas preciso de esclarecimentos a esse respeito.
    Desde já agradeço sua atenção.

    Vera


  757. em 5 abril 2010 às 20:10 professortemporario

    Vera

    A pauta de reivindicações do sindicato sobre a greve, mas a questão dos professores L que perderam a prova obrigatoriamente deve ser tratada caso a caso, por meio de recurso, pois entre os que perderam existe tanto aqueles que faltaram por problemas de saúde, quanto aqueles que não possuem uma justificativa para essa falta.


  758. Boa Tarde, preciso de um help.
    No inicio deste mes, (abril/2010) consegui atribuir minhas primeiras aulas. Abriram minha portaria no Estado de SP. Atribuí aulas livres. Me disseram que irei com essas aulas até dezembro. Pelo que lí aqui no site, sou categoria O contratada pela Lei 1093 (não passei no concurso 32pontos). Minhas dúvidas são:
    _O Estado paga o transporte público para o professor? (Pois moro longe das aulas que atribuí).
    _Qual será o valor da minha hora-aula?
    _O que quer dizer: professor aulista e professor mensalista?
    _Como as aulas eram livres, corro o risco de perde-las para outro professor com mais tempo de trabalho?
    Desde já, muito obrigada!


  759. Boa noite,

    O que acontece com o professor, OFA categoria “F” que fez a inscrição da prova dos temporários , mas não compareceu no dia da prova? Ele será excluído só do processo de atribuíção desse ano ou será dispensado difinitivamente do estado?
    Caso seja dispensado, esse professor poderá se inscrever para as próximas atribuições dos anos seguintes? Mesmo que na Lei nova, ou não poderá lecionar de forma alguma pelo Estado?


  760. Fiquei meio perdida em como entrar com requerimento com relação categoria L que se sente prejudicada. Comecei a Lecionar em 2005 como estudante e em 2008 tive que apresentar meu diploma e mudaram minha categoria obrigando a assinar uns papéis com relação a dispensa de PEB1 para PEB 2. Seria possível encaminhar um modelo desse requerimento para podermos entrar com esse requerimento na DE? Desde já grata… Quem já fez obteve alguma resposta?


  761. Gostaria de tirar uma dúvida…Ingressei no Estado em 2006, como eventual e permaneci durante os anos de 2006, 2007 e 2008 sendo eventual ou seja sem nenhum vínculo até então.Somente em maio de 2009 consegui pegar aulas (Livres) e agora também possuo vinculo.Precisaria saber qual é minha categoria L ou F???Desde já grata…


  762. em 13 abril 2010 às 12:42 professortemporario

    Lívia

    Sua categoria é L, desde que não tenha se desvinculado depois de junho de 2009. Do contrário, você pertenceria a categoria O


  763. Olá Professor!

    Estou fazendo um e-mail esclarecendo a situação de contratação dos professores, principalmente da categoria O para o pessoal que faz licenciatura na usp!
    Por isso preciso de um esclarecimento seu:
    Sabendo que no processo seletivo 2009 os prof peb II que fizeram 32 puderam utilizar o tempo de serviço de 2000 dias trabalhados * 0,004 totalizando 8 pontos e sendo que o tempo de serviço fornece no máximo 80 pontos (correspodentes a 27 anos)
    MINHAs DÙVIDAs:
    – Os professores que conseguiram atráves da soma dos 8 pontos, atingir 40 pontos TIVERAM, na sua nota final, além dessa nota MAIS os PONTOS do tempo de serviço (80 pontos)???
    - Dado que 27 anos multiplicado por 200 dias letivos e multiplicado por 0,004 não corresponde a 80 pontos e sim 21 pontos!!Como foi calculado os 80 pontos de serviço para todos os participantes do processo simplificado 2009 que possui pontuação na D.E???


  764. em 15 abril 2010 às 19:13 professortemporario

    Patrícia

    São duas coisas diferentes. O tempo de serviço no magistério é calculado na escola por um sistema, mas para efeito de pontuação nesse concurso, considerou-se 27 anos como equivalentes aos 80 pontos da prova, de forma que se um professor com 27 anos de magistério gabaritasse a mesma ficaria com 160.

    Já a pontuação para completar os 40 pontos, que era o mínimo para ser considerado apto, é chamada de experiência docência e segue o cálculo que as escolas fazem para pontuação do tempo dos professores eventuais, dentro do limite de 8 pontos para 2000 dias trabalhados.

    Isso quer dizer que um professor que tenha atingido 32 pontos e tenha 2000 dias trabalhados passará a ter uma pontuação final de 40 pontos, na condição de aprovado, e nessa condição sua classificação final considerará, além de sua pontuação final, o tempo de serviço, dentro do limite de 80 pontos para quem tenha 27 anos de magistério.

    Exemplo: um professor de matemática que tenha feito 32 pontos e tenha 10 anos de serviço. Sua pontuação de nota passaria para 40 pontos, pois consideraria os 8 pontos de experiência, pois em 10 anos cumpriu muito mais que 2000 dias. Sua pontuação final seria 40 pontos + aproximadamente 29 pontos de tempo de serviço, totalizando 69.


  765. em 19 abril 2010 às 10:33 Lucia Helena

    Professor temporário…

    Qual é msm a resolução que diz q pode-se substituir a nota do processo seletivo pela de promoção ou efetivação?
    A Secretária da minha escola me perguntou….rsrsrs
    Abraços


  766. Professor!
    Me esclareça por favor!
    O professor categoria F que não passou na prova seletiva em 2009, tem 2010 e 2011 para passar senão perde a estabilidade, é isso mesmo?

    obrigada


  767. Lucia Helena

    Realmente, o professor que não atingiu os pontos necessários à aprovação no processo seletivo poderia tentar consegui-los através da prova do proceso de promoção ou do concurso 2010. Quanto à validade desse procedimento é preciso aguardar orientações da SEE. As diretorias de ensino estão a par do assunto.


  768. Na categoria L tendo passado na aprovação no processo seletivo que foi acima ou igual a 40 pontos e não conseguiu a média no concurso 2010, qual será o procedimento com esses professores?


  769. em 20 abril 2010 às 18:38 cintiamatukaj

    maria a estabilidade dos F é garantida por lei passando ou não na prova. lei 1010/500 ou lei 1093/09


  770. em 20 abril 2010 às 18:41 cintiamatukaj

    Mari o processo seletivo é uma coisa o concurso é outra coisa. não passou no concurso espera o próximo passou no processo seletivo boa, continua dando aulas.


  771. Tenho uma dúvida…
    Fiz 47 pontos e tenho 300 dias trabalhados, na teoria passei no concurso. Uma pessoa que fez 39 pontos e tem 2000 dias trabalhados estará melhor classificada que eu?
    AGRADEÇO O ESPAÇO CEDIDO PARA DÚVIDAS.

    Flávia


  772. cintiamatukaj
    Eu sei perfeitamente que o processo seletivo é um e o concurso são duas coisas completamente diferentes, porém estou ouvindo muita coisas a respeito de cargos que deverão ser deixados em função de não aprovação desses dois processos. É claro que eu sei que passou continua dando aula, tanto é que eu continuo por essa razão. Mas como fica a situação dos professores da categoria L este ano, terão que prestar outra prova no final do ano? E no ano que vem passarão para a categoria F automaticamente, mesmo que não sejam aprovados caso haja uma prova no fim do ano?


  773. em 21 abril 2010 às 10:01 mariaaparecida

    mariaaparecida

    OLÁ GENTE, TO AQUI P AGRADECER AS PESSOAS QUE ACESSAM ESSE SITE, FELIZMENTE SÃO MEUS E MINHAS COLEGAS, PENA QUE ALGUNS NÃO SÃO MEUS COLEGAS, MAS VAMOS LÁ

    COMO COSTUMO DIZER QUE DEUS FOI E É EXTREMAENTE MARAVILHOSO. E PARECE QUE ELE É MAIS COMIGO DO QUE COM UMAS PESSOAS QUE VIVEM NA FACE DA terra , QUERO AGRADECER DE CORAÇAÕ AOS E AS COLEGAS QUE ESTÃO ENVIANDO EMAILS P SABER E PARTICIPAR DA ONG, TONAUNI- TODOS NA UNIVERSIDADE.

    QUEM TIVER PREOCUPADO EM NÃO SER APENAS FELIZ, MAS FAZER UM MONTE DE GENTE FELIZ, VENHA P NOSSA ONG.
    BEIJOS CARINHOSOS CIDA DIRETORA PRESIDENTE.

    AH CINTIA MATUKAJ, QUERO LHE DIZER DA MINHA ADMIRAÇAÕ POR VC , POIS SEMPRRE QUE ENTRO AQUI, VC SEMPRE DÁ UMA RESPOSTA PARA AS DUVIDAS DAS PESSOAS.
    AQUELE MATERIAL QUE VC POSTOU AQUI, SOBRE A VIVLIOGRAFIA , PASSEI P ALGUNS (AS) COLEGAS, BGDAO.
    PENA QUE NAÕ TENMHO TEMPO.

    SÓ UM RECADINHO, COMO SOU MUITO OCUPADA OS ERROS QUE TÊM AQUI PEÇO AOS PREOCUPADOS PARA FAZEREM A REVISÃO FUI…


  774. em 21 abril 2010 às 10:42 professortemporario

    Lúcia Helena e Maria

    A possibilidade de se considerar a nota do processo de promoção como pontuação aos professores reprovados no processo seletivo é expressa pela resolução 08, no seu artigo 6º. No entanto, essa possibilidade só será usada se, e somente se, não houver nenhum professor aprovado no processo seletivo disponível (de qualquer categoria) para ocupar o saldo de aulas remanescente.


  775. em 21 abril 2010 às 13:14 cintiamatukaj

    MARIA APARECIDA

    ABRAÇOS E BOA SORTE…


  776. em 21 abril 2010 às 13:23 cintiamatukaj

    MARI OLHA OS PROFESSORES DE CATEGORIA F SÃO DESTA CATEGORIA POIS ESTAVAM COM VÍNCULO ANTES DO ADEVENTO DA LEI 1010/500 OU SEJA ATÉ 02/06/2007, ESTE TEEM A ESTABILIDADE GARANTIDA POR LEI ATÉ QUE MUDEM A LEI OU SE APOSENTEM OU QUE SEJAM APROVADOS EM CONCURSO PÚBLICO, ESTES QUE PASSARAM NO PROCESSO SELETIVO DE 2009 NÃO TERÃO MAIS A OBRIGATORIEDADE DE FAZÊ-LA NOVAMENTE A NÃO SER QUE DESEJEM MELHORAR SUA CLASSIFICAÇÃO. SE FIZEREM A PROVA E OBTIVEREM UMA NOTA MENOR QUE A ÚLTIMA CONSIDERA-SE A NOTA MAIOR. OS PROFESSORES CATEGORIA L SÃO OS PROFESSORES ADMITIDOS APÓS O ADVENTO DA LE 1010/500 OU SEJA DEPOIS DE 02/06/2007 NÃO ME LEMBRO SE É DIA 2 OU 4 MAIS NÃO VEM AO CASO, ESTES OFAs TEEM A OBRIGATORIEDADE DE PRESTAR O PROCESSO SELETIVO TODOS OS ANOS PASSANDO OU NÃO E A ESTABILIDADE VALE POR DOIS ANOS A PARTIR DA DATA DA PUBLICAÇÃO DA LEI 1093/09. OS CATEGORIA L NÃO SE TORNARÃO F SOMENTE EFETIVOS TITULARES DE CARGO SE ASSIM FOREM APROVADOS EM CONCURSO PÚBLICO COMO ESTE DA FCC QUE FOI UMA “PALHAÇADA” MESMO PORQUE EU NÃO PASSEI… BEIJOS.


  777. em 21 abril 2010 às 13:29 cintiamatukaj

    FLAVIA NA SOMA DE TODOS OS PONTOS QUEM OBTVER O MAIOR NÚMERO FICA NA FRENTE AGORA SE VC FEZ 47 PONTOS VC PASSOU NO CONCURSO SE A OUTRA PESSOA FEZ 39 ESTA NÃO PASSOU POIS PARA SER APROVADO PRECISARIA OBTER NO MÍNIMO 40 PONTOS NUMA PROVA DE 80 QUESTÕES.


  778. Cintiamatukaj
    Estava pensando em entrar com um processo para recuperar ou pelo menos mudar a minha categoria de L para F, pois sou professora já a 12 anos no estado e infelizmente não estava lecionando em 2007, tendo voltado somente em 2009. Mesmo tendo passado no processo dos Ofas, e com mais tempo de casa que muitos colegas que iniciaram em 2007, fiquei prejudicada na escolha das aulas, pois me sobraram aulas picada em lugares distantes. Será que vale a pena recorrer através de processo judicial?


  779. Obrigada pela resposta cintiamatukaj,
    Mas ainda continuo com uma duvida, eu fiz 47 pontos, outra pessoa fez 39 pontos e tem 3000 dias trabalhados, então ela tera uma classificação melhor que a minha, devido a seus dias trabalhados…..
    Vc poderia tirar esta duvida…
    Obrigada mais uma vez,
    Abraços.


  780. Professor!
    Não é isso que tem acontecido na DE de Tupã, os prof. q não passaram na prova pegam as aulas e nem pra atribuição na DE tem mais, pelo menos de minha disciplina……dois pesos e duas medidas???


  781. em 21 abril 2010 às 22:24 professortemporario

    Maria

    Em um caso como o que você relata é preciso reunir informações. Comece identificando os nomes e disciplinas dos professores que estão sendo favorecidos e em seguida apresente um requerimento na DE solicitando informações sobre essa situação.

    Infelizmente, ainda existe na rede pessoas que em função de direção submetem a rotina e os procedimentos da administração pública ao particularismo de seus interesses. Para essas situações só nos resta denunciar e exigir explicações, na DE e na ouvidoria do Estado


  782. em 22 abril 2010 às 11:21 cintiamatukaj

    flavia se ela tivess tirado 40 pontos ou mais e na soma de todas as etapas a pontuação dela for maior que a sua sim fica na sua frente mas precisa contar o tempo de serviço, titulos e a prova do curso. com 39 pontos não fica na sua frente pois ela não conseguiu a nota mínima da prova.


  783. em 22 abril 2010 às 11:23 cintiamatukaj

    mari tudo vale a pena… boa sorte!


  784. Obrigada pela resposta.
    Gostaria de saber se alguem sabe para quando aproximadamente esta prevista a entrega de documentos para os aprovados, e se as aulas serão para o ano que vem.
    Agradecida.


  785. Professor Temporario me ajude!

    Sou efetiva desde o ano passado; assim que assumi o meu cargo tive um bebê e fiquei até dezembro/09 de licença maternidade, nesse período tive depressão pós parto e fiz tratamento mas não fiquei completamente bem, por isso estou novamente de licença por depressão. No entanto uma amiga minha disse que era pra eu ter cuidado com as licenças pois estou em estágio probatório. Já fiz duas perícias médicas no DMPE e o médico deu parecer favorável. Mas tenho dúvida, será que essas licenças irão me complicar mais tarde quando for avaliado meu período probatório?

    Grata.


  786. em 24 abril 2010 às 11:50 professortemporario

    Flávia

    É possível e até provável. Os municípios e os estados costumam adotar um período probatório de três anos, durante os quais os servidores são avaliados em assiduidade, pontualidade, compromisso, postura e até sociabilidade. Nesse sentido, uma pessoa que entra e já apresenta licenças médicas, não decorrentes de situações imprevisíveis como acidentes, passará a ser analisada com mais critério.

    Independentemente do laudo médico, ao final do estágio probatório o órgão público poderá dispensar o servidor, especialmente se a reunião do histórico das licenças sugerir que o servidor tem incompatibilidade com a função.

    No seu caso, recomendamos que você analise se a ideia de estar lecionando numa sala de aula lhe causa ou não sentimento de angústia, ou repulsa. Se você se sente bem sendo professora e quer lecionar, precisará superar o seu problema, pois a permanência na situação de licença médica é prejudicial para sua carreira


  787. PROFESSOR TEMPORARIO ME INFORME, POR FAVOR

    TENHO 29 AULAS ATRIBUIDAS E PASSEI NO CONCURSO PUBLICO. E VERDADE QUE OS PROFESSORES QUE FARAO A ESCOLA DE FORMÇÃO NÃO PODERÃO ENTRAR EM SALA DE AULA DURANTE OS 4 MESES DE CURSO.

    OBRIGADA


  788. Roseli, o curso de formação é uma etapa de avaliação para o novo cargo. Portanto você não poderá assumir o NOVO CARGO enquanto não concluir e for aprovada no curso. Mas isso não tem nada a ver com a função que voce já exercia antes do concurso. Essas aulas que lhe foram atribuidas nao serão afetadas pelo curso de formação, a não ser que os horários coincidam, mas isso são apenas suposições visto que a orientação oficial sobre o curso ainda não foi publicada.


  789. em 4 maio 2010 às 18:44 Edison Rocha Romão

    Profe..por favor, uma orientação:

    Leciono no estado desde 2005 como ACT na cidade de São Carlos-SP. Como tive várias janelas acabei não sendo enquadrado na categoria F. Mas consegui aulas livres em 2009. Em motivo da cidade ter muitos professores em 2009 decidi vir para São Paulo trabalhar e pedi dispensa em agosto de 2009.
    No fim do ano de 2009 pedi minha pontuação para mudança de diretoria de ensino. A secretária me disse que eu era categoria L. Fiz inscrição na diretoria de ensino Leste 4 aqui na cidade de São Paulo. Fiz a prova e fui classificado em 9 lugar na categoria L. Me atribuíram 33 aulas. ótimo. Entreguei meu prontuário ao secretário e pasmem até agora maio não recebi meu salário e o secretário ainda me diz que sou categoria “O”. Assinei até um contrato…a diretora concorda e a DE não me esclarece. O DHRU não me responde . O QUE FAZER?


  790. em 4 maio 2010 às 19:58 Aparecida

    PARA COLEGA EDILSON! TAMBÉM ESTOU NA REDE DESDE 2008(PORÉM COMO EVENTUAL, POIS TRABALHAVA EM UMA ESCOLA PARTICULAR E NÃO CONSEGUIA AULAS COM HORÁRIOS COMPATÍVEIS), DESCOBRI QUE TENHO PORTARIA L/I. PARTICIPEI DA PROVA DE OFA, COM BOA COLOCAÇÃO, TENHO 32 AULAS ATRIBUÍDAS, COMECEI A TRABALHAR EM 11/02, POIS FUI AO PLANEJAMENTO E TAMBÉM NÃO RECEBI AINDA!!!!!ENVIEI E-MAILS PARA TODOS OS ÓRGÃOS REFERENTES À EDUCAÇÃO E NINGUÉM DEU A MÍNIMA. CONTINUO TRABALHANDO(POIS O ‘O’, NÃO PODE FALTAR ETC…). GOSTARIA DE CONVERSAR COM A PESSOA QUE ELABOROU A BIBLIOGRAFIA, PARA QUE ELA ME EXPLIQUE O MOTIVO DE ESTUDARMOS TANTO E APRENDERMOS QUE O PROFESSOR TEM QUE SER VALORIZADO, ENTRETANTO OS ‘ÓRGÃOS COMPETENTES’ NÃO NÃO TRATAM COMO SERES HUMANOS. LIGUEI INCLUSIVE NA SECRETARIA DA FAZENDA E UMA CERTA SENHORA DISSE QUE ‘NÃO SE INDISPORIA COM A D.E. DE MINHA CIDADE, PARA RESOLVER O MEU PROBLEMA”. RESULTADO: NINGUÉM FAZ NADA POR VOCÊ, A DESUNIÃO NÃO ESTÁ NO ‘PROFESSORADO’ ESTÁ NA ‘INSTITUIÇÃO EDUCAÇÃO’, NÃO EXISTEM SERES HUMANOS TRABALHANDO PARA A EDUCAÇÃO, EXISTEM ‘SERES INESPECÍFICOS’ . E SÓ PARA AMENIZAR O SEU PROBLEMA: VC AINDA TROCOU DE CIDADE, EU CONTINUO NA MESMA ESCOLA, MESMA SEDE, ,MESMA D.E!!!!!!!!!!!


  791. TATHIANA

    OBRIGADA PELA RESPOSTA


  792. Estou trabalhando desde o primeiro dia do ano letivo , estamos na mês cinco e ainda não recebi este ano.


  793. Complementando:
    O QUE EU FAÇO


  794. Como, o que me parece, há muitos professores na mesma situação – dando aulas, cumprindo com suas responsabilidades – e não estão recebendo. O que é de direito e devemos então tornar público esta situação. Sou pai de familia e tenho uma filhinha de 06 anos. Será que ela não come ? Isto é uma incompetência desta SEE que pleno seculo 21, com computadores todos conectados no chamado ciberespaço nem sequer deram conta de explicar o real motivo e a confusão da qual estão fazendo com as chamadas categorias….esta é a cara de um tal governo que insiste em um capitalismo de estado…
    Vamos divulgar este desrespeito. Este site já é um bom caminho…sou escravo, sou palhaço ? trabalho todo dia acordo as 05:30 da manhã e não me pagam… vou procurar divulgar ou melhor denunciar esta situação temos que mostrar a verdadeira transparencia desta SEE.
    Mande e-mail, escreva, relate sua indignação…a mídia também funciona como um quarto poder…denuncie.

    Vc está nesta situação? Vamos somar…


  795. em 5 maio 2010 às 15:42 marta debora fachim

    Professor temporario a minha pergunta atende a demais professores.
    As faltas serão retiradas do prontuario mediante reposição das aulas?


  796. Aparecida

    Quando iniciei no estado, fiquei sem receber por 3 meses. No quarto mês não admiti o atraso e fiquei de plantão na Diretoria de Ensino até resolverem meu problema. Deu certo. A partir daí, não tenho mais tolerado nenhum deslize em relação ao meu pagamento. Ligue na ouvidoria 3218-2000 / 0800 77 000 12, mande e-mail, não permita que a enganem. Boa sorte!


  797. Edison

    Só divulgar não resolve o problema. Vá à Diretoria de ensino da sua região e EXIJA uma providência. Ligue na ouvidoria 3218-2000 / 0800 77 000 12, mande e-mail, não permita ser ignorado, pois seu trabalho é remunerado. No estado, “deixar pra lá” é concretizar a inércia e favorecer o descaso.


  798. Marta Debora Fachim

    Infelizmente, não. Pelo menos, até o momento.


  799. Boa NOite.
    Sou professora categoria F, passei no concurso, mas no momento estou de licença saúde (depressão e síndrome do pânico). Passei no concurso. Quero que me esclareçam uma duvida estas licenças podem interferir se for chamada para assumir o cargo?
    Aguardo respostas


  800. em 5 maio 2010 às 20:18 professortemporario

    Renato

    Entre com um requerimento na secretaria de sua escola explicando seu caso e solicitando uma resposta sobre a razão do mesmo. Guarde o protocolo e espere 10 dias. Depois disso, se não houver resposta, faça uma reclamação à ouvidoria do estado e procure um advogado. Seu caso cabe até uma indenização por danos morais.


  801. Professortemporario, aproveitando as indicações eu já fiz requerimento na escola e já me responderam que foi “devido ao atraso dos contratos”. Desculpa estranha.Fui até o setor de pagamento da DE e me afirmaram que não podiam fazer nada pois o secretário teria que primeiro fazer o tal contrato para lançar no sistema. Fui então conversar com a supervisor e a mesmo disse para eu fazer outro requerimento agora aos cuidados do dirigente de ensino. Fiz também e ainda fiquei sabendo se não digitarem até 11 de maio eu não recebo no mes de junho… pediram para aguardar dois dias. Quatro meses sem receber e ainda pedem para eu aguardar. Hoje 06 de maio um funcionário da escola me levou um contrato em sala de aula para eu assinar, o mesmo disse que era recado do secretário. Será necessário demonstrar as humilhações e o desrespeito …O que significa ser professor do Estado? Valerá a pena…e as categorias: faz prova classifica atribuem e na hora de receber mudam sua categoria…que sabor tem isto?


  802. em 6 maio 2010 às 17:48 Aparecida

    Obrigada Lucivelo, já enviei outro e-mail à Ouvidoria e me disseram que o encaminharão ao chefe do setor de pagamentos da DE


  803. PANTAGRUEL!!!!!!
    QUEBRA DO CONTRATO SOCIAL QUE NOS FOI IMPOSTO!!!
    PROFESSOR TEMPORARIO:
    EXPLIQUEI MINHA SITUAÇÃO PARA O SECRETÁRIO DA ESCOLA, ELE PASSOU PARA A DIRETORA , A DIRETORA REPASSOU PARA ELE , ELE REPASSOU PARA A D.E DE OSASCO A, A D.E PEDIU DESCULPA PARA A DIRETORA , A DIRETORA PEDIU DESCULPA PARA O SECRETARIO, E O SECRETARIO DEPOIS DE ME FAZER ESPERAR DUS HORAS NA SALA DOS PROFESSORES…… ME PEDIU DESCULPA , E DISSERAM QUE TENHO QUE ESPERAR O PRÓXIMO MÊS PARA VER A POSSIBILIDADE DE RECEBER.
    LIGUEI PARA A SECRETÁRIA DA EDUCAÇÃO E PARA OUVIDORIA E NÃO RECEBI NENHUMA PERSPECTIVA!!!
    FIZ QUATRO ANOS DE FACULDADE , INDO A PÉ , COM O MINIMO DA SUBSISTÊNCIA , ME FORMEI COM UMA BOLSA INTEGRAL.
    ESCOLHI ESTA PROFISSÃO COM A “UTOPIA” QUE PODRIA SER UM INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL E HUMANO.
    HIOJE SOU DESREIPETADO, CIDADANIA É PROPAGANDA ELEITORAL, ESTADO É SUPORTE PARA UMA MINORIA NO BRASIL…….E EDUCAÇÃO Á O MEIO FIO QUE TODOS PASSAM E SÓ OLHAM QUANDO TROPEÇAM!
    MORO DE ALUGUEL, DEVENDO TRÊS MESES , COM A POSSIBILIDADE DE UM ALUNO ME ENCONTRAR NA RUA COMO DOMICILIO; HOJE FIQUEI REVOLTADO DEPOIS DE DOIS DIAS DE CONSELHO ESCOLAR EXPLICANDO O DEFICIT EDUCACINAL ” NOS ALUNOS”, ME DESCULPE ……….. FUI PARA O BUTECO E ENCHI A CARA!
    O ESTADO FLEXÍVEL E DINÂMICO DA “SOCIAL – DEMOCRACIAL DO PSDB TRAS A POSSIBILIDADE DA NEGAÇÃO DO SER- HUMANO.


  804. em 6 maio 2010 às 21:21 marta debora fachim

    Lucivelo

    Obrigada pelo retorno da minha pergunta.
    Este governo é maquiavélico e o que quer é desacreditar
    a APEOESP e o PROFESSOR.
    Portanto é vantagem para o governo manter as faltas no
    prontuário do professor grevista.
    Olha que eu já passei por vários governos(iniciei em 1984)
    e nunca vi governo pior,é revoltante!
    E a nossa classe então
    UNIÃO SÓ SE FOR MARCA DE AÇUCAR

    O lema agora é cada um por si que se dane o resto,VERGONHOSO!!!


  805. em 6 maio 2010 às 21:24 marta debora fachim

    Lucivelo

    Obrigada pelo retorno da minha pergunta.
    Este governo é maquiavélico e o que quer é desacreditar
    a APEOESP e o PROFESSOR.
    Portanto é vantagem para o governo manter as faltas no
    prontuário do professor grevista.!!!


  806. em 7 maio 2010 às 14:26 Aparecida

    Ao colega Renato.
    O meu pagto foi creditado hoje! É claro que com valor bem menor do que o esperado! Isto depois de muitos e-mails para ‘todas as ouvidorias possíveis’ caso queira o e-mail que eu imagino, resolveu(pois o valor foi creditado, mesmo sem holerite), envie um e-mail para mim, que retransmitirei ‘todos’ os que enviei e para quem, meu e-mail: guida0511@yahoo.com.br


  807. em 7 maio 2010 às 14:30 Aparecida

    Outra coisa Renato, para cada D.E. há 3 ‘ordens de crédito’, acho que no meu caso, usaram este artifício de tanto eu reclamar! Tente! Reclame!


  808. Pronto..Tomei…uma decisão. Sem pagamento, sem dinheiro. Não entrego as notas dos alunos do primeiro bimestre. Vai..resolver? Não sei. Tenho apenas 30 salas. A minha disciplina só tem uma aula por semana. Já estou no limite da paciência. Problema agora é da direção da escola…no boteco não vou, não tenho dinheiro nem crédito!
    Alguém tem que responder…


  809. Sou professora categoria F, passei no concurso, mas no momento estou de licença saúde (depressão e síndrome do pânico). Passei no concurso. Quero que me esclareçam uma duvida estas licenças podem interferir se for chamada para assumir o cargo?
    Aguardo respostas


  810. Complementando a questão anterior, ainda me encontro de licença.
    Preciso de alguma orientação com urgência.


  811. Professor ,gostaria de saber se a categoria O pode ter laldo assindo por um medico do trabalho mesmo ele atendendo em consultorio particular, é que dei aulas numa escola no qual agora ta colocando barreiras para abrir minha portaria, questinando que vai ter que envestigar meu caso menhor pois não sabem os procedimentos legais a serem tomado por favor me de informações necessarias para que eu não venha a perder estás aulasa. Obrigado e um bom bia!!!!!


  812. PARA SANDRA:

    Sandra que eu saiba vc não pode assumir,desde que vc abra mão da licença. Tente se informar na APEOESP


  813. em 1 junho 2010 às 16:10 Janete Moraes

    Boa tarde!
    Eu retornei para o estado em outubro/2009, fiz a prova, consegui ser classificada pelo Artigo 5, pois ainda sou estudante em Arte. Peguei aula este ano de uma substituição de uma. A minha categoria era L e foi para O. Passei no concurso para Professor/Coordenador em 2008. Gostaria de saber se eu vou poder assumir o cargo, mesmo não ter passado na prova do OFA?
    Aguardo resposta.

    Um abraço,

    Janete


  814. Janete

    Pelo que eu soube, se você pertencer à cat. F, sim, mas se for de qualquer outra categoria, não.


  815. em 10 junho 2010 às 09:05 Waldemar Antonio Dini

    Bom dia..
    Gostaria de saber o número da resolução que trata sobre “Quem foi mal na avaliação de professor OFA , mas passou na avaliação de promoção” não precisara fazer novamente a prova de professor OFA no ano de 2011. POis a APEOESP não soube me informar, inclusive os supervisores da DE.
    Grato..


  816. Waldemar

    Embora haja essa informação, ainda não está definitivamente regulamentada. É preciso aguardar instruções do DRHU.


  817. em 18 junho 2010 às 22:53 Angela Condão

    Olá!
    Boa Noite Lucivelo , Cintia Matujak,professortempo, a todos que colaboram e participam deste site fantástico!
    Por favor , quem puder ,responda-me :
    O professor categoria “L”, aprovado no processso seletivo do início do ano para OFAs, que teve aulas atribuídas em 2010, poderá declinar de aulas em uma U.E para atribuir-se de uma carga horára maior em outra U.E? Ou seja , é possível particpar de outras atribuições e trocar um bloco de algumas aulas por um bloco maior, só que em outra U.E?

    Obrigada!


  818. em 19 junho 2010 às 21:25 cintiamatukaj

    ANGELA
    VC SÓ PODE DESISTIR DE AULAS PARA PEGAR OUTRAS SE TIVER AULA NAS DUAS ESCOLAS, POR EXEMPLO VC TEM 15 NA ESCOLA X E 2 NA ESCOLA Y SE APARECER 15 OU MAIS NA Y VC PODE PEGAR E DEIXAR AS 15 DA X SE APARECER 2 OU MAIS NA X VC PODE DESISITIR DA Y, AGORA DEIXAR AULAS EM UMA U.E E PEGAR EM OUTRA QUE VC NÃO TEM NENHUMA NÃO PODE. PARA MAIORES ESCLARECIMENTOS ENTRE EM CONTATO COM SU D.E E SE INFORME MELHOR POIS ESTÁ TUDO MUITO INSTÁVEL MUDA TODA HORA… OK…


  819. bom dia a todos, pessoal consegui reverter minha categoria que estava na O para a F novamente, entrei com mandado de segurança em fevereiro e saiu ontem a liminar me dando ganho da causa. para quem entrou não percam a esperança. abraços


  820. em 30 junho 2010 às 10:46 alesssandra

    bom dia pessoal, saiu a resposta do meu recurso contra o estado para mudanças de categoria de O para F, pois bem consegui ganhar ja estava na mão do juiz e demorou apenas quatro meses para sair a resposta. espero que como eu muitos que entraram tambem consigam ganhar.


  821. em 30 junho 2010 às 18:52 Angela Condão

    Obrida, cintiamatukaj!


  822. ALESANDRA será que vc pode me pssar seu email para nos conversarmos melhor sobre esse assunto. obrigada


  823. se vc achar melhor meu email é andreactoledo@hotmail.com obrigada


  824. Oi Andreia ja te adicionei no meu email, hoje a noite te posto alguma coisa sobre meu recurso, ou melhor, o que voce gostaria de saber. abraços


  825. Olá..
    Fui aprovada no concurso e irei escolher dia 27 (assim espero), mas com isso estou sendo automaticamente desligada da categoria F? Não poderei dar aula no perído em que estarei fazendo o curso?? E se eu nao passar neste curso, perco o concurso e meu direito a categoria F?

    Estou desesperada.. kk, quero continuar dando aula.. mas acho que nao vou poder (fazendo o curso) e se eu nao passar nesse curso do estado…

    Obrigada


  826. olá!
    TENHO DUVIDAS…PLIS!

    Conclui a faculdade de Letras Português e Ingles ano passado(2009), não passei no concurso que teve no final do ano, agora eu nao posso pegar aulas eventuais esse ano 2010 pra lecionar?Por que senão eu não poderei dar aulas 200 dias letivo ano que vem?
    Esse final de ano2010, será que vai ter o concurso pra efetivo novamente?
    Essa lei que surgiu de não poder dar aulas 200 dias letivos vai persistir ate quando?
    Por favor alguem pode me responder essas perguntas?

    GABRIELA-sbo


  827. em 30 julho 2010 às 16:14 cintiamatukaj

    gabriela como eventual vc pode trabalhar sem problemas só tome cuidado na hora de pegar aulas atribuidas senao depois fica de gancho 200 dias. no final do havera o processo seletivo dos ofas naõ concurso. os 200 dias de gancho existira enquanto houver a lei de algum politico de bom senso resolver mudar daremos graças… ok


  828. em 6 agosto 2010 às 16:12 Prof. Marcelo

    Tenho uma dúvida. Sou categoria “L”, e passei na prova de OFA realizada em 2009 com 54 pontos, gostaria de saber se terei que fazer obrigatoriamente a prova esse ano, e se em caso de atingir uma nota menor, posso optar pela nota maior? Obrigado!


  829. Olá gostaria de saber, sou categoria F e não atingi a nota no processo seletivo, mas atingi a média de 6,0 na prova de evolução, vou ter que prestar o processo seletivo esse ano? E tb estão falando q atribuição será realizada na escola, isto é verdade? obrigada e aguardo respostas


  830. em 7 agosto 2010 às 15:03 professortemporario

    Carol

    Sim. A lei estabelece que o professor F que foi aprovado no processo seletivo de temporários não precisará fazer essa prova, a não ser que queira melhorar sua classificação. Mas, a lei também estabelece que o professor OFA F reprovado terá que fazer essa prova, até que consiga a aprovação, sob pena de ser desligado da condição de OFA F


  831. em 7 agosto 2010 às 15:55 Prof. Marcelo

    Professor Temporário minha dúvida é parecida com a da Carol: sou categoria “L”, e passei na prova de OFA realizada em 2009 com 54 pontos, gostaria de saber se terei que fazer obrigatoriamente a prova esse ano, e se em caso de atingir uma nota menor, posso optar pela nota maior? Obrigado!


  832. Oi, pessoal sera que é verdade que a atribuição de aulas para 2011 vai ser nas escolas. Se for acho muito injusto, pois todo ano tem varias escolas que fecham mais de 2 salas de aula, ai o professor devera ir para diretoria de ensino pegar o que por acaso sobrar.Na minha opnião acho meio impossivel isto acontecer, mas não se pode duvidar de mais nada que se refira ao estado de educação. Abraços e vamos aguardar para ver o que acontece, vamos deixar as coisas acontecerem naturalmente, chega de sofrer por antecedencia.


  833. em 8 agosto 2010 às 01:05 professortemporario

    Prof. Marcelo

    O professor F que passou na prova do processo seletivo não precisará fazê-la novamente. Mas o professor F que não passou nessa prova será obrigado a fazê-la todo ano, até que passe, sob pena de ser desligado da condição de estável. Já o professor L, O, S… Esses terão que realizar a prova anualmente, independentemente se passarem ou não.


  834. em 9 agosto 2010 às 17:39 Prof. Marcelo

    Obrigado pela resposta professor, a parte da obrigatoriedade na realização ficou clara pra mim, o que gostaria de saber também é se no caso de atingir uma nota menor neste segundo exame eu posso optar pela nota maior? Ou os pontos que eu tiro no segundo exame é que me serão atribuidos?


  835. em 9 agosto 2010 às 20:24 professortemporario

    Prof. Marcelo

    Para a categoria F, considera-se a nota maior obtida pelo professor. Para as demais, existe a exigência de se fazer um novo exame a cada ano, com a obrigatoriedade de se atingir pelo menos os 40 pontos, que correspondem a 50% da prova. Assim, para as demais categorias, a aprovação no processo em um determinado ano letivo não significa que o professor esteja garantido.


  836. O professor mediador de conflitos pode tirar licença gestante? Ele recebe por estas aulas de licença?


  837. em 13 agosto 2010 às 23:29 professortemporario

    Marta

    De acordo com o Estatuto dos Funcionários Públicos, lei 10261/68

    Artigo 198 – À funcionária gestante será concedida, mediante inspeção médica, licença de 180 (cento e oitenta) dias com vencimento ou remuneração, observado o seguinte: (NR)

    I – salvo prescrição médica em contrário, a licença poderá ser concedida a partir do oitavo mês de gestação; (NR)

    II – ocorrido o parto, sem que tenha sido requerida a licença, será esta concedida mediante a apresentação da certidão de nascimento e vigorará a partir da data do evento, podendo retroagir até 15 (quinze) dias; (NR)

    III – durante a licença, cometerá falta grave a servidora que exercer qualquer atividade remunerada ou mantiver a criança em creche ou organização similar;(NR)

    Parágrafo único – No caso de natimorto, será concedida a licença para tratamento de saúde, a critério médico, na forma prevista no artigo 193.” (NR)

    Assim, direito a licença você teria, mas o valor do vencimento, como se trata da mediação de conflitos, possivelmente seja relacionado a uma carga horária estipulada (mínima)


  838. Professor temporário , pelo o que consta na LC 1093 o Professor categoria F não pode ser desligado de sua categoria mesmo não passando na prova anual, pois o mesmo tem direito as 12 horas de permanência e não pode ser dispensado, alguém concorda com a minha afirmação?


  839. em 14 agosto 2010 às 17:20 professortemporario

    Fabiola

    Correto. O professor F não pode ser dispensado por não ter sido aprovado no processo seletivo. Mas, existem outras formas de prejudicá-lo se governo desejar. O professor F, para se manter estável, tem que manter seu contrato pela lei 500/74 e por esse contrato é obrigado a cumprir expediente de duas horas por dia na sua escola sede, em todos os dias da semana, em horários determinados pela direção, para receber por 12 horas. Como quem define o horário é a direção, a vida desse professor pode ficar complicada, numa situação em que gastaria mais para cumprir esses horários do que receberia pelo cumprimento deles. Ainda, o professor nessa situação é obrigado a fazer qualquer curso de capacitação determinado pela Estado, mesmo que isso torne a situação econômica ainda mais inviável. Por fim, o professor F reprovado terá que fazer a prova, todos os anos, até conseguir a aprovação.

    Para os aprovados, existe a obrigatoriedade de se assumir qualquer saldo de aulas referente a sua área na escola sede, independentemente de choque de horário com outra rede, até que complete uma carga de 20 aulas semanais.

    O professor F que se recursar a cumprir essas determinações é desligado da lei 500/74 e perde sua condição estável


  840. SOU CATEGORIA F E HJ EU OUVI NA MINHA ESCOLA QUE O “F” PERDERÁ A ESTABILIDADE EM DEZ 2011, DAÍ O PROFESSOR CATEGORIA “F” SE TORNARÁ CATEGORIA “L”. FIQUEI ARRASADA, POIS PELO QUE SABIA, OS PROFESSORES CATEGORIA F, SEMPRE TERIAM AULA, MESMO QUE NÃO TIVESSEM AULAS GANHARIA POR 12 AULAS ATÉ SE APOSENTAREM. GOSTARIA DE CONFIRMAR ESTA INFORMAÇÃO. OBRIGADA.


  841. Boa tarde a todos

    Gostaria de saber se quem está designado como PCP e não passou no Processo Seletivo de 2009, mas foi aprovado na Avaliação por Mérito terá que fazer o Processo Seletivo de 2010.


  842. em 17 setembro 2010 às 17:04 professortemporario

    Dressa

    De acordo com o que está escrito nas resoluções e na lei 1093/09 o professor F é considerado estável, numa situação trabalhista entre o temporário e o efetivo e manterá essa estabilidade desde que cumpra as determinações do Estado. Oficialmente, não existe uma data definida para que essa estabilidade seja retirada (isso não seria permitido por lei), mas como estáveis e funcionários do Estado, esses professores F podem sofrer exigências que na prática tornam a situação insustentável. (Exigência de cumprimento de cursos de formação, de se assumir qualquer saldo de aula que apareça)


  843. em 17 setembro 2010 às 17:54 cintiamatukaj

    ana lucia se for cat F não precisará fazer a prova novamente.


  844. Leonice
    Sou categoria F tanto como PEI e PEBII e utilizei a contagem de tempo de serviço para completar os 40 pontos precisarei fazer novamente a prova este ano?


  845. Professor temporário me esclareça uma coisa. A categoria O já está clara que não tem muitos direitos, como podemos ler mais acima. Contudo, sempre recebi uma parte do meu 13º no mês do meu aniversário. Coisa que este ano pelo fato de ter mudado de categoria—coisas que ainda estão obscuras–não recebi nada. Tenho aulas livres e sou categoria O contratado. Será que vamos receber tudo no final do ano ou vamos mais uma vez ter que engolir sapos.


  846. em 23 setembro 2010 às 20:46 professortemporario

    Edison

    Não foram só as leis que mudaram. A estrutura administrativa do DRHU também está se adaptando e nessas mudanças é bem provável que os professores contratados pela lei 1093 recebam seus direitos trabalhistas em parcela única ao fim do contrato. Isso seria administrativamente mais prático para o Estado. No entanto, isso é apenas uma suposição fundamentada em lógica, pois o DRHU sempre foi um mistério…


  847. Obrigado professor temporário, por ser um mistério gostaria também de informar o terrorismo que estão fazendo aqui em Sampa onde dou aulas:

    -esta semana o futuro professor que passou no concurso PEB II e que já está fazendo o chamado curso de formação veio até a escola na qual dou aulas e me disse que iria me acompanhar as aulas. Isto porque faz parte do curso e ainda acrescentou que já escolheu as aulas e que no próximo ano eu tenho que sair e ele que vai ficar no meu lugar. Muito desagradável apresentar aos alunos este futuro professor, senti que perdi a autoridade e, mais comprometeu meu trabalho.

    -também estão jogando lenha dizendo para as categorias L, O e outras que estes que passarem vão assumir ainda este ano e quem estava mesmo com aulas livres vão ficar a ver navios, ou seja, quebra de contrato e quem quiserem ter seus direitos garantidos procure o sindicato….quanto mistérios…???


  848. em 24 setembro 2010 às 17:25 professortemporario

    Edison

    As aulas livres podem ser tomadas de um professor temporário a qualquer tempo, desde que seja para composição de jornada básica de um efetivo, ou mesmo para composição de jornada de um estável (OFA F). Isso acontecia no passado, antes da lei 1093, mas era menos comum porque o cargo básico era de 20 aulas. Agora, com o cargo de 10 aulas a situação tornou-se mais comum. Nesse caso, o contrato é encerrado pelo Estado e os direitos trabalhistas do contratado são pagos na proporcionalidade do cumprimento do contrato.


  849. Olá professor, sou categoria O e estou com aulas livre desde 17 de fevereiro e ficarei até o ultimo dia letivo, então gostaria de saber o que receberei após o término do contrato? E se por acaso a escola que estou trabalhando receber bonus em 2011 referente a esse ano eu terei algum direito? Obrigado


  850. Olá professor dono do site, obrigada por me responder e me indicar este artigo para que eu pudesse ler em relação a minha pergunta sobre as incrições para professor temporario. É o seguinte eu não sou do estado de São Paulo, então li e reli e é muita informação não sei o que é esse negócio de professor temporário categoria F, O, L sou do Estado do Paraná estava recém formada porisso me inscrevi neste concurso pra pegar 40 h/aula de química porque vou de mala e cuiá no final de ano para São Carlos. Só sei o seguinte sempre dei aulas no pss de estado do paraná fiquei com 34 pontos na prova. No site sou indicada como desclassificada e pelo que entendi lendo estre trecho do artigo: Se não forem aprovados, SERIAM ELIMINADOS DO PROCESSO SELETIVO E NÃO PODERIAM LECIONAR NA REDE ESTADUAL EM 2010. No entanto, pelo fato de que em algumas disciplinas a quantidade de professores aprovados foi insuficiente para atender às necessidades, o governo editou uma nova regra, que estabelece que os professores aprovados serão classificados em uma primeira lista, dividida em duas categorias: professores F aprovados; demais professores e candidatos. OS PROFESSORES E CANDIDATOS REPROVADOS FICARIAM EM UMA LISTA DE ESPERA, CLASSIFICADOS EXCLUSIVAMENTE PELA PONTUAÇÃO OBTIDA NA PROVA.
    Eu fiquei na verdade em uma segunda lista?


  851. em 28 setembro 2010 às 18:33 professortemporario

    Luciene

    Na rede paulista são aproximadamente 40% de professores que trabalham como temporários, num total aproximado de 80 mil. Ocorre que por mudanças na lei, parte dos professores, aqueles que estavam em exercício em junho de 2007, foram considerados estáveis, com direito a assumir uma carga horária básica, que foi reduzida de 20 para 10 aulas.

    Depois disso, com a regra do processo seletivo, ficou definido que todos que não fossem aprovados seriam eliminados, mas ao se computar os números, a secretaria percebeu que ia faltar professor e então resolveu aceitar professores reprovados, como numa lista de espera, classificados em duas situações distintas: professores estáveis reprovados e demais temporários.

    Então, na prática, as possibilidades de um professor temporário reprovado no processo seletivo são praticamente nulas.


  852. oi, sou professora categoria L e estou com sala livre, gostaria de saber se no final do ano eu perco a sala ou continuo recebendo normalmente ate a proxima atribuição do ano que vem no caso 2011. muito obrigado, parabens pelo site.


  853. BOA NOITE!
    sou da categoria F não passei na prova de 2009, acertei 25 perguntas, mas tenho o tempo de serviço atuando como PEBI A MAIS de nove anos como eventual, com o total de pontos de 13.00.Caso eu não passe na prova perco as minhas 12 horas de permanecia ?
    muito obrigada!!!!


  854. Como faço p/ saber minha categoria???Trabalhei por contrato cinco meses, caso não lecione até o final do ano retorno p/ o inicio ou fico com a mesma categoria? Desde já obrigada.


  855. Tenho licenciatura plena em Educação Artistica e Habilitação no Magistério, me inscrevi na delegacia de ensino esse ano para dar aula, mas não peguei nenhuma devido a problemas de saude, ou seja não tenho pontuação nenhuma, minha duvida é qual categoria que pertenço, a minha inscrição será feita na escola ou na D.E e se terei que fazer a prova? Aguardo resposta.Desde já grata!!


  856. Sou plena em Geografia. Me formei em 2009 e nunca lecionei. Passei no concurso, no entanto, ainda não fui chamada. Vou fazer a prova dos temporarios em 2010. Como fazer para não cair nessa categoria O, que deixa os professores afastados por 200 dias no ano seguinte? Não posso pegar aulas por tempo determinado ? Será que tenho que ficar como eventual e aí não ter um salário fixo ? Aguardo uma resposta, por favor !


  857. em 6 outubro 2010 às 17:37 professortemporario

    RESPONDENDO A TODOS

    A maioria das dúvidas sobre a inscrição no processo seletivo de temporários 2011 foi abordada no artigo específico.


  858. em 6 outubro 2010 às 17:41 professortemporario

    Leila

    A categoria O é referente a lei 1093/09 e TODOS que entraram na rede depois de 2009 como temporários caem nessa lei. Não há escapatória.


  859. Está difícil de entender em qual legislação diz que se você pedir dispensa por conta própria é automaticamente rebaixado para outra categoria. Já li tudo e ainda não consigo entender. Pedi dispensa em agosto de 2009, estava com aulas livres. Fiz a prova na categoria L passei e me atribuiriam aulas na categoria L. Peguei as aulas e na escola onde fui lecionar me disseram que sou categoria O. Assinei o contrato e estou informado que dia 20 de dezembro encerra e aí somos dispensados e rebaixados para a categoria E. Dou aulas desde de 2005 e sempre tive janelas neste tempo. Também me informaram que a pontuação mudou agora vão fazer a contagem por dias trabalhados….qual a diferença?
    E essa categoria E já tiveram aulas atribuídas ou não?Podemos participar da atribuição nesta categoria?


  860. em 7 outubro 2010 às 17:58 professortemporario

    Edison

    A situação é a seguinte: o professor OFA sempre foi contratado pelo Estado com base na lei 500/74, que garantia direitos semelhantes aos dos efetivos e até a possibilidade de aposentadoria como OFA. Ocorre que em 2007 o Estado mudou a regra previdenciária e passou todos os temporários para o INSS. Por causa disso, todos os professores OFA que já estavam na rede ficaram com uma certa estabilidade, que ainda não tinha sido regulamentada, por terem contribuído para aposentadoria pelo sistema do Estado. Em 2009 veio a regulamentação, com a lei 1093/09. Então, quem era professor OFA antes de junho de 2007 e nunca pediu dispensa das aulas, acabou ficando com essa estabilidade, na categoria F. Até quem perdeu o vínculo em fevereiro de 2008 e 2009 por não conseguir aulas na atribuição ficou estável, com interrupção de exercício. Esses, foram convocados a assumir as 12 aulas a partir de outubro de 2009. Os que pediram dispensa das aulas entre 207 e 2009 foram dispensados da lei 500/74 e perderam a estabilidade, decaindo para categoria L. Quem entrou depois de 2009 já foi contratado diretamente pela lei 1093


  861. Boa tarde

    Gostaria de saber se o professor que utilizou a contagem de pontos na prova para ser aprovado ,precisa fazer novamente

    Obrigada


  862. em 10 outubro 2010 às 15:58 Professora Cláudia Sociologia

    Boa tarde, sou professora contratada, Categoria O, e tenho ainda várias dúvidas: nós vamos concorrer à atribuição de aulas em 2011? Vamos poder nos inscrever para a prova normalmente? Ou ainda teremos que esperar os 200 dias de prazo entre o término de um contrato e o início do outro? Aqui em minha cidade cada escola diz uma coisa, preciso de orientação. Um grande abraço.


  863. Boa tarde, sou professora categoria “L”, iniciei no Estado em fevereiro de 2009, no meu demonstrativo de pagamento consta “categoria : Adm. Lei 500/74 – Event. – R.G.P.S.”
    Desde então, leciono em classes de PebI como eventual. Das poucas atribuições que participei não consegui atribuição de nenhuma, sempre tinha alguém com mais pontuação.
    Agora que precisei me inscrever para atribuição de 2011, a secretária da escola em que leciono me informou que por não ter atribuído nenhuma classe, minha categoria passa se categoria “O”. Bom, desde que iniciei nesse universo da educação Estadual tento me informar, porém sem sucesso. Já procurei até a comissão de atribuição da respectiva diretoria da minha região, e nada!!!
    Li a Caixa Preta, mas será que poderia me passar um esclarecimento desse meu caso?

    Muito obrigada,

    Um abraço.


  864. em 15 outubro 2010 às 18:49 professortemporario

    Sueli

    Os professores que entraram na rede entre julho de 2007 e junho de 2009 foram admitidos pela lei 500/74. Porém, com a lei 1093/09 ficou definido que os professores admitidos nesse período não tinham a estabilidade e ficaram enquadrados na categoria L, mantendo os direitos de OFA contratado pela lei 500/74 até 2012, DESDE QUE MANTIVESSEM VÍNCULO. Assim, pela legislação atual, o professor L que perdeu o vínculo perde também a condição de L e é enquadrado numa das categorias da lei 1093/09 (O, I, S…)


  865. Olá Minha pergunta não foi respondida! a resolução 91 irá valer para este ano? o professor q contou c o tempo de serviço para alcançar a nota da prova será obrigado a faze-la novamente?

    Agradecida


  866. em 17 outubro 2010 às 15:27 professortemporario

    Patrícia

    O texto da portaria DRHU 56/2010 não revoga a Resolução SE 91/2009. Assim, pela nossa interpretação, o professor F que foi aprovado em 2009, seja com nota superior a 50% de acertos na prova, seja por complemento de até 8 pontos de experiência, terá que fazer sua inscrição na unidade escolar e no momento dessa inscrição poderá optar entre não fazer a prova, usando o resultado de 2009, ou fazer novamente a prova, sabendo que se não conseguir uma boa nota o resultado de 2009 prevalecerá.


  867. Parabéns pelo blog!
    E muito obrigada pelos esclarecimentos.
    Paz e bem.


  868. Boa noite,
    Se eu assumir um cargo como efetiva em 2011, depois de quanto tempo poderei pedir remoção para outra diretoria.
    Obrigada.


  869. Obrigada pela resposta!!


  870. Olá meus caros !
    Saiu hoje no Estadão : http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20101019/not_imp626636,0.php – Até o próprio governador mostrou-se indignado (será?) com o número de exames clínicos que os cursistas candidatos à efetivação em 2011 deverão fazer. De acordo com documento oficial, devem ser realizados “com a maior brevidade possível, ainda no mês de outubro” (impossível, dada a qualidade de nosso sistema de saúde, quer público o u privado). Nas palavras do Sr. Goldman, “e se a pessoa não passar (na prova posterior ao curso), vai pagar exame inútil?”

    Pois é… concordo. (isso está ficando cada vez mais surreal).


  871. Olá, boa noite.
    Sou professora da rede estadual desde 2006, e com as mudanças fui considerada como categoria”f”. Não passei na prova para 2010, e o que ocorre se eu não passar este ano navamente? há alguma possibilidade de perder a estabilidade? ouvi um comentário de que precisamos passar na prova, pois se formos reprovados 3 vezes, predemos a estabilidade. isso é verdade?
    obrigada.


  872. Boa noite,

    Gostaria de saber como fazer para obter a bonificação por mérito? Fiz a prova esse ano e fui aprovada com média 7,0 (sete). Sou PEBII cat F. Em agosto de 2011 completarei 3 anos numa única U.E., e sou designada como Prof. Coordenadora desde abril de 2003.
    Em 2011 eu conseguirei ganhar essa bonificação automaticamente ou terei que entrar com alguma pedido ou ação?

    O que devo fazer e como devo proceder?

    Grata


  873. PROFESSOR CATEGORIA “O ” TEM DIREITO???
    1) TEM DIREITO A 13º SALÁRIO?
    2 TEM DIREITO A FÉRIAS?
    3) TEM DIREITO AO BÔNUS?

    SOU CATEGORIA “O”, ESTOU LECIONANDO ESTE ANO, QUERIA SABER SE TEREI DIREITO A ESTES BENEFÍCIOS?


  874. em 31 outubro 2010 às 00:45 professortemporario

    RESPONDENDO A TODOS (ou melhor: para alguns)

    Existe uma parábola, de autor desconhecido que se aplica bem a diversos comentários neste blog.

    “Então Jesus, sensibilizado com sofrimento das pessoas, resolveu descer à Terra por um dia. Não para pregar, mas para curar. Apresentou-se então como médico e entrou em um Hospital público. Lá, procurou o plantonista e disse a ele que estava ali para substituí-lo, para que ele pudesse descansar um pouco, depois de mais de 24 horas acordado. Conta-se que assim que o plantonista foi descansar, Jesus foi até a porta da sala e olhou para a fila de pacientes a espera de atendimento. De cara, chamou o primeiro, um senhor de cadeira de rodas, que estava nessa situação por ter sofrido um acidente. O paciente veio, sozinho, empurrando as rodas da cadeira e ao entrar na sala, Jesus ordenou:

    – Levanta-te e anda!

    O paciente olhou para os lados, olhou para Jesus e se levantou, sem dizer nada.
    Do lado de fora, uma paciente mais idosa perguntou ao que saía, sobre como era o atendimento daquele novo médico.
    A resposta seca do paciente, que acabara de se levantar da cadeira de rodas foi:

    – Igual aos demais. A gente mal entra na sala para ser atendido e Ele já nos manda embora, sem ao menos fazer um exame!”

    Considerando que este espaço é destinado a professores, que pela essência da profissão devem ter um espírito investigativo e crítico, não nos cansamos de nos impressionar com o comodismo e até o descaso de alguns comentários feitos, por supostos professores. Esse tipo de atitude é o principal argumento que justifica, perante à sociedade, as iniciativas do Estado em “avaliar”, “filtrar” e até “excluir” professores.

    O blog existe desde 2007 e a maioria das perguntas formuladas já foi respondida (em alguns casos, mais de uma vez para a mesma pessoa…). Em alguns casos, lançamos as palavras-chave das perguntas mais frequentes no google e a resposta foi simplesmente o artigo específico para a pergunta, presente neste blog.

    Então, fica a reflexão: Se um professor não tem o hábito de pesquisar informações de seu interesse, como ele poderá preparar o seu aluno para uma sociedade em que essa capacidade é essencial?

    Por mais que façamos e nos esforçamos para fazer, alguns professores não percebem o que foi feito, assim como o paciente da parábola.


  875. Concordo com o discurso do ‘professor temporário’, entretanto, há pessoas(professores) que pesquisam e contemplam praticamente tudo o que foi escrito. Eu consultei a Lei referente à categoria ‘O’, não sendo a mesma explícita, quanto aos questionamentos, do colega Roberto. Por exemplo, a lei nos garante o 13ºsalário e férias, mas de repente o colega chegou no mês natalício e não recebeu o adiantamento a que faz juz ‘todas’ as categorias. Eu só consegui receber meus direitos(desde o primeiro pagamento), através de e-mails enviados para várias ouvidorias e por questionar muito. Inclusive, colega Roberto, se vc já fez aniversário e não recebeu a antecipação natalícia, procure então a secretaria de sua sede e preencha a folha 2, em que solicitará tal benefício, pois a lei não está explícita, quanto a isto. No que diz respeito às férias, também consta como direito(proporcionais), mas se não vamos poder trabalhar no ano que vem, por 200 dias, será que receberemos as férias na quitação do contrato? Aliás, gostaria de perguntar ao professor temporário qual é a lei que torna o gancho de 200dias legal? Já pesquisei muito e a única lei em que fala-se de 200 dias de ‘gancho’ é a do estagiário, que pode usar deste artifício. Isto confere. Ainda não li neste blog, nada a respeito disto. Acho que há uma parábola ainda mais pertinente, do Padre Vieira, no Sermão da Sexagésima, quanto ao ato de pregar não se tornar efetivo. Talvez, quando sabemos ‘tanto’, desmerecemos os que não têm orientação. Para finalizar, eu era categoria L, acabei caindo para ‘O’, simplesmente por um período em que não atribuí aulas e estou na mesma situação. Entendo todos os ‘repetidos’ questionamentos, pois só ouvimos falar em soluções para a categoria ‘F’, ‘L’ etc….


  876. em 31 outubro 2010 às 17:13 professortemporario

    Aparecida

    Conforme já dissemos, todas as categorias de professores do Estado de São Paulo, com exceção da F (estáveis) e da L (que mantém direitos da lei 500/74 até 2012) estão submetidas ao contrato regulado pela lei complementar 1.093 de de 16 de julho de 2009. Por essa lei:

    Artigo 6º – E vedada, sob pena de nulidade, a contratação da mesma pessoa, com fundamento nesta lei complementar, ainda que para atividades diferentes, antes de decorridos 200 (duzentos) dias do término do contrato.

    Aliás, o texto dessa lei, que está disponível no blog: http://professortemporario.wordpress.com/2009/08/28/lei-complementar-n%C2%BA-1-093-de-16-de-julho-de-2009-texto-integral/ é bem específico e detalhado quanto aos direitos de férias, 13º e licenças dos professores contratados.

    Logicamente, e isso não tem nada haver com a lei, a eficiência do Estado não é das melhores. Do mesmo jeito que ocorre com professores que assumem contrato em setembro, que chegam a ficar até dois meses sem salário, em muitos casos o Estado não paga os direitos trabalhistas previstos na lei de sua iniciativa simplesmente porque a máquina está emperrada, com quase 20 anos de ferrugem acumulada.

    De qualquer forma, se uma pequena parcela dos usuários apenas refletir sobre a parábola que fizemos, talvez muitas das perguntas repetitivas não sejam mais feitas e o tempo para que pesquisemos as questões mais complicadas seja menos escasso.


  877. “Artigo 12 – Fica assegurado ao contratado nos termos desta lei complementar:

    I – o décimo terceiro salário, na proporção de 1/12 (um doze avos) por mês trabalhado ou fração superior a 15 (quinze) dias;

    II – o pagamento das férias, decorridos 12 (doze) meses de efetivo exercício da função.”

    PROFESSOR , ACHO QUE ESTES ARTIGOS NÃO SÃO EXPLÍCITOS PARA TODOS, PRINCIPALMENTE PARA OS QUE ESTÃO COMEÇANDO NO ESTADO AGORA, QUANTO AO DÉCIMO TERCEIRO NATALÍCIO, MUITOS PROFESSORES AINDA NÃO RECEBERAM, POIS O PESSOAL DA SECRETARIA DA EDUCAÇÃO ‘ESQUECE’ DE QUE A CATEGORIA ‘O’ TAMBÉM TEM ESTE DIREITO, FAZENDO-OS ESPERAR ATÉ O FIM DO ANO. QUANTO AO PAGAMENTO DAS FÉRIAS ELE FALA DE EFETIVO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO, ‘DECORRIDOS’ 12 MESES, SENDO QUE MEU CONTRATO POR EXEMPLO É DATADO DE 18/02/2010 ATÉ 23/12/2010, PORTANTO SÃO 10 MESES, ENTÃO NA REDAÇÃO DESTE INCISO DEVERIA CONSTAR O TERMO ‘PROPORCIONAIS’. QUAL A GARANTIA QUE TEMOS QUANTO À EXECUÇÃO DESTE ARTIGO NO FINAL DO CONTRATO? OLHEI INCLUSIVE, NO MODELO DE CONTRATO RESCISÓRIO DE TEMPORÁRIO NO CAMPO ‘FÉRIAS’, NÃO HÁ NADA GRIFADO PARA SER PREENCHIDO(É SÓ ENTRAR NO SITE DE ALGUMA D.E. E VERIFICAR ESTE MODELO DE CONTRATO). TAMBÉM LI QUANTO AO ARTIGO SOBRE OS 200 DIAS, MAS NÃO ENCONTRO NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL NADA QUE O JUSTIFIQUE. COMO JÁ DISSE EM ALGUM COMENTÁRIO ANTERIOR, ESTAS BIBLIOGRAFIAS, PARA O GOVERNO, FORAM ‘UM TIRO NO PÉ’, POIS ESTUDEI TODAS E VEJO COMO SOMOS PREJUDICADOS E APRENDI COM ELAS QUE NÃO SOMOS PROLETARIADOS, NÃO SOMOS CATEGORIAS, SOMOS SERES HUMANOS EM PRIMEIRO LUGAR, FORMANDO SERES PARA O FUTURO. NÃO ADIANTA USAR ‘PARÁBOLAS’, ADIANTA SIM DIRECIONAR QUEM PRECISA.


  878. Concordo, professor temporário com suas colocações. Por mais que o Sr. direcione e auxilie alguns colegas, infelizmente falta o hábito da leitura à muitos de nós. E como mostra a parábola, as pessoas só vêem o que você deixou de fazer e nunca o que você já fez.


  879. em 31 outubro 2010 às 20:38 professortemporario

    Aparecida

    Estamos lidando com professores, que pela essência da profissão DEVEM ter a capacidade de ler e interpretar textos. O texto da lei 1093/09, conforme já dissemos, se aplica a TODOS OS PROFESSORES QUE ENTRARAM NA REDE COMO TEMPORÁRIOS DEPOIS DE 2009 E AOS QUE AINDA VÃO ENTRAR (pelo menos até que essa lei seja modificada por outra).

    Assim, se o artigo 12 determina que fica assegurado aos professores contratados por essa lei (todos depois de 2009) o direito a férias e ao 13º proporcional, se a secretaria “esquece” isso é crime contra a administração pública, enquadrado nos artigos do Código Penal:

    319 – Prevaricação – se cometido intencionalmente;
    313 – Peculato mediante erro de outrem – se se cometido por descuido do funcionário que é responsável pela digitação da folha;
    320 – Condescendência criminosa – caso a direção, supervisão e a própria Secretaria tenha conhecimento dessas irregularidades e não tome as atitudes legais cabíveis.

    Como já dissemos na página inicial do blog, quando nos deparamos com irregularidades na rede em que lecionamos, tomamos as medidas cabíveis, com denúncias ao Ministério Público do Estado, Procuradoria Geral da República e Ingresso com Ação Judicial.

    Quanto às parábolas… Sem rodeios: Não somos um serviço estilo disk-pizza que existe em função de entregar o que as pessoas pedem. Se fôssemos, isso não seria gratuito e pelo que você observou neste blog, NÃO EXISTE AQUI NENHUMA REFERÊNCIA A COBRANÇA POR QUALQUER TIPO DE SERVIÇO PRESTADO.

    Assim, todos que auxiliam neste espaço o fazem apenas com o objetivo de auxiliar outros professores, mas isso não quer dizer que tenhamos que atender aos caprichos de PROFESSORES QUE NÃO SÃO CAPAZES DE COMPREENDER AS INFORMAÇÕES ESCRITAS NUM TEXTO.


  880. PROFESSOR, CONCORDO COM A GRATUIDADE DO BLOG, O QUE VOCÊ NÃO ENTENDEU, QUANTO AOS MEUS COMENTÁRIOS É QUE, EU LEIO, BUSCO LEIS, INCLUSIVE AS CITADAS ACIMA, ENTRETANTO, QUEM ARRISCARIA INDICIAR ‘SEU’ PATRÃO, SENDO QUE DEPENDE DELE PARA ASSUMIR UM CARGO? POR EXEMPLO EU, PASSEI NO CONCURSO PARA PEB II, MAS HÁ O PROBATÓRIO(NÃO ARRISCARIA). VOCÊ HÁ DE CONCORDAR QUE OS ARTIGOS QUE CITEI, NÃO SÃO ‘CLAROS’ PARA MUITOS E ACHO QUE A GRANDE MAIORIA DE ‘PROFESSORES CAPRICHOSOS’ QUE ESCREVEM PARA SEU BLOG, NÃO ENTENDEM REALMENTE E NÃO SABEM QUE PODEM PROCURAR SEUS DIREITOS. EU MESMA JÁ RECEBI E-MAILS DE PESSOAS DESTE BLOG, PERGUNTANDO-ME COMO FIZ PARA RECEBER MEU SALÁRIO. ACHO QUE NÃO DEVEMOS MESMO, BLOGAR COMO DISQUE PIZZA, MAS NÃO CUSTA PARA QUEM JÁ SABE , INFORMAR AOS COLEGA SOBRE DÚVIDAS E VOLTO A FALAR NO ARTIGO CITADO QUANTO ÀS FÉRIAS NA REDAÇÃO DO MESMO FALA-SE 12 MESES, MAS COMO, SE OS CONTRATOS TOTALIZAM 10 MESES, NÃO HÁ O USO DA PALAVRA ‘PROPORCIONAL’. CONCORDO QUE PARA MUITOS, FALTA REALMENTE O HÁBITO DE LEITURA PARA MUITOS PROFESSORES, ISTO AJUDA, NÃO SÓ NA INTERPRETAÇÃO MAS NA APREENSÃO DE CONTEÚDOS, INDO ATÉ PARA A PARTE GRAMATICAL, COMO POR EXEMPLO USO DE CRASE ETC. MAS O QUE VALE É ISTO A TROCA DE INFORMAÇÕES. FAÇO A MINHA PARTE, EXPLICO, ORIENTO O MÁXIMO QUE POSSO. NÃO ENCARE ISTO COMO CRÍTICA AO SEU BLOG, MAS ENTENDA QUE OS SERES HUMANOS, SÃO DIFERENTES, TANTO QUE CADA UM TEM HABILIDADES QUE ÀS VEZES FALTAM AOS OUTROS.


  881. em 1 novembro 2010 às 12:00 professortemporario

    Aparecida

    Respeitamos muito sua opinião de desde já fazemos o convite para que participe da moderação do blog.

    Quanto ao texto da lei, embora realmente falte o termo proporcionais para as férias, a Constituição Federal de 1988 assegura o direito a férias remuneradas na proporção de 1/3 do vencimento, no caso de permanência no serviço, e a indenização integral, na proporção de 1/12 do vencimento para cada mês (sendo que os períodos de trabalho superiores a 15 dias são considerados como mês para efeito de cálculo)

    Quanto ao não pagamento dos direitos previstos na lei, a situação é complicada. Em São José dos Campos já fazia quase dez anos que a prefeitura municipal abusava da contratação de professores temporários, que eram selecionado pela classificação no último concurso efetivo (mais e 30% estavam nessa situação). Muitos consideravam a situação normal (que era começar a fazer poupança a partir de julho e receber um último vencimento no dia 15 de dezembro, na proporção de apenas 1/3, e ficar até março sem nenhum tipo de salário, para depois reassumir um contrato, muitas vezes na mesma escola). Depois que denunciamos e enfrentamos a prefeitura, a situação foi praticamente resolvida, com a efetivação em massa de outros professores.

    O estágio probatório, especialmente no Estado, não é uma prisão. Em prefeituras pequenas essa situação é muito mai perigosa. Mas, não há muito o que fazer. Ou se reclama pelo direito não pago (e nesse sentido o professor O não tem muito a perder pois sua situação já é precária), ou espera-se que alguém da administração se sensibilize com isso e tenha a boa vontade de resolver.


  882. PROFESSOR, MUITO OBRIGADA PELA RESPOSTA E TENHO CERTEZA QUE AJUDARÁ A MUITOS PROFESSORES CATEGORIA ‘O’. NO QUE FOR PRECISO COLOCO-ME À DISPOSIÇÃO


  883. Olá !!! a todos por favor gostaria de obter uma informação referente a minha futura situação sou professor categoria F fiz uma concurso da prefeitura de inspetor de alunos do ensino infantil municipal passei tenho possibilidades de ser chamado no começo do ano gostaria de saber se também poderei lecionar aulas no período noturno no estado na prefeitura é regime clt isso será acumulo de cargo por favor alguém pode me explicar por que tenho procurado advogado mas tenho muita duvidas conta a isso aguardo resposta fiquem com Deus.


  884. desculpe acho que não fui bem claro em relação a minha duvida quero saber se posso continuar lecionando ou cumprindo as 12 aulas de permanencia a noite e trabalho durante o dia na prefeitura?


  885. em 7 novembro 2010 às 20:59 professortemporario

    Demi

    O acúmulo de cargo de inspetor de aluno ou qualquer outro de natureza administrativa com o de professor é considerado ilegal. Então, você teria que optar por um dos dois.


  886. Bom dia ,
    Gostaria de saber se o comentário abaixo procede:
    ” Guardar a nota da prova de promoção por mérito, significa que voce pode prestar a prova e a nota que voce tirar mesmo sendo dentro do limite mínimo necessário não te garantirá o mérito naquele ano, mas poderá ser usada quando o tempo mínimo for cumprido.

    Exemplo: Voce faz a prova em 2011 e tira 7, em 2012 voce tira 6 , em 2013 voce tira 6,5. Voce poderá usar a nota maior ( no caso a de 2011) na sua classificação. ”
    Está correto? Se resposta positiva, não preciso esperar os anos de estágio probatório para realizar a prova ? A minha melhor nota dos anos que prestei será considerada?
    Muito obrigada por sua disposição em ajudar.

    Flávia


  887. em 1 dezembro 2010 às 11:29 Fernanda Ferreira

    Olá! Meu nome é Fernanda e trabalho na Media Direct One. Gostamos muito do conteúdo do seu blog e queríamos firmar uma parceria. Pode por favor entrar em contato comigo pelo e-mail do campo do formulário? Beijos!


  888. Professor
    Entrei com ação judicial pela mudança da categoria L para F, e não saiu nada até agora, será que todos serão favoráveis à mudança?


  889. em 7 dezembro 2010 às 09:41 professortemporario

    Patrícia

    O poder Judiciário no Brasil é de longe o mais imprevisível… Mas, como já dissemos, a qualidade do advogado e da petição inicial do processo são fatores decisivos e cada caso é uma particularidade.


  890. Boa noite,

    Sou professora eventual categoria L ou I, pois me informaram que por não ter aula atribuída sou cat. I, fui admitida no início do ano de 2009, passei na prova do dia 05/12/10 de PEB I, Gostaria de saber como vai ficar. É verdade que mudaremos de categoria L para F.
    Aguardo resposta,
    Obrigado.


  891. em 8 dezembro 2010 às 01:39 Leandro Oliveira

    Bom dia.
    Acabo de fazer o processo seletivo para atribuição de aulas 2011 em Artes, 05/12/2010. Fiz 56 pontos e nunca dei aula no Estado, somente no município. Tenho licenciatura plena em Artes e gostaria de saber quais são minhas chances de pegar aulas? Em que categoria me encontro? Qual é o próximo passo agora? Sai uma listagem classificatória? Obrigado e aguardo respostas. Abraços a todos.


  892. Seguindo a informação…
    OS PROFESSORES OFA DA CATEGORIA “L”-
    Até o dezembro de 2011, os professores L mantém os direitos da lei 500 e poderão renovar seus contratos na próxima atribuição, desde que não percam o vínculo e passem nas provas dos processos seletivos. A partir de 2012…. [b]todos passam para a próxima categoria.[/b]

    Esse trecho “todos passaram a próxima categoria”, quer dizer que vai ser categoria F ou categoria O???


  893. em 10 dezembro 2010 às 23:27 professortemporario

    Marcos

    Passam para a categoria O. Categoria F é estável e, com exceção da via judicial, não se pode mudar para ela.


  894. Professor em que parte está escrito q o prof. categoria F tem obrigatoriedade de passar na prova até 2012 senão perde seus direitos….estão comentando isso na secretaria da escola e eu naum entendi assim…poderia me enviar esse texto por favor?


  895. Poderia me informar um site onde posso ver na íntegra a lei da categoria F????


  896. em 13 dezembro 2010 às 16:57 professortemporario

    Maria

    O obrigatoriedade de passar na prova para os professores F é boato


  897. Até quando os nossos governantes ficarão “jogando” com a educação?
    Cabe a nós, educadores, ter consciência do papel que AINDA exercemos na sociedade e adotar uma postura MAIS crítica com relação ao que está sendo imposto.


  898. ola,gostaria de saber se o tempo de serviço podera ser usado para aprovar os professores da categoria L ou isso vale somente para os categoria F?
    ano passado fiz 42 pontos entaum fui classificada como aprovada,esse ano acertei somente 33,podera somar meu tempo de serviço para atingie os 40 pontos,pois sou categoria L???
    por favor alguem sabe me informar sobre isso?obrigada aguardo resposta pois estou aflita cm muitos né?


  899. Oi! Patricia.. Estou na mesma situação sua , entrei com uma ação judicial dia 6 de dezembro de 2009 ( 1 ano ) e até agora nada, mais uma vez fui bem na prova , e tenho mais de 10 anos de Estado mas, pelo jornalzinho da APEOESP que acabei de receber já caimos no esquecimento o que importa agora são Efetivos e categoria F. Como eu sou PEB I a situação ainda é pior, este ano fiquei sem comer e sem me vestir.


  900. em 29 dezembro 2010 às 11:07 Débora Cássia

    Prezados:
    Fiquei afastada da área educacional desde 1992. Estou em dúvida em qual é a minha categoria, pois na época a minha classificação era outra .Trabalhei 1713 dias no Estado.
    Esse ano, precisamente em outubro, voltei a lecionar como temporária. Realizei a prova do dia 05/12/2010 e estou procurando entender como será a atribuição de aulas nesse caso.
    Sei que sou OFA, mas estou em dúvida se sou categoria “F” ou “O”.
    Agradeço algum esclarecimento a respeito
    Débora Cássia


  901. boa tarde, quero saber qual é a pontuação de 115 dias trabalhados


  902. Vou iniciar o 3 semestre de geografia , nao fiz a prova, e quero saber se posso eventuar. Li a cx preta, mas não tem essa informação… por favor, quem souber me responda.
    Obrigada


  903. Pertenço a categoria F,e penso que nós professore dessa categoria tem menos direito do que um professor substituto.pois somos obrigados a sairmos de nossa cidaes,equanto que os substitutos dão aulas o ano todo sem precisar sair.Isso é injusto!


  904. Débora Cassia

    Sua situação é exatamente igual a minha. Iniciei em 1989 e parei em 1992. Até outubro de 2009 estava classificada como categoria F. No final do ano depois da “canetada” do governador, fiquei como categoria L e nessa última classificação estou como categoria O.


  905. em 3 fevereiro 2011 às 11:01 Débora Cássia

    Professor temporário:Agradeço responder a mim e a Aparecida se cabe recurso nesse caso

    Att


  906. Professor, trabalhei como eventual no ano de 2010 inteiro, sou aluno do 3° ano de licenciatura em Geografia, no entando fiz 39 pontos no concurso. Vc sabe se vou poder lecionar como eventual neste ano de 2011, e a história da quarentena dos 200 dias parados, vc pode me informar?


  907. em 23 fevereiro 2011 às 10:19 Helena Soares Leite

    Oi,sou da categoria L com todas as ijustiças preparada do Serra,quero entrar com recurso ,alguem já ganhou essa causa?


  908. quem for contratado como eventual V nao podera participar de atribuições?


  909. em 23 fevereiro 2011 às 19:38 Aparecida Utrilha

    Encontrei esse site gostei muito das orientações, por isso vou tirar minhas dúvidas. Comecei no estado em 2004 com aulas atribuídas, nesses anos fui eventual e sempre tive algumas aulas atribuídas. Estive fora do estado por um ano (2008-2009), preciso saber qual é minha categoria? Se for diferente em qual categoria pertenço?
    Abraço


  910. Boa tarde. Meu nome é Laésse, sou professor categoria “f” e estava lecionando ante de junho de 2007. Ocorre que estava lecionando normalmente com jornada de 20 aulas e em setembro de 2009 fui informado que sou portador de um mieloma multiplo (cancer cevero) e desde o momento me encontro afastado sem interrupções. Como estava em tratamento médico, em 2009, não fiz a prova classificatória e por recurso encaminhado a diretoria de ensino, fui autorizado a obter atribuição, em 2010, de aulas após todos os cadidatos aprovados de todas categorias serem atribuidos, o que foi cançativo, mas garantiu meu rendimento.
    No final de 2010, novamente devido ao meu problema de saude, também não fiz a prova classificatória. Novamente tive que entrar com recurso e fui atribuido (20 aulas) no final de todas as categorias. Porém hoje fiquei sabendo que, devido a minha licença saúde, as aulas atribuidas foram invalidadas e que vou receber apenas o equivalente as 12 horas garantidas para a categoria.
    Como ja estava afastada, não é meu direito recebero equivalente ao que eu recebia no momento em que me afastei? Como tenho que proceder? Por favor me ajude…


  911. em 24 fevereiro 2011 às 21:59 professortemporario

    Laesse

    No nosso entendimento você deve procurar um advogado para estudar a possibilidade de readaptação, ou mesmo reforma (aposentadoria por incapacidade física). Nesse caso, o valor de seu vencimento seria calculado conforme as regras previdenciárias, que são complexas e dependem de detalhes da sua condição.


  912. em 10 março 2011 às 21:12 Rosangela Almeida

    Sou PEB I, categoria F, cumprindo horário de permanência numa escola. Quando surgir uma classe sou obrigada a pegar tb a recuperação paralela (Res. 92/2009) ou posso optar somente pela classe? O que diz a lei?


  913. Olá a todos professores que utilizam esse blog e que tbém postam suas opniões e desabafo atraves do msm!!! sou professor de matemática e já fazem aproximadamente dois anos que não trabalho com classes de reforço desde que o mesmo passou de projeto para aulas livres por favor alguém me poderia ajudar tenho reforço paralelo no periodo da tarde com 7º e 8º série de matemática estou com dificuldades para fazer a proposta de trabalho da recuperação de estudos 2011 e matematica principalmente o objetivo alguém pode me sugerir algum objetivo talvez vc que tbém esteja com reforço desde já agradeço um abraço.


  914. Olá, em 2007 abri uma portaria para aulas eventuais, mas a partir de 2008 não dei mais aulas, gostaria de saber se esta portaria (sede) fica aberta ou todo ano tem q abrir, pois passei em um concurso na area administrativa e me informaram q com essa portaria aberta pode dar acumulo, saberia me dizer?
    Obrigada


  915. em 24 junho 2011 às 14:48 Valdir Ap F dos Reis

    Valdir

    Olá, sou professor OFA DA CATEGORIA “F” (admitido pela lei 500/74 e considerados estáveis pela lei 1010/07) e, portanto, segundo a lei, tenho a estabilidade não podendo haver dispensa involuntaria.
    Fui aprovado no concurso publico de 2010 e passei pela escola de vaga. Como fica o meu caso? Posso manter o cargo efetivo e o contratado OFA F, uma vez que estou amparado pela Lei 1010?